Combate à homofobia: ODIA flagra reação de teresinenses ao ver casais gays

O 17 de maio, dia em que atualmente está instituído o Dia Internacional de Combate à Homofobia, tem um caráter de protesto e de denúncia

17/05/2014 09:19h - Atualizado em 17/05/2014 13:08h

Compartilhar no

A homossexualidade deixou de ser considerada uma doença há 24 anos, em 17 de maio de 1990, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que “a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão”. Contudo, o longo tempo em que os homossexuais foram tratados como doentes ou pervertidos, entre 1948 e 1990, deixou um legado de preconceito e homofobia que persiste e se materializa em propostas como a Cura Gay.

Apesar do reconhecimento da homossexualidade como mais uma manifestação da diversidade sexual, as lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) ainda sofrem, cotidianamente, as consequências da homofobia, que pode ser definida como o medo, a aversão, ou o ódio irracional, aos homossexuais: pessoas que têm atração afetiva e sexual por pessoas do mesmo sexo.

Fotos: Elias Fontenele e Alexander Galvão/ODIA

A homofobia se manifesta de diversas maneiras e em sua forma mais grave resulta em ações de violência verbal e física, podendo levar ao assassinato, cujos índices já colocaram o Piauí entre os estados com mais mortes por homofobia em todo o país. A homofobia também é responsável pelo preconceito e pela discriminação de pessoas LGBT, por exemplo, no local de trabalho, na escola, na igreja, na rua, no posto de saúde e na falta de políticas públicas que contemplem a população LGBT.

O 17 de maio, dia em que atualmente está instituído o Dia Internacional de Combate à Homofobia, além de lembrar que a homossexualidade não é uma doença, tem um caráter de protesto e de denúncia. O ODIA propôs a dois casais, de gays e de lésbicas, que se deixassem observar em locais públicos de Teresina, para que a reação da população fosse flagrada. Foram muitos os olhares surpresos e às vezes debochados registrados em poucos minutos. Os casais, ao fim, lembraram: “o olhar de preconceito está sobre nós a vida inteira”.

ODIA flagra reações 

Fim de tarde de uma quarta-feira com temperatura amena em Teresina. O lugar é o Parque Potycabana. Um rapaz e sua noiva sentam-se na grama verde do parque e, entre sorrisos e poses, são acompanhados por fotógrafos que registram os momentos dos jovens que se casarão em breve. Muitas pessoas passam pelo local e parecem sequer notar a presença dos dois. A alguns metros de distância, Sandra Sousa e Natália Sousa, 35 e 23 anos, respectivamente, que trocam beijos e abraços discretos, atraem olhares surpresos.

As reações às duas lésbicas, casadas desde abril do ano passado, partem de pessoas de várias idades; porém, os mais velhos deixam mais explícita sua reprovação diante das demonstrações de carinho entre as duas moças. Os que caminham sozinhos olham uma, duas, três, incontáveis vezes, talvez para terem certeza de que se trata de duas mulheres demonstrando em público o amor de uma pela outra. Aqueles que passam em grupo pelo local onde estão Sandra e Natália costumam fazer comentários uns com os outros que, tentando disfarçar, olham repetidamente para o casal. Algumas pessoas mudam seu percurso e se aproximam das duas, observando longamente a cena que, entre homens e mulheres heterossexuais, é rotineira.

Adiante, Márcio Lopes e Benerval Rocha, de 22 e 23 anos, respectivamente, conversam abraçados. As reações são ainda mais claras, em especial dos homens que caminham por perto. As feições demonstram certa curiosidade pela presença dos rapazes, que mantêm contato físico, embora discreto, em um espaço público. Muitos comentam com os amigos e alertam para a presença dos dois, para que observem as mãos dadas e o abraço entre as duas figuras masculinas.

A reação das pessoas foi observada pela equipe de ODIA por apenas alguns minutos, entre 17h20 e 18h, da última quarta-feira (14) e foram muitos os flagras registrados. Os casais, que integram o Grupo Matizes, atuante em defesa de pessoas LGBT no Piauí, foram ao parque a pedido da equipe de reportagem e se deixaram observar pelas pessoas, com o objetivo de mostrar o quanto o preconceito ainda é forte, embora velado, a despeito das campanhas e iniciativas em prol do respeito à diversidade sexual.

Para Sandra, embora sem reações agressivas ou ofensivas, os olhares revelam um estranhamento incômodo diante dos casais. Enquanto muitos consideram normais os olhares surpresos, já que muitos homossexuais se preservam por medo de agressões ou ofensas, os alvos se dizem incomodados, como se a troca de carinhos entre duas pessoas, que se amam, fosse algo errado.

“Os olhares para nós duas foram registrados hoje por apenas alguns minutos, mas nós sentimos isso na pele todos os dias, o dia inteiro”, diz Sandra.

Ela relata que evita trocar beijos e abraços com Natália em locais públicos por dois motivos: além do receio de alguma reação homofóbica violenta ou mais ofensiva, reconhece que a sociedade teresinense ainda não está preparada para a presença de gays ou lésbicas, claramente assumidos, em locais públicos.

“Embora eu saiba que isso não tem influência nenhuma sobre a formação de uma criança, sei também que muitos pais não querem que seus filhos presenciem, por exemplo, um beijo entre homossexuais. Então, eu evito, respeito, porque sei que tem gente que não quer ver. Mas eu gostaria de poder demonstrar em qualquer lugar o meu carinho pela pessoa que eu gosto, como faz qualquer casal hétero”, desabafa Sandra

Veja a reportagem completa na edição de hoje (17) do Jornal O DIA.

Compartilhar no
Por: Maria Romero

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário