Cientiscas encontram fóssil pré-histórico em Corrente

Indícios sugerem que trata-se de uma preguiça gigante da Era do Gelo

02/06/2013 10:36h - Atualizado em 02/06/2013 13:29h

Compartilhar no

Cientistas da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e da Universidade Federal do Pernambuco (UFPE) estiveram no município de Corrente, localizado a 815Km de Teresina, realizando estudos e coletando amostras de um fóssil pré-histórico encontrado na localidade de Riacho Grande, interior do município. As análises aconteceram durante a última semana.

Participaram dos estudos o zoólogo Paulo Auricchio, o paleontólogo.Juan Cisneros, a arqueóloga e mestranda em Palentelogia Mayana de Castro e a bióloga Cláudia Madella.

O professor Paulo Auricchio relatou que ficou sabendo da informação de que havia um fóssil em Corrente durante um congresso, onde ouviu o relato de uma aluna sua afirmando que havia um professor no município que andava pela cidade carregando um osso muito grande nas costas. 


Fotos: Portal Corrente

Pesquisadores que participaram da análise do fóssil encontrado em Corrente


“Ela, que era daqui, fez alguns telefonemas e logo identificou que se tratava do professor Marcelo. Entrei em contato e depois de 4 meses pude vir pessoalmente a Corrente e constatei que, de fato, o osso que o professor carregava se tratava de um úmero muito grande, já fragmentado”, contou o professor Auricchio.

Ao levar o fóssil a Teresina, o professor montou as partes fragmentadas e constatou que se tratava de um osso pertencente a uma preguiça gigante. 

O paleontólogo e especialista em Megafauna Juan Cisneros auxiliou o professor Paulo Auricchio nos estudos preliminares do fóssil e a partir de então montaram um projeto com o objetivo de virem pessoalmente a Corrente.

Juan afirmou que o que mais despertou seu interesse é o fato de não haver registros de que esse tipo de animal tivesse sido encontrado nessa região, havendo registros apenas na região de São Raimundo Nonato e cidades vizinhas. 



“Trata-se de um local novo destas descobertas sobre estes animais que viveram na Era do Gelo e sabe-se muito pouco a seu respeito”, esclareceu o professor. 

Entre a descoberta do fóssil e a vinda dos cientistas foram dois anos de planejamento. Os fósseis encontrados e coletados serão encaminhados ao laboratório de palenteologia da UFPI, onde passarão por diversos procedimentos.

“Primeiramente será feito um tratamento de limpeza e conservação desses ossos, que é um processo que leva vários meses, pois são extremamente frágeis e requerem muito cuidado. Posteriormente confirmaremos que espécie de animal se trata, embora tenhamos uma boa ideia que se trata de uma preguiça gigante, da família dos  Megatheriidæ, que são as maiores preguiças que já existiram”, afirmou Juan Cisneros. 



Preguiças gigantes podem ter até 2 milhões de anos

As preguiças gigantes já foram descobertas em várias localidades do Brasil e são animais que medem aproximadamente de 5 a 6 metros de comprimento e pesam de 5 a 6 toneladas, o mesmo peso do maior elefante que hoje existe; podiam ficar apoiados nas patas traseiras para poderem se alimentar das plantas mais altas, chegando à altura de uma casa de dois andares. 

Pertenceram ao período Pleistoceno, podendo ter a idade de 10 mil a dois milhões de anos, embora as maiores preguiças datem de 100 mil anos. Os fósseis encontrados em Corrente foram achados quando a argila começou a ser retirada para fabricação de telhas e tijolos. Ao encontrarem os ossos, a população não sabia do que se tratava, sendo que vários deles foram retirados. 

Os cientistas enfatizam a necessidade de que se propicie uma educação à comunidade no sentido de que, ao serem encontrados esses materiais, de forma alguma se mexa no local, pois mesmo que seja feito com muito cuidado, até a posição deles é de fundamental importância para os estudos. 

“Essa descoberta é muito importante para entendermos o passado do Piauí. A população precisa se conscientizar do cuidado que se deve ter com esses ossos e também com qualquer vestígio de presença humana", enfatizou o professor Paulo Auricchio, que ainda destacou que esses fósseis não possuem qualquer valor comercial. 

Quem encontrar qualquer fóssil ou vestígios de presença humana, como cacos de cerâmica e urnas funerárias, mesmo que danificadas, deve procurar a Universidade Federal do Piauí, no setor de Arqueologia ou de Biologia. Os cientistas retornam a Teresina nesta semana, sendo que sua volta para Corrente já está sendo programada para dar continuidade aos estudos.



Compartilhar no
Fonte: Portal Corrente

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário