• COMBATE AO MOSQUITO AEDES AEGYPTI 2019 - 2020
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Chuvas favorecem aparecimento de animais peçonhentos

Somente em 2019, o Batalhão da Polícia Ambiental resgatou 366 animais peçonhentos de 19 espécies diferentes.

09/01/2020 08:46h

Com a chegada do período chuvoso, o aparecimento de animais peçonhentos na zona urbana tende a ser mais frequente. Isto porque, com a expansão das cidades e o desmatamento, o habitat natural desses animais é destruído e eles saem em busca de abrigo, entrando assim em contato com os seres humanos. 

Somente em 2019, o Batalhão da Polícia Ambiental (BPA) resgatou 366 animais peçonhentos de 19 espécies diferentes. De acordo com o tenente coronel Teixeira, comandante do BPA, as zonas mais próximas de rios e lagos são mais favoráveis a aparição desses animais, assim como as zonas periféricas. Dentre os animais mais comuns de serem vistos em residências, pontos comerciais e áreas públicas estão as cobras, jacarés, iguanas e aranhas. 


Polícia Ambiental deve ser acionada para fazer o resgate e a destinação correta dos bichos. (Foto: Divulgação/PMPI)

“As cobras são as que mais aparecem, principalmente a jiboia. Mas todo animal tem o risco, ele pode agredir e ferir. Mesmo não sendo venenoso, ele pode causar leões graves”, pontua o tenente coronel Teixeira. “A cidade está crescendo e a área verde sendo desmatada para construção de novas casas e condomínios, então naturalmente na área verde tem animais que tendem a aparecer. A gente recomenda que se alguém avistar algum desses animais, que não tente afugentá -lo, nem o agrida, para que não sejam atacados”, alerta. 

Como proceder 

Ao avistar um animal peçonhento deve-se ligar para a Polícia Militar através do telefone 190. O Copom (Central de Operações Especiais Militares) irá registrar a ocorrência e acionar a viatura do Batalhão Ambiental, que se deslocará até o local para fazer o resgate. 

“O Batalhão Ambiental faz a captura necessária do animal e leva ele para um local mais distante e apropriado para ele permanecer, de acordo com cada animal. Se acontece de a pessoa ser picada, ela deve procurar imediatamente o Hospital de Doenças Infecto Contagiosas (HDIC Natan Portela) para tomar a vacina adequada para o tipo de animal que causou ferimento. Também deve-se lavar o ferimento com água e sabão até que sejam feitos os primeiros socorros”, enfatiza o tenente coronel Teixeira.

Por: Isabela Lopes

Deixe seu comentário