Chuva do Caju anuncia chegada do b-r-o-bró

As curiosas chuvas se formam com o início da temporada de calor e causam efeitos na planta que é um dos símbolos do Piauí

11/09/2013 15:26h

Compartilhar no

A chuva para o piauiense é um acontecimento especial. Tanto que a expressão para descrever um céu cheio de nuvens pesadas é justamente "bonito pra chover". E não importa quão negra, cintilada de raio ou ruidosa de trovoada esteja a atmosfera. Entretanto, quando a precipitação acontece assim, tranquila, nos meses entre agosto e setembro, como que anunciando a chegada do calorão do famigerado b-r-o-bró, um ser vivo sofre: o cajueiro. É a Chuva do Caju.

A planta da família das anacardiáceas está em pleno período de floração e a água que cai acaba, paradoxalmente, influenciando de forma negativa. "Isso porque a chuva não é abundante e a água não chega propriamente nas raízes, mas afetam as flores porque acaba ajudando a 'queimá-las' quando o sol forte aparece", explica o engenheiro agrônomo Pedro Rodrigues de Araújo, que trabalha com cajucultura desde 2001. Dependendo da quantidade, as precipitações podem até prejudicar a produção. A mangueira também é afetada pelo fenômeno.

Pedro conta que a produção do caju acontece justamente quando a planta passa a receber menos água por conta do fim do período chuvoso. "O cajueiro começa a florescer geralmente no segundo semestre. Em algumas regiões do Piauí, os frutos aparecem em julho, e em outras entre agosto ou setembro. A população chama de Chuva do Caju, a chuva que acontece nesse período", descreve.

A meteorologista da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Sônia Feitosa, conta que, historicamente, no Piauí, as precipitações acontecem de dezembro até aproximadamente o mês de junho e nos demais meses as chuvas são escassas. 

"A Chuva do Caju é um fenômeno que acontece por causa da frente fria que vem do Sul do país até a Bahia e pela umidade da região Norte que chega até o Maranhão. Elas se encontram com as altas temperaturas e podem causar as chuvas aqui", diz. Geralmente, essas precipitações são rápidas, volumosas e se encerram conforme as semanas passam e o período de maior calor chega. E haja calor nestes meses vindouros terminados em "b-r-o-bró".

Foto:Juscel Reis

Compartilhar no
Fonte: Ccom

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário