Cada gota conta: campanha de doação de sangue do HEMOPI continua

A campanha foi aderida em Teresina, Parnaíba, Picos e Floriano

30/06/2021 13:52h

Compartilhar no

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (HEMOPI), lançou no último dia 14 de junho a campanha  ‘Junho Vermelho’ que tem por objetivo coletar 4 mil bolsas de sangue

Até a última sexta-feira (25), o movimento já tinha atingido a marca de 50% e, apesar do mês já estar praticamente no fim, o desafio da doação continua até o dia 14 de julho, em busca de 100% da doação. 

Jurandir Martins, diretor do HEMOPI, afirma que a campanha foi aderida em Teresina, Parnaíba, Picos e Floriano, com o intuito de sensibilizar a população piauiense a respeito das doações de sangue. “A gente vem com uma série de medidas, seja com divulgação, palestra ou conscientização, levando à população os critérios de doação de sangue”, afirma.


Fotos: Assis Fernandes/ODIA

Com a pandemia houve uma redução de 40% no número de doações, o que dificulta a manutenção do estoque de sangue para atender as demandas hospitalares. Dessa forma, o HEMOPI vem tomando todas as medidas sanitárias para receber a população de forma segura. “Lá no HEMOPI tem um ambiente seguro, distanciamento entre as pessoas e quem quiser pode agendar o dia e horário, ou ir no horário normal de funcionamento. Estamos preparados para receber as pessoas nessa pandemia”, declara Jurandir Martins.

De acordo com o diretor, pessoas que já tiveram covid podem doar, bem como pessoas que já foram vacinadas. “As pessoas que já tiveram Covid podem ser doadores de sangue, basta esperar 30 dias após o período de quarentena. E quem já foi vacinado também pode doar. Se tiver sido vacinado com a Coronavac, deve esperar um intervalo de dois dias. Para as demais vacinas, há um intervalo de 7 dias”, informa. 

Existem uma série de patologias que necessitam das doações de sangue. Sendo assim, o diretor do HEMOPI convoca toda a população piauiense para doar sangue. “A gente espera que esse movimento fique como legado. Que as pessoas tenham o compromisso de ajudar os outros, e que se torne um hábito cada vez mais presente. A quem já doa, a gente agradece. E quem nunca doou, esperamos que possam se sensibilizar para que cada vez mais consigamos ofertar sangue ao povo do Piauí que precisa restabelecer a sua vida e suas condições de saúde”, finaliza.

Compartilhar no
Edição: Ithyara Borges

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário