• COMBATE AO MOSQUITO AEDES AEGYPTI 2019 - 2020
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Famílias devolvem quase R$200 mil ao Bolsa Família por uso indevido

Programa cruza dados das famílias para chegar aos até os supostos cadastros falsos. A projeção é do coordenador estadual do programa, Roberto Oliveira.

11/12/2019 15:07h - Atualizado em 12/12/2019 09:03h

Cerca de R$ 185 mil foram devolvidos ao Governo Federal por pessoas que receberam indevidamente recursos do programa federal Bolsa Família, seja por irregularidades no cadastro ou renda acima da permitida entre 2018 a 2019 no Piauí. A projeção é do coordenador estadual do programa, Roberto Oliveira.

Programa Bolsa Família. Foto: Arquivo O Dia.

Roberto explica que o programa chega até os supostos cadastros falsos após o cruzamento de dados das famílias com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com a Receita Federal, Previdência Social, além de informações com o Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo o coordenador, quando as suspeitas de que pessoas tenham inserido dados falsos de forma intencional para receber os valores são comprovados, elas são convocadas para a devolução dos recursos.

“Essa transparência se dá justamente porque cruzamos todas essas informações e vamos atrás das famílias. Infelizmente, nós nos deparamos com pessoas que querem tirar muita das vezes proveitos do que não é o seu direito. Quando comprovado as irregularidades, elas são chamadas para saírem do programa e devolver os recursos”, afirmou.

Outro ponto que facilita na identificação de cadastros fraudulentos, segundo o coordenador, é a atualização cadastral dos beneficiários que acontece a cada dois anos.

“A família que não tiver o cadastro atualizado a cada dois anos automaticamente tem o benefício cancelado e, mesmo com o benefício cancelado ela não atualizar, a família é excluída do programa”, completa Roberto Oliveira.  

No Piauí, 55 mil famílias estão com seus cadastros desatualizados no programa. Para regularizar a situação, os beneficiários devem procurar o Centro de Referência Social (Cras) mais próximo, portando documentos pessoais e comprovante de endereço para continuar a receber os recursos.  O Governo Federal informa que as pessoas que não ressarcirem o dinheiro ganho indevidamente através do programa ficam passíveis de restrições, como limitações para empréstimos bancários, financiamentos e aberturas de contas.

Edição: Adriana Magalhães
Por: Jorge Machado, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário