Auditores fiscais protestam contra o trabalho escravo no Piauí

Estado possui 16 empresas na lista suja do Ministério do Trabalho

28/01/2014 10:38h - Atualizado em 28/01/2014 12:07h

Compartilhar no

Representantes do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais (Sinait) estão reunidos hoje em frente à sede da Superintendência do Ministério do Trabalho para protestar contra o trabalho escravo no Piauí. A manifestação acontece em comemoração ao Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo celebrado hoje.

A superintendente regional do trabalho e emprego do Piauí, Paula Mazullo, diz que a ação é uma forma de conscientizar a sociedade da necessidade de varrer a escravidão da realidade brasileira. "É uma vergonha que, em pleno século XXI nós ainda tenhamos registros desse tipo de exploração", declara.

Dentre as reivindicações dos manifestantes está o pedido de condenamento dos mandantes da Chacina de Unaí, episódio acontecido em 2004 no qual quatro auditores fiscais foram assassinados quando faziam uma ronda em uma fazenda no Estado de Minas Gerais. Os executores da chacina já foram julgados pela justiça e condenados em agosto do ano passado, mas os mandantes do crime continuam impunes.

No Piauí, o último registro de trabalho escravo aconteceu recentemente quando dois funcionários de uma fazenda de soja localizada em Baixa Grande, fugiram da propriedade alegando condições desumanas de trabalho e procuraram abrigo na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Uruçuí. Na ocasião, o Ministério do Trabalho foi acionado.

Sobre as condições de trabalho dos auditores fiscais no Piauí, o diretor nacional do Sinait, Francisco Nunes, afirma que há uma sobrecarga dos serviços por conta do número reduzido de funcionários em atividade no Estado. "São apenas 55 auditores fiscais em todo o Piauí e nós estamos aqui para pedir também o aumento desse número. Nós precisamos de mais trabalhadores para poder diminuir a acumulação de serviços que estamos tendo ultimamente", diz. 

O Piauí já possui 16 empresas na lista suja do Ministério do Trabalho e Emprego sendo seis delas contabilizadas até dezembro do ano passado: duas delas localizadas em Barreira do Piauí e mais quatro nos municípios de Nazaré, Porto Alegre do Piauí, zona rural de Palmeira e Monte Alegre. Para os sindicalistas, esta é uma realidade que precisa ser mudada. 


Compartilhar no
Por: Beto Marques (do local) Maria Clara Estrêla (da redação)

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário