• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • Clínica Shirley Holanda
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Açougueiro acusado de feminicídio é condenado a 15 anos de prisão

O réu Nailson de Carvalho Oliveira era acusado de ter matado a própria companheira, Gabriela de Carvalho, em junho do ano passado.

20/10/2019 08:02h

O açougueiro Nailson de Carvalho Oliveira foi condenado a 15 anos e 9 meses de prisão em regime fechado pela prática de feminicídio em julgamento realizado pelo Tribunal do Júri na última quinta-feira (17), na cidade de Paulistana, a 462 km de Teresina. O réu era acusado de ter matado a própria companheiraGabriela de Carvalho, em junho do ano passado.

Nailson de Carvalho Oliveira foi levado a julgamento pela prática do crime de homicídio qualificado pelo motivo fútil, pelo recurso que impossibilitou a defesa da vítima e pelo feminicídio, classificado como a morte intencional de pessoas do sexo feminino por motivos de gênero. O julgamento foi presidido pela magistrada Luciana Cláudia Medeiros de Souza.

Tribunal do Júri ocorreu em Paulistana. (Foto: Divulgação/MPPI)

Segundo a denúncia do MPPI, no dia 18 de junho de 2018, nas dependências do seu estabelecimento comercial denominado “Frigorífico Friboi”, no município de Paulistana, o acusado assassinou a sua companheira com um golpe de arma branca (facão).

No dia do crime, Nailson de Carvalho estava cortando carnes em seu açougue, quando então apareceu a vítima e pediu a separação do casal, por estar cansada de sofrer constantes agressões físicas por parte de seu companheiro, bem como por ter descoberto um novo relacionamento extraconjugal do marido mantinha com uma outra mulher, com quem ele teria tido um filho.

Insatisfeito com o pedido de separação, o açougueiro surpreendeu a vítima com violento arremesso de um facão à curta distância, atingindo-a no tórax. A vítima chegou a ser socorrida e encaminhada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos

Após o crime, o réu vendeu todos os seus bens e fugiu para o Estado de Minas Gerais, onde posteriormente foi preso.

Por: Nathalia Amaral

Deixe seu comentário