55% das mulheres piauienses consideram improvável conciliar carreira e filho

Uma pesquisa feita com 11 mil mulheres mostra que mais da metade das brasileiras considera improvável o sucesso profissional com filhos

27/06/2017 15:03h - Atualizado em 27/06/2017 16:52h

Compartilhar no

O Piauí é um dos estados mais pessimistas da Região Nordeste quando o assunto é filhos e carreira profissional, segundo uma pesquisa realizada pelo Portal Trocando Fraldas, especializado em gestação e maternidade. O levantamento mostra que 55% das mulheres piauienses consideram improvável conciliar carreira e filhos. O Estado fica atrás apenas do Rio Grande do Norte (56%), Ceará (58%) e Alagoas (59%) quando o assunto é vida profissional e maternidade.

Com relação às capitais, Teresina ocupa a 17ª posição no ranking nacional de dificuldade em conciliar emprego e maternidade. Apesar disso, a capital piauiense é a 9ª do país com o menor índice de dificuldade em se conseguir creches para os filhos. Entre taxas que variam entre zero e 4,5, Teresina possui um grau de dificuldade de 3,5. Estão à frente Aracaju, Porto Velho, Palmas, São Luís, Maceió, Natal, Salvador e Fortaleza.


Info: Portal Trocando Fraldas

O estudo revelou ainda que quatro em cada nove casais brasileiros têm que recorrer aos avós ou outros parentes para cuidar dos filhos após a licença maternidade e paternidade, e que as mulheres geralmente conseguem voltar ao trabalho em média 95 dias após a licença maternidade.

Em todo o Brasil, foram entrevistas 11 mil brasileiras e mais da metade delas (56%) disseram considerar improvável o sucesso profissional tendo filhos. A média é de que três em cada sete mulheres têm ou tiveram medo de perder o emprego devido à gravidez. A pesquisa mostra que esse medo é maior entre mulheres das regiões Centro-Oeste e Sudeste (43,8%), e é menor na região Norte (38,3%). 

Compartilhar no
Por: Maria Clara Estrêla

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário