• SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

17 mil pacientes recebem medicamentos gratuitos por mês

Para ter acesso ao serviço, o paciente deve comprovar a necessidade por meio de um laudo expedido por um médico especialista.

05/06/2019 09:35h

A Assistência Farmacêutica estadual, que engloba a União e o Município, é um serviço que fornece medicamentos e tratamento especializado para a população. Dentro dessa assistência existem três subdivisões: componentes Básicos, que fornece medicamentos por meio dos postos de saúde municipal; Estratégico, fornecendo medicamentos especializados contra DST/Aids, hanseníase, tuberculose, entre outros; e Especializado, que são medicamentos de maior valor agregado.

Segundo o gerente clínico da Assistência Farmacêutica, Wisllan Santos, cerca de 17 mil pessoas fazem uso do serviço por mês. De janeiro a maio deste ano já foram realizados 127.335 atendimentos. Desses, 21.760 são de pacientes atendidos, tanto na sede, em Teresina, como nas 20 unidades de atendimentos, distribuídas entre hospitais, clínicas e Farmácias descentralizadas no interior do Estado. Também foram dispensados 4.162.852 unidades de medicamentos, como ampolas, comprimidos e frascos de componentes especializados.

Para ter acesso ao serviço, o paciente deve comprovar a necessidade por meio de um laudo expedido por um médico especialista. “Algumas patologias exigem que o paciente tenha prescrição de médico especialista e que deve ser renovada a cada três meses. Na farmácia também são avaliados alguns critérios para ver se esse paciente se enquadra e, uma vez se adequando, passa a ter acesso aos medicamentos, que são liberados mensalmente”, fala.


Teresina tem a maior concentração de atendimentos, cerca de 65% - Foto: Elias Fontinele/O Dia

O componente Especializado também atende pacientes com doenças raras, que acomete uma parcela menor da população, mas que tem o tratamento um custo mais elevado, como a fibrose cística, além de doenças mais comuns e endêmicas, como asma e diabetes. De acordo com Wisllan Santos, pelo falto desse acesso ser bastante difícil, por meio da iniciativa privada, essa assistência torna-se a principal maneira de adquirir esse componente especializado. 

“Atendemos muitos pacientes e esses medicamentos são muito importantes, então se chegar a faltar esse medicamento certamente essas pessoas terão complicações para ter esse acesso, tanto pelo valor agregado da medicação, seja porque nas farmácias privadas esse comércio não existe. Sem o componente especializado da assistência farmacêutica, a população que necessita de medicamentos desses agravos mais específicos teria uma série de complicações, sendo esse serviço de suma importância”, frisa o gerente clínico da Assistência Farmacêutica.

Teresina tem a maior concentração de atendimentos, cerca de 65%. Isso se deve por conta da concentração dos serviços médicos especializados na Capital. Em geral, os pacientes preferem ser atendidos em Teresina, vez que é exigida prescrição e avaliação especializada e esses serviços, em grande parte, não oferecidos na cidade. 

Na capital, em clínicas e hospitais, o atendimento é feito de segunda a sexta, nos dois turnos. No interior, nas dez unidades, no turno da manhã. A Assistência Farmacêutica atende em torno de 80 doenças, com 210 apresentações medicamentosas.

Edição: Virgiane Passos
Por: Isabela Lopes - Jornal O Dia

Deixe seu comentário