“Não é hora de espalhar pânico”, diz Wellington Dias sobre variante Ômicron

A variante foi detectada em território brasileiro na última quinta (02) e confirmada pelo Ministério da Saúde em cinco pacientes

05/12/2021 09:26h - Atualizado em 05/12/2021 16:14h

Compartilhar no

O governador Wellington Dias pediu calma para a população após a chegada de mais uma cepa do novo Coronavírus no Brasil. A variante Ômicron foi detectada em território brasileiro na última quinta (02) e confirmada pelo Ministério da Saúde em cinco pacientes que estiveram no exterior, três pessoas em São Paulo e dois no Distrito Federal. São quatro homens e uma mulher, todos vacinados contra a covid-19. Eles estão isolados e pelo menos um apresenta sintomas leves. A maioria está assintomática. De acordo com a pasta, há ainda oito casos da variante em investigação no país, sendo um em Minas Gerais, um no Rio de Janeiro e seis no Distrito Federal. No Piauí até o momento nenhum indício da presença da nova cepa foi apontadoEspecialistas ainda avaliam com incerteza a nova cepa do vírus. 

A variante Ômicron  foi relatada pela primeira vez à OMS pela África do Sul no dia 24 de novembro. Já no dia 26 de novembro, a OMS classificou a linhagem como variante de preocupação. Um dos principais motivos da apreensão é pela quantidade de mutações que podem trazer a nova linhagem maior transmissibilidade, além de afetar a eficácia das vacinas.  

O governador Wellington Dias explicou que já se reuniu com o consórcio Nordeste para discutir a presença da nova cepa do Vírus no Brasil, porém criticou o pânico exacerbado que começa a se criar no país. “Fizemos uma primeira agenda com o Comitê Científico do Nordeste e agora estamos integrados com a Fiocruz o Instituto Butantan Há a necessidade, como dizem os cientistas, da gente não espalhar pânico. Já tivemos outras variantes, a variante Delta, outras variantes da Índia. A medida do tempo se comprovou que todas elas eram variantes que também eram controladas pelas vacinas aplicadas. Um primeiro estudo da vacina Pfizer mostra uma eficácia em relação a essa variante de 96%, a universidade de Oxford está fazendo também sobre a AstraZeneca” afirmou o governador.

Wellington ainda cobrou a aceleração da aprovação de medicamentos e a redução no prazo para a aplicação da dose de reforço em toda a população. “Agora temos que manter regras como a máscara, distanciamento social, eventos com maior controle. A expectativa é o reconhecimento de medicamentos, tanto da Pfizer quanto da AstraZeneca e acelerar a vacinação. Foi uma medida acertada puxar para quatro meses o intervalo da dose de reforço, ao mesmo tempo você tem mais de 80% da população vacinada, pessoas tomando a segunda dose, a dose de reforço, temos uma tendência muita grande de ser uma prevenção. Apoiamos a Anvisa no controle, da entrada do Brasil e não só a exigência do passaporte de vacinação, mas também a exigência de comprovação do teste negativo e triagem na entrada”, finalizou o governador. 

FOTO: Assis Fernandes/ODIA

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário