O DIA 60 anos: Conhecendo o passado para entender o presente e projetar o futuro

Acervo do Jornal O DIA é fonte de pesquisa para estudantes e profissionais de várias áreas.

26/01/2011 10:45h

Compartilhar no

Por ser um dos mais antigos veículos de comunicação do Piauí, o Jornal O DIA vai completar 60 anos de existência no próximo dia 1º de fevereiro como um arquivo de memórias e história. Em suas páginas foram publicados os principais acontecimentos envolvendo o Piauí, o Brasil e o mundo. Não é à toa que desde 1951, quando foi fundado, até agora, a história de O DIA tenha uma forte relação com a própria história da sociedade. Isso explica a quantidade de pesquisas e trabalhos acadêmicos que utilizaram e continuam utilizando o acervo do jornal como fonte de pesquisa.

O acervo de Jornal O DIA é o maior do Piauí e um dos maiores do Nordeste. Todas as edições publicadas desde a pioneira, em 1º de fevereiro de 1951, até a mais recente, estão guardadas na sede do Sistema O DIA de Comunicação e também no Arquivo Público do Piauí, disponíveis para consulta. Esse rico acervo é usado constantemente para pesquisas, principalmente levando em consideração que o Piauí não tem tradição de armazenar dados.

Pelas páginas de O DIA, se passaram também histórias individuais e que tiveram relação direta com a sociedade. Como os atos criminosos do bandido Zaratustra, que aterrorizou a população da vizinha cidade de Timon (MA) nos anos 80 e 90. Pensando em contar a relação de Zaratustra com a violência na cidade maranhense, o historiador Thiago Oliveira Silva debruçou-se sobre
várias edições do Jornal O DIA para pesquisar sobre os acontecimentos envolvendo o criminoso em suas páginas policiais.

Essa pesquisa foi o tema de seu Trabalho de Conclusão de Curso, em 2007, com o título "Assim vive Zaratustra: tensão na construção da memória de um bandido herói, 1986-1992". Thiago fez pesquisas também em outros dois jornais da capital, mas foi n'O DIA, segundo conta, que teve mais material para trabalhar. "Por ter bastante penetração, ser o mais antigo e ter o maior leque de informações, o material que eu colhi no O DIA foi o mais rico e importante", conta o historiador.

Arquivo O DIA acompanha as transformações do Piauí e do Brasil há seis décadas - Foto: Jairo Moura

A satisfação de Thiago com o resultado obtido o incentivou a também adotar O DIA como principal fonte de sua tese de mestrado, em andamento, cujo título é "Jovens Rebeldes ou Marginais? Zara e as concepções de poder e justiça em Timon (1986-1992)". O historiador ressalta que o jornal O DIA é uma importante fonte de pesquisa e que seu acervo tem valor histórico e social, pela importância que representa.

Thiago Oliveira, historiador: "Por ser o mais antigo e ter o maior leque de informações, o material que colhi no O DIA foi o mais rico e importante" (Foto: Assis Fernandes)

"O DIA é patrimônio do Estado e do país"

Apesar de ter 60 anos e muita história para contar em época em que não se valorizava ainda a importância de arquivar dados, O DIA tem, paradoxalmente, importância também na história recente. "Nós não temos muitas opções de livros sobre a história recente do Brasil e do Piauí, dos anos 80 em diante. Então, nesse caso, temos que recorrer ao conteúdo de O DIA, pois tudo que aconteceu desde essa década está lá, registrado em suas páginas", comenta Thiago Silva.

Outro profissional que também já utilizou O DIA como fonte de pesquisa foi o jornalista Carlos Lustosa, que contou a história de O DIA usando as próprias páginas do veículo como fonte. "Foram seis meses de intensa pesquisa. E, por diversas vezes, a história do Jornal se confunde com a história do Piauí, já que os acontecimentos eram relatados pelo veículo", lembra Carlos Lustosa.

O resultado foi o projeto do livro-reportagem "Amanhecer: histórias do Jornal O DIA", concluído em 2006 na conclusão do curso de Comunicação Social (habilitação Jornalismo) de Lustosa. "Dentro das páginas do veículo há tanta informação que tanto o jornal pode ser o objeto de pesquisa como a fonte de informação para outro tema", frisa.

A bibliotecária Débora Araújo Machado Teixeira ressalta que O DIA já é um patrimônio do Estado e também do País, pela importância que adquiriu em fazer parte da história. As informações que constam nas páginas de O DIA são, além disso, documentos de importância jurídica, podendo ser utilizadas como provas.

"O que está publicado nas páginas do jornal têm importância para a Justiça, porque ali está a prova de vários fatos ocorridos em nosso estado. Mesmo com o avanço da tecnologia, que está cada vez mais utilizando o formato digital, o que está publicado no meio impresso ainda tem mais valor para a Justiça", comenta Débora Machado.

O acervo de O DIA e de qualquer outra publicação - seja ela impressa ou digital - porém, não tem sentido se não for disponibilizado para a sociedade. "Tão importante quando guardar, organizar, preservar um arquivo é disponibilizá-lo para a sociedade", conclui a bibliotecária. Ela tem razão e por isso o acervo de O DIA pode ser confundido com a história e até em seus conceitos básicos: a ciência que estuda o passado para melhor compreender o presente e projetar para o futuro.

Carlos Lustosa Filho: "Nas páginas de O DIA há tanta informação, ele tanto pode ser objeto de pesquisa como fonte para outros temas"

Compartilhar no
Por: Robert Pedrosa

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas