• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

Homem pego com fuzis ligados a suspeito de matar Marielle é solto

Alexandre Motta de Souza teve a prisão preventiva revogada pela Justiça na quinta-feira (6).

09/06/2019 11:36h

Deixou a prisão neste sábado (8) o homem com quem a Polícia Civil do Rio de Janeiro encontrou, em março, 117 fuzis incompletos pertencentes ao sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa, réu pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Embora as armas não estivessem completas, tratou-se da maior apreensão de fuzis da história do estado.

Alexandre Motta de Souza teve a prisão preventiva revogada pela Justiça na quinta-feira (6). Segundo a Seap-RJ (Secretaria de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro), ele deixou o Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste carioca, por volta do meio-dia.

Foto: Divulgação Secretaria de Estado de Polícia Civil do Rio de Janeiro

A decisão de revogar a prisão foi da juíza Alessandra Bilac, da 40ª Vara Criminal do Rio, que acolheu parecer do Ministério Público favorável à soltura do amigo de Souza. A juíza levou se baseou em informações dadas pelos policiais que participaram da prisão dele e no depoimento dos réus.

Segundo os policiais, Souza "demonstrou surpresa e desespero com o que havia dentro" das caixas e disse não saber ali havia peças de fuzis. Sua versão versão foi confirmada por Lessa em audiência e em videoconferência na última quinta.

Polícia Civil do RJ encontrou 117 fuzis do tipo M-16 na casa de amigo de suspeito de matar Marielle Polícia Civil do RJ/Divulgação Polícia Civil do RJ encontrou 117 fuzis do tipo M-16 na casa de amigo de suspeito de matar Marielle      "Ele é amigo do Lessa há anos e apenas lhe fez o favor de armazenar essa encomenda em seu apartamento. Ele não sabia do que se tratava. E foi uma surpresa para ele ver o que se encontrava dentro das caixas. Ele não tem nada a ver com esse episódio lamentável envolvendo a vereadora", disse o advogado de Souza, Leonardo da Luz, em 12 de março, data da prisão.

Souza relatou que os 117 fuzis desmontados pertenciam a Lessa. O suspeito de matar Marielle teria afirmado que "eram itens de airsoft [jogo em que os participantes utilizam arma de pressão]", e Souza não sabia o que estava na caixa, lacrada.

Na casa de Souza ainda foram encontradas 500 munições, três silenciadores e R$ 112 mil em dinheiro.

Ele foi preso em flagrante no mesmo dia da prisão de Lessa e do ex-policial militar Élcio Queiroz, suspeito de dirigir o carro usado no dia do crime.

Apontado como executor dos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes, Lessa chegou a integrar o Bope (Batalhão de Operações Especiais) e atuou como segurança para um dos principais clãs do jogo do bicho do Rio. A Polícia Civil e o Ministério Público suspeitam de que ele atuava como matador de aluguel, traficante de armas e "armeiro" (quem adapta armas para grupos criminosos).

Tanto Souza quanto Lessa respondem à Justiça por comércio ilegal de armas. Lessa e Queiroz estão detidos no Presídio Federal de Mossoró (RN). 

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário