Arctic Monkeys leva ao Lollapalooza rock adulto, mas animado

O grupo flerta agora com um pop sofisticado

06/04/2019 10:05h

Compartilhar no

Mesma banda, mesmo festival. Mas a versão do Arctic Monkeys que encerrou a primeira noite do Lollapalooza 2019 é bem diferente daquela que se apresentou na versão 2012 no evento paulistano.
Empolgante, sim. Talvez nem melhor nem pior, apenas diferente.
A fúria juvenil do álbum de estreia, "Whatever People Say I Am, That's What I'm Not" (2006), ficou conhecida dos brasileiros em 2007, quando a banda foi quase punk no Tim Festival, em São Paulo e Curitiba.
Quando voltou para tocar no Lolla em 2012, no Jockey Ckub de São Paulo, o grupo liderado pelo cantor e guitarrista Alex Turner já tinha quatro álbuns na carreira e estava numa fase de total encantamento com seu público. Tanto assim que, meses depois, gravaria seu álbum mais poderoso, "AM".
Mas o Arctic Monkeys que subiu ao palco principal do autódromo de Interlagos na noite de sexta (5) é a banda que traz como produto mais recente "Tranquility Base Hotel & Casino", lançado no ano passado e recebido com reticência pela critica e parte de seu público fiel.
Classificado como mais adulto, o álbum reúne canções distantes do som simples de poucos acordes que levou o Arctic Monkeys a ser incluído na lista dos salvadores do rock, ao lado de Strokes e Libertines. 
O grupo flerta agora com um pop sofisticado, no qual, para surpresa geral, é possível listar até influências como Burt Bacharach e música italiana.
Diante de uma área superlotada junto ao palco Budweiser, o Arctic Monkeys mostrou no Lolla que as canções que soam realmente inusitadas na audição do disco ganham força ao vivo. Intercaladas com os hits mais antigos, acabam se encaixando como um contraponto de alívio entre os rocks mais pulsantes.
Ainda é fácil perceber que as antigas são acolhidas com mais entusiasmo. "Do I Wanna Know?", "R U Mine?" e "Snap Out of It", petardos de "AM", e "I Bet You Look Good on the Dancefloor", clássico do primeiro álbum, são daqueles momentos que os fãs levam para sempre na memória afetiva.
Mas "One Point Perspective" e "The Ultracheese", para citar apenas duas adultas, deixam a plateia empolgada e abrem a expectativa que a evolução da banda nos próximos discos possa surpreender ainda mais.
O show não foi a mesma apoteose roqueira incontestável de 2012, mas funcionou perfeitamente para encerrar com vibração a primeira noite de Lolla deste ano.

Compartilhar no
Fonte: Folhapress
Por: Thales de Menezes

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas