Malala Yousafzai vence maior prêmio de direitos humanos da UE

Entre os concorrentes ao Sakharov estavam Edward Snowden e um grupo de dissidentes da Bielorrússia.

10/10/2013 10:37h

Compartilhar no

Legisladores europeus concederam seu prêmio máximo em direitos humanos à estudante paquistanesa Malala Yousafzai, que sobreviveu a uma tentativa de assassinato do Talibã no ano passado, um dia antes do anúncio do Prêmio Nobel da Paz, no qual ela é uma das favoritas. O grupo terrorista reagiu rapidamente, dizendo que Malala não merecia a premiação.

O Parlamento Europeu anunciou nesta quinta-feira que a estudante, de 16 anos, venceu o Prêmio Sakharov, e receberá € 50 mil. O ex-técnico da Agência Nacional de Segurança dos EUA Edward Snowden e um grupo de dissidentes presos da Bielorrússia também estavam concorrendo ao prêmio. Ela foi escolhida em uma votação entre líderes de todos os grupos políticos do Parlamento de 750 membros.

Em resposta, o Talibã paquistanês afirmou que Malala não fez “nada” para merecer a honraria e ameaçou tentar matá-la novamente. O Sakharov é considerado o maior prêmio de direitos humanos da Europa. Entre os vencedores anteriores estão os laureados com o Prêmio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi e Nelson Mandela.

Há um ano, Malala esteve a ponto de morrer ao ser baleada em 9 de outubro de 2012 quando estava a caminho da escola, no Vale de Swat (noroeste do Paquistão), por militantes do Talibã inconformados por sua campanha pelo acesso de meninas à educação. A bala entrou acima da sobrancelha esquerda, atravessou crânio e o pescoço, até se alojar no ombro da menina.

Ela foi transferida para Londres, onde recebeu tratamento, e se recuperou depois de longas cirurgias e de uma terapia intensa. Desde então, Malala se tornou uma defensora da educação para garotas. Protagonizou uma campanha das Nações Unidas, recebeu diversos prêmios e foi eleita uma das cem pessoas mais influentes do mundo pela revista “Time”. Caso ganhe o Nobel da Paz, seria a pessoa mais jovem da História a recebê-lo.

Compartilhar no
Fonte: O Globo

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas