Pílulas prometem retardar o envelhecimento da pele

Pílulas que prometem tratar da pele e retardar o envelhecimento viram febre em todo o mundo

31/03/2010 21:09h

Compartilhar no
Todo mundo sabe que uma alimentação correta, bons produtos e exercícios físicos fazem maravilhas para a saúde e a beleza. Mas, apesar de essenciais, eles não são mais as únicas opções de tratamento e, nos últimos tempos, ganharam uma companhia de peso. Estamos falando das pílulas da beleza que, como o próprio nome diz, prometem deixar qualquer um mais bonito com a dose diária recomendada.

A médica especialista em dermatologia estética Gisele Barbosa explica que por aqui as pílulas são regulamentadas pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e classificadas como alimentos funcionais, alimentos novos ou suplementação alimentar. “Elas também são conhecidas como nutracêuticos ou nutricosméticos, mas a ANVISA ainda não aceita esses termos, pois não há um consenso, já que eles estão em algum ponto de um espectro entre cosmético e medicamento, e entre nutriente e remédio”, comenta.

Para Gisele, “uma boa definição seria a de que eles são uma ampla variedade de alimentos ou parte de um alimento (componentes nutricionais) que proporciona benefícios médicos e de saúde, incluindo a prevenção e ou o tratamento de doenças”. As pílulas da beleza, entretanto, não são tão novas quanto muitos podem pensar. Elas surgiram na Europa em 1985, quando foi lançado o produto “Oenobiol”. Mas elas só viraram febre no século XXI, como conta a dermatologista.

“Em 2002, a gigante dos cosméticos L’Oréal e a líder em alimentos Nestlé se uniram para formar os Laboratórios Innéov, que foram responsáveis pelo desenvolvimento dos produtos, pelo seu lançamento em larga escala e pela comprovação científica de sua eficácia”, explica. Lá fora, elas são vendidas em forma de cápsulas, bebidas, iogurtes e até mesmo doces, como chocolates. Por aqui, elas chegaram um pouco depois e sua forma de apresentação mais comum é mesmo em cápsula.

Os nutracêuticos têm ações antienvelhecimento cutâneo, antioxidante, estimuladora de colágeno, antimanchas e de fotoproteção (proteção solar via oral). “Eles ajudam a combater o aparecimento de rugas e deixam a pele mais firme, assim como trabalham também no fortalecimento dos cabelos e unhas, e reforçam de dentro para fora as defesas da pele”, completa a drª Gisele. Outras ações são: auxiliam na regeneração celular (tornando-a duas vezes mais rápida), intensificam o bronzeado e diminuem a sensibilidade aos raios ultravioletas.

A especialista explica ainda que há poucas contra-indicações, mas desde que “a pessoa só tome a quantidade diária de cápsulas prescritas por seu médico, sem se exceder”. “Apesar de focar no público feminino a partir de 25 anos, preocupadas em prevenir o envelhecimento, se necessário, pessoas de ambos os sexos a partir dos 18 anos já podem usufruir dos benefícios desses produtos”, diz. Já as gestantes, as mulheres que estão amamentando e as pessoas com problemas renais ou em tratamento de quimioterapia não podem tomar a pílula.


Compartilhar no
Fonte: terra
Edição: Portal O Dia
Por: Portal O Dia

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário

Tags: