• the shopping
  • Tirulipa
  • novembro azul 2018
  • show gustavo lima
  • Estreia programa Italo Motta
  • TV O DIA - fullbanner w3b
  • TV O Dia - fullbanner

Notícias Esporte

14 de novembro de 2018

Bahia recebe o Ceará em disputa contra o descenso

O Bahia começa a 34ª rodada em 11º lugar, com 41 pontos, quatro à frente da Chape, que abre o Z-4. O Ceará está em 14º, com 38 pontos.

Bahia e Ceará fazem um clássico nordestino nesta quarta-feira (14), às 21h, na Fonte Nova. As equipes estão na luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. O Bahia está em uma situação mais confortável. Porém, com o triunfo da Chapecoense sobre o Santos na segunda-feira, a equipe tricolor voltou a ficar ameaçada e precisa triunfar para se distanciar do perigo.

O Bahia começa a 34ª rodada em 11º lugar, com 41 pontos, quatro à frente da Chape, que abre o Z-4. O Ceará está em 14º, com 38 pontos, e corre o risco de ficar entre os quatro últimos colocados ao fim da rodada.

A favor do Bahia está o desempenho recente, pois só perdeu uma vez nas últimas sete partidas. Além disso, ganhou 10 dos últimos 15 pontos disputados. O Ceará vinha bem, mas já não sabe o que é vencer há duas rodadas -derrota para o Sport e empate com o Inter.

O Bahia tem apenas um desfalque confirmado para o duelo desta quarta. O volante Nilton terá de cumprir suspensão automática e deve ser substituído por Flávio. Na lateral direita, Nino Paraíba foi poupado do último treino e é dúvida. No ataque, Gilberto pode retornar em lugar de Edigar Junio.

Pelo Ceará, o técnico Lisca não tem problemas de suspensão e deve ir praticamente com a mesma formação que ficou no empate por 1 a 1 com o Inter na rodada passada.

Zagueiro de 17 anos sofre contusão, e Santos pode ter novo improviso na defesa

Kaique Rocha caiu sobre o ombro após cruzamento feito pelo técnico Cuca em treinamento de finalizações.

 O zagueiro Kaique Rocha, 17 anos, sofreu uma contusão no ombro no treinamento desta terça-feira, no CT Rei Pelé, e virou dúvida para o duelo do Santos contra o Flamengo nesta quinta-feira, no Maracanã, válido pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. O jovem zagueiro foi cogitado por Cuca como a única opção para formar dupla de zaga com Gustavo Henrique no Rio de Janeiro.

Isso porque o treinador já vetou os retornos de Luiz Felipe e Lucas Veríssimo, lesionados. "Estão fora (Veríssimo e Luiz Felipe), posso não improvisar, preciso ver o menino de 17 anos (Kaique Rocha). O jogo é duro (contra o Fla), o adversário precisa como nunca da vitória", disse.

"Estão fora (Veríssimo e Luiz Felipe), posso não improvisar, preciso ver o menino de 17 anos (Kaique Rocha). O jogo duro (contra o Fla), o adversário precisa como nunca da vitória", disse.

Kaique Rocha caiu sobre o ombro após cruzamento feito pelo técnico Cuca em treinamento de finalizações. Os médicos do Santos colocaram o "ombro no lugar", mas o defensor deixou o treino chorando por conta da forte dor. O zagueiro passará por tratamentos e também será submetido a exames de ressonância magnética para saber a gravidade da lesão.

Kaique foi relacionado para uma partida do elenco profissional contra a Chapecoense pela primeira vez. O defensor foi promovido na última quinta-feira e treinou com o elenco no dia seguinte.

O "prata da casa" também coleciona convocações para a seleção brasileira de base e fez parte da geração de Rodrygo e Yuri Alberto, considerada a mais promissora do clube após a "era Neymar".

Cuca está impressionado com o desempenho do jovem zagueiro na base santista. Kaique Rocha tem 1,95m e aproveita sua altura para se destacar. Outro fator elogiado por Cuca foi a sua liderança em campo. "O Kaique eu observei o jogo pela TV e meu auxiliar aqui (Vila Belmiro). O que temos visto dele é satisfatório, ele tem um comando, uma liderança, é grande e não é lento. É um menino para ser trabalho", avaliou Cuca.

Palmeiras busca fechar um turno de invencibilidade e se aproximar do título

Sair de campo sem ser derrotado fará com que o Palmeiras alcance o recorde do Corinthians, que somou 19 partidas de invencibilidade no ano passado.

Líder do Brasileiro com 67 pontos, o Palmeiras vive a expectativa de comemorar o título já no próximo domingo (18), contra o Paraná. Antes disso, no entanto, precisa vencer o Fluminense, no Allianz Parque, às 21h45, e torcer pelo tropeço de dois adversários. O Inter, que tem 62 pontos, não poderia vencer nenhum de seus dois próximos jogos. O Flamengo, com 60, teria que perder um deles ou empatar ambos.

Os dois jogam em casa na quinta (15). O Flamengo recebe o Santos, e o Inter, o América-MG. O atacante Willian admite que a campanha palmeirense faz com que os jogadores conversem sobre a possível conquista do título de forma antecipada.

"É normal esse tipo de pensamento e discussão entre os atletas. É muito mais prazeroso fazer isso do que fazer conta para sair da zona de rebaixamento, com todo respeito. Falamos de coisa muito boa e falta pouco, desde que essa ansiedade não atrapalhe", afirmou.

O Palmeiras está invicto há 18 jogos no Brasileiro. A última derrota do time foi justamente para o Fluminense, por 1 a 0, no dia 25 de julho, no Macaranã, pela 15ª rodada. Sair de campo sem ser derrotado fará com que o Palmeiras alcance o recorde do Corinthians, que somou 19 partidas de invencibilidade no ano passado.

"Temos de estar com o [lado] mental forte e realmente apresentar o que a gente vem construindo até aqui, de muita intensidade, de muita entrega. É claro que não é todo jogo que a gente vai dar show, mas a gente vem numa regularidade muito boa", completou o atacante.

Handebol Piauí faz últimos ajustes visando Jogos Escolares

O Caic será o representante e a escola Paulo Nunes tenta o título na categoria infantil.

O Piauí terá dois representantes na fase final dos Jogos Escolares da Juventude, que tem início no dia 20, na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. Na categoria cadete (15 a 17 anos), o Caic será o representante e a escola Paulo Nunes tenta o título na categoria infantil (12 a 14 anos).

As duas equipes serão comandadas por Giuliano Ramos. A categoria infantil vai com o objetivo de subir ao pódio, mas principalmente de surpreender na competição, pois ano passado sequer chegou a fase final. “Os meninos estão empolgados e colocar toda a pressão e adrenalina lá na hora, já que muitos deles não participaram de competições fora do estado antes”, explica.


Treino dos atletas para estreia nos Jogos Escolares da Juventude no dia 20 de novembro, em Natal - RN. Foto: Elias Fontinelle/ODIA

Já os atletas da categoria cadete são mais rodados, apesar da pouca idade. Os garotos disputaram recentemente o Mundial Cadete e campeonato Brasileiro da categoria. Na seletiva regional foram campeões e no ano passado ficaram com o terceiro lugar. “A responsabilidade para eles é maior, pois esse grupo é bem mais entrosado e vem de um ano com muitas competições”, conta Giuliano.

Entre os destaques da categoria infantil, está o armador esquerdo, Luís Carlos, de 14 anos, que assim como todos os companheiros surgiu através do projeto “Bola na Mão”. Luís vem de uma família carente e tem o esporte como uma das paixões. O atleta chegou a disputar a taça Campina Grande esse ano, onde foi destaque.

“Estamos nós preparando muito bem e empolgados, pois sabemos que serão jogos difíceis e com equipes mais estruturadas e até mais fortes que a gente”, conta Luís Carlos.

A equipe infantil faz sua estreia no dia 20 de novembro, próxima terça-feira, e tem equipes de Santa Catarina e São Paulo no Grupo B como adversários. Os Jogos Escolares da Juventude fase final acontecem em Natal.

13 de novembro de 2018

Santos já teme perder Libertadores de 2019

A derrota para o Chapecoense expôs a dependência do time por Gabigol, artilheiro da competição, que não atuou por cumprir suspensão.

O Santos deixou escapar a chance de entrar no G-6, grupo que garante vaga na Copa Libertadores de 2019, ao perder para a Chapecoense por 1 a 0 nesta segunda-feira (12), no Pacaembu, em jogo válido pela 33ª rodada do Brasileiro, e já teme ficar de fora da competição continental na próxima temporada. A derrota ainda expôs a dependência do time por Gabigol, artilheiro da competição, que não atuou por cumprir suspensão.

Se não bastasse, Cuca não contará com Carlos Sánchez, atleta que "arrumou" o time em campo, nos três próximos jogos -contra Flamengo e América-MG, fora de casa, e Botafogo, na Vila Belmiro. O uruguaio foi convocado para a seleção de seu país para os amistosos contra Brasil e França, nos dias 16 e 20 de novembro, em Londres e Paris, respectivamente, e não disputará os jogos decisivos do Santos em busca da vaga na Libertadores. Existe uma pequena esperança de que o volante retorne a tempo e em condições de atuar contra os botafoguenses, no dia 21.

Gabigol, por exemplo, é responsável por 40% dos gols do Santos no Brasileiro. O atacante marcou 16 dos 40 gols da equipe em 33 rodadas. Se contabilizar somente a era Cuca, a dependência aumenta. Desde a chegada do treinador, o time alvinegro marcou 26 vezes (somando Libertadores, Copa do Brasil e Brasileiro), sendo 12 de Gabriel, responsável por 46,1% dos gols.

Cuca evitou culpar Eduardo Sasha, substituto de Gabigol contra a Chape, mas não deixou de lamentar a ausência de seu camisa 10. "O Gabriel faz falta, claro, está vivendo um momento muito bom, mas não temos certeza se só com ele iríamos vencer. Não vamos, também, por a culpa em quem jogou no lugar dele. O Sasha tentou de todas as formas, a Chapecoense se fechou bem após o gol", afirmou Cuca.

Sánchez, por sua vez, disputou 17 jogos pelo Santos. Antes das duas derrotas em sequência, para Palmeiras e Chapecoense, o Santos só havia perdido uma vez com ele em campo -2 a 1 para o Cruzeiro, em 23 de setembro, no Mineirão. O uruguaio disputou 15 jogos neste período.

Desde que Sánchez estreou, no empate por 0 a 0 contra o Botafogo, em 4 de agosto, o Santos fez 26 gols, sendo 24 só no Campeonato Brasileiro. O uruguaio foi responsável diretamente por sete deles, com três gols e quatro assistências.

O técnico Cuca e os atletas não esconderam a preocupação na briga com Atlético-MG e Atlético-PR após o tropeço contra o time de Chapecó. Dodô chegou a dizer que o objetivo "ficou bem difícil".

Com a derrota, o Santos caiu uma posição, para o oitavo lugar, com 46 pontos, mesmo número do Atlético-PR, o sétimo, que tem uma vitória a mais na competição. Mesmo com o tropeço, o time alvinegro se mantém apenas a um ponto do Atlético-MG, último entre os seis classificados para a Libertadores. A equipe do técnico Cuca volta a jogar já nesta quinta-feira (15), diante do Flamengo, às 17h (de Brasília), no Maracanã.

Grêmio aguarda renovação de Renato Portaluppi

Renato não deu prazo para dizer se aceita renovar vínculo com o Grêmio.

O Grêmio aguarda pela resposta do técnico Renato Portaluppi para avançar no planejamento de 2019, mas já tem ideia inicial do número de reforços que deseja. O entendimento é que o elenco precisa de pelo menos quatro novos nomes. A lista pode crescer diante de eventuais saídas ou de pedido específico do treinador.

Renato não deu prazo para dizer se aceita renovar vínculo com o Grêmio. O clube gaúcho ofereceu contrato até dezembro de 2019 com direito a aumento salarial.

O Grêmio deve buscar dois reforços para defesa, sendo um lateral e um zagueiro, além de um meia e um atacante. Os nomes ainda são observados, sem negociação considerada em andamento.

A ideia do clube é promover mais jovens do time de transição. Alguns nomes do sub-20 também serão analisados. A despeito disso, o elenco deve ter entre 16 e 19 nomes com condições de serem titulares. Neste ano, o clube entende que já avançou em relação a 2016 e 2017.

O entendimento da diretoria é que há dois anos o Grêmio tinha um time competitivo e poucos suplentes para sustentar o nível de rendimento. No ano passado, com a chegada de vários nomes rodados, houve salto. Ao mesmo tempo, jovens se afirmaram e ganharam espaço no grupo.

A saída de jogadores do grupo atual podem fazer o número de reforços aumentar. Léo Moura, Cícero e Douglas estão nas últimas semanas de contrato. Kannemann foi assediado por clubes da Itália entre junho e agosto, e Luan sempre tem nome especulado no mercado.

Além de manter Renato Portaluppi, o Grêmio deve seguir com a mesma formação no departamento de futebol. Duda Kroeff se mantém como vice-presidente, Alberto Guerra e Deco Nascimento ficam como diretores. André Zanotta, executivo, completa o organograma.

Defesa oscila no returno do Brasileiro e faz Inter perder pontos

O empate com o Ceará no último domingo (11), em 1 a 1, foi exemplo de falhas que se repetiram no returno do time colorado.

Ao fim do primeiro turno do Brasileiro, o Internacional comemorava o bom desempenho defensivo. O setor de retaguarda era eleito como um dos pilares da boa campanha da equipe gaúcha. Mas foi virar a metade do torneio que a proteção ao gol de Marcelo Lomba ruiu em momentos cruciais.

O empate com o Ceará no último domingo (11), em 1 a 1, foi exemplo de falhas que se repetiram no returno do time colorado. Cuesta recebe um passe apertado, tenta sair jogando e erra. O time da casa retoma a bola e empata a partida que poderia colocar o time de Odair Hellmann a apenas três pontos do líder Palmeiras.

E não foi apenas este. Contra o Santos, há quatro rodadas, a incerteza de Fabiano entre afastar um rebote de Marcelo Lomba ou proteger para defesa mais firme do goleiro permitiu a Gabigol forçar passagem no lance, o que gerou gol contra do lateral da equipe vermelha.

No jogo contra o Atlético-PR, na 32ª rodada, Patrick foi sair driblando, perdeu a bola, e o time rubro-negro marcou. No 28º compromisso colorado no campeonato, contra o Sport, Charles, que tinha acabado de entrar, foi quem errou na saída, e o time pernambucano marcou. No jogo anterior, diante do Vitória, mesmo que o Inter tenha conseguido a virada, Emerson Santos abrira o placar aos baianos com gol contra.

Momentos que não configuram partidas ruins no geral, mas que isoladamente tiveram contribuição direta nos resultados.

"A gente lamenta não ter vencido (o Ceará), tivemos as oportunidades no primeiro tempo para matar o jogo e sofremos o gol de empate. Mas na quinta-feira [15] já tem outra partida importante. Diminuiu um jogo (para o fim do campeonato), mas vamos até o fim assim", disse o volante Edenílson.

O setor defensivo do Inter sofreu com várias trocas, mas, independentemente de quem comece jogando, os erros pontuais têm ocorrido. Tanto que apenas em partidas do returno foram 13 gols sofridos. Mais da metade dos 25 do campeonato inteiro.

Ainda assim, os comandados de Odair Hellmann ostentam a terceira melhor defesa do Brasileirão.

Na próxima quinta, o adversário será o América-MG, às 21h (de Brasília), no Beira-Rio. E a zaga pode mudar caso Rodrigo Moledo, que foi desfalque contra o Ceará, volte após um desconforto muscular.

Vitória da Chape eleva risco de queda de Vasco e Corinthians, aponta site

Mesmo com a vitória, a Chapecoense segue entre as mais ameaçadas para as três vagas de rebaixamento ainda em aberto.

A vitória da Chapecoense sobre o Santos na segunda-feira (12), por 1 a 0, esquentou a briga contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro e elevou o risco de rebaixamento de Vasco e Corinthians, indicam cálculos do site Chance de Gol.

Derrotado pelo Grêmio no último domingo (11), o clube carioca tem 28,1% de chance de cair para a Série B -antes era 19,5%. O Corinthians, que vem de empate com o São Paulo, foi de 2% para 3,9% de risco de queda.

Os vascaínos, na 15ª colocação, somam 38 pontos, apenas um a mais que a Chape, que abre a zona de rebaixamento. Os corintianos têm 40, em 13º.

Mesmo com a vitória, a Chapecoense segue entre as mais ameaçadas para as três vagas de rebaixamento ainda em aberto, agora com 35,3%. Ceará (7,9%), Sport (42,7%), Vitória (82,1%) e América-MG (95,2%) completam o grupo que luta contra a degola. O Paraná já está rebaixado.

LIBERTADORES

A derrota em casa complicou o Santos em sua busca por uma vaga na Copa Libertadores. Oitavo, com 46 pontos -um a menos do que o Atlético-MG, em sexto-, o time comandado por Cuca viu sua chance cair de 47,5% para 21,5%. Os mineiros têm 34,1% de classificação, e o Atlético-PR, 31,9%.

A análise do Chance de Gol leva em consideração o local da partida, o retrospecto recente e os adversários que restam a cada clube enfrentar. Por causa disso, alguns clubes que estão atrás na tabela têm mais chances de título, vaga na Libertadores ou rebaixamento que outros que estão à frente.

Veja as possibilidades segundo o site Chance de Gol:

Chances de título

1 - Palmeiras (67 pontos) - 96,4% de chances

2 - Internacional (62 pontos) - 3,1%

3 - Flamengo (60 pontos) - 0,4%

4 - Grêmio (58 pontos) - 0,04%

5 - São Paulo (58 pontos) - 0,04 %

Chances de Libertadores (G-6)

1 - Palmeiras (67 pontos) - 100% de chances

2 - Internacional (63 pontos) -100%

3 - Flamengo (60 pontos) - quase 100%

4 - Grêmio (58 pontos) - 99,99%

5 - São Paulo (58 pontos) - 99,95%

6 - Atlético-MG (47 pontos) - 34,1%

7 - Atlético-PR (46 pontos) - 31,9%

8 - Santos (46 pontos) - 21,5%

9 - Cruzeiro (46 pontos) - Já está na Libertadores

10 - Fluminense (41 pontos) - 0,01%

11 - Bahia (41 pontos) - 0,4%

12 - Botafogo (41 pontos) - 0,07%

13 - Corinthians (40 pontos) - 0,07%

14 - Corinthians (40 pontos) - 0,01%

Risco de rebaixamento

10 - Fluminense (41 pontos) - 1,7%

11 - Bahia (41 pontos) - 0,7%

12 - Botafogo (41 pontos) - 2,5%

13 - Corinthians (40 pontos) - 3,9%

14 - Ceará (38 pontos) - 7,9%

15 - Vasco (38 pontos) - 28,1%

16 - Sport (37 pontos) - 42,7%

17 - Chapecoense (37 pontos) - 35,3%

18 - Vitória (35 pontos) - 82,1%

19 - América-MG (34 pontos) - 95,2%

20 - Paraná (21 pontos) - 100%

Ex-presidente do Sporting é acusado de mandar agredir jogadores

Segundo os investigadores, o antigo cartola teria articulado um plano para agredir jogadores e o treinador do clube.

Bruno de Carvalho, ex-presidente do Sporting, um dos principais times de futebol de Portugal, foi preso na noite do último domingo (11) acusado de 56 crimes, incluindo terrorismo.

Segundo os investigadores, o antigo cartola teria articulado um plano para agredir jogadores e o treinador do clube. Em maio deste ano, torcedores descontentes com os resultados do Sporting foram até centro de treinamento do time, onde agiram com violência com a comissão técnica e os atletas.

Após o episódio, e de uma série de polêmicas, Carvalho acabou destituído da presidência do clube por uma assembleia geral entre os sócios.

O ataque, sem precedentes no futebol português, envolveu mais de 40 torcedores, que entraram na Academia do Sporting, em Alcochete (cidade próxima de Lisboa), com o intuito de agredir os jogadores.

Durante 20 minutos, dois grupos de torcedores partiram à caça dos atletas e da comissão técnica nas instalações do clube. Houve tumulto no vestiário, onde a maioria tentou se refugiar.

Mais de dez jogadores relataram agressões, além do próprio técnico, Jorge Jesus.

Por conta da violência, diversos atletas rescindiram o contrato com o Sporting por justa causa. Um dos casos mais famosos é o de Rui Patrício, goleiro da seleção portuguesa, que se transferiu para a Inglaterra, onde atualmente defende o Wolverhampton Wanderers.

Segundo o Ministério Público português, o então presidente do clube não só sabia do plano de agredir os atletas como teria sido um de seus articuladores. Ele teria contado com a ajuda do líder da Juveleo, principal torcida organizada do Sporting.

O chefe da organizada, Bruno de Carvalho, conhecido como Mustafá, também foi detido no domingo. Além das acusações relacionadas à violência com os jogadores, a polícia encontrou ainda drogas na sede da torcida.

Os dois prestam depoimento a um juiz nesta terça (13) e devem seguir detidos. Outras 38 pessoas também estão presas por ligação ao episódio.

Em entrevista à TV portuguesa, o advogado de Bruno de Carvalho negou que o ex-presidente do clube de Alvalade tenha qualquer participação no caso.

Canindé quer trabalho com a base e time de perfil aguerrido

O Galo Carijó vai disputar o Campeonato Piauiense, Copa do Brasil e a Série D do Brasileirão.

Oliveira Canindé se apresentou oficialmente ao River ontem (12). O técnico chega com o desafio de conquistar o título do Campeonato Piauiense 2019 e ter um calendário mais completo para o ano de 2020. Canindé é conhecido do futebol piauiense e também do próprio torcedor Riverino, pois comandou o clube em 2011, e demonstrou muito orgulho em retornar ao clube.

“Embora muitos aqui não tenham a noção da grandeza do River, ou tenham somente dentro do estado, mas o River não pode se restringir ao estado. O River tem que ser o Nordeste, pela torcida que tem, pelas pessoas que comandam”, declarou Canindé.

Oliveira Canindé tem uma passagem recente pelo futebol piauiense, pois comandou o Altos durante a Série D desse ano. Mas antes, passou por Parnahyba, Flamengo e até mesmo o River. Entre os principais títulos do currículo tem a conquista da Copa do Nordeste 2013, sob comando do Campinense.


Oliveira chega com o desafio de conquistar o título do Piauiense 2019. Foto: Elias Fontinelle/ODIA

No Galo, Canindé destacou o trabalho ligado as categorias de base. A necessidade de trazer jogadores da região e de fácil adaptação ao clima e estilo das competições. “Eu gosto muito das categorias de base e espero contar com a base e não é somente o River, é o Nordeste, um cenário até mesmo nacional busca o atleta de base e clubes formadores, porque nós do Nordeste que não temos dinheiros não fazemos isso?”, frisou o técnico.

A previsão de apresentação do elenco é para o dia 10 de dezembro. O treinador pretende ter o nome de todos os jogadores até a próxima semana como forma de avaliar a situação dos atletas. “Espero que esses atletas cheguem em boas condições. Tenho objetivo de realizar amistosos, fazer uma pré-temporada adequada ao que a temporada vai exigir”, acrescentou.

O Galo Carijó vai disputar o Campeonato Piauiense, Copa do Brasil e a Série D do Brasileiro em 2019.

Saídas

Poucas semanas após a confirmação de contratação o Gerente de Futebol, Luciano Mancha, se desliga do clube. O motivo foi uma proposta do Remo – PA, que atualmente disputa a Série B do Brasileiro. O presidente do Galo, Genivaldo Campelo, confirmou o desligamento.

“Eles fizeram uma proposta muito acima do que pagamos a ele e ficou até complicado tentar negociar. No contrato dele (Luciano) estava escrito que a única possibilidade de liberação era caso recebesse uma proposta da Série A ou B e como aconteceu ele será liberado”, conta.

Luciano Mancha sai, mas deixa o elenco praticamente fechado para temporada 2019. De acordo com o presidente do River, Genivaldo, alguns últimos nomes serão fechados na madrugada dessa terça-feira (13) e na quarta-feira (14), Mancha já se apresenta ao novo clube.

12 de novembro de 2018

Chefe é mais um a deixar o departamento médico do Santos

Jorge Merouço tinha a expectativa de se aposentar em 2019, mas diante das polêmicas em seu setor, preferiu antecipar a decisão.

Jorge Merouço, chefe do departamento médico do Santos, também pediu demissão. Antes, o doutor Carlo Alba se desligou e fez duras críticas à diretoria.

Merouço tinha a expectativa de se aposentar em 2019, mas diante das polêmicas em seu setor, preferiu antecipar a decisão. O presidente José Carlos Peres tenta demovê-lo da ideia.

“Saio com muita tranquilidade, com objetivo alcançado, mas pelo bem da entidade, que não merece isso. Esse senhor (Carlos Alba) resolveu falar de coisas que internamente ele não citava, mas tudo bem, sou santista e não tenho vaidade. Trabalho pelo bem do clube. Erros e acertos todos cometemos. Por uma força divina e graças aos preparadores físicos que conduziram um trabalho excelente não tivemos muitas lesões. É vida que segue tanto no campo quanto no DM. A instituição não merece isso”, disse Merouço, ao Diário do Peixe.


Chefe do departamento médico do Santos pede demissão (Reprodução/Santos TV)

“Passamos esse ano com um grupo pequeno, mas que não teve tantas baixas, é só comparar com os outros times. Tudo isso que aconteceu tem uma razão. Os outros times têm mais médicos. Nós fazíamos a cobertura de base e profissional e quando o Santos sai tem que ter um médico representando. Só no último mês tive 12 campeonatos. Só o Alba não queria fazer os jogos da base”, completou.

O Santos corre para repor as saídas e reformular mais uma vez o departamento médico. Em março, seis profissionais foram demitidos: a psicóloga Juliane Jellmayer Fechio, os fisioterapeutas Antonio Lucas Pierin e Diego Queiroz Guietti, além dos médicos Maurício Zenaide, Rodrigo Zogaib e Ricardo Nobre.

Felipão e Deyverson pegam gancho, e Mattos é suspenso pelo STJD

O jogador foi suspenso por duas partidas (já cumpriu uma), e o treinador pegou um jogo de suspensão.

O atacante Deyverson, o técnico Luiz Felipe Scolari e o diretor de futebol Alexandre Mattos, todos do Palmeiras, foram punidos em sessão realizada na manhã desta segunda-feira (12) pela 1ª Comissão Disciplinar do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).
O jogador foi suspenso por duas partidas (já cumpriu uma), e o treinador pegou um jogo de suspensão. Ambos, portanto, ficam fora do jogo contra o Fluminense nesta quarta (14). Já o dirigente levou gancho de 15 dias.
Os alviverdes foram julgados por incidentes na partida contra o Ceará. Deyverson foi expulso no primeiro tempo por uma solada na barriga de um adversário, enquanto Felipão e Mattos insinuaram que o árbitro André Luiz Castro teria agido de má-fé. Eles deram a entender que Castro teria agido deliberadamente para tirar jogadores palmeirenses do duelo contra o Flamengo.


Deyverson foi expulso no primeiro tempo da partida contra o Ceará (Foto: Reprodução/Instagram)

Felipão e Mattos foram enquadrados apenas no artigo 258, que trata sobre "conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva". O técnico não poderá comandar o time contra o Fluminense, enquanto Mattos está proibido de assinar documentos e frequentar o vestiário palmeirense durante o período de suspensão.
"Eu nem sei quem é o árbitro. Quando falei que ele tinha uma 'lista pronta', isso é mais que normal. Assim como todos os clubes, os juízes também entram em campo sabendo os jogadores que estão pendurados", disse Scolari durante a sua defesa.
Expulso diante do Ceará, Deyverson também esteve na sessão. Enquadrado no artigo 254 (jogada violenta), o camisa 16 foi punido com dois jogos. Como já cumpriu suspensão automática no jogo da rodada seguinte contra o Flamengo, ele tem mais um para cumprir. Todas as decisões são passíveis de recurso.
"Deyverson é mais visado, se tornou uma pessoa diferente no futebol. Algumas atitudes dão a a ele uma visibilidade diferente do normal. É um bom rapaz, erra, mas vai aprender aos poucos", disse o treinador alviverde.
LISCA PUNIDO
Por problemas referentes ao mesmo jogo, o técnico Lisca, do Ceará também foi julgado. Denunciado no artigo 243-F (ofensa à honra), o treinador foi apenado também com um jogo.
Nesta mesma partida, Lisca teria dito ao árbitro que "estava tudo armado". No STJD, o técnico alvinegro disse que a afirmação feita na súmula era "mentirosa". Exaltado, ele reclamou da ausência de Castro no julgamento. A defesa do árbitro goiano informou que ele se encontra fora do Brasil.

Especiais

Sem Neymar, seleção vai a campo com 8 convocados e aguarda chegadas

Com 20 jogadores já à disposição, o técnico Tite deixou o jogador e a maior parte do elenco na academia fazendo trabalho regenerativo

Ainda incompleta, a seleção brasileira realizou o seu primeiro treino nesta segunda-feira (12), no CT do Arsenal, em Londres, para os seus últimos jogos amistosos em 2018.
Com 20 jogadores já à disposição, o técnico Tite deixou Neymar e a maior parte do elenco na academia fazendo trabalho regenerativo enquanto comandou um treino leve com bola com o restante da equipe, que foi a campo em fim um de tarde com frio congelante.
No total, somente oito nomes participaram da atividade: Douglas Costa, Dedé, Alisson, Gabriel Jesus, Marquinhos, Ederson, Walace e Danilo. Eles tiveram o reforço ainda do garoto Augusto Galvan, revelação do São Paulo vendida ao Real Madrid que foi chamada para completar a movimentação na capital inglesa.


Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Em trabalho comandado pelo auxiliar Sylvinho, eles foram divididos em três times e se concentraram principalmente na troca rápida de passes.
Mais desgastados, Neymar, Pablo, Miranda, Fabinho, Filipe Luis, Alex Sandro, Paulinho, Allan, Arthur, Willian, Roberto Firmino e Richarlison devem ir ao gramado somente nesta terça (13).
Eles terão a companhia de Alex Sandro, Rafinha e Renato Augusto, que substituem os lesionados Marcelo, Casemiro e Philippe Coutinho, respectivamente.
O time comandado por Tite encerra os seus compromissos neste ano contra o Uruguai, na próxima sexta-feira (16), no Emirates Stadium, em Londres, e depois se desloca até Milton Keynes para enfrentar Camarões, na terça seguinte (20).

Sem Neymar, seleção vai a campo com apenas oito convocados

Com 20 jogadores já à disposição, o técnico Tite deixou Neymar e a maior parte do elenco na academia fazendo trabalho regenerativo.

Ainda incompleta, a seleção brasileira realizou o seu primeiro treino nesta segunda-feira (12), no CT do Arsenal, em Londres, para os seus últimos jogos amistosos em 2018.

Com 20 jogadores já à disposição, o técnico Tite deixou Neymar e a maior parte do elenco na academia fazendo trabalho regenerativo enquanto comandou um treino leve com bola com o restante da equipe, que foi a campo em fim um de tarde com frio congelante.

No total, somente oito nomes participaram da atividade: Douglas Costa, Dedé, Alisson, Gabriel Jesus, Marquinhos, Ederson, Walace e Danilo. Eles tiveram o reforço ainda do garoto Augusto Galvan, revelação do São Paulo vendida ao Real Madrid que foi chamada para completar a movimentação na capital inglesa.

Em trabalho comandado pelo auxiliar Sylvinho, eles foram divididos em três times e se concentraram principalmente na troca rápida de passes.

Mais desgastados, Neymar, Pablo, Miranda, Fabinho, Filipe Luis, Alex Sandro, Paulinho, Allan, Arthur, Willian, Roberto Firmino e Richarlison devem ir ao gramado somente nesta terça (13).

Eles terão a companhia de Alex Sandro, Rafinha e Renato Augusto, que substituem os lesionados Marcelo, Casemiro e Philippe Coutinho, respectivamente.

O time comandado por Tite encerra os seus compromissos neste ano contra o Uruguai, na próxima sexta-feira (16), no Emirates Stadium, em Londres, e depois se desloca até Milton Keynes para enfrentar Camarões, na terça seguinte (20).

Palmeiras chega a 97,1% de chance de ser campeão, diz site

Na rodada anterior, o time comandado por Luiz Felipe Scolari tinha 92,4% de possibilidade de ficar com o título.

O Palmeiras encerrou a 33ª rodada com 97,1% de chance ser campeão do Brasileiro de 2018 após empatar por 1 a 1 com o Atlético-MG em Belo Horizonte no domingo (11), indica cálculos do site Chance de Gol.

Na rodada anterior, o time comandado por Luiz Felipe Scolari tinha 92,4% de possibilidade de ficar com o título.

Palmeiras chega a 97,1% de chance de ser campeão, diz site. (Foto: César Greco/Palmeiras)

Neste fim de semana, o ponto somado pelo Palmeiras foi suficiente para manter a diferença em cinco pontos para o Internacional, que empatou por 1 a 1 com o Ceará, e abrir sete para o Flamengo, derrotado por 2 a 1 pelo Botafogo.

Segundo o Chance de Gol, o time colorado tem 2,5% de possibilidade de ser campeão, enquanto os rubro-negros têm 0,4%. Grêmio e São Paulo, que demitiu o treinador Diego Aguirre, têm chances remotas.

Na briga pela sexta vaga na Libertadores, a disputa está quente depois da vitória do Atlético-PR sobre o Cruzeiro. Os paranaenses estão a um ponto do sexto colocado, Atlético-MG, mas o Santos pode ter a dianteira na briga caso vença a Chapecoense nesta segunda-feira (12). Por isso, os santistas superam os outros dois rivais com 47,5% de chance de G-6.

QUEDA

Na briga contra o rebaixamento, a rodada foi positiva para o Botafogo. Com a vitória por 2 a 1 pelo Flamengo, o clube chegou aos 41 pontos e viu o risco de queda ser reduzido para 1,4%. O Corinthians, que empatou por 1 a 1 com o São Paulo, tem um ponto a menos e risco de rebaixamento calculado em 2%.

O Vasco, por sua vez, viu a possibilidade de queda aumentar de 15,2% para 19,5% com a derrota por 2 a 1 para o Grêmio. Sport (32,6,4%), Vitória (76,7%), América-MG (93,5%) e Chapecoense (68,7%) seguem como mais ameaçados para as três vagas ainda em aberto. O Paraná já está rebaixado.

A análise realizada pelo Chance de Gol leva em consideração o local da partida (dentro ou fora de casa), o retrospecto recente e os adversários que restam a cada clube enfrentar.

Por causa disso, alguns clubes que estão atrás na tabela aparecem com mais chances de títulos ou de vaga na Libertadores que outros que estão à frente. O mesmo acontece na briga pelo rebaixamento, em que um time que já está na zona da degola tem menos chances de cair do que um que figura fora dela.

Veja as possibilidades estimadas pelo Chance de Gol:

Chances de título:

1 - Palmeiras (67 pontos) - 97,1% de chances

2 - Internacional (62 pontos) - 2,5%

3 - Flamengo (60 pontos) - 0,4%

4 - Grêmio (58 pontos) - 0,03%

5 - São Paulo (58 pontos) - quase 0%

Chances de Libertadores (G-6):

1 - Palmeiras (67 pontos) - 100% de chances

2 - Internacional (63 pontos) -100%

3 - Flamengo (60 pontos) - 99,9%

4 - Grêmio (58 pontos) - 99,97%

5 - São Paulo (58 pontos) - 99,97%

6 - Atlético-MG (47 pontos) - 24,2%

7 - Atlético-PR (46 pontos) - 20,4%

8 - Santos (46 pontos) - 47,5%

9 - Cruzeiro (46 pontos) - Já está na Libertadores

10 - Fluminense (41 pontos) - quase 0%

11 - Bahia (41 pontos) - 0,09%

12 - Botafogo (41 pontos) - 0,03%

13 - Corinthians (40 pontos) - 0,03%

Risco de rebaixamento:

10 - Fluminense (41 pontos) - 0,7%

11 - Bahia (41 pontos) - 0,3%

12 - Botafogo (41 pontos) - 1,4%

13 - Corinthians (40 pontos) - 2 %

14 - Ceará (38 pontos) - 4,6%

15 - Vasco (38 pontos) - 19,5%

16 - Sport (37 pontos) - 32,6%

17 - Vitória (35 pontos) - 76,7%

18 - América-MG (34 pontos) - 93,5%

19 - Chapecoense (34 pontos) - 68,7%

20 - Paraná (21 pontos) - 100%

Odair completa um ano de Inter após contrato simples e mudança radical

Apesar do clima ótimo, Odair já correu risco de demissão. No Gauchão, ele balançou no cargo em meio aos clássicos contra o Grêmio.

Odair Hellmann completa nesta segunda-feira (12) um ano à frente do Internacional. A presença do treinador no cargo simboliza bastante coisa.

Interino no final de 2017 e efetivado após a diretoria não conseguir os nomes desejados no mercado, o ex-volante injetou alegria no dia a dia do time e teve adesão total do elenco para mudar a ideia de jogo durante este ano.

Até o final do Brasileiro, Hellmann chegará a marca de 60 jogos como treinador do Inter. Neste momento, ele tem 62,4% de aproveitamento e o time está virtualmente classificado à Libertadores de 2019. Um cenário que nem os mais otimistas colorados sonhavam em janeiro.

Odair substituiu Guto Ferreira nas últimas três rodadas da Série B do ano passado e agradou. Foi efetivado minutos depois da vitória em cima do Guarani, em Porto Alegre, no dia 25 de novembro de 2017. Dias antes, treinou o Internacional também diante de Oeste e Goiás.

Pesou na decisão da diretoria: a relação de Hellmann com os jogadores, a amostragem do método de trabalho e as negativas de Abel Braga.

Foto: Divulgação/Inter

"Ajudou muito a situação de eu estar no clube, ser auxiliar, ter o respeito de todos. Mas quando você sai de uma posição de auxiliar e vira treinador, mudam completamente as relações. Mudam. Eu continuo o mesmo como pessoa e profissional. Só que é você quem toma a decisão. E quem toma decisões, agrada ou desagrada. E isso pode interferir no processo de relação com as pessoas", disse Odair.

"Quando eu era auxiliar, não era eu quem decidia. Eu poderia até ter a mesma opinião do treinador, mas o jogador não sabia, ele sabia que o treinador decidia. E a relação com o jogador tem que ser embasada na verdade, na lealdade, no olho no olho. Você toma decisões a todo momento, o tempo todo. E sempre tem um posterior. Todas as decisões que tomamos, e foram difíceis, tivemos transparência, verdade com os jogadores", completou.

A promoção de auxiliar a treinador gerou situações inusitadas. Durante bons meses deste ano, Odair Hellmann seguiu com vínculo de funcionário do Inter. Ou seja, contrato via CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Somente com a temporada em andamento é que o detalhe foi alterado para o padrão do mercado da bola. Com vínculo empregatício comum aos treinadores do futebol brasileiro.

Foi também durante o ano que o Inter decidiu jogar do jeito que joga agora. Durante o primeiro semestre, o time tentou atuar com a posse e criando a partir dos volantes.

Sem êxito, precisou de reunião geral entre jogadores e comissão técnica para migrar a um novo plano. Aos olhos do clube, a figura carismática de Odair foi vital no processo.

Também aconteceu na gestão Hellmann algo que era inimaginável no Beira-Rio moderno. D'Alessandro, ídolo e referência técnica, virou reserva justamente em um Gre-Nal e só voltou ao time quando da lesão de William Pottker.

Apesar do clima ótimo, Odair já correu risco de demissão. No Gauchão, ele balançou no cargo em meio aos clássicos contra o Grêmio e seguiu depois de comandar reação do time no terceiro Gre-Nal seguido.

A vitória por 2 a 0 não reverteu o confronto eliminatório, porém injetou ânimo. Em maio, outro duelo com a equipe de Renato Gaúcho foi chave. Com empate sem gols na Arena, a ideia de um time mais reativo ganhou corpo.

Outra chance de queda ocorreu quando da sequência de empates. A vitória em cima da Chapecoense, no Beira-Rio, sepultou qualquer risco de demissão e marcou nova arrancada dentro do Campeonato Brasileiro.

"Eu tenho 25 anos de futebol, 27... E 20 são dentro do Inter. Meu sangue, coração são vermelhos. Meus olhos são azuis, mas eles já são vermelhos. Tudo que eu tenho na vida, foi o Inter que me deu. Me deu oportunidade de ser jogador, e de me tornar treinador profissional", comentou Hellmann.

Após o Brasileiro, o Internacional deve apresentar proposta de renovação contratual a Odair Hellmann. O treinador deve seguir à frente do clube para disputa da temporada de 2019.

Troca de técnico provoca discussão no SPFC; Raí defende Jardine

Ex-jogador e ídolo da torcida, Raí encara Jardine como o nome ideal.

A definição de quem será o responsável por dirigir o São Paulo em 2019 provoca discussão entre integrantes da diretoria tricolor. No domingo (11), o executivo de futebol do clube, Raí, e o presidente, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, decidiram demitir o treinador Diego Aguirre.

Até o fim da temporada, quem vai ficar no comando será André Jardine, que era técnico das categorias de base até o ano passado e fora promovido em 2018 para auxiliar do profissional. No entanto, nem todos dentro do Morumbi entendem que a efetivação do gaúcho de 39 anos seja o caminho correto a seguir.

Ex-jogador e ídolo da torcida, Raí encara Jardine como o nome ideal. O campeão mundial de 1992 foi o grande incentivador da integração do treinador da base na equipe principal. Ele também apoiou o então auxiliar a viajar para a Europa, em outubro, para fazer intercâmbio e conhecer um pouco mais da cultura futebolística de outros países. No entanto, nem todo mundo pensa como Raí.

Foto: Divulgação/SPFC

Há dentro do São Paulo quem considere Jardine como muito jovem para assumir um time deste calibre. Para essas pessoas, a efetivação dele poderia significar a queima de etapas em um processo de maturação do treinador.

Nesta visão, o medo é repetir o filme de Sérgio Baresi, em 2010. Na época, ele substituiu Ricardo Gomes, não obteve os resultados esperados e deixou o cargo antes mesmo do fim do ano -dando lugar para Paulo Cézar Carpegiani. Naquele período, Leco era o vice-presidente de futebol tricolor.

No entanto, mesmo entre a ala que tem desconfiança sobre uma possível efetivação de Jardine e defende a contratação de um técnico mais experiente, não há um nome de um substituto para 2019 em pauta -apesar das especulações normais de mercado que falam em Abel Braga e Mano Menezes.

Ou seja, o São Paulo ainda não trabalha com qualquer opção para a próxima temporada, apesar de não existir ainda uma certeza de que Jardine será efetivado.

Demissão de aguirre

Raí deixou muito claro que não havia ficado satisfeito com o desempenho do São Paulo no empate por 1 a 1 com o Corinthians, no último sábado (10). Apesar de jogar fora de casa, a equipe atuou todo o segundo tempo com um jogador a mais -Araos havia sido expulso no fim da primeira etapa.

Com a vitória do Grêmio sobre o Vasco, no domingo (11), o São Paulo caiu para a quinta colocação -superado no número de vitórias pelos gaúchos- e viu a situação para buscar uma vaga na fase de grupos da Copa Libertadores ficar mais complicada.

No encontro da cúpula tricolor neste domingo, já com os resultados da rodada na mão, foi possível observar que o time tinha uma vantagem de 12 pontos para o sétimo lugar (Atlético-PR) -sendo que até sexto do Brasileirão se classifica para a pré-Libertadores. Por isso, ficou claro que já era o momento para começar a se projetar 2019, e Aguirre não faria mais parte dos planos.

O consenso entre os dirigentes foi de que nessas últimas rodadas o clube devia lutar pela quarta posição com o ânimo renovado por causa da entrada de Jardine, e estudar o que será feito no próximo ano sem a preocupação de perder o lugar na pré-Libertadores.

O uruguaio tinha contrato com o clube até o fim deste ano, sem multa de rescisão. Indicado por Lugano, Aguirre chegou a encantar a diretoria, que até esboçou uma conversa sobre a renovação de contrato há cerca de dois meses. Na ocasião, o treinador achou que não era o momento para discutir o assunto.

No segundo turno, o time perdeu desempenho. Depois de fechar a primeira metade do nacional na liderança, com 71,9% de aproveitamento, a equipe conquistou apenas 40,4% dos pontos possíveis na segunda parte do torneio.

No total, Aguirre comandou o São Paulo em 43 partidas, com 19 vitórias, 15 empates e 9 derrotas, com 55,8% de aproveitamento dos pontos.

Tite chama Renato e Alex Sandro para lugares de Coutinho e Marcelo

A seleção inicia a preparação para os seus últimos testes em 2018 em treino logo mais, às 13h (de Brasília) desta segunda.

Além da baixa já esperada do lesionado Philippe Coutinho, do Barcelona, a seleção brasileira sofreu outra perda para os seus últimos amistosos no ano: Marcelo, do Real Madrid, também foi cortado. Para o lugar dos dois, Tite chamou Renato Augusto, do Beijing Goan, e Alex Sandro, da Juventus.

Existe o risco de Casemiro também perder os amistosos contra Uruguai e Camarões, mas, como o problema com o volante do Real Madrid foi no domingo (11) à noite, a CBF ainda analisa. Uma posição será tomada ainda nesta segunda-feira (12).

Havia um temor também em relação ao atacante Richarlison, que deixou o jogo do Everton contra o Chelsea com dores, porém, ele não deve ser problema para os amistosos.

Foto: Lucas Figueiredo/Divulgação/CBF

O jovem jogador, inclusive, dormiu a última noite no hotel da delegação, em Saint Albans, próximo ao CT do Arsenal, onde a equipe treinará, e teve a sua condição verificada.

Ao lado de Neymar, Casemiro e Marquinhos, Coutinho foi o único jogador a começar como titular todos as partidas após a Copa do Mundo da Rússia.

A seleção inicia a preparação para os seus últimos testes em 2018 em treino logo mais, às 13h (de Brasília) desta segunda, mas não estará com o grupo completo. Por conta disso, a revelação são-paulina Augusto Galvan, hoje no Real Madrid, foi, inclusive, chamada para completar as atividades e já se apresentou.

O time comandado por Tite encerra o ano contra o Uruguai, na próxima sexta-feira (16), no Emirates Stadium, em Londres, e depois se desloca até Milton Keynes para enfrentar Camarões, na terça seguinte (20).

Palmeiras chega a 97,1% de chance de ser campeão, diz site

Neste fim de semana, o ponto somado pelo Palmeiras foi suficiente para manter a diferença em cinco pontos.

O Palmeiras encerrou a 33ª rodada com 97,1% de chance ser campeão do Brasileiro de 2018 após empatar por 1 a 1 com o Atlético-MG em Belo Horizonte no domingo (11), indica cálculos do site Chance de Gol.

Na rodada anterior, o time comandado por Luiz Felipe Scolari tinha 92,4% de possibilidade de ficar com o título.

Neste fim de semana, o ponto somado pelo Palmeiras foi suficiente para manter a diferença em cinco pontos para o Internacional, que empatou por 1 a 1 com o Ceará, e abrir sete para o Flamengo, derrotado por 2 a 1 pelo Botafogo.

Segundo o Chance de Gol, o time colorado tem 2,5% de possibilidade de ser campeão, enquanto os rubro-negros têm 0,4%. Grêmio e São Paulo, que demitiu o treinador Diego Aguirre, têm chances remotas.

Foto: Divulgação/Agência Palmeiras

Na briga pela sexta vaga na Libertadores, a disputa está quente depois da vitória do Atlético-PR sobre o Cruzeiro. Os paranaenses estão a um ponto do sexto colocado, Atlético-MG, mas o Santos pode ter a dianteira na briga caso vença a Chapecoense nesta segunda-feira (12). Por isso, os santistas superam os outros dois rivais com 47,5% de chance de G-6.

Queda

Na briga contra o rebaixamento, a rodada foi positiva para o Botafogo. Com a vitória por 2 a 1 pelo Flamengo, o clube chegou aos 41 pontos e viu o risco de queda ser reduzido para 1,4%. O Corinthians, que empatou por 1 a 1 com o São Paulo, tem um ponto a menos e risco de rebaixamento calculado em 2%.

O Vasco, por sua vez, viu a possibilidade de queda aumentar de 15,2% para 19,5% com a derrota por 2 a 1 para o Grêmio. Sport (32,6,4%), Vitória (76,7%), América-MG (93,5%) e Chapecoense (68,7%) seguem como mais ameaçados para as três vagas ainda em aberto. O Paraná já está rebaixado.

A análise realizada pelo Chance de Gol leva em consideração o local da partida (dentro ou fora de casa), o retrospecto recente e os adversários que restam a cada clube enfrentar.

Por causa disso, alguns clubes que estão atrás na tabela aparecem com mais chances de títulos ou de vaga na Libertadores que outros que estão à frente. O mesmo acontece na briga pelo rebaixamento, em que um time que já está na zona da degola tem menos chances de cair do que um que figura fora dela.

Veja as possibilidades estimadas pelo Chance de Gol:

Chances de título:

1 - Palmeiras (67 pontos) - 97,1% de chances

2 - Internacional (62 pontos) - 2,5%

3 - Flamengo (60 pontos) - 0,4%

4 - Grêmio (58 pontos) - 0,03%

5 - São Paulo (58 pontos) - quase 0%

Chances de Libertadores (G-6):

1 - Palmeiras (67 pontos) - 100% de chances

2 - Internacional (63 pontos) -100%

3 - Flamengo (60 pontos) - 99,9%

4 - Grêmio (58 pontos) - 99,97%

5 - São Paulo (58 pontos) - 99,97%

6 - Atlético-MG (47 pontos) - 24,2%

7 - Atlético-PR (46 pontos) - 20,4%

8 - Santos (46 pontos) - 47,5%

9 - Cruzeiro (46 pontos) - Já está na Libertadores

10 - Fluminense (41 pontos) - quase 0%

11 - Bahia (41 pontos) - 0,09%

12 - Botafogo (41 pontos) - 0,03%

13 - Corinthians (40 pontos) - 0,03%

Risco de rebaixamento:

10 - Fluminense (41 pontos) - 0,7%

11 - Bahia (41 pontos) - 0,3%

12 - Botafogo (41 pontos) - 1,4%

13 - Corinthians (40 pontos) - 2 %

14 - Ceará (38 pontos) - 4,6%

15 - Vasco (38 pontos) - 19,5%

16 - Sport (37 pontos) - 32,6%

17 - Vitória (35 pontos) - 76,7%

18 - América-MG (34 pontos) - 93,5%

19 - Chapecoense (34 pontos) - 68,7%

20 - Paraná (21 pontos) - 100%

Atleta participa da inauguração de projeto: “Quero ver grandes surgirem”

Luís Carlos quer usar seu nome e experiência no esporte náutico para incentivar a prática no Piauí.

Pentacampeão Brasileiro. Campeão Mundial e representante da Seleção Brasileira de Paracanoagem – esses são apenas alguns itens do currículo do piauiense Luís Carlos Cardoso, uma das referencias mundiais na modalidade. Com todas essas conquistas, Luís Carlos quer usar seu nome e experiência no esporte náutico para incentivar a prática no estado do Piauí e primeiro passo foi dado através do Projeto Iporanga, na Barragem do Bezerro, localizado em José de Freitas, que a partir dessa segunda-feira (12) terá aulas de canoagem voltada para crianças a adolescentes.

“Nós temos um país muito rico, mas valorizamos pouco os nossos recursos e escolinhas como essas são o primeiro passo para mudar isso. Eu espero que o projeto comece aqui e cresça bastante. Quero poder competir ou até mesmo acompanhar outros nomes surgindo aqui no estado do Piauí, assim como eu que sai de Picos”, disse Luís Carlos.


Foto: Elias Fontinelle/ODIA

O projeto tem como objetivos principais – incentivar a prática do esporte náutico no estado, que ainda é pouco conhecido apesar de ter um atleta paraolímpico, e também utilizar a Barragem do Bezerro para motivos além do lazer usual a população da região. “É uma iniciativa muito importante, pois nos temos a barragem que geralmente só é utilizada de fato aos fins de semana para lazer e agora com esse apoio do Ministério Público e Associação de Canoagem eu acredito que tem tudo para ser um esporte mais praticado”, declarou o prefeito de José de Freitas Roger.

Luís Carlos chegou a entrar em um caiaque e dar algumas remadas na barragem. Na ocasião, ele relembrou um pouco de sua trajetória no esporte. Luís ficou paraplégico no ano de 2009 por conta de uma bactéria que se alojou em sua medula, esquistossomose, e em 2011 começou a praticar esporte como forma de reabilitação.

“Comecei no esporte no basquete e depois de um tempo conheci a canoagem através do Akos (treinador) e aos poucos as coisas foram dando certo. Passei e ainda passo por muitas coisas, mas sempre que entro em uma competição, em dias difíceis de treinamento eu repito para mim; vou dar o meu melhor, e assim as coisas acontecem na minha vida”, relatou o atleta.

O projeto de canoagem Iporanga terá aulas acontecendo duas vezes por semana na Barragem do Bezerro, na cidade de José de Freitas. O projeto inicia com três barcos e um instrutor, crianças dos 6 aos 17 anos.

River sofre com parte física e cede empate ao Ceará pela Copa do Nordeste

O Galo abriu o marcador aos cinco minutos do primeiro tempo com o atacante Juninho.

O River saiu de campo no último sábado (10) com um empate em 1 a 1 diante o Ceará, no estádio Albertão. Jogo válido pela 3ª rodada da Copa do Nordeste Sub20. O Galo abriu o marcador aos cinco minutos do primeiro tempo com o atacante Juninho, e aos 30 minutos da etapa inicial perdeu pênalti, com Matheus. O gol do Ceará saiu aos 39 minutos da etapa complementar com o Somália. O River volta a campo no próximo sábado (17) quando visita o Ceará, em Fortaleza.

Mas o maior adversário do River na partida foi à parte física. Os jogadores do Galo sentiram o desgaste físico e o técnico Maradona se viu obrigado a fazer as substituições. “A gente viu alguns jogadores dando câimbras, vamos conversar, eu a comissão técnica para que a gente possa detectar o que está acontecendo para que eles suportem o tempo normal de um jogo. Tivemos problemas na parte técnica e física, pois os jogadores não conseguiram desempenhar o melhor do seu futebol”, explicou.

Após a partida alguns atletas passaram mal e chegaram a sair de campo vomitando. Além disso, alguns jogadores estavam retornando do departamento medico e voltaram a sentir dores, caso por exemplo, do lateral-esquerdo Pitoco, substituído ainda no primeiro tempo por Matheus Felipe.

Apesar da apresentação abaixo do esperado o River tem em três jogos; duas vitorias e um empate. “Ainda temos chances de nos classificarmos para a próxima fase da competição e precisamos erguer a cabeça e focar nisso. Foi um resultado ruim porque estávamos com a vitória na mão, mas temos cinco dias para trabalhar e vencer eles (Ceará) lá dentro”, disse o Camisa 1, Vinicius.

No Grupo F da Copa do Nordeste Sub20 o River tem sete pontos, mesma pontuação do Ceará. O Galo mede forças com o time cearense novamente no próximo sábado (17), às 15h, em Fortaleza. Apenas o primeiro colocado do grupo avança para as semifinais. Moto Club e Sampaio completam o Grupo F da competição.

10 de novembro de 2018

Fluminense encara o bom momento do Sport no Maracanã

O time tricolor precisa se recuperar neste domingo, às 19h, no Maracanã, diante do bom momento que vive o Sport.

O Fluminense está concentrado na Copa Sul-Americana nesta reta final de temporada, mas não pode se descuidar do Campeonato Brasileiro. Por isso, o time tricolor precisa se recuperar neste domingo, às 19h, no Maracanã, diante do bom momento que vive o Sport.

Vindo de duas derrotas seguidas, o Fluminense estacionou nos 40 pontos e começou a 33ª rodada seis pontos à frente da zona de rebaixamento. Um novo tropeço pode deixar a equipe dirigida por Marcelo Oliveira em alerta contra o risco de rebaixamento.

Além dos tropeços seguidos contra Santos e Vasco no Brasileirão, o Fluminense não foi bem na partida de ida da semifinal da Sul-Americana. Na última quarta-feira, o time tricolor perdeu por 2 a 0 para o Atlético-PR e precisará de uma reviravolta no dia 28 para se classificar.

Para essa partida, o treinador não poderá contar com o zagueiro Ibañez e o meio-campista Sornoza, suspensos. Além disso, o lateral Gilberto segue entregue ao departamento médico.

O Sport, por sua vez, está em boa fase no Brasileirão. A equipe pernambucano venceu as últimas três partidas e ganhou 12 dos últimos 15 pontos disputados. Com essa sequência, deixou a zona de rebaixamento e abriu dois pontos de vantagem para o grupo dos quatro últimos colocados ao início da rodada.

FLUMINENSE

Júlio César; Gum, Paulo Ricardo, Digão; Léo, Richard, Jadson, Daniel, Ayrton Lucas; Everaldo, Luciano. T.: Marcelo Oliveira

SPORT

Mailson; Cláudio Winck, Ernando, Adryelson, Raul Prata; Marcão, Jair, Michel Bastos; Gabriel, Mateus Gonçalves, Hernane. T.: Milton Mendes

Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro

Horário: 19h deste domingo

Juiz: Flavio Rodrigues de Souza (SP)

Palmeiras tem quatro baixas e seis pendurados contra Atlético-MG

Diogo Barbosa, Mayke e Dudu estão suspensos; além deles, Willian também não poderá jogar por estar no departamento médico

O Palmeiras terá pelo menos quatro desfalques confirmados para encarar o Atlético-MG neste domingo (11), pela 33ª rodada do Brasileirão, às 17h, no Independência, em Belo Horizonte.

Diogo Barbosa, Mayke e Dudu estão suspensos. Os dois primeiros foram retirados desta partida por conta da suspensão de dois jogos imposta pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) após a briga na semifinal da Copa do Brasil, contra o Cruzeiro. Já o atacante tomou o terceiro amarelo contra o Santos.

Além deles, Willian também não poderá jogar por estar no departamento médico. A sua previsão é de pelo menos mais uma semana tratando antes de estar à disposição de Luiz Felipe Scolari.

Outras duas dúvidas podem aumentar a lista de problemas do Palmeiras. Marcos Rocha já treina no gramado, mas ainda precisa de tratamento especial e não é presença confirmada. Hyoran também perdeu treinos pela semana, mas deve ser relacionado.

O líder do Brasileirão ainda tem diversos atletas pendurados. Se algum deles for advertido, não poderá jogar contra o Fluminense, na próxima rodada, marcada para dia 14 de novembro. São eles: Marcos Rocha, Willian, Jailson, Luan, Hyoran e Antônio Carlos.

Felipão treinou durante toda a semana sem a presença da imprensa, por isso, é difícil cravar qual o time que entrará em campo. Uma possível escalação tem: Weverton; Jean (Marcos Rocha), Luan (Edu Dracena), Gustavo Gómez (Antônio Carlos) e Victor Luís; Bruno Henrique, Felipe Melo e Moisés; Guerra (Lucas Lima), Scarpa e Borja (Deyverson).

Cuca não confirma permanência no Santos em 2019

Apesar do "clima de paz", Cuca evitou falar sobre 2019 e priorizou assuntos somente relacionados a esta temporada

O técnico Cuca se reuniu com a diretoria do Santos na última quinta-feira, no CT Rei Pelé. Foi uma espécie de "reunião da paz", pois o encontro serviu para a dupla estreitar o relacionamento após a troca de farpas na imprensa. O presidente José Carlos Peres e seus aliados pretendiam elaborar o projeto para 2019, que inclui a permanência do técnico e a chegada de reforços.

Apesar do "clima de paz", Cuca evitou falar sobre 2019 e priorizou assuntos somente relacionados a esta temporada. O treinador pediu foco total nos últimos seis jogos do Santos no Campeonato Brasileiro. O objetivo é conquistar uma vaga na Copa Libertadores da América do próximo ano.

"Uma reunião, eu, ele (presidente) o Dimas (Sérgio, gerente de futebol) e o Renato (executivo de futebol), planejamos 2018. Não podemos pensar em 2019, sem saber o que vamos disputar. Eles estão pensando no futuro, mas o mais importante é o presente. Mas do que quantos jogadores vocês vão trazer, o importante é a permanência de atletas. Não adianta falar em trazer fulano e esquecer as seis decisões que nós temos", afirmou Cuca.

O Santos é o sétimo colocado no Campeonato Brasileiro, com 46 pontos, mesmo número de pontos do Atlético-MG, sexto colocado e último a garantir vaga na Libertadores. No entanto, o time mineiro tem uma vitória a mais: 13 contra 12. Cuca já fez as conta de quanto o time santista precisa para alcançar o objetivo.

"Baseado em números antigos e ver com quantos pontos acabou o sexto, teremos ideia. Geralmente com 56 ou 57. E com os adversários no cálculo do que farão, teremos mais ideia. Se fizermos 11 dos 18, acabamos em sexto. De 46 para 57, ficamos em sexto", disse.

Cuca coleciona desentendimentos com o presidente José Carlos Peres desde que chegou ao clube. A relação começou a estremecer publicamente logo após a eliminação do Santos para o Independiente, da Argentina, na Libertadores. Na ocasião, Cuca disparou contra a diretoria pelo erro envolvendo a escalação irregular do volante uruguaio Carlos Sánchez. Ele disse que os dirigentes precisavam melhorar administrativamente.

Peres respondeu, também publicamente, alegando que cabia ao treinador cuidar somente da parte técnica, não da administrativa. Posteriormente, Cuca negou ter feito críticas e disse que não precisaria fazer um pedido de desculpas ao dirigente. Por isso, se recusou a participar de uma entrevista coletiva ao lado do mandatário para selar a paz.

Se não bastasse, Peres criticou a escalação de Cuca publicamente na semana passada. O dirigente disse em reunião do Conselho Deliberativo que o meia Bryan Ruiz está jogando fora de posição e, por isso, não apresenta o seu melhor futebol. O treinador não deixou por menos e reprovou a atitude do mandatário em público.

"Só lamento pois eu sempre que coloco o jogador, coloco na posição dele. É um cara que a gente gosta (Bryan Ruiz), um baita profissional. Às vezes eu tenho outros gostos por estar aqui o dia inteiro. Eu lamento essas palavras do presidente, mas bola para a frente. Vamos lá", disse.

Por fim, Cuca criticou a diretoria santista por descobrir pela imprensa que o jogo contra a Chapecoense havia sido transferido da Vila Belmiro para o Pacaembu.

Palmeiras visita o Atlético-MG em jogo mais difícil na reta final

Com apenas seis rodadas a serem disputadas, o zagueiro Victor Luiz assume que a possibilidade da conquista do título já tira o seu sono

O Palmeiras está em contagem regressiva para o fim do Campeonato Brasileiro. Com apenas seis rodadas a serem disputadas, o zagueiro Victor Luiz assume que a possibilidade da conquista do título já tira o seu sono.

"Eu sonho literalmente [com o título]. Às vezes minha mulher fala comigo e eu fico sentado na cama, pensando na maneira que o ano pode terminar, se Deus quiser com um grande título", afirmou em entrevista coletiva.

Líder da competição com cinco pontos de vantagem para o Internacional (segundo colocado), o Palmeiras enfrenta neste domingo (11), às 17h, o Atlético-MG, no Independência, em Belo Horizonte. Um dos confrontos mais duros que a equipe deve ter nesta reta final de competição -o Atlético-MG é o único adversário que figura entre os seis primeiros colocados (zona de classificação para a Libertadores).

Depois da partida em Minas Gerais, a equipe enfrenta o Fluminense em casa. Na sequência, visita o já rebaixado Paraná, que mandará o jogo no estádio do Café, em Londrina, onde a torcida do Palmeiras deve ser maioria.

Nas rodadas seguintes, o clube alviverde só encara equipes ainda ameaçadas pelo rebaixamento: América-MG (em casa), Vasco (fora) e encerra a competição contra o Vitória, no Allianz Parque -jogo em que os palmeirenses esperam fazer a festa que ainda não aconteceu neste ano.

Com um dos elencos mais caros do futebol brasileiro, o time alviverde pôde, sem grandes dificuldades, se dividir entre vários campeonatos e competir satisfatoriamente em todos. Mas ainda falta à equipe um troféu para coroar a temporada.

"Sempre ressaltei minha vontade de ser campeão no Palmeiras. Quando eu atingir este sonho, me sentirei realizado", disse Victor Luiz.

ATLÉTICO-MG

Victor; Emerson, Leonardo Silva, Maidana, Fábio Santos; Adilson, Elias, Luan, Cazares (Terans), Chará; Ricardo Oliveira. T.: Levir Culpi

PALMEIRAS

Weverton; Jean (Marcos Rocha), Luan (Edu Dracena), Gustavo Gómez (Antônio Carlos), Victor Luís; Bruno Henrique, Felipe Melo, Moisés; Guerra (Lucas Lima), Borja, Scarpa. T.: Luiz Felipe Scolari

Estádio: Independência, em Belo Horizonte (MG)

Horário: 17h deste domingo

Juiz: Wilton Pereira Sampaio (GO)

09 de novembro de 2018

Técnico acusado de abuso é multado em R$ 300 mil e suspenso por 1.500 dias

Fernando de Carvalho Lopes foi julgado nesta sexta-feira (09) pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

Cinco meses depois de estourar o escândalo que abalou a ginástica brasileira, o técnico Fernando de Carvalho Lopes foi julgado nesta sexta-feira (9), pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) da CBG (Confederação Brasileira de Ginástica), e recebeu a pena máxima em todos os cinco artigos nos quais foi denunciado.
O treinador ficará 1.500 dias suspenso e terá que pagar multa de R$ 300 mil, que irá para a própria CBG, que o mantinha como treinador da seleção.
A punição foi aplicada em primeira instância e ele pode recorrer. A punição foi considerada pela defesa dos atletas, da CSMZ Advogados, que queriam que Fernando fosse banido do esporte. Para tanto, eles recorreram a um artigo do estatuto da Federação Internacional de Ginástica (FIG), que prevê banimento por fatos graves.
Além disso, os advogados também defendiam que a punição de 1.500 dias fosse relativa a cada um dos 25 casos apresentados, o que na prática faria com que o treinador fosse banido para o resto da vida. Por isso, os atletas, que são parte interessada, também devem recorrer.


O técnico Fernando de Carvalho Lopes é acusado de abuso (Foto: Ricardo Bufolin/CBG/Divulgação)

Fernando foi acusado por diversos ginastas que treinaram sob o comando dele em São Bernardo do Campo (SP) de assediá-los. O caso tornou-se público às vésperas da Olimpíada do Rio, em 2016, quando os pais de dois alunos procuraram o Ministério Público e Fernando acabou afastado do cargo de treinador da seleção brasileira.
Depois, em abril deste ano, uma extensa reportagem do Fantástico ouviu diversos relatos de que os abusos eram cometidos há anos.
Então contratado pelo Mesc, clube de campo de São Bernardo, Fernando foi inicialmente afastado de suas atividades. O Mesc informou, à época, que o acusado vinha trabalhando apenas na área administrativa, mas mães de atletas já haviam denunciado ao Conselho Tutelar da cidade que, na verdade, ele continuava trabalhando como treinador.
Nesta sexta, ele enfim chegou ao banco dos réus do STJD da Ginástica, em Brasília. Acabou condenado em cinco artigos do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva): 243-B (constranger mediante violência, grave ameaça ou por qualquer outro meio), 243-C (ameaçar alguém), 243-E (submeter criança ou adolescente, sob sua autoridade, guarda ou vigilância, a vexame ou a constrangimento), 258 (assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras) e 243-G (praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência).
Antes desse julgamento no STJD, o caso Fernando já havia sido avaliado pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), onde o Comitê de Ética julgou a CBG e o técnico Marcos Goto, funcionário do COB, que teria feito troça das acusações contra Fernando e ironizado vítimas. Tanto a CBG quanto Goto acabaram inocentados.

Após acusação, PSG confirma discriminação racial na base

Entre 2013 e 2018, de acordo com os dados do Football Leaks, o time criou quatro "graduações" para avaliar adolescentes candidatos a integrar equipes inferiores: "francês" (branco), "do Norte da África", "das Antilhas" e "africano".

O vazamento de informações confidenciais pelo Football Leaks colocou mais uma vez o Paris Saint-Germain na berlinda. Documentos liberados pelo site, e publicados nesta quinta-feira (8) pelo jornal francês Mediapart, indicam que o clube praticou discriminação racial para selecionar jogadores para as categorias de base. Horas após a publicação, o PSG confirmou a veracidade da acusação.
Entre 2013 e 2018, de acordo com os dados do Football Leaks, o PSG criou quatro "graduações" para avaliar adolescentes candidatos a integrar equipes inferiores: "francês" (branco), "do Norte da África", "das Antilhas" e "africano".
Foi por esse método de classificação, baseado na cor da pele, que a base do clube teria vetado, em 2014, o recrutamento de Yann Gboho, meia da seleção francesa sub-17, negro e que nasceu na Costa do Marfim. Atualmente, o jogador de 17 anos defende a equipe B do Rennes.
Marc Westerloppe, um dos responsáveis por avaliar jovens talentos no PSG, disse na época que havia a necessidade de "equilibrar a diversidade" nas categorias de base devido a uma presença maior de jogadores de origem africana ou caribenha.
Em nota publicada em seu site, o clube francês confirmou a prática, mas ressaltou que a decisão foi exclusivamente de Westerloppe, sem o consentimento da diretoria. O PSG alega ter descoberto o caso em outubro, abrindo uma investigação interna para apurar como funcionava o método de seleção de jogadores.


PSG confirma acusação de discriminação racial na sua base (Foto: Reprodução/PSG)

"A Direção Geral do clube nunca teve conhecimento de um sistema de registro étnico dentro de um departamento de recrutamento nem o autorizava. Em vista das informações mencionadas, essas formas traem o espírito e os valores do Paris Saint-Germain", afirma o comunicado.
O PSG explicou também que aguarda a conclusão das investigações, mas disse já ter adotado algumas medidas internas para combater a discriminação racial, como a elaboração de uma nova metodologia para o recrutamento das categorias de base e estabelecer um código de ética para ser aplicado entre os funcionários.
A discriminação racial é discussão recorrente no país europeu. Em 2011, a FFF (Federação Francesa de Futebol) foi acusada de estabelecer um "sistema de cotas" para descendentes de árabes e africanos nas seleções de base e principal. Alguns astros do futebol francês, como Zinedine Zidane e Karim Benzema, ambos de origem argelina, não cantavam a Marselhesa, o hino nacional, antes das partidas oficiais.
A miscigenação foi a marca registrada do elenco da seleção da França que se sagrou campeão da última Copa do Mundo, na Rússia. Dezenove dos 23 convocados pelo técnico Didier Deschamps têm ascendência estrangeira.

Maiores vencedores, Federer e Djokovic voltam a protagonizar ATP Finals

O torneio, jogado em Londres com os oito melhores tenistas do circuito ao longo do ano, começa neste domingo (11) e vai até o próximo (18).

Vencedores de 11 das últimas 15 edições da competição que fecha a temporada da ATP, Roger Federer e Novak Djokovic buscam recuperar o protagonismo nessa disputa.
O torneio, jogado em Londres com os oito melhores tenistas do circuito ao longo do ano, começa neste domingo (11) e vai até o próximo (18).
Federer, 37, é o maior vencedor do ATP Finals, com seis títulos (2003, 2004, 2006, 2007, 2010 e 2011). Em seguida vem Djokovic, 31, com cinco (2008, 2012, 2013, 2014 e 2015), mesmo número de Pete Sampras e Ivan Lendl. De 2000 a 2008, o campeonato era chamado de Masters Cup, e antes disso teve outros nomes.


Roger Federer (Foto: Reprodução/Instagram)

A última vez em que Federer e Djokovic se enfrentaram no ATP Finals foi em 2015. Naquela ocasião, o suíço venceu na fase de grupos, mas eles se reencontraram na decisão, desta vez com triunfo do sérvio.
Com uma lesão no joelho, Federer se afastou das quadras no segundo semestre de 2016 e não participou da competição. No ano seguinte, foi a vez de Djokovic se ausentar por seis meses, para tratar uma lesão no cotovelo. Nenhum deles, no entanto, aproveitou a ausência do rival.
Há dois anos, o sérvio perdeu o troféu para o britânico Andy Murray, que havia acabado de desbancá-lo do posto de número 1 do mundo.
Já em 2017, o suíço parou nas semifinais, ao ser eliminado de forma surpreendente pelo belga David Goffin. O título ficou com o búlgaro Grigor Dimitrov. Nem Goffin nem Dimitrov conseguiram se classificar nesta temporada.
O domínio de Federer e Djokovic no piso rápido e coberto da o2 Arena contrasta com as dificuldades enfrentadas por Rafael Nadal em Londres. O ATP Finals é o único dos principais eventos do tênis (lista que também inclui Grand Slams e o torneio olímpico) que o espanhol nunca venceu.


Novak Djokovic (Foto: Reprodução/Instagram)

Nadal, atual vice-líder do ranking, anunciou sua desistência no início da semana, por não ter se recuperado de uma lesão no abdômen. O desgaste de fim de temporada tem atormentado o espanhol nos últimos anos.
Ele também desistiu de participar do Finals em 2016 e, na temporada passada, abandonou após perder na primeira rodada da fase de grupos.
Além dele, o argentino Juan Martín Del Potro (quarto colocado) é outra baixa neste ano, com uma fratura no joelho.
Dessa forma,o líder e o terceiro colocado do ranking são os favoritos para reeditar a decisão de 2015. Na semana passada, Djokovic, que ressumiu o topo na segunda (5) e vive grande momento, e Federer estiveram frente à frente nas semifinais do Masters 1.000 de Paris, com vitória do sérvio no tiebreak do terceiro set.
Ele venceu os últimos quatro confrontos contra o rival, mas o duelo na França sugeriu um equilíbrio não visto no outro embate entre os dois em 2018, no Masters 1.000 de Cincinnati, que acabou com triunfo tranquilo de Djokovic.
Federer, que pode obter em Londres o centésimo título de simples da sua carreira, afirmou em entrevista nesta semana ao jornal britânico The Times que vai continuar a jogar "pelo maior tempo possível".
Maior vencedor de Grand Slams entre os homens, ele fez uma temporada irregular em 2018. Conquistou 4 troféus, contra 7 no ano passado, e sofreu eliminações inesperadas em Wimbledon, para o sul-africano Kevin Anderson nas quartas de final, e no US Open, diante do australiano John Millman nas oitavas.
Neste ano, o ATP Finals homenageia nos nomes dos grupos os vencedores das edições de 2000 e 2001. Djokovic encabeça a chave Guga Kuerten, que tem ainda o alemão Alexander Zverev, o croata Marin Cilic e o americano John Isner.
No grupo Lleyton Hewitt estão Federer, Kevin Anderson, o austríaco Dominic Thiem e o japonês Kei Nishikori.
O Brasil está representado com dois tenistas no torneio de duplas. Marcelo Melo, que joga com o polonês Lukasz Kubot, e Bruno Soares, parceiro do britânico Jamie Murray, caíram em chaves diferentes e poderão se enfrentar a partir das semifinais.

Os grupos do ATP Finals
Diferentemente dos outros torneios do circuito, no ATP Finals quem perde logo de cara não é eliminado. Os oito melhores tenistas do ano são divididos em duas chaves. Todos jogam entre si dentro dos grupos, e os dois melhores de cada um avançam para as semifinais.

Simples
Grupo Guga Kuerten
Novak Djokovic (SER) - 1º colocado do ranking
Alexander Zverev (ALE) - 5º colocado do ranking
Marin Cilic (CRO) - 7º colocado do ranking
John Isner (EUA) - 10º colocado do ranking

Grupo Lleyton Hewitt
Roger Federer (SUI) - 3º colocado do ranking
Kevin Anderson (AFS) - 6º colocado do ranking
Dominic Thiem (AUT) - 8º colocado do ranking
Kei Nishikori (JAP) - 9º colocado do ranking

*Rafael Nadal (2º colocado do ranking) e Del Potro (4º) desistiram por lesão

Primeira rodada
Domingo (11)
12h K. Anderson x D. Thiem
18h R. Federer x K. Nishikori

Segunda (12)
12h A. Zverev x M. Cilic
18h N. Djokovic x J. Isner

Duplas
Grupo Knowles/Nestor
[1] Oliver Marach (AUT) / Mate Pavic (CRO)
[3] Lukasz Kubot (POL) / Marcelo Melo (BRA)
[5] Mike Bryan (EUA) / Jack Sock (EUA)
[8] Pierre-Hugues Herbert (FRA) / Nicolas Mahut (FRA)

Grupo Llodra/Santoro
[2] Juan Sebastian Cabal (COL) / Robert Farah (COL)
[4] Jamie Murray (GBR) / Bruno Soares (BRA)
[6] Raven Klaasen (AFS) / Michael Venus (NZL)
[7] Nikola Mektic (CRO) / Alexander Peya (AUT)

Domingo (11)
10h Murray/Soares x Klaasen/Venus
16h Cabal/Farah x Mektic/Peya

Segunda (12)
10h Marach/Pavic c Herbert/Mahut
16h Kubot/Melo x Bryan/Sock

Haas anuncia Pietro Fittipaldi como piloto de testes para a temporada 2019

A estreia do piloto acontecerá nos testes coletivos da categoria em Abi Dhabi em 27 de novembro.

A Haas anunciou nesta sexta-feira (9) o brasileiro Pietro Fittipaldi como seu novo piloto de testes. De acordo com comunicado oficial, o neto de Emerson Fittipaldi trabalhará para a equipe ao longo da temporada 2019 da Fórmula 1, mas já participará de atividades oficiais a partir do fim da temporada 2018.
A estreia de Pietro a bordo da Haas acontecerá nos testes coletivos da categoria em Abu Dhabi, com início em 27 de novembro. Neste ano, o brasileiro disputou seis etapas da Fórmula Indy pela Dale Coyne, mas perdeu as 500 Milhas de Indianápolis e a rodada dupla em Detroit após sofrer um acidente durante o treino classificatório para as 6 Horas de Spa-Francorchamps, etapa do Mundial de Endurance, em maio.
A chegada de Pietro Fittipaldi à Haas foi bastante comemorada por Günther Steiner, chefe de equipe do time norte-americano. "Ele nos traz um pedigree campeão de sua carreira nas categorias de acesso", disse o dirigente, citando também a passagem pela Indy.


Pietro Fittipaldi (Foto: Reprodução/Instagram)

"Estamos felizes por oferecer a Pietro seu primeiro teste em um carro de Fórmula 1 após tais experiências. Seu subsequente papel nos testes e o retorno que ele oferecerá em apoio a nossa campanha de 2019 irão sem dúvida contribuir para o crescimento e o desenvolvimento da Haas na Fórmula 1", acrescentou.
Ao longo da carreira, Pietro Fittipaldi conquistou títulos de categorias de acesso, com destaque para a temporada 2017 da Fórmula V8 3.5. Mesmo com o acerto com a Indy em 2018, nunca escondeu a intenção de estar na F-1. Na nota oficial desta sexta-feira, agradeceu à Haas pela chance.
"Gostaria de agradecer a Gene Haas e a Günther Steiner pela oportunidade de fazer parte da equipe. Eles têm feito um incrível trabalho na Fórmula 1, e ser chamado para fazer parte desse sucesso contínuo é naturalmente muito empolgante. Estou ansioso para me sentar atrás do volante do VF-18 em Abu Dhabi", afirmou o brasileiro.
Até aqui, não há pilotos brasileiros confirmados entre os titulares das equipes para a temporada 2019 da Fórmula 1. No entanto, além de Pietro Fittipaldi na Haas, o Brasil também terá Sergio Sette Câmara de reserva da McLaren.

Cuca lamenta desfalques e revela dúvida entre Alison e Yuri na zaga

O treinador não contará com Luiz Felipe e Lucas Veríssimo, que estão lesionados, e nem com Gabigol, Victor Ferraz e Diego Pituca, que estão suspensos.

O técnico Cuca lamentou o fato de o Santos somar sete desfalques para o duelo contra a Chapecoense na próxima segunda-feira (12), no Pacaembu, válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.
O treinador não contará com Luiz Felipe e Lucas Veríssimo, lesionados, Gabigol, Victor Ferraz e Diego Pituca, suspensos, além de Robson Bambu, que encerra seu contrato com o clube neste sábado (10).
Se não bastasse, Cuca acredita que também não terá o jovem Rodrygo para o confronto contra a Chapecoense. O atacante está gripado e não treinou nesta semana.
O comandante santista praticamente já definiu a maioria dos substitutos, mas revelou uma dúvida no time: Alison ou Yuri. Um dos dois será improvisado na zaga ao lado de Gustavo Henrique.
"São sete baixas, seis titulares e um reserva imediato. Precisa do improviso e vamos treinar para que eles peguem entrosamento. O torcedor tenha paciência, entenda isso. E o adversário precisa sair da zona de rebaixamento, vem para o jogo decisivo. Nós lutamos pela Libertadores, e eles, pela permanência na divisão", afirmou Cuca.


Foto: Divulgação/Santos FC

Caso Alison seja o escolhido para atuar improvisado, o jovem Guilherme Nunes ganhará uma oportunidade como volante na equipe titular. "Está entre o Yuri e o Alison. Vocês sabem (imprensa), estão aí todo dia, vivem disso. Eu tenho que treinar um pouquinho com um zagueiro, outro", disse.
Outra opção menos provável, mas que será testada em treino nesta sexta-feira (9), no CT Rei Pelé, é o jovem zagueiro Kaique, do sub-20. A comissão técnica de Cuca acompanha a nova revelação santista da zaga atuando na base e gostou do que viu.
"Hoje tem um menino que pode ser uma opção, jogou na quarta aqui contra o Coritiba. Kaique, eu observei o jogo pela TV e meu auxiliar aqui (na Vila). O que temos visto dele é satisfatório, ele tem um comando, liderança, é grande e não é lento. É um menino para ser trabalho", disse.
No restante, não há muitas dúvidas na escalação, apesar de tantos desfalques. Daniel Guedes, Bryan Ruiz e Eduardo Sasha devem atuar nas vagas dos suspensos Victor Ferraz, Diego Pituca e Gabigol.
Copete treinou como titular no lugar de Rodrygo. Caso o "prata da casa" se recupere da gripe, o colombiano passa a disputar vaga com Sasha na equipe titular.
O Santos deve encarar a Chapecoense com a seguinte escalação: Vanderlei, Daniel Guedes, Yuri (Alison), Gustavo Henrique e Dodô; Alison (Guilherme Nunes), Carlos Sánchez e Bryan Ruiz; Derlis González, Copete e Eduardo Sasha.

Dez anos após Interlagos, Glock é cobrado nas redes sociais

Naquele dia, Glock virou o vilão do Brasil por supostamente deixar Hamilton passar e tirar o título de Massa na última volta.

Um título decidido na última curva da última volta da última prova. Assim foi o GP do Brasil de dez anos atrás. Felipe Massa chegou a ser campeão mundial de Fórmula 1 durante meio minuto: o tempo entre a bandeirada da vitória e a ultrapassagem de Lewis Hamilton sobre Timo Glock. "Na última curva, na última curva!", lamentava Galvão Bueno.

Glock estava em quinto, tentando segurar o carro com pneus slicks na pista molhada. Depois que Massa cruzou a linha de chegada, todas as atenções se voltaram para ele. "Cadê o Glock, cadê o Glock, cadê o Glock?", dizia Galvão. "O Glock não resistiu...". Com a ultrapassagem, Hamilton conseguiu os pontos que precisava. A transmissão da TV ainda mostrava a festa dos parentes de Massa nos boxes da Ferrari quando o narrador anunciou, desanimado: "E Hamilton é campeão do mundo".

No último dia 2 de novembro, a épica decisão do título de 2008 completou dez anos. A data passou em branco nas redes sociais de Lewis Hamilton, hoje pentacampeão. Massa postou apenas a chamada para uma matéria de TV relembrando a corrida. Sabe quem mostrou o maior interesse pelas lembranças daquele dia? Ele mesmo: Timo Glock.

"E vem tudo pra cima da gente de novo... Foi há dez anos, mas parece maior do que nunca. Muitos e muitos comentários, pelo menos nem todos foram negativos. Mesmo assim, deixo uma pequena lembrança para aqueles que ainda pensam que foi de propósito (ainda há muitos por aí)... Tem um vídeo onboard da última volta inteira no Youtube. Pelo menos vocês podem ver todas as dificuldades que eu tive!", publicou o piloto em sua conta no Instagram.

Naquele dia, Glock virou o vilão do Brasil por supostamente deixar Hamilton passar e tirar o título de Massa na última volta. A acusação mais comum era a de que a Toyota, sua equipe na época, tinha vendido a ultrapassagem para a McLaren. Dez anos depois, nos comentários deste post no Instagram, o alemão continua sendo xingado por torcedores brasileiros e italianos fãs da Ferrari.

No entanto, segundo ele, basta ver o vídeo para entender que era impossível impedir a ultrapassagem de Hamilton naquelas condições. Glock assumiu o risco de não trocar pneus para se manter na zona de pontuação até o fim. Ele mal conseguia manter o carro na pista. Mesmo assim, a polêmica continua.

"Aqui está, e não me pergunte de novo por que eu perdi 18 segundos". Esta foi a resposta de Glock a um comentário no Twitter insinuando que sua queda de desempenho na última volta teria sido altamente suspeita. A câmera onboard mostra vários outros carros ultrapassando a Toyota derrapante do alemão. Em outro tuíte, o piloto volta a recorrer ao vídeo para rebater o seguidor que citou um suposto acordo entre amigos com Hamilton.

O jornalista Will Buxton então lembrou, em post no Twitter, que Hamilton e Glock não eram melhores amigos; na verdade, eles estavam de mal por causa de um acidente em Monza havia pouco tempo. Glock acrescentou que o debate em torno daquela corrida está maior do que nunca:

No Twitter, outro seguidor citou um boato de que Glock teria ganhado um carrão AMG de presente por deixar Hamilton passar. O alemão ironizou: "Não só um, vários".

Aos 36 anos, Glock segue sua carreira como piloto. Após deixar a Fórmula 1, em 2013, começou a competir no DTM, maior campeonato de carros turismo da Alemanha, pela equipe BMW. Ele também trabalha como comentarista de automobilismo para o canal alemão RTL.

Após acusação, PSG confirma discriminação racial na base

O PSG criou quatro "graduações" para avaliar adolescentes candidatos a integrar equipes inferiores: "francês" (branco), "do Norte da África", "das Antilhas" e "africano".

O vazamento de informações confidenciais pelo Football Leaks colocou mais uma vez o Paris Saint-Germain na berlinda. Documentos liberados pelo site, e publicados nesta quinta-feira (8) pelo jornal francês Mediapart, indicam que o clube praticou discriminação racial para selecionar jogadores para as categorias de base. Horas após a publicação, o PSG confirmou a veracidade da acusação.

Entre 2013 e 2018, de acordo com os dados do Football Leaks, o PSG criou quatro "graduações" para avaliar adolescentes candidatos a integrar equipes inferiores: "francês" (branco), "do Norte da África", "das Antilhas" e "africano".

Foi por esse método de classificação, baseado na cor da pele, que a base do clube teria vetado, em 2014, o recrutamento de Yann Gboho, meia da seleção francesa sub-17, negro e que nasceu na Costa do Marfim. Atualmente, o jogador de 17 anos defende a equipe B do Rennes.

Marc Westerloppe, um dos responsáveis por avaliar jovens talentos no PSG, disse na época que havia a necessidade de "equilibrar a diversidade" nas categorias de base devido a uma presença maior de jogadores de origem africana ou caribenha.

Em nota publicada em seu site, o clube francês confirmou a prática, mas ressaltou que a decisão foi exclusivamente de Westerloppe, sem o consentimento da diretoria. O PSG alega ter descoberto o caso em outubro, abrindo uma investigação interna para apurar como funcionava o método de seleção de jogadores.

"A Direção Geral do clube nunca teve conhecimento de um sistema de registro étnico dentro de um departamento de recrutamento nem o autorizava. Em vista das informações mencionadas, essas formas traem o espírito e os valores do Paris Saint-Germain", afirma o comunicado.

O PSG explicou também que aguarda a conclusão das investigações, mas disse já ter adotado algumas medidas internas para combater a discriminação racial, como a elaboração de uma nova metodologia para o recrutamento das categorias de base e estabelecer um código de ética para ser aplicado entre os funcionários.

A discriminação racial é discussão recorrente no país europeu. Em 2011, a FFF (Federação Francesa de Futebol) foi acusada de estabelecer um "sistema de cotas" para descendentes de árabes e africanos nas seleções de base e principal. Alguns astros do futebol francês, como Zinedine Zidane e Karim Benzema, ambos de origem argelina, não cantavam a Marselhesa, o hino nacional, antes das partidas oficiais.

A miscigenação foi a marca registrada do elenco da seleção da França que se sagrou campeão da última Copa do Mundo, na Rússia. Dezenove dos 23 convocados pelo técnico Didier Deschamps têm ascendência estrangeira.

BÔNUS DE ÉTICA

Também com base em documentos do Football Leaks, a emissora França 2 divulgou valores de um "bônus por ética" recebido pelos jogadores do PSG. O prêmio atende a uma cláusula de contrato que elenca regras de comportamento -entre elas, o cumprimento aos torcedores ao final de cada jogo.

Neymar tem previsto € 375 mil por mês (R$ 1,6 milhão) em contrato neste quesito, enquanto Kylian Mbappé tem € 117 mil (cerca de R$ 500 mil). Daniel Alves e Edinson Cavani levam € 70 mil (R$ 300 mil) cada, e Thiago Silva, € 33 mil (R$ 140 mil).

O bônus havia sido noticiado anteriormente por outros veículos, mas os valores não eram conhecidos. O próprio clube, quando puniu Marco Verratti recentemente, disse estar retirando parte de seu "bônus por ética".

Palmeiras vê dificuldade em segurar Dudu

O atacante segue na mira dos times da China que têm grande poder aquisitivo e desperta interesse de médios da Europa.

O Palmeiras tem a ideia de manter Dudu para a próxima temporada, mas sabe que terá dificuldades caso uma nova proposta milionária seja apresentada ao atleta. Depois de recusar diversas investidas, a diretoria alviverde entende que o camisa 7 poderá ter mais vontade de deixar o clube caso as cifras oferecidas fiquem fora dos padrões brasileiros.

O atacante segue na mira dos times da China que têm grande poder aquisitivo e desperta interesse de médios da Europa. Recentemente, ele passou a ser empresariado por André Cury justamente para conseguir propostas que garantiriam a sua estabilidade financeira e de suas próximas gerações.

Foto: Cesar Greco/Ag.Palmeiras/Divulgação

Em janeiro, Dudu foi convencido a recusar uma oferta que ultrapassava a casa do R$ 1 milhão mensal para atuar na China, sem contar luvas e premiações. Em março, teve seu contrato renovado até 2022 com o Palmeiras e contou com uma valorização no salário.

Contratado para 2015, o atacante tem se consolidado cada vez mais como o preferido da torcida: é o artilheiro do Allianz Parque e da temporada, o que mais dá assistências no ano, tem gols em momentos decisivos e ainda é o que mais tem a camisa vendida nas lojas oficiais do clube.

Mesmo se ficar com Dudu, Alexandre Mattos irá ao mercado para buscar mais um atleta que possa atuar pelos lados de campo. Durante esta temporada, ficou detectado pela comissão técnica que há carências na posição quando o camisa 7 e Willian são desfalques.

No atual elenco, Gustavo Scarpa, Alejandro Guerra, Lucas Lima e até Jean já chegaram a exercer essa função. Artur também tem condições de jogar no setor, mas ainda não teve muitas chances. Nenhum deles, no entanto, tem a mesma característica de Keno, negociado com o exterior.

Apesar de reconhecer essa carência, o Palmeiras ainda não tem um nome de consenso para a posição. É certo que Raphael Veiga, hoje no Atlético-PR, Artur, atualmente no Ceará, e Zé Rafael, do Bahia, reforçam o elenco a partir do ano que vem. Nenhum deles, no entanto, tem como principal característica a velocidade.

Além disso, o time alviverde também precisará decidir o que vai fazer com a lista de atletas que têm contrato encerrando. Fernando Prass puxa a fila dos que poderão deixar o clube em janeiro.

Bônus do PSG obriga atletas a aplaudirem torcida ao final dos jogos

Neymar tem previsto € 375 mil por mês (R$ 1,6 milhão) em contrato neste quesito, enquanto Kylian Mbappé tem € 117 mil (cerca de R$ 500 mil).

Uma cláusula de contrato garante aos jogadores do Paris Saint-Germain um bônus salarial caso cumpram uma série de requisitos de ética e comportamento -entre eles, o cumprimento aos torcedores ao final de cada jogo.

O prêmio varia de acordo com cada jogador. Neymar tem previsto € 375 mil por mês (R$ 1,6 milhão) em contrato neste quesito, enquanto Kylian Mbappé tem € 117 mil (cerca de R$ 500 mil). Daniel Alves e Edinson Cavani levam € 70 mil (R$ 300 mil) cada, e Thiago Silva, € 33 mil (R$ 140 mil).

Neymar tem previsto € 375 mil por mês (R$ 1,6 milhão) em contrato neste quesito. (Foto: Reprodução/Instagram)

As informações são da emissora França 2, que obteve documentos sigilosos pelo site Football Leaks. O bônus havia sido noticiado anteriormente por outros veículos, mas os valores não eram conhecidos. O próprio clube, quando puniu Marco Verratti recentemente, disse estar retirando parte de seu "bônus por ética".

Nesta semana, diversos veículos de comunicação estão divulgando detalhes dos bastidores do futebol por meio do Football Leaks, sendo que dois casos de grande repercussão envolvem o PSG.

No começo da semana, Mbappé foi o alvo, com detalhes da negociação, pedidos salariais, influência da família e cifras exorbitantes reveladas nos documentos obtidos pela revista alemã Der Spiegel e analisados pela Mediapart, em parceria com a EIC (Colaborações Investigativas Européias).

Já na quinta-feira (8), documentos liberados pelo site, e publicados pela Mediapart, insinuam que o clube praticou discriminação racial para selecionar jogadores para as categorias de base. Horas após a publicação, o PSG confirmou a veracidade da acusação.

Após resultado no Monstar Games, piauiense visa torneio Estadual

O atleta da box CrossFit 861 terminou o torneio em decimo lugar, na categoria Elite Masculino. Em 2017, esteve no torneio e encerrou sua participação na 28ª posição.

O atleta João Batista Romeiro conseguiu anotar seu nome entre no top 10 do Monstar Games, competição de CrossFit, que aconteceu no Rio de Janeiro no ultimo final de semana. O torneio reuniu mais de mil atletas nacionais e internacionais, distribuídos em várias categorias e é uma das maiores competições fitness da América Latina.

O resultado de João Batista, 23 anos, é expressivo, pois são apenas três anos de dedicação a atividade, mas a evolução é nítida. O atleta da box CrossFit 861 terminou o torneio em decimo lugar, na categoria Elite Masculino. Em 2017, esteve no torneio e encerrou sua participação na 28ª posição.

O resultado de João Batista é expressivo, pois são apenas três anos de dedicação a atividade. Foto: Elias Fontinelle/ODIA

“É realmente um resultado importante, acredito que é a melhor classificação que a gente tem no estado, mas eu tenho certeza que dá para melhorar bastante. Nessa categoria e nesse evento inclusive não é só nacional, tinham mais de 20 atletas da Argentina, Peru, ou seja, mas dá metade eram de fora do país”, frisou João Batista.

O Monstar Games teve mudanças. Em 2017, foram três etapas até fase presencial até a fase principal do torneio. Esse ano foi somente uma etapa, onde os atletas foram julgados através de vídeos online, 40 deles selecionados, e por isso a seleção aumentou de nível, depois foi realizada a a fase presencial no Rio de Janeiro.

Outro nome que representou o Piauí na competição foi Junior Rodrigues, 33 anos, e ficou em 28º na categoria Elite Masculino. O atleta conta que estar em uma competição de alto nível faz toda diferença no currículo. “A competição foi muito acirrada, e vimos que os atletas estão em um nível muito evoluído, pois treinam a mais tempo que a gente, porem todos nós evoluímos”, diz.

Nesse final de semana em Teresina acontece a 1ª edição do Extreme Games e João Batista vai participar da competição e chega como uma das referências. “É uma primeira edição desse evento. Como eu já estava me preparando antes para o Monstar, estou apenas lapidando para essa competição e treinando algo em especifico. O pessoal especula bastante, pois já somos conhecidos no CrossFit aqui do estado então eles querem ver a gente competir e isso motiva”, completa.

O Extreme Games THE acontece neste final de semana em Teresina e vai receber atletas do estado, mas também Ceará, Maranhão e Pernambuco terão representantes. 

08 de novembro de 2018

Há 25 anos, Senna caiu nos braços da torcida após vencer GP Brasil

Entre as 41 vitórias na carreira do brasileiro Ayrton Senna, apenas duas delas foram obtidas no GP do Brasil.

Entre as 41 vitórias na carreira do brasileiro Ayrton Senna, apenas duas delas foram obtidas no GP do Brasil. Se a primeira, em 1991, teve contornos dramáticos, em razão dos problemas no câmbio de sua McLaren que quase levaram o piloto à exaustão física, a de 1993 foi marcada pela consagração de Senna como ídolo esportivo nacional.

Já como tricampeão mundial, Senna chegava a Interlagos no final de março de 1993 em condições de inferioridade em relação a seu maior rival, o francês Alain Prost, que estava na Williams. 

Ayrton Senna em sua última vitória no GP do Brasil, em 1993, corrida que seria marcante por vários fatores. (Foto: Neils Andreas/Folhapress)

Após ter dominado com facilidade a temporada anterior, que deu à Nigel Mansell seu único título mundial na F-1, a escuderia inglesa já havia começado o campeonato de 1993 com vitória, no GP da África do Sul, enquanto Senna havia ficado em segundo.

Para a prova seguinte, em Interlagos, no dia 28 de março, tudo indicava que a supremacia se repetiria. Tanto nos treinos livres quanto na classificação, a Williams de Prost sobrava em relação aos demais concorrentes. O tempo da pole position do francês (1min15s866) foi quase dois segundos mais rápido do que o de Senna, que ficou em terceiro na qualificação.

Após a largada, ficou claro que aquela não seria uma corrida normal. Logo no S do Senna, um choque envolvendo o americano Michael Andretti, segundo piloto da McLaren, e o austríaco Gerhard Berger, da Ferrari, promoveu um acidente espetacular. O carro de Andretti voou, chocando-se na tela de proteção e capotando em seguida. Por sorte, o americano saiu sem ferimentos.

Prost disparou na frente e nada indicava que teria sua vitória ameaçada, tendo o companheiro de equipe Damon Hill na segunda posição. Senna não alcançava os líderes e, para piorar, começou a ser ameaçado por Michael Schumacher, que iria tomar-lhe a posição na 24ª volta, quando o brasileiro precisou cumprir uma punição nos boxes.

Pouco tempo depois, uma ajuda dos céus mudou os rumos da prova. As nuvens carregadas se transformaram em chuva de forma rápida na altura da volta 29, e Prost, que tinha problemas para correr em pista molhada, não parou a tempo para trocar os pneus. Rodou no S do Senna, batendo no carro do brasileiro Christian Fittipaldi, da Minardi.

Após nove voltas sob bandeira amarela, Senna começou o ataque a Damon Hill. A chuva havia parado, mas a pista ainda estava molhada em alguns trechos. O inglês fez um pit-stop na volta 41. Com os pneus ainda frios, não foi capaz de evitar a ultrapassagem de Senna na Descida do Lago. A partir daí ele seguiu firme para a vitória, a 37ª de sua carreira até então.

O que se viu após a prova foi inédito na história do GP Brasil. Enlouquecida com a vitória de Senna, a torcida invadiu a pista na altura da Reta Oposta, bem em frente a um dos setores com preços mais baratos. Um mar de torcedores simplesmente parou não só o carro de Senna, mas de todos os demais pilotos que vinham atrás, criando um inédito congestionamento em plena pista de Interlagos.

"Senna não consegue mais sair do lugar, ninguém controla a torcida", narrava o locutor Galvão Bueno, da TV Globo, durante a transmissão.

O ponto alto foi quando ele conseguiu deixar sua McLaren e foi carregado pelos torcedores, comemorando uma das vitórias mais importantes de sua carreira, a segunda e última que obteve no país.

Justiça determina penhora de taça do Mundial do Corinthians

A medida ocorreu em uma cobrança do Instituto Santanense de Ensino Superior, com quem o clube tem uma dívida de cerca de R$ 2 milhões.

A Justiça de São Paulo determinou nesta quinta-feira (8) a penhora da taça do Mundial de 2012 conquistado pelo Corinthians. A medida ocorreu em uma cobrança do Instituto Santanense de Ensino Superior, com quem o clube tem uma dívida de cerca de R$ 2 milhões. A taça será penhorada e avaliada para saldar o débito.

O UOL Esporte havia noticiado na quarta-feira (7) o pedido de penhora do troféu. O Instituto Santanense havia, inicialmente, tentado penhorar a premiação do alvinegro pela classificação à final da Copa do Brasil, mas o clube antecipou o recebimento.

Oficiada para depositar o valor diretamente na conta da credora, a CBF respondeu no último dia 23 que já tinha realizado o depósito nos cofres corintianos um dia antes, em 22 de outubro. Para o Instituto Santanense, a medida configurou fraude em conluio entre Corinthians e a entidade de futebol.

A empresa argumentou que, no dia 22, antes da CBF realizar o depósito, diversos veículos de imprensa já tinham noticiado a ordem de penhora.

Além disso, apontou que, nos autos, o time alvinegro já havia dado à CBF um recibo de quitação no dia 19 de outubro, três dias antes da data na qual a entidade depositou o valor.

"É inconteste que o Executado tinha ciência do pleito formulado pelo Exequente e, assim, em conluio com a CBF buscou adiantar o recebimento do prêmio ao qual fazia jus, frustrando, assim, o cumprimento da determinação judicial de bloqueio desses valores", diz o documento acusando a fraude.

Além de exigir penhora da taça do Mundial, o Instituto Santanense pediu que o MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) seja acionado para investigar possíveis irregularidades.

Procurado, o Corinthians não se manifestou até a publicação desta matéria.

River amplia reforços, anuncia ex- Botafogo e chega aos 12 nomes

O time piauiense anunciou o zagueiro Cristiano como o mais novo integrante do Galo.

O Galo Carijó mantém firme e forte a montagem do elenco 2019. Na manhã de ontem (7) o time confirmou o nome do zagueiro Cristiano, 30 anos, ex-Botafogo (SP) e também confirmou o nome do meio campo Jonatas, revelado pelo Galo, mas em 2018 disputou o Campeonato Piauiense pelo Piauí Esporte Clube (PEC).

Com os novos anúncios o River chega aos 12 nomes, mas sete desses atletas são da categoria de base do clube e foram ‘promovidos’ ao time profissional. As novidades são: Cassiano (atacante), Jackson (volante), Cristiano (zagueiro) e Flávio Henrique (goleiro). Além deles, o atacante Eduardo, 38 anos, permanece no elenco para temporada 2019.

Da base, Juliano, João Paulo, Vitor Hugo tiveram seus contratos renovados há alguns meses e irão compor o time principal. Os jogadores Ismael, Wallyson e Vinicius que estão disputando a Copa do Nordeste Sub-20 também estão garantidos no time. 

Foto: Arquivo/O DIA

O meia Jonatas, 22 anos, se destacou na Copa São Paulo de Futebol Junior 2016 vestindo a camisa do Galo e chegou a estar no time profissional. Em 2018, disputou o Piauiense pelo Piauí e foi peça fundamental no elenco.

Já o zagueiro Cristiano, 30 anos, ex-Botafogo (SP), o jogador também tem passagens pelo Coruripe (AL), Santa Rita, Estanciano (SE). O defensor foi revelado pelo Corinthians e passou também pelas categorias de base da Seleção Brasileira.

O River vai disputar o Campeonato Piauiense 2019, Copa do Brasil e Série D do Brasileiro em 2019. A previsão de apresentação do elenco é entre os dias 10 e 15 de dezembro.

Reforços do River 2019

  • Atacantes: Cassiano, Eduardo
  • Volantes: Jackson, João Paulo, Juliano
  • Zagueiro: Cristiano, Ismael, Wallyson
  • Meia: Jonatas
  • Lateral: Vitor Hugo
  • Goleiro: Flavio Henrique, Vinicius

07 de novembro de 2018

Lugano critica “biquinho” de Nenê por ficar na reserva

“Já joguei com Nenê. Conheço muito bem. O mesmo biquinho que faz no São Paulo, ele fazia comigo no Paris, fazia no Catar, fazia sempre", disse o jogador.

A insatisfação de Nenê, por ficar entre os reservas do São Paulo nas últimas partidas, é evidente. Tanto é que a diretoria do clube acabou comentando a situação do meio-campista abertamente nesta terça-feira, por meio do ex-jogador e atual diretor de relações institucionais do clube Diego Lugano. O uruguaio não poupou o camisa 10 de críticas, ainda que tenha mostrado encarar o fato de maneira natural.

“Já joguei com Nenê. Conheço muito bem. O mesmo biquinho que faz no São Paulo, ele fazia comigo no Paris, fazia no Catar, fazia sempre. Quando Nenê chegou ao São Paulo, já veio com isso… No pacote Nenê está incluído o biquinho quando não joga”, declarou, em entrevista concedida ao Uol, no evento de lançamento do filme Onde a moeda cai em pé: a história do São Paulo Futebol Clube.


Lugano disse estar habituado com as insatisfações de Nenê (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

A insatisfação de Nenê, por ficar entre os reservas do São Paulo nas últimas partidas, é evidente. Tanto é que a diretoria do clube acabou comentando a situação do meio-campista abertamente nesta terça-feira, por meio do ex-jogador e atual diretor de relações institucionais do clube Diego Lugano. O uruguaio não poupou o camisa 10 de críticas, ainda que tenha mostrado encarar o fato de maneira natural.

“Já joguei com Nenê. Conheço muito bem. O mesmo biquinho que faz no São Paulo, ele fazia comigo no Paris, fazia no Catar, fazia sempre. Quando Nenê chegou ao São Paulo, já veio com isso… No pacote Nenê está incluído o biquinho quando não joga”, declarou, em entrevista concedida ao Uol, no evento de lançamento do filme Onde a moeda cai em pé: a história do São Paulo Futebol Clube.

“Obviamente, se eu jogasse e hoje fosse parte do vestiário, talvez ele faria menos, porque eu teria muito mais autoridade para antecipar esse momento. Porque não deixa de ser uma situação que vocês, imprensa, gostam de falar, e ele dá assunto. Mas, dentro do clube, sabemos muito bem desde o momento em que chegou ao São Paulo como ele é, importante e grande profissional. Foi importante neste ano para o São Paulo”, apontou.

Vale lembrar que o camisa 10 já tem 37 anos de idade e é o atleta mais experiente do elenco são-paulino. Ele, no entanto, não deve receber qualquer tipo de multa ou punição pela atitude tomada recentemente. Contente ou não, Nenê fica à disposição do técnico Diego Aguirre para o clássico deste sábado, contra o Corinthians, pela rodada 33 do Campeonato Brasileiro. Em Itaquera, a bola rola a partir das 17h (no horário de Brasília).

Após dias viajando, Maradona retorna ao comando das atividades do River

O River enfrenta o Ceará no próximo sábado, às 17h, no Albertão, partida válida pela 3ª rodada da Copa do Nordeste Sub20.

A equipe do River começou a semana com novidades visando o jogo contra o Ceará, que acontece sábado (10), às 17h, no estádio Albertão. A partida é válida pela 3° rodada da Copa do Nordeste Sub-20. O River tem 100% de aproveitamento na competição.

O time volta a ter o técnico Maradona comandando as atividades, depois de uns dias viajando por conta de compromissos pessoais. “Aqui no River nós trabalhamos em conjunto exatamente pensando nesses imprevistos e temos a comissão técnica certa para isso, assim como fez o Nildo. Realmente um resultado muito bom diante o Sampaio (3 a 0), com bom desempenho dos atletas. Agora ter tranquilidade e humildade, pé no chão para nesse jogo tão difícil contra o Ceará a gente possa conseguir uma nova vitória”, destacou Maradona.

Treino do River para o confronto sábado contra o time do Ceará, no Albertão. Foto: Jailson Soares/ODIA

Outra novidade no Poleiro do Galo é o atacante João Paulo, que chegou para reforçar e participou do primeiro treino ontem (6). O jogador é conhecido da comissão técnica do River, pois disputou a Copa do Nordeste Sub 20 do ano passado e a Copa São Paulo de Futebol Junior esse ano vestindo a camisa do clube piauiense.

“Estou de volta e feliz mais uma vez por está aqui, jogando nessa equipe qualificada que é o River. E eu acredito que vamos seguir fazendo uma ótima Copa do Nordeste, assim como no ano passado chegar até as cabeças da competição”, disse.

Um nome destaque do River até aqui no campeonato é o atacante Matheus. O jogador balançou a rede duas vezes na Copa Nordeste e é o artilheiro do time. Em dois jogos, são duas vitorias e 100% de aproveitamento. O principal adversário no Grupo F é o Ceará, que também não conhece derrotas na competição e está a frente do time piauiense apenas no saldo de gols, dois a mais.

O confronto entre River x Ceará acontece neste sábado (10), às 17h, no estádio Albertão, em Teresina.

06 de novembro de 2018

Vitória anuncia demissão do técnico Carpegiani

Carpegiani deixa o comando do Vitória após quase três meses e apenas 14 jogos, todos eles pelo Campeonato Brasileiro.

Paulo Cézar Carpegiani não é mais técnico do Vitória. O clube baiano anunciou a saída do treinador na tarde desta terça-feira (6), dias antes do clássico contra o Bahia pelo Campeonato Brasileiro.

Carpegiani deixa o comando do Vitória após quase três meses e apenas 14 jogos, todos eles pelo Campeonato Brasileiro. Foram sete derrotas, três empates e apenas quatro triunfos -cerca de 35% de aproveitamento.

Vitória anuncia demissão do técnico Carpegiani. (Foto: Maurícia da Matta/ EC Vitória)

O estopim para a saída do técnico foi o empate, no domingo (4), contra o lanterna Paraná, time que teve seu rebaixamento confirmado na segunda-feira (5) com a vitória do Sport sobre o Ceará.

"Eu, Paulo Cézar Carpegiani, agradeço ao clube, funcionários, jogadores, direção, imprensa e a torcida pelo apoio durante esta passagem pelo Vitória. Não tenho nenhuma restrição à decisão tomada pelo clube e entendo que sirva como uma grande motivação para a reta final do campeonato", disse o treinador em nota.

João Burse, técnico do time sub-23, assume o comando até o fim da Série A e terá a missão de evitar o rebaixamento da equipe rubro-negra.

O Vitória ocupa a 17ª colocação do Brasileiro com 34 pontos e 32 jogos. O time volta a campo no domingo (11) para encarar o rival Bahia no Barradão, pela 33ª rodada da competição nacional.

Após expulsão, Bressan tem futuro indefinido no Grêmio

O contrato até dezembro do ano que vem se impõe, mas também existe grande desgaste público e preocupação com o lado pessoal do jogador

O futuro de Bressan no Grêmio está indefinido. Liberado dos treinos do clube após a eliminação da Libertadores contra o River Plate (ARG), o zagueiro não tem prazo para voltar às atividades e fatalmente será assunto quando a diretoria pensar em 2019.

O contrato até dezembro do ano que vem se impõe, mas também existe grande desgaste público e preocupação com o lado pessoal do jogador. Aos 25 anos, Bressan foi para uma espécie de "geladeira". Expulso, o zagueiro se mostrou muito abalado emocionalmente e ganhou uns dias de folga.

Após expulsão, Bressan tem futuro indefinido no Grêmio. Foto: Divulgação/ Instagram Grêmio

Sem ir ao CT Presidente Luiz Carvalho há quase uma semana, Bressan deve voltar a treinar nesta quarta-feira (7), mas não atuará nas últimas rodadas do Campeonato Brasileiro. O cenário visa preservar o zagueiro, alvo de duras críticas por parte da torcida e rotulado como vilão da queda para o River.

Quando o assunto é 2019, a incerteza é grande. Mesmo com carência quantitativa de jogadores para zaga, o Grêmio tem alas internas que defendem a saída de Bressan. Sob argumento de "fim de ciclo" e melhor cenário para ambos os lados, clube e jogador.

No ano passado, ele recebeu sondagens de clubes médios do Leste Europeu, mas preferiu ficar em Porto Alegre. Identificado com o Grêmio desde a infância, o zagueiro foi titular na finalíssima da Libertadores de 2017, contra o Lanús (ARG), e atingiu o ápice da carreira. À época, ele chegou a declarar que morreria feliz por ter conquistado o título continental.

Para o Grêmio, a rescisão de contrato é opção fora de cogitação. O rompimento causaria um trauma ainda maior e deixaria o zagueiro exposto. A permanência na Arena só seria viável em cenário de apoio total e irrestrito de Renato Portaluppi, que bancou a permanência de Bressan no ano passado e também influenciou indiretamente na renovação recente.

Palmeiras e Inter trocam farpas e aumentam disputa por título

As trocas de farpas com concorrentes diretos não são novidade para o Palmeiras.

Na reta final do Campeonato Brasileiro, a briga pelo título acontece também fora do campo. O líder, o Palmeiras, e o vice-líder, o Internacional, têm trocado farpas públicas e elevado a temperatura nos bastidores para as seis últimas rodadas competição.

Alvo de indiretas do clube gaúcho nas últimas semanas, o time alviverde entrou de vez no confronto com a declaração do presidente Maurício Galiotte na última segunda-feira (5), de que o rival colorado é o "mais beneficiado pela arbitragem".

Palmeiras e Inter trocam farpas e aumentam disputa por título. (Foto: Ricardo Duarte/Divulgação Inter)

As reclamações do Inter com referências ao Palmeiras têm sido frequentes. Após o empate por 2 a 2 com o Santos em 22 de outubro, em que Leandro Damião teve um gol anulado depois de vários minutos de discussão da arbitragem, o técnico Odair Hellmann disse que, no dia anterior, o juiz havia "esperado" o replay da televisão para validar um pênalti a favor do Palmeiras contra o Ceará -o que não aconteceu.

Dois dias depois, o experiente meia D'Alessandro afirmou em entrevista coletiva que é difícil disputar título com equipes paulistas ou cariocas, insinuando que haveria favorecimento a times do Sudeste do país. "A briga é desigual, é difícil. Vocês podem tirar suas conclusões", disse o camisa 10.

Já no último domingo (4), após a vitória sobre o Atlético-PR com um pênalti polêmico nos acréscimos, o vice de futebol do Inter, Roberto Melo, disse que o Palmeiras já "parecia comemorar o título" e que havia ainda "muita coisa pela frente". A resposta alviverde veio no dia seguinte, com Galiotte usando os relatórios de arbitragem da CBF para dizer que o Inter tem sido o clube mais beneficiado por erros.

A disputa de bastidores envolve ainda outra questão: o Internacional articula com outros clubes um rompimento de seu vínculo com o Esporte Interativo por direitos de transmissão na TV fechada, alegando que a Turner, proprietária dos canais, desrespeitou o contrato ao pagar mais para o Palmeiras do que para as outras equipes pelo acordo.

As trocas de farpas com concorrentes diretos não são novidade para o Palmeiras. Em 2016, ano do último título brasileiro alviverde, o clube também se desentendeu nos bastidores com o Flamengo, em relação que permanece estremecida até hoje. O diretor de futebol alviverde, Alexandre Mattos, e o técnico Luiz Felipe Scolari, aliás, aguardam julgamento no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) por insinuarem que a arbitragem da vitória sobre o Ceará havia dado propositalmente cartão amarelo para jogadores palmeirenses pendurados, com a intenção de tirá-los do jogo contra o Fla na rodada seguinte.

Além disso, o diretor executivo de futebol rubro-negro à época, Rodrigo Caetano, teve atritos com Mattos há dois anos e trabalha atualmente no Internacional.

Com cinco pontos de vantagem sobre o clube colorado, o Palmeiras está em situação relativamente confortável para conquistar o título nas seis rodadas que faltam, mas não quer baixar a guarda. Elenco, comissão técnica e diretoria mantêm o discurso unânime de que ainda não tem nada ganho e que será preciso trabalhar muito para superar Inter e Fla na reta final.

O time alviverde volta a campo no próximo domingo (11), contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte. No mesmo dia, os colorados enfrentam o Ceará, no Castelão.

Presidente do Palmeiras critica arbitragem por erros a favor do Inter

"Foi um erro grave o que ocorreu ontem a favor do Internacional" relata o dirigente para imprensa.

O presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, voltou a criticar a arbitragem do Campeonato Brasileiro. Desta vez, o cartola reclamou do pênalti dado para o Internacional no jogo do último domingo (4). Com o gol de D'Alessandro nos acréscimos, a equipe gaúcha venceu o Atlético-PR e passou a ser o principal perseguidor do time alviverde, com cinco pontos de distância.

O dirigente ainda citou os relatórios da arbitragem feitos pela própria CBF para indicar que o clube colorado é a equipe que mais foi beneficiada por erros dos juízes durante a competição. O Atlético-PR também mostrou revolta com a situação.

"É fundamental para o bem e a valorização do futebol brasileiro que erros de arbitragem não influenciem nos resultados e na definição do campeão. Espero que o equívoco no jogo de ontem [domingo] entre Internacional e Atlético Paranaense seja o último. Todos que podem contribuir para que isso aconteça devem estar atentos e agir proativamente", afirmou Galiotte à reportagem.

Foto:  Divulgação/Ag. Palmeiras

"Foi um erro grave o que ocorreu ontem a favor do Internacional. Não é admissível que isso continue a acontecer. A arbitragem não pode ter influência marcante em uma fase decisiva do campeonato e justamente após as várias declarações dos dirigentes do Inter, que coincidentemente é o time mais beneficiado por erros de arbitragem", completou o palmeirense.

Recentemente, o Internacional veio a público para reclamar de erros de arbitragem que poderiam favorecer o Palmeiras e Flamengo. Usando frases como "é uma vergonha", "sentimento de nojo" e "entrega logo a taça", os gaúchos foram contundentes para criticar a CBF e sugerir favorecimento aos seus rivais.

Após a rodada do último domingo, a diretoria colorada também afirmou em entrevistas que estranha o "clima de já ganhou" do Palmeiras e disse acreditar no título.

"O Inter chegou ao absurdo de falar que o Palmeiras teria sido favorecido, quando o levantamento feito pela própria CBF mostra que o Inter é o clube mais beneficiado pela arbitragem. Foram cinco erros a favor deles até a 27ª rodada e mais o indiscutível erro de ontem. Dos três times mais bem colocados na tabela, o Palmeiras, pelo mesmo levantamento da CBF, foi o time mais prejudicado pela arbitragem", finalizou.

Fortaleza, de Ceni, se aproxima de título antecipado da Série B

O título também seria significativo ao próprio ex-goleiro, multicampeão como jogador, mas ainda sem conquistas expressivas à beira dos gramados.

Na liderança da Série B do Campeonato Brasileiro desde a quinta rodada, o Fortaleza, do técnico Rogério Ceni, pode, enfim, levantar a taça nesta terça-feira (6), quando enfrenta o vice-líder da competição, o CSA, a partir das 21h30, no Castelão.

Antes, no entanto, precisa torcer para o Avaí, terceiro colocado, não vencer o Atlético-GO, sétimo, em Goiânia, em duelo que começará às 19h15.

No último sábado (3), a equipe cearense já iniciou as comemorações ao garantir o acesso à primeira divisão, que não disputa desde 2006. Agora, pela 35ª rodada, quer levar o primeiro título nacional de sua história, justamente no ano em que celebra seu centenário de fundação.

Foto: Divulgação/Fortaleza

"Foi bacana. Um time que veio de anos de sofrimento na Série C, teve um acesso difícil no ano passado, e agora é o primeiro a chegar à Série A. Fico contente. Eu sou sincero, gosto mais de comemorar título, mas acho que é um feito histórico. Vamos comemorar muito hoje, mas amanhã descansar porque não podemos desperdiçar a oportunidade de sermos campeões", disse Ceni após a recente vitória por 2 a 1 contra o Atlético-GO, que garantiu subida à elite.

O título também seria significativo ao próprio ex-goleiro, multicampeão como jogador, mas ainda sem conquistas expressivas à beira dos gramados.

Em 2017, quando estreou como treinador, Ceni venceu pelo São Paulo a Florida Cup, torneio de pré-temporada de caráter amistoso e de pouca relevância. Em julho daquele ano, deixou o clube no qual é ídolo em baixa, com o time na zona de rebaixamento do Brasileiro.

Já em novembro, surpreendeu ao fechar com o Fortaleza, que acabara de garantir acesso à segunda divisão. O contrato dele com o clube vai até o final desta temporada, e ambos deixaram em aberto a possibilidade de renovação.

Brasileiro é anunciado como piloto de testes da McLaren

Sergio Sette Camara já surgia como o brasileiro favorito a ocupar um cockpit de Fórmula 1 em um futuro próximo.

Destaque nas categorias alternativas à Fórmula 1, o brasileiro Sergio Sette Camara terá a chance de estar próximo à categoria máxima do automobilismo. Nesta terça-feira (06), o piloto foi anunciado como novo contratado da McLaren. O mineiro participará do programa de desenvolvimento da escuderia e ainda terá o papel de piloto de testes na próxima temporada.

A McLaren tratou de anunciar o acordo com o brasileiro por intermédio do seu site oficial. O diretor esportivo da equipe, o também brasileiro Gil de Ferran, comemorou o acerto com Sette Camara, que flertava com a equipe há semanas e esperava o anúncio na semana do GP Brasil.

"Estamos muito honrados de dar as boas-vindas ao Sergio na McLaren e ao nosso programa de jovens pilotos. Estamos acompanhando o seu progresso há tempos e acreditamos que ele é um jovem com um potencial real. Estamos mirando na frente ao trabalhar para ele melhorar a suas habilidades como um piloto completo", disse o dirigente.

Foto: Divulgação

O piloto brasileiro, que atualmente disputa a Fórmula 2, também tratou de comemorar o acordo com a escuderia, que já contou com lendas do automobilismo brasileiro como Emerson Fittipaldi e Ayrton Senna em seu time.

"É um sonho ser piloto da Fórmula 1 um dia, e gostaria de agradecer à McLaren por me dar esta incrível oportunidade. Agora eu quero me integrar à equipe e trabalhar com eles o mais breve possível para escutar, aprender e ajudar a desenvolver-me como piloto, assim como ajudar a McLaren", declarou o jovem brasileiro de apenas 20 anos.

Sergio Sette Camara já surgia como o brasileiro favorito a ocupar um cockpit de Fórmula 1 em um futuro próximo. A contratação por parte da McLaren aproxima o piloto ainda mais da categoria máxima do automobilismo.

O Brasil não tem um representante na Fórmula 1 desde o fim do ano passado, quando Felipe Massa se aposentou após temporada com a Williams.

05 de novembro de 2018

Nadal revela cirurgia no tornozelo e anuncia que não joga mais em 2018

Nadal será desfalque no ATP Finals, torneio que reúne os oito melhores tenistas do ano em Londres, na Inglaterra, a partir de 11 de novembro.

As dores abdominais que forçaram Rafael Nadal a abandonar o Masters 1000 de Paris e um problema no tornozelo, que forçará uma cirurgia no local, irão encerrar mais cedo a temporada do espanhol no circuito espanhol. Nesta segunda-feira (5), o tenista usou as redes sociais para anunciar que não jogará mais em 2018.

Desta forma, Nadal será desfalque no ATP Finals, torneio que reúne os oito melhores tenistas do ano em Londres, na Inglaterra, a partir de 11 de novembro. O argentino Juan Martin Del Potro, com uma lesão no joelho, é outra ausência confirmada no evento.

Rafael Nadal. (Foto: Reprodução/Instagram)

"Foi um ano complicado, muito bom em termos de nível de tênis quando pude jogar, mas por outro lado muito ruim por conta de lesões", escreveu o espanhol em seu perfil no Twitter. "Fiz todo o possível para chegar ao fim da temporada em boas condições, tanto em Paris quanto em Londres, fazendo as coisas bem, estava com vontade de jogar."

Nas postagens, Nadal também comentou sobre a cirurgia no joelho. "Infelizmente, tive o problema abdominal em Paris na semana passada e, além disso, tenho um corpo livre na articulação do tornozelo, que terá de ser removido na sala de cirurgia hoje. Já havíamos detectado o problema havia algum tempo, e de vez em quando ele me incomodava", contou.

"Como o problema no músculo abdominal já me impediria de jogar em Londres, aproveitamos o momento para remover o corpo livre e evitar futuros problemas. Desta forma, espero estar em boas condições para a próxima temporada", completou Nadal.

Com a desistência em Paris, Rafael Nadal perdeu o posto de líder do ranking mundial de tênis para o sérvio Novak Djokovic, derrotado pelo russo Karen Khachanov na final do Masters 1000 francês, no último domingo.

O espanhol de 32 anos fecha 2018 com 45 vitórias e apenas quatro derrotas, além de cinco títulos, entre eles Roland Garros - a 11ª conquista de Nadal no Grand Slam francês.

Quatro times podem definir o título entre Palmeiras e Internacional

As quatro equipes enfrentarão os dois rivais nas seis últimas rodadas do campeonato.

América-MG, Atlético-MG, Fluminense e Paraná estão muito longe da liderança do Campeonato Brasileiro, mas os quatro clubes poderão ser decisivos na briga entre o líder Palmeiras e o vice Internacional na caminhada rumo ao título da competição.

As quatro equipes enfrentarão os dois rivais nas seis últimas rodadas do campeonato.

Líder com 66 pontos -cinco a mais do que a equipe gaúcha-, o Palmeiras enfrentará os quatro adversários na sequência. O primeiro deles será o Atlético-MG, no próximo domingo (11), às 17h, no Independência.

Logo depois, recebe o Fluminense (dia 14 de novembro) e visita o Paraná (dia 18). A sequência será encerrada diante do América, provavelmente no dia 21 (a CBF ainda não detalhou a tabela), em São Paulo.

Os dois últimos rivais serão o Vasco (fora de casa) e o Vitória (em casa).

Dos seis adversários do clube alviverde na reta final, apenas dois estão entre os dez primeiros colocados: o Atlético-MG é o sexto e o Fluminense o décimo. Já Vasco (13º), Vitória (16º), América (17º) e Paraná (20º) estão na parte debaixo da tabela e ameaçados pelo rebaixamento.

A sequência do Internacional começa com o Ceará, fora de casa, no próximo domingo (11). Na sequência, o time recebe o América-MG na quinta (15) e viaja para enfrentar o Botafogo no dia 18.

Nas últimas três rodadas, faz dois jogos consecutivos em casa contra Atlético-MG e Fluminense e encerra sua participação contra o Paraná.

Assim como o Palmeiras, o clube também enfrenta dois adversários que hoje estão entre os dez primeiros e quatro que estão ameaçados pelo descenso.

Com 60 pontos e na terceira colocação, o Flamengo não terá nenhum adversário repetido em relação aos que enfrentam Internacional e Palmeiras nas últimas seis rodadas.

Os cariocas enfrentam na sequência Botafogo (fora), Santos (em casa), Sport (fora), Grêmio (em casa), Cruzeiro (fora) e Atlético-PR (em casa).

Palmeiras amplia chance de ser campeão da Série A para 92,4%

Além de vencer seu jogo, o time comandado por Luiz Felipe Scolari viu um de seus rivais, o Flamengo, empatar por 2 a 2 com o São Paulo.

A vitória por 3 a 2 sobre o Santos no último sábado fez o Palmeiras ampliar a chance de ser campeão da Série A do Brasileirão para 92,4% após a disputa da 32ª rodada, indicam cálculos do site Chance de Gol. Antes, a probabilidade era de 87,8%.

Além de vencer seu jogo, o time comandado por Luiz Felipe Scolari viu um de seus rivais, o Flamengo, empatar por 2 a 2 com o São Paulo e ver a desvantagem para o líder subir de quatro para seis pontos. Percentualmente, a chance de o time carioca ser campeão caiu de 6,7% para 2,7%.

Novo vice-líder com a vitória diante do Atlético-PR, o Internacional agora tem 4,8% de probabilidade de título, a cinco pontos do Palmeiras. São Paulo (0,08%) e Grêmio (0,01%) têm chances remotas.

RISCO DE QUEDA

Na briga contra a o rebaixamento, a rodada foi positiva para Vasco e Botafogo. Com vitórias sobre Fluminense e Corinthians, respectivamente, os times cariocas agora têm riscos de queda avaliados em 15,2% e 14,7%.

O Corinthians, por sua vez, viu a possibilidade aumentar de 1,1% para 2,3%. Vitória (73,5%), América-MG (61,9%), Chapecoense (64,4%), Sport (64,4%) e Paraná (quase 100%) seguem como mais ameaçados. Vale lembrar que o Sport ainda joga na rodada, nesta segunda-feira, contra o Ceará.

A análise realizada pelo "Chance de Gol" leva em consideração o local da partida (dentro ou fora de casa), o retrospecto recente e os adversários que restam a cada clube enfrentar.

Por causa disso, alguns clubes que estão atrás na tabela aparecem com mais chances de títulos ou de vaga na Libertadores que outros que estão à frente. O mesmo acontece na briga pelo rebaixamento, em que um time que já está na zona da 'degola' tem menos chances de cair do que um que figura fora dela.

Veja as possibilidades estimadas pelo Chance de Gol:

Chances de título:

1 - Palmeiras (66 pontos) - 92,4% de chances

2 - Internacional (61 pontos) - 4,8%

3 - Flamengo (60 pontos) - 2,7%

4 - São Paulo (57 pontos) - 0,08%

5 - Grêmio (55 pontos) - 0,01%

Chances de Libertadores (G-6):

1 - Palmeiras (66 pontos) - 100% de chances

2 - Internacional (61 pontos) - quase 100%

3 - Flamengo (60 pontos) - quase 100%

4 - São Paulo (57 pontos) - 99,9%

5 - Grêmio (55 pontos) - 99,7%

6 - Atlético-MG (46 pontos) - 29,1%

7 - Santos (46 pontos) - 45%

8 - Cruzeiro (46 pontos) - Já está na Libertadores

9 - Atlético-PR (43 pontos) - 11,1%

10 - Fluminense (40 pontos) - 0,1%

11 - Bahia (40 pontos) - 0,6%

12 - Corinthians (39 pontos) - 0,07%

13 - Vasco (38 pontos) - quase 0%

14 - Botafogo (38 pontos) - 0,02%

15 - Ceará (37 pontos) - 0,2%

Risco de rebaixamento:

10 - Fluminense (40 pontos) - 1,1%

11 - Bahia (40 pontos) - 0,4%

12 - Corinthians (39 pontos) - 2,3%

13 - Vasco (38 pontos) - 15,2%

14 - Botafogo (38 pontos) - 14,7%

15 - Ceará (37 pontos) - 2,1%

16 - Vitória (34 pontos) - 73,5%

17 - América-MG (34 pontos) - 61,9%

18 - Chapecoense (34 pontos) - 64,4%

19 - Sport (33 pontos) - 64,4%

20 - Paraná (18 pontos) - quase 100%

Corinthians flerta com campanha do rebaixamento

Depois de 32 rodadas disputadas, a pontuação é quase igual à do ano do rebaixamento - em 2007.

Os planos do Corinthians de enfim afastar o risco de rebaixamento no Brasileirão terminaram em preocupação real depois da derrota por 1 a 0 para o Botafogo, no último domingo, no Engenhão. O time alvinegro, que atingiu o 25º revés na temporada, ainda está cinco pontos à frente do primeiro time da zona do descenso, o América-MG.

Após mais um resultado negativo no Campeonato Brasileiro, os jogadores mais experientes comentaram a situação do Corinthians. Depois de 32 rodadas disputadas, a pontuação é quase igual à do ano do rebaixamento - em 2007, o time somava 38 pontos e ocupava a 17ª posição, contra os 39 atuais, que lhe deixam no 11º lugar.

"Hoje, era fundamental a vitória para sair ali de trás de vez e pensar um pouco mais na frente, mas perdemos o jogo. Temos de pensar no clássico [contra o São Paulo] e buscar a vitória que nos vai tirar dessa situação", ressaltou Danilo, que iniciou a partida como titular.

Cássio, por sua vez, teve um discurso mais otimista ao afirmar que o Corinthians precisa de mais duas vitórias para escapar da queda à Série B. Mas a campanha corintiana no segundo turno mostra que a tarefa não é tão simples. Nos 13 jogos, a equipe obteve apenas três triunfos.

Já o técnico Jair Ventura repetiu o discurso feito após a vitória sobre o Bahia na penúltima rodada. A ideia do treinador, que perdeu seis dos 13 jogos à frente da equipe, é continuar pensando jogo a jogo, sem fazer contas.

"No dia 2 de dezembro, quando terminar a partida contra o Grêmio, vamos ver onde vamos chegar. O Corinthians não pode nunca olhar para baixo, não vai ser com uma vitória que a gente vai olhar para cima ou com uma derrota que vamos olhar para baixo", frisou o treinador.

RECORDE DE DERROTAS

A vitória do Botafogo no Engenhão ainda fez o Corinthians atingir uma marca ingrata. Depois de 70 partidas disputadas, incluindo os jogos da Florida Cup em janeiro, o time paulista atingiu chegou a 25 derrotas em 2018, mesmo número das temporadas 2003 e 2006.

Mais da metade dos resultados negativos foram registrados no Campeonato Brasileiro - são 13 placares adversos, seis deles somente no returno da competição. Em 2007, por exemplo, o time havia perdido 12 jogos até a 32ª rodada e perdeu mais duas até o término do campeonato.

O Corinthians enfrentará o São Paulo em Itaquera no próximo sábado. Os corintianos ainda receberão Vasco e Chapecoense em casa, nas rodadas 35 e 37 respectivamente. O time ainda enfrentará Cruzeiro, Atlético-PR e Grêmio como visitante.

Flamengo evita falar sobre futuro de Diego Alves

Dorival Júnior e diretoria preferiram não tocar na polêmica em que o arqueiro se envolveu com o treinador durante a semana.

Fora da partida contra o São Paulo por ainda estar se recuperando de uma lesão no joelho direito, o goleiro Diego Alves fez questão de assistir ao jogo do Flamengo neste domingo. Em seu Instagram, ele postou o vídeo do gol de empate de Rodinei e vibrou. No Morumbi (SP), porém, Dorival Júnior e diretoria preferiram não tocar na polêmica em que o arqueiro se envolveu com o treinador durante a semana, quando tiveram uma forte discussão e precisaram ser separados.

Questionado sobre o assunto, o técnico disse que o caso está sendo resolvido internamente.

"É difícil falar alguma coisa a respeito. Estamos tratando internamente e as pessoas que estão lá dentro sabem tudo o que se passou", disse Dorival.

A mesma abordagem foi feita pelos jornalistas para o presidente do clube, Eduardo Bandeira de Mello, e para outros integrantes do departamento de futebol, mas as respostas tiveram o mesmo tom.

Após o episódio da discussão, Diego Alves teve seu tratamento da lesão marcado para a tarde da última sexta-feira, mas o goleiro surpreendeu e apareceu no Ninho do Urubu pela manhã, no mesmo horário do treino do restante do elenco. Em nota oficial, ele negou que tenha descumprido uma ordem, alegando que em nenhum momento o clube colocou que ele estava proibido de comparecer ao centro de treinamento em turnos diferentes.

Capitão da equipe, o zagueiro Réver revelou que Diego Alves está abalado com toda a situação.

Estes episódios foram, provavelmente, os últimos atos do camisa 1 pelo Flamengo, já que desde o início da polêmica já estava definido que ele não jogaria mais pelo clube na atual temporada.

Diego Alves está entre os maiores salários do elenco rubro-negro e ainda possui mercado fora do país. A tendência é a de que ele não cumpra o contrato até 31 de dezembro de 2020 e seja negociado.

04 de novembro de 2018

Tribunal usa regra de ‘estabilidade’ para não ceder a Grêmio

Um grupo sugeriu até que a entidade atuasse por ofício, desse uma canetada para punir o clube e o técnico, algo possível pelo regulamento de competições.

As imagens do técnico do River Plate, Marcelo Gallardo, indo ao vestiário e orientando membro de sua comissão técnica via rádio mesmo suspenso, ou seja, proibido de fazer tais procedimentos no jogo de volta da semifinal da Libertadores contra o Grêmio, terça (30), geraram reações distintas na cúpula da Conmebol. Um grupo sugeriu até que a entidade atuasse por ofício, ou seja, desse uma canetada para punir o clube e o técnico, algo possível pelo regulamento de competições. Uma segunda ala, menos radical, lembrou que a Fifa orienta a se mudar resultados de campo somente em casos extremos (corrupção, por exemplo) e que o ideal era o Tribunal de Disciplina deliberar. A segunda tese acabou vencedora. 

O que as duas frentes concordavam era que a Libertadores-2018 se tornou um estorvo jurídico para a Conmebol e a decisão do tribunal, qualquer que fosse, não aliviaria isso. O resultado do torneio, por mais de uma vez, teve participação direta do ''tapetão'', termo usado no Brasil para quando tribunais acabam atuando em demasiado. E isso num momento em que as empresas que compraram os direitos comerciais da Libertadores a partir de 2019 tentam encontrar patrocinadores que banquem os próximos anos da competição.

O Grêmio, usando uma teia jurídica de vários artigos do Código Disciplinar da Conmebol, queria que a atitude de Gallardo fosse comparada a de um jogador que entrasse em campo suspenso. Afinal, ele orientou seus atletas e o time teve ganho técnico injustificado, já que o técnico estava suspenso. Se pedia a inversão do 2 a 1 que classificou o River para um 3 a 0, algo que já havia ocorrido no torneio de 2018 beneficiando o Independiente contra o Santos. O time brasileiro usou Carlos Sánchez de forma irregular na primeira partida das oitavas de final da Libertadores.

Para algumas pessoas dentro da Conmebol, e alguns juristas, era mais grave, e portanto mais passível de punição, o uso do rádio do que a ida ao vestiário, apesar da imagem deste segundo ato ser mais chamativa. Os argentinos alegaram que a atitude de Gallardo foi unilateral ao se dirigir ao vestiário e não poderiam, por exemplo, usar a força para impedi-lo. Para a utilização do rádio uma defesa semelhante a essa não colava, já que ele falava com um membro da comissão técnica do clube, ou seja, havia anuência para a pessoa usar o instrumento.

Apesar disso dentro do tribunal, apurou o blog, nunca se cogitou tirar a vitória do River Plate, e o artigo 4 do regulamento disciplinar era o mantra do grupo julgador. Diz o texto: ''na falta de disposições específicas neste e demais regulamentos da CONMEBOL, ou de forma complementar ou adicional, os órgãos judiciais poderão fundamentar suas decisões nas normas disciplinares da FIFA (Código Disciplinar da FIFA) que não se opuserem ao disposto no presente Regulamento, em seus próprios precedentes e, em todo caso, baseando-se nos princípios de conduta esportiva, na continuidade e na estabilidade das competições (pro Competitione) e nos Princípios Gerais do Direito com justiça e igualdade''.

Julgou-se que não havia no regulamento especificação que punisse o River pela atitude de seu técnico e, portanto, era preciso usar o argumento do ''pro Competicione'', ou seja, na continuidade e na estabilidade da competição. Esse era o medo da cúpula da Conmebol: se mudasse a classificação do River para o Grêmio, os argentinos poderiam usar esse artigo na Fifa para tentar suspender a Libertadores, o que seria o caos — a Conmebol poderia nem ter tempo de indicar o seu representante para o Mundial de Clubes, que será em dezembro.

Tripudiou

Para o tribunal, portanto, desde o começo parecia certo que a mudança do placar seria algo extremo, apesar de a atitude de Gallardo ter sido considerada uma afronta à instituição. Sua punição, portanto, deveria ser exemplar, mas assim que saiu o resultado, na noite de sábado e mais de 24 horas depois de começarem as deliberações, o espanto: Gallardo pegou quatro jogos de suspensão, a primeira, jogo de ida da final contra o Boca Jrs, sem poder entrar no estádio, mas as demais podendo ficar na cabine, como ele esteve na Arena do Grêmio e fez o que fez.

Não há detalhes de como o tribunal chegou a essa conta. Inicialmente veículos de imprensa argentinos falavam em mínimo de seis meses de suspensão, outros em até um ano. A multa foi o máximo que uma pessoa física pode receber segundo o código disciplinar, US$ 50 mil (R$ 185 mil), mas esse valor é descontado da cota do River Plate, ou seja, não será Gallardo que pagará.

No fim das contas, a conclusão que se chega é a mesma que ocorreu quando se soube que River e Boca usaram jogadores irregulares nessa Libertadores — Zuculini e Ábila, respectivamente, que como o santista Sánchez jogaram sem cumprir uma partida de suspensão: está livre para descumprir regras na Conmebol, desde que se faça direito. No caso dos atletas passou o prazo de 24 horas que se pode reclamar a atuação irregular. No de Gallardo, pesou o artigo que pede a estabilidade de uma competição. E a credibilidade da Conmebol, que nunca foi de se admirar, praticamente chegou ao fundo do poço.

Ronaldinho e irmão têm R$ 24,63 na conta e "robusta dívida" em impostos

O montante é irrisório e fica longe do valor das multas e indenizações, que somadas chegam a R$ 8,5 milhões.

O processo que culminou na apreensão dos passaportes de Ronaldinho Gaúcho e Assis, seu irmão e empresário, quebrou o sigilo bancário deles para penhorar um valor para pagamento de multas e indenizações milionárias. O Bacenjud, sistema que interliga o Banco Central e demais bancos, respondeu que não havia saldo suficiente. O Ministério Público escreveu em um documento que os dois tinham somente R$ 24,63 em suas contas.

O montante é irrisório e fica longe do valor das multas e indenizações, que somadas chegam a R$ 8,5 milhões. Outra possibilidade seria hipotecar o terreno que levou Ronaldinho Gaúcho e o irmão a serem condenados por fazer obras em área de preservação permanente. Mas a medida se mostrou inútil por causa do alto valor devido em impostos.

"Foi realizada hipoteca legal sobre o imóvel gerador da controvérsia, mas o mesmo já conta com robusta dívida em decorrência de inadimplemento de débitos tributários", escreveu o Ministério Público.

Ronaldinho Gaúcho e Assis foram condenados em 2015 e até agora não cumpriram a sentença. A Justiça vê descaso da dupla e levou a situação em conta na hora de determinar a apreensão dos passaportes.

Ronaldinho Gaúcho e Assis foram condenados em 2015 e até agora não cumpriram a sentença. (Foto: Reprodução/Uol)

Saldo não combina com padrão de vida

O valor encontrado nas contas e a informação de que o imóvel tem "robusta dívida" em impostos contradiz o estilo de vida de Ronaldinho Gaúcho. Na quinta-feira, o ex-jogador estava na loja da Nike em Tóquio, capital do Japão. A última semana de outubro foi gasta em viagem à China.

O Instagram do ex-jogador mostra fotos por diferentes países da Ásia, Europa e África. Outro fato que não combina com o saldo é que, neste ano, a Nike lançou uma linha de chuteiras em homenagem a Ronaldinho Gaúcho. Sem contar os anos de seleção brasileira, ser melhor do mundo e as passagens por gigantes do futebol como Grêmio, PSG, Barcelona, Milan, Flamengo e Atlético-MG.

A apreensão do passaporte vai impedir viagens ao exterior para cumprimento de compromissos com patrocinadores. Ainda assim, Ronaldinho Gaúcho não deixou de promover os eventos em que está prevista sua participação.

Nesta sexta-feira, ele publicou no Instagram o poster de uma partida de futebol chamada Game of Champions (Jogo de Campeões) que está marcada para 17 de novembro em Frankfurt, Alemanha. A importância dele no amistoso é tamanha que um dos times se chama Amigos do Ronaldinho.

Descaso levou a apreensão do passaporte

A apreensão do passaporte ocorreu porque foi a maneira encontrada para pressionar. Ronaldinho Gaúcho e o irmão foram condenados em fevereiro de 2015 e não tomaram as providências exigidas pela Justiça. A fase de execução da sentença ocorreu em junho do ano passado e nada foi feito desde então.

Como não há saldo suficiente para quitar a dívida, a apreensão do passaporte ou carteira de motorista foi pedida. Ela foi negada em janeiro e agora a 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul acatou o Ministério Público por unanimidade.

Ronaldinho Gaúcho e Assis foram condenados por construir um trapiche que invade o Lago Guaíba, em Porto Alegre. Eles também canalizaram um riacho, pavimentaram as margens do lago e ignoraram avisos de que estavam fazendo obras em área de preservação permanente. Fiscais chegaram a ser proibidos de entrar na propriedade.

Procurados pela reportagem, Ronaldinho Gaúcho e Assis não atenderam as ligações.

Felipão vê Deyverson com "chavinha que não funciona" e não quer entrevistas

O técnico tem conversado com o atacante para que ele não entre em confusões.

No último sábado (3), Deyverson protagonizou princípio de confusão após a vitória do Palmeiras por 3 a 2 sobre o Santos, no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro. Técnico do Alviverde, Luiz Felipe Scolari admitiu que o comandado "tem uma chavezinha que não funciona" e pediu que os jornalistas não o entrevistem para evitar polêmicas.

Após o apito final, Deyverson começou a comemorar, e Gustavo Henrique, zagueiro do Santos, chutou a bola em sua direção. O atacante do Palmeiras intensificou a festa, irritando os adversários.

"O Deyverson tem alguma chavezinha ali que não funciona. Se ele mesmo já disse isso para vocês (jornalistas), e depois do jogo teve aquela confusão, quem é que vocês vão pegar primeiro (para entrevistar)? Para vocês é ótimo, para mim é um inferno. Depois tenho que ir lá na CBF, tem vídeo, o Deyverson falou não sei o quê, tenho que ir explicar. Ou vou passar uma multa, ou vou proibir eles (jogadores) de falar, por causa de um. Então se vocês puderem me ajudar, tudo bem, se não puderem, vou tomar outra atitude", disse Felipão, em entrevista coletiva.

"O Deyverson não tinha nada que falar ali. Os jogadores do outro time já ficam querendo arrumar uma situação para ele, e ele não se dá conta de que vai ser ele o prejudicado. Eu vou ter que tomar uma atitude, para lá ou para cá", completou. O técnico tem conversado com o atacante para que ele não entre em confusões. Após a partida, o centroavante não deu entrevista na zona mista.

Com a vitória sobre o Santos, o Palmeiras abriu sete pontos de vantagem para o Flamengo, vice-líder do Brasileirão. 

Palmeiras vence Santos e garante vaga na fase inicial da Libertadores

Com 18 participações, Palmeiras, São Paulo e Grêmio são os clubes brasileiros que mais vezes disputaram a Libertadores.

Três dias após a eliminação na semifinal da Copa Libertadores, o Palmeiras está assegurado na próxima edição da competição. A equipe conseguiu a vaga com a vitória sobre o Santos por 3 a 2, neste sábado (3), no Allianz Parque, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com 66 pontos, o clube alviverde não pode mais ser alcançado pelo próprio Santos, atual sétimo colocado -os seis primeiros se classificam para o torneio sul-americano-, que tem 20 pontos a menos. Ainda restam 18 em disputa.

A princípio, a vaga é para a fase inicial do campeonato. Porém, está muito próximo de conseguir a classificação para a fase de grupos. Hoje, possui 11 pontos a mais do que o Grêmio, quinto colocado.

Com 18 participações, Palmeiras, São Paulo e Grêmio são os clubes brasileiros que mais vezes disputaram a Libertadores.

A vitória sobre o Santos também deixou a equipe mais próxima do título do Brasileiro. O time tem sete pontos a mais que o Flamengo, vice-líder, que enfrenta o São Paulo neste domingo (4), no Morumbi.

Na competição, o clube está invicto há 16 jogos. A última derrota foi em 25 de julho, quando perdeu para o Fluminense por 1 a 0. O resultado custou a demissão do técnico Roger Machado.

No duelo deste sábado contra o Santos, Felipão promoveu alterações na equipe. Sem Mayke, suspenso, e Marcos Rocha, machucado, escalou Jean na lateral direita. O treinador também colocou Thiago Santos no lugar de Felipe Melo, que ficou no banco de reservas, e Gustavo Scarpa na vaga de Willian, lesionado.

Os três tiveram uma boa participação na partida. Scarpa ajudou na armação das jogadas e se movimentou bastante, enquanto Thiago Santos esteve bem na marcação, principalmente na etapa inicial.

O primeiro gol saiu dos pés de Jean. Ele arrancou com a bola e tocou para Borja concluir. O goleiro Vanderlei fez a defesa parcial, mas Dudu ficou com a sobra e marcou. O segundo foi feito por Edu Dracena, de cabeça, após cobrança de escanteio.

O Santos, que criou muito pouco na etapa inicial, contou com a ajuda do zagueiro palmeirense, para diminuir o placar no segundo tempo. Copete aproveitou um corte errado do defensor e finalizou no alto. Pouco depois, o Dodô marcou, empatando a partida.

Quando o Santos estava melhor em campo, o Palmeiras fez o gol da vitória em uma cobrança de falta de Victor Luís e falha do goleiro Vanderlei.

03 de novembro de 2018

Biles é ouro em Doha mesmo com punição; Flavinha passa perto do bronze

A medalha deste sábado, último dia de competições no Qatar, foi a sexta de Biles, que recebeu punição por ter pisado fora do tablado em um de seus saltos.

Apesar de ter recebido uma punição de 3 décimos, a norte-americana Simone Biles foi medalha de ouro no solo no Mundial de ginástica artística disputado em Doha, no Qatar. É o quarto título mundial da ginasta. A atual campeã olímpica do aparelho obteve nota 14.933, e poderia ter batido a marca de 15 pontos não fosse a penalidade -o que só evidencia a superioridade da ginasta de 21 anos em relação às concorrentes. Representante do Brasil e classificada em quinto lugar, Flávia Saraiva ficou em quinto lugar, passando bem perto do bronze.

Flavinha, como é conhecida, saiu do solo em seu primeiro salto e recebeu nota 13.766, com punição de um décimo. Não fosse a penalidade ela teria a mesma nota da japonesa Mai Murakami, que ficou com a medalha de bronze. A prata foi da norte-americana Morgan Hurd.

"Eu estou muito feliz. É mais uma nova experiência, estou muito feliz de pegar novas finais e estar entre as melhores no solo, que é o aparelho mais difícil. Estou junto com a Simone Biles, minha ídola. Talvez se eu não tivesse saído com o pé para fora teria ganho uma medalha. Mas é talvez... Eu vim sem saber que poderia pegar final de solo, então agora quero absorver a experiência para ter mais finais. Esse Mundial para mim foi ótimo, excelente. Fico muito orgulha de mim e da minha equipe. No meu último Mundial fiquei em 24º, agora quinto no solo. Estou muito emocionada e feliz. Agora é voltar para casa e treinar, tem mais competição esse ano, tem Mundial e Pan ano que vem e 2020 a Olimpíada", disse, ao SporTV, a ginasta brasileira.

A medalha deste sábado, último dia de competições no Qatar, foi a sexta de Biles, que recebeu punição por ter pisado fora do tablado em um de seus saltos.

Veja as notas do solo por ordem de apresentação:

Melanie dos Santos (FRA): 13.433

Flávia Saraiva (BRA): 13.766

Brooklyn Moors (CAN): 13.066

Mai Murakami (JAP): 13.866

Angelina Melnikova (RUS): 13.833

Simone Biles (EUA): 14.933

Morgan Hurd (EUA): 13.933

Liliia Akhaimova (RUS): 13.366

Fifa diz que acusações contra Infantino são 'rumores e insinuações'

Logo nas primeiras linhas da nota, a federação ainda afirma que os documentos que baseiam as acusações contra a entidade foram obtidos de forma ilegal.

Em comunicado divulgado em seu site oficial na noite desta sexta-feira (2), a Fifa atribuiu a "falsos rumores e insinuações" de ex-dirigentes da entidade as acusações divulgadas pelo site Football Leaks de que o presidente da Fifa, Gianni Infantino, teria ajudado o Paris Saint-Germain e o Manchester City a driblar as regras de fair play financeiro da Uefa quando era dirigente do órgão que comanda o futebol europeu.

"Como é amplamente sabido, a Fifa estava em uma situação desesperadora em 2015, quando buscava se recuperar de décadas de negligência e má administração. É fato que muitos ex-dirigentes da Fifa estão atualmente enfrentando processos criminais na Suíça e no exterior, Não é de surpreender que alguns dos que foram removidos ou substituídos continuem espalhando falsos rumores e insinuações sobre a nova liderança. Estamos conscientes de que há pessoas que, por frustração, gostariam de minar a Fifa", diz o comunicado.

Logo nas primeiras linhas da nota, a federação ainda afirma que os documentos que baseiam as acusações contra a entidade foram obtidos de forma ilegal. Entre esses documentos está um email enviado por Infantino a Khaldoon  Al Mubarak, presidente do City. Nele, o hoje máximo mandatário do futebol dá sugestões de como o clube poderia escapar das punições e o tranquilizou. Ele também teve reuniões com dirigentes do time inglês e do PSG e repassou a eles material da Uefa considerado confidencial.

De acordo com o Football Leaks, Infantino fez o possível para esvaziar o trabalho do CFCB (Departamento de Controle Financeiro dos Clubes), responsável por analisar os dados financeiros das equipes e apurar se o fair play financeiro havia sido desrespeitado.


 Ex-dirigentes da Fifa, Gianni Infantino. Foto: Reprodução/Folhapress

"Como estamos implementando as reformas na Fifa, foi sempre claro para mim que enfrentaria forte oposição, especialmente daqueles que não podem mais lucrar descaradamente com o sistema do qual faziam parte", disse o presidente da Fifa na nota.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, participa de Congresso da Conmebol em Buenos Aires Martin Ruggiero-12.abr.18/Associated Press O presidente da Fifa, Gianni Infantino, participa de Congresso da Conmebol em Buenos Aires    A entidade também acusa o grupo de jornalistas responsáveis por checar e divulgar as informações obtidas pelo Football Leaks  -o EIC (European Investigative Collaborations)- de tentar "minar a nova liderança da Fifa e, em particular, o presidente Gianni  Infantino e a secretária geral, Fatma  Samoura".

O EIC é composto por jornalistas de grupos de mídia de 15 países europeus. Entre eles, estão as revistas Der Spiegel, da Alemanha, e L'Espresso, da Itália, e os jornais El Mundo, da Espanha, e Expresso, de Portugal.

Após as acusações, o PSG divulgou nota em que diz sempre ter obedecido as leis e regulamentos impostos pela Uefa. O Manchester City afirmou que não comentaria as informações obtidas em documentos "supostamente hackeados e roubados do City Football  Group" e que a "tentativa de manchar a reputação do clube é organizada e clara".

Dono do Leicester morto em queda de helicóptero é homenageado pelo time

No dia seguinte ao acidente, as imediações do estádio King Power foi cercada de camisas da equipe, flores e fotos do bilionário tailandês. Neste sábado, foi a vez dos jogadores.

Jogadores do Leicester e Cardiff prestaram homenagem a Vichai Srivaddhanaprabha, donos do Leicester, e que morreu no sábado da semana passada. A morte teve elementos trágicos porque o helicóptero em que ele estava caiu no estacionamento do estádio do time depois da partida contra o West Ham.

A homenagem prestada em campo dá segmento ao clima de comoção que tomou conta da cidade. No dia seguinte ao acidente, as imediações do estádio King Power foi cercada de camisas da equipe, flores e fotos do bilionário tailandês. Neste sábado, foi a vez dos jogadores. Eles se posicionaram no círculo central e ficaram com o semblante compenetrado enquanto os nomes das vítimas, havia outra quatro pessoas no helicóptero, eram lidos. Na sequência, houve um minuto de silêncio seguido de aplausos. A atmosfera de respeito e homenagem reinou mesmo sendo um jogo no campo do Cardiff.

Foto: Reprodução/Twitter

Os jogadores também trataram de homenagear Vichai Srivaddhanaprabha vencendo a partida. Demarai Gray fez o gol que garantiu a vitória por 1 a 0 aos 10 minutos do segundo tempo. Muitos torcedores do Leicester estavam presentes e viram o triunfo acompanhados de bandeiras da Tailândia.

Alguns usavam uma camisa com a foto do dono do clube e as palavras "the boss" (o chefe). Vários cachecóis do Leicester foram levantados enquanto o telão mostrava a foto do tailandês. Até o juiz e os bandeirinhas participaram da roda de jogadores.

Vichai Srivaddhanaprabha tinha muito respeito em Leicester porque escolheu a cidade para investir parte de sua fortuna avaliada em cerca de R$ 10 bilhões. Foi com dinheiro dele que o clube surpreendeu o mundo ao ser campeão inglês na temporada 2015/16. Mas o carinho dos habitantes também existe porque o tailandês fez várias ações filantrópicas como doações milionárias a instituições.

O acidente que comoveu a cidade ocorreu cerca de uma hora depois do empate do Leicester contra o West Ham. Testemunhas disseram que a aeronave começou a girar no próprio eixo antes de cair e pegar fogo. O local precisou ser isolado por questões de segurança.

02 de novembro de 2018

Jair Ventura adianta planejamento para 2019: “Já está definido”

“Estamos bem adiantados quanto ao nosso próprio elenco", declarou o técnico do Corinthians.

Após o treinamento do Corinthians nesta sexta-feira, que teve a ausência de Romero, o técnico Jair Ventura foi à sala de imprensa do CT para conceder entrevista coletiva. Em uma de suas falas, o comandante do Timão elogiou a abordagem da diretoria da equipe no que diz respeito às mudanças no elenco para 2019.

“Estamos bem adiantados quanto ao nosso próprio elenco, aos jogadores emprestados e ao mercado. Tenho gostado da diretoria, eles sabem que temos que repor o que nós perdemos”, revelou Jair, antes de apontar qual o perfil desejado para o próximo ano.

“Eu gosto de mesclar: trabalhar com jogadores da base, mas ter atletas experientes também. Estamos procurando e vai depender da parte financeira do mercado. Todos sabemos das necessidades”, afirmou o treinador.


Técnico já fala sobre o 2019 do Corinthians (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Quanto à utilização dos jogadores que estão emprestados atualmente e da manutenção do elenco atual corintiano, o técnico da equipe do Parque São Jorge garantiu que todo o planejamento para a próxima temporada já está realizado, mas evitou falar em nomes.

“Já está tudo definido, mas segue em sigilo. Vou tentar guardar isso de vocês (jornalistas), mas vai ter uma hora que vamos sentar e falar o porquê dos que ficam, dos que vão sair. Deixa acabar a temporada para a gente poder passar isso”, contou.

O Corinthians conta com mais de 20 jogadores emprestados para outros clubes em seu elenco. Dentre eles, estão nomes com maior destaque, caso de Yago, Camacho, Giovanni Augusto, Marlone, Lucca e Gustavo, o “Gustagol”. Todos estes tem contrato de empréstimo válido até o final do ano.

No auge aos 30 anos, Dedé faz planos no Cruzeiro e evita sonhar com Europa

O jogador chama a atenção desde o início do ano, quando se recuperou de graves lesões no joelho.

Depois de superar graves lesões no joelho, Dedé deu uma volta por cima e atravessa sua melhor fase na carreira. Grato ao Cruzeiro, o zagueiro faz planos para continuar no clube mesmo ciente da possibilidade de ofertas tentadoras na próxima janela. Pelo menos por enquanto, seu objetivo é fincar raízes no clube, seguir presente nas convocações de Tite e estar presente na próxima Copa do Mundo.
Dedé está chamando atenção desde o início do ano, quando voltou de lesão. Prova disso foi que, em julho, Tite incluiu o zagueiro na lista de suplentes para a Copa do Mundo. O jogador acabou não indo, mas recebeu a notícia como uma motivação para dar ainda mais retorno dentro de campo.
Na mesma época, foi sondado pelo Lyon, da França, mas a diretoria do Cruzeiro afastou qualquer possibilidade de transferência. Desta vez, novos clubes deverão se interessar pelo atleta, mas o defensor mostra pés no chão para continuar sua trajetória na Toca.


Foto: Reprodução/Instagram

"Não vou falar que é sonho, porque estou mentindo. Como eu já falei em outras entrevistas, meu objetivo no futebol foi dar um sustento para minha mãe, minha família. A gente vai conhecendo o futebol, vai aprendendo, a gente fica próximo. Como a seleção ficou próxima, a gente começa a sonhar com essa situação. Hoje nem tem como pensar futuramente. Falar que sonho em jogar na Europa? Não tem como falar isso. Mas eu estou feliz aqui, estou sendo bem tratado aqui, ganhando títulos. Espero ganhar outros títulos que não conquistei", disse o zagueiro, no último fim de semana.
O atual contrato de Dedé vai até dezembro de 2021. Hoje aos 30 anos, o zagueiro faz planos também para seguir jogando com a amarelinha. Inspirado em Thiago Silva, o defensor quer chegar à Copa do Mundo de 2022 e provar que a idade não é sinônimo de baixo nível.
Dedé não era convocado para a seleção brasileira desde 2012, quando ainda defendia o Vasco. Agora, já esteve presente em duas convocações de Tite, se ausentando de uma terceira por causa das finais da Copa do Brasil. Antes disso, virou símbolo de superação ao encarar uma viagem dos Estados Unidos para São Paulo e aterrissar a poucas horas de entrar em campo para a vitória sobre o Palmeiras, na semifinal da competição.

Tite diz ter negado ouvir propostas de três clubes europeus antes da Copa

O treinador da Seleção Brasileiro foi eleito na semana passada como o 11º do mundo por uma revista inglesa.

Às vésperas da Copa do Mundo da Rússia, o técnico Tite foi procurado por três clubes europeus para deixar o comando da seleção brasileira após a competição. O próprio treinador fez a revelação das ofertas nesta sexta-feira (2), durante participação no programa Redação SporTV.
Eleito na última segunda-feira (29) como 11º melhor técnico do mundo pela revista inglesa FourFourTwo, o treinador disse que não abriu negociações com os clubes de fora do país justamente em razão da proximidade do Mundial.
"Três clubes europeus vieram querendo conversando comigo. Não entra no detalhe que não vou falar os times. Mas falei ao [empresário] Gilmar Veloz, e ele disse 'eu nem vou chegar perto dele, ele não conversa'. Eu nem abri diálogo. Foi antes (da Copa)", disse Tite, que ainda não havia tratado do assunto em coletivas.


Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Tite é técnico da seleção brasileira desde junho de 2016. Apesar da eliminação para a Bélgica nas quartas de final na Rússia, o contrato do comandante foi renovado até 2022, dando condições para um ciclo completo antes da edição realizada no Qatar.
Aos 57 anos, o treinador ainda não pensa na sequência da carreira após a próxima Copa e dá foco à Copa América de 2019, que vê como obrigação o título.
Para depois de 2022, ele cogita trabalhar no mercado internacional, apesar da dificuldade com idiomas. "Se for Espanha ou Itália consigo fazer um intensivo para uma língua que posso me fazer compreender. Inglês vai ser difícil. Tu não atinge excelência sem o poder da comunicação, não adianta."
Tite não cogita seguir na seleção após a Copa de 2022 e se diz "absolutamente abençoado" se ficar até lá.

01 de novembro de 2018

Conmebol muda datas das finais da Libertadores por cúpula do G20

A primeira partida será às 17h (de Brasília), em La Bombonera, o estádio do Boca Juniors.

A Conmebol anunciou mudança nas datas em que serão disputadas as partidas da final da Libertadores, entre Boca Juniors e River Plate. Os jogos serão realizados nos sábados dias 10 e 24 de novembro. A primeira partida será às 17h (de Brasília), em La Bombonera, o estádio do Boca Juniors.

Os jogos estavam marcados para os dias 7 e 28 de novembro, duas quartas-feiras, mas a secretaria de Segurança Pública de Buenos Aires disse que seria impossível fazer o policiamento do maior clássico do país. A partir do dia 30, vai acontecer na capital argentina a cúpula do G20, reunião dos países industrializados e emergentes.

A polícia da cidade afirma ser impossível garantir a segurança de dois eventos dessa magnitude em um espaço de tempo tão curto.

Os dois jogos serão sem torcida visitante, como acontece no futebol argentino desde 2013. 

O Boca confirmou a classificação nesta quarta (31), ao empatar em 2 a 2 com o Palmeiras no Allianz Parque. O River havia avançado no dia anterior, ao derrotar o Grêmio por 2 a 1 em Porto Alegre.

A equipe gaúcha tenta reverter o resultado na comissão disciplinar da Confederação Sul-Americana porque o técnico argentino Marcelo Gallardo estava suspenso, mas foi ao vestiário no intervalo falar com os jogadores. 

A final deste ano será a última disputada em dois jogos. A partir de 2019, a Conmebol vai realizá-la em jogo único, nos mesmos moldes da Liga dos Campeões da Europa. No próximo ano, será em Santiago, no Chile.

Será a segunda vez que Boca e River, os maiores rivais do país, vão decidir um título de expressão. A única vez que isso aconteceu no passado foi em 1976, quando fizeram a final do Campeonato Argentino, e o Boca venceu por 1 a 0.

Atlético-PR bate Bahia nos pênaltis e pega FLU na semi da Sul-Americana

Jonathan, Raphael Veiga, Lucho González e Pablo converteram suas cobranças pelo time

O Atlético-PR está na semifinal da Copa Sul-Americana. Nesta quarta-feira (31), na Arena da Baixada, o time de Curitiba levou a melhor por 4 a 1 sobre o Bahia na decisão por pênaltis após perder por 1 a 0 no tempo normal, placar que havia aplicado na partida de ida.
Jonathan, Raphael Veiga, Lucho González e Pablo converteram suas cobranças pelo Atlético-PR. Do outro lado, Vinicius e Zé Rafael desperdiçaram suas chances, e Edigar Junio foi o único a marcar.
O Atlético-PR foi superior no primeiro tempo, mas o gol do zagueiro Douglas Grolli no último lance antes do intervalo, com um leve toque para a rede, foi um balde de água fria para o time que poderia ter liquidado a vantagem e facilitado seu caminho até a semifinal.
Ainda houve um gol anulado para o Bahia aos 17min da etapa inicial, quando Júnior Brumado chutou e acertou a meta do goleiro Santos. No entanto, a arbitragem viu falta de Zé Rafael no início da jogada e invalidou todo o lance.


Foto: Miguel Locatelli/Site Oficial

A primeira grande oportunidade do Atlético-PR veio na cobrança de falta de Veiga, que fez a bola passar rente à trave. Mas só dá para chamar de "gol perdido" mesmo a chance que Cirino teve, em lance em que saiu livre, demorou muito para chutar e foi desarmado.
O segundo tempo mostrou duas equipes pouquíssimo inspiradas. Aos 37 minutos, por exemplo, Léo Pereira teve chance de cabecear e acabou tocando a bola com a mão, gesto que paralisou a jogada imediatamente.
Dois minutos depois, Bruno Guimarães aproveitou o recuo do Bahia, fez fila na intermediária, deu o drible da vaca em um adversário e acionou Jonathan pela direita. O lateral errou o cruzamento.
Apesar da classificação para a semifinal, a derrota no tempo regulamentar pode ser considerada como a primeira sofrida por Tiago Nunes na Arena da Baixada; o Atlético-PR teve 12 vitórias seguidas em casa.
Na semifinal, o Atlético-PR fará duelo brasileiro contra o Fluminense. O time carioca também avançou nesta quarta-feira, com vitória por 1 a 0 sobre o Nacional (URU). Na partida de ida, houve empate por 1 a 1.

"Seria vergonha mundial entregar para eliminar o Boca na 1ª fase", diz Felipão

O treinador considerou justa a classificação da equipe argentina à final, concretizada nesta quarta-feira (31).

O técnico Luiz Felipe Scolari afastou completamente a ideia de que teria sido melhor entregar uma partida na fase de grupos da Libertadores para eliminar precocemente o Boca Juniors, classificando a possibilidade como uma "vergonha mundial". O treinador considerou justa a classificação da equipe argentina à final, concretizada nesta quarta-feira (31) com um empate por 2 a 2 com o Palmeiras no Allianz Parque, após vencer o jogo de ida por 2 a 0 na Bombonera.
"Seria uma vergonha, uma vergonha mundial. O time do Palmeiras, ou qualquer outro time, tem que fazer seu futebol, independente de quem seja. Classificou o Boca pela sua competência e qualidade. Jamais passaria pela cabeça de qualquer técnico de pensar em fazer alguma coisa errada. Nós temos que ficar felizes porque o Boca foi superior, palmas a eles", disse Felipão.
Na última rodada da fase de grupos, ainda sob o comando de Roger Machado, o Palmeiras já classificado poderia ter contribuído para a eliminação do Boca se tivesse perdido do Junior de Barranquilla em casa. À época, o alviverde já havia descartado essa possibilidade, e acabou vencendo a partida por 3 a 1. No outro jogo, o Boca bateu o Alianza Lima por 5 a 0 e se classificou no segundo lugar da chave.


Foto: Reprodução/Sina.com

Felipão também negou que a eliminação na semifinal tenha um peso maior para ele. "Eu estou acostumado a ganhar e perder, pelo amor de Deus. Tenho mais de 30 anos de carreira. Não tem gosto especial por uma vitória ou uma derrota. Eles foram melhores lá, mas não hoje. Hoje nós tivemos muita qualidade em todo o tempo, mas não conseguimos o resultado. Essa é uma qualidade do Boca e a gente tem que respeitar. Eu tenho que trabalhar para ganhar, mas tenho experiencia em vitórias e derrotas", afirmou.
Felipão disse ainda que a final entre Boca Juniors e River Plate é justa, e que agora o Palmeiras precisa fazer acertos na equipe para a sequência no Campeonato Brasileiro. O Verdão lidera a competição nacional faltando sete rodadas para o fim, e entra em campo novamente no sábado (3), contra o Santos, de novo no Allianz Parque.
"O River ganhou ontem (do Grêmio) e nós perdemos a classificação hoje. São os melhores. Nós tomamos dois gols no final do jogo em Buenos Aires, hoje criamos as oportunidades e tomamos de novo. São ajustes que temos que fazer no nosso time para o Campeonato Brasileiro. É justo River x Boca, sim, é um clássico argentino e vamos ver o que vai acontecer".

Cúpula do G20 deve mudar data da final da Libertadores

Motivo para incertezas é a segurança do clássico. A Secretaria de Segurança de Buenos Aires disse ser impossível fazer o policiamento do jogo ao final do mês.

A primeira final de Libertadores entre Boca Juniors e River Plate já tem indefinição de datas. A Conmebol marcou os jogos para 7 e 28 de novembro, mas a segunda partida não poderá acontecer nesta data.
A secretaria de segurança pública de Buenos Aires afirma ser impossível fazer o policiamento do maior clássico argentino no final deste mês. A partir do dia 30 vai acontecer na capital a cúpula dos G20, reunião dos países industrializados e emergentes.
A polícia da cidade afirma ser impossível garantir a segurança do clássico quando a prioridade será a cúpula.
A AFA (Associação de Futebol Argentino) busca alternativas em conversas com dirigentes da Conmebol.
Uma delas e a mais simples simples seria antecipar a partida de volta, no Monumental de Nuñez, para o dia 21. Seriam mantidas duas quartas-feiras. Mas a AFA trabalha com a possibilidade de que as decisões aconteçam em 10 e 24 de novembro, a pedido da Conmebol. Seriam dois sábados, algo inédito na história da Libertadores.
Os dois jogos serão sem torcida visitante, como acontece no futebol argentino desde 2013. 
O Boca confirmou a classificação nesta quarta (31), ao empatar em 2 a 2 com o Palmeiras no Allianz Parque. O River havia avançado no dia anterior, ao derrotar o Grêmio por 2 a 1 em Porto Alegre. A equipe gaúcha tenta reverter o resultado na comissão disciplinar da Confederação Sul-Americana porque o técnico argentino Marcelo Gallardo estava suspenso, mas foi ao vestiário no intervalo falar com os jogadores. 
A final deste ano será a última disputada em dois jogos. A partir de 2019, a Conmebol vai realizá-la em jogo único, nos mesmos moldes da Champions League. No próximo ano, será em Santiago, no Chile.
Será a segunda vez que Boca e River, os maiores rivais do país, vão decidir um título de expressão. A única vez que isso aconteceu no passado foi em 1976, quando fizeram a final do Campeonato Argentino e o Boca venceu por 1 a 0.

Morre Cesarino Oliveira, presidente da Federação de Futebol do Piauí

Cesariano Oliveira Neto estava internado desde a madrugada da terça-feira em um hospital particular da Capital após sofrer um rompimento em uma artéria do esôfago.

O presidente da Federação de Futebol do Piauí, Cesariano Oliveira, faleceu na madrugada desta quinta-feira (01).  Após complicações médicas ocasionadas pelo rompimento de uma artéria do aparelho digestório. Cesariano estava desde a madrugada da terça-feira (30) internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular de Teresina. 

A Federação de Futebol chegou a divulgar um boletim médico durante a tarde desta quarta-feira  (31) informando que o caso de Cesariano apresentava melhora clínica e que a pressão arterial do presidente estava estabilizada. O futebolista passou mal durante a madrugada da terça-feira no apartamento onde mora com a esposa.  Ele foi socorrido e encaminhado para um hospital particular da Capital, onde entrou direto na UTI. O quadro de Cesariano, segundo a FFP, era considerado grave pela equipe médica, mas permanecia estável. 

Foto: Arquivo/O DIA

Ainda segundo a Federação, o ex-técnico do River chegou a acordar na tarde de terça-feira e só voltou a ser sedado por conta do protocolo médico em situações como essa.  A Federação emitiu uma nota lamentando o ocorrido e prestando condolências a amigos e familiares. “Neste momento de dor e consternação, rogamos a Deus que dê conforto a seus familiares e amigos ao tempo em que pedimos encarecidamente que seja respeitado o momento difícil pelo qual todos nós estamos passando”, diz a nota. 

Cesariano era presidente da Federação de Futebol do Piauí desde 2011, sendo reeleito em 2014, e na última eleição que ocorreu no último dia 05 foi reeleito novamente após concorrer com uma chapa única. Seu mandato à frente da federação iria até 2022. O corpo do de Cesariano Oliveira Neto está sendo velado na funerária Pax União, localizada na Avenida Miguel Rosa, Nº 3405, Centro Sul, Teresina. O sepultamento está marcado para às 17h, no Cemitério Jardim da Ressurreição.

Confira a nota de pesar da FFP

É com profundo pesar que informamos a morte do nosso grande amigo e companheiro Cesarino de Oliveira Sousa, presidente da Federação de Futebol do Piauí.

Cesarino estava internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital São Marcos desde as primeiras horas da última terça-feira (30), quando precisou passar por um procedimento cirúrgico após sentir-se mal em casa.

Neste momento de dor e consternação, rogamos a Deus que dê conforto a seus familiares e amigos ao tempo em que pedimos encarecidamente que seja respeitado o momento difícil pelo qual todos nós estamos passando.

O corpo do presidente será velado a partir das 7h, na Pax União, localizada na Avenida Miguel Rosa, Nº 3405, Centro Sul, Teresina.

Federação de Futebol do Piauí.

Governo do Estado lamenta a perda para o esporte piauiense

O Governo do Estado, por meio de sua assessoria de imprensa, emitiu uma nota de pesar lamentando a morte do futebolista e contando a trajetória do presidente da FFP. 

Confira a nota na íntegra

O Governo do Estado manifesta profundo pesar pelo falecimento de Cesarino Oliveira, presidente da Federação de Futebol do Piauí (FFP). 
Cesarino foi jogador de futebol e treinador de equipes no estado. No início de outubro foi reeleito para o seu terceiro mandato como presidente da FFP, gestão que ia iniciar no ano de 2019 até 2022. 
Desejamos aos familiares, amigos e admiradores força e o conforto necessário para superar esse momento de dor e consternação. 

A Fundação dos Esportes lamenta o caso

Por meio de nota, a Fundação dos Esportes do Piauí (Fundespi) lamentou a morte o presidente da FFP, Cesariano Oliveira. A entidade comenta a importância do esportista para o esporte no Estado. “Cesarino proporcionou diversas parcerias entre Fundespi e FFP para realização de atividades esportivas e partiu deixando um legado de muito trabalho à frente do esporte piauiense”, disse a nota.

Confira a nota na íntegra

A Fundação dos Esportes do Piauí (FUNDESPI), vem por meio desta nota lamentar profundamente o falecimento do Presidente da Federação de Futebol do Piauí, Cesarino Oliveira.
Cesarino proporcionou diversas parcerias entre Fundespi e FFP para realização de atividades esportivas e partiu deixando um legado de muito trabalho a frente do esporte piauiense.Que Deus possa dá o conforto necessário à família de Cesarino Oliveira e a todos os desportistas piauienses. 
Atenciosamente
Fundação dos Esportes do Piauí - FUNDESPI

31 de outubro de 2018

Schelotto pode bater recordes no Boca

O técnico do Boca Juniors tinha na cabeça a possibilidade de confrontos decisivos contra brasileiros.

Após o sorteio dos grupos da Libertadores, em dezembro do ano passado, Guillermo Barros Schelotto já tinha na cabeça a possibilidade de confrontos decisivos contra brasileiros.

O técnico do Boca Juniors se acostumou a isso como jogador. Por que seria diferente desta vez?

"É lindo jogar contra equipes brasileiras. Na Libertadores, é uma grande experiência. Você tem de competir contra os melhores", disse à reportagem na época.

Em especial, ele tinha na cabeça o Palmeiras, adversário na semifinal. A partida de volta acontece nesta quarta-feira (31), às 21h45, no Allianz Parque. No primeiro jogo, no último dia 24, o Boca venceu por 2 a 0.

Dos três títulos continentais que conquistou como atleta, dois foram contra brasileiros (em 2000 a vítima foi o Palmeiras, e em 2003, o Santos). Na semifinal de 2001, também enfrentou o rival desta quarta e o eliminou.

Ele reconhece que o Palmeiras foi o adversário sul-americano contra o qual teve mais confrontos marcantes.

Foi de Schelotto a primeira cobrança na disputa de pênaltis na final de 2000. Marcou. Titular na primeira semifinal do ano seguinte, anotou o primeiro gol no empate por 2 a 2 em La Bombonera. Partida até hoje lembrada pelos palmeirenses por causa da arbitragem do paraguaio Ubaldo Aquino.

O juiz deixou de marcar pênalti sobre o volante brasileiro Fernando.

Atacante aguerrido, Schelotto nunca fugiu da briga, dentro ou fora de campo. Fez parte de ataques ao lado de Palermo, Tevez, Barijho e Marcelo Delgado. Também foi um dos vários desafetos de Juan Román Riquelme, com quem ganhou a Libertadores de 2000 e 2001.

"Era uma questão de preferência. Riquelme gostava mais de jogar ao lado de Chelo [Delgado] no ataque. Palermo preferia Guillermo", relembra o zagueiro Jorge Bermúdez.

Schelotto levou seu estilo como jogador para a carreira de técnico ao lado do irmão e assistente, Gustavo. Primeiro pelo Lanús e depois pelo Boca, irritou os torcedores adversários e até os neutros com as intermináveis reclamações contra árbitros.

Uma rara exceção aconteceu após a primeira partida da semifinal contra o Palmeiras. Talvez porque o Boca tenha vencido graças aos dois gols de Darío Benedetto.

"Foi muito bom resultado porque desde o início tenho dito que o Palmeiras é um dos favoritos na Libertadores. Qualquer vantagem que levássemos para São Paulo seria importante", afirmou após a vitória em La Bombonera.

O desejo menos escondido de Schelotto é seguir os passos de seu técnico no início do século no clube. Carlos Bianchi comandava o time nos três títulos continentais conquistados pelo então atacante.

Se vencer neste ano, ele igualará o lateral Hugo Ibarra como o maior campeão de Libertadores da história do Boca Juniors. Tornaria-se também o principal ganhador de torneios internacionais na história do clube. Hoje está com 11, empatado com o volante Sebástian Battaglia.

Tal qual seu mestre Bianchi, ele tem dificuldade de se curvar ao que deseja a maioria dos torcedores e imprensa. Carlos Tevez, até hoje apelidado de "el delantero del pueblo" (o atacante do povo, em espanhol), passou os 90 minutos da primeira semifinal com o Palmeiras no banco.

As vitórias amenizam, mas técnico e jogador, companheiros no elenco de 2003, estão longe de serem amigos.

Schelotto também mandou embora Pablo Daniel Osvaldo, uma das principais contratações do clube em 2016, por tê-lo flagrado fumando no vestiário.

Mas como o próprio Guillermo já disse antes, o futebol perdoa tudo, menos a derrota. "Entre e faça um gol", disse o comandante para Benedetto antes de colocar o centroavante em campo contra o Palmeiras.

Uma orientação banal, mas que ganha contornos premonitórios porque deu certo diante de rival brasileiro. Como havia acontecido antes com Schelotto quando era jogador pela Libertadores contra o próprio Palmeiras.

Alonso caminha para fim de carreira e vira grande crítico da F-1

Depois de ter abandonado por três vezes por estar envolvido em acidentes nos quais não teve culpa, ele anda soltando o verbo contra a própria categoria.

A vida de Fernando Alonso não tem sido fácil desde que o bicampeão anunciou que deixará a Fórmula 1 ao final deste ano: nas sete corridas disputadas desde agosto, o espanhol só pontuou em uma. Após a ótima performance no GP de Singapura, ele é apenas o 11º colocado do Mundial, com 50 pontos. E mais: depois de ter abandonado por três vezes por estar envolvido em acidentes nos quais não teve culpa, ele anda soltando o verbo contra a própria categoria.

Alonso caminha para fim de carreira e vira grande crítico da F-1. (Foto: Reprodução/Instagram)

O primeiro da série de acidentes foi o mais espetacular deles, na Bélgica. Alonso foi abalroado por Nico Hulkenberg logo na primeira curva. O espanhol chegou a insinuar que o alemão deveria receber um gancho pela manobra. "Não dá para entender como alguém perde o ponto de freada desse jeito. Da última vez, Romain [Grosjean] foi suspenso. Então, veremos". No final das contas, Hulkenberg foi punido apenas com perda de posições no grid na prova seguinte.

O acidente fez Alonso trocar de chassi para a prova seguinte, em Monza, quando ele também abandonou, por quebra. Em Singapura, se recuperou e foi o sétimo. Mas logo as decepções voltaram: na Rússia e no Japão, ficou de fora dos pontos, em 14º.

Em Suzuka, sobrou para os comissários, já que Alonso reclamou de uma punição que recebeu por ter saído da pista e ganho vantagem. Ele disse que isso só aconteceu porque foi jogado para fora por Lance Stroll. "Quando até o piloto vem se desculpar, acho difícil de entender a decisão. Mas esse é o baixo nível da F1, nas decisões aleatórias, na falta de consistência. É uma pena."

As críticas de Alonso só aumentaram de tom depois de mais uma batida com Stroll, desta vez na primeira volta do GP dos Estados Unidos. "É um problema a mais para FIA se eles continuarem permitindo esse tipo de pilotagem. Eu piloto em outra categoria que tem amadores, em teoria, e nunca houve esse tipo de problema", afirmou, referindo-se ao Mundial de Endurance.

"Talvez eles esperem acontecer um acidente grave para fazer algo. Enquanto isso, nos divertimos em uma categoria em que pilotamos contra 34 carros, alguns amadores, caras de 60 anos, e nada acontece. Aqui, precisamos de protetores, igual em kart de aluguel, para poder ficar um batendo no outro."

Mesmo com as reclamações, ninguém aliviou para Alonso na última corrida, no México. O toque entre Carlos Sainz e Esteban Ocon deixou detritos na pista que entraram no radiador da McLaren do espanhol, obrigando-o a abandonar.

APOSENTADORIA

Ao mesmo tempo em que reclama repetidamente do nível de disputa no meio do pelotão da F-1 atual, Alonso assegura que não está deixando a categoria porque não tem um carro competitivo. Nos últimos meses, chegou a afirmar que tinha recebido uma proposta da Red Bull para o ano que vem, algo repetidamente negado pelo chefe da equipe, Christian Horner.

"Eu poderia ter um carro competitivo", insistiu. "Não estou parando porque não tenho um carro competitivo e estou dizendo isso desde agosto. Estou parando porque eu fiz tudo o que eu queria na F-1. Ganhei corridas, campeonatos, quebrei recordes, pilotei pela McLaren, Ferrari e Renault. Tenho 37 anos e não há mais nada que possa fazer na F-1. Tudo o que eu sonhei está feito. Então, há coisas novas no automobilismo, maiores do que a F-1."

Alonso havia dito que anunciaria seu futuro em outubro, mas por enquanto a única confirmação é de que ele não disputará a temporada completa da Indy. O espanhol deve tentar o título do Mundial de Endurance -cuja temporada atual se encerra em meados de 2019- e afirmou que existe a possibilidade de voltar às 24h de Daytona e às 500 Milhas de Indianápolis.

Fifa quer 48 seleções para a Copa do Qatar

A expansão da Copa do Mundo para 48 times é garantida para a edição de 2026 no Canadá, Estados Unidos e México.

Os planos de expansão da Copa do Mundo seguem na pauta da Fifa já para a edição de 2022, no Qatar. Pelo menos esta foi a ideia exposta novamente pelo presidente Gianni Infantino, durante evento de inauguração da nova sede da AFC (Confederação Asiática de Futebol), ocorrido nesta quarta-feira (31), na Malásia.

"É possível, por que não? Veremos se será possível. Vamos discutir isso com nossos amigos do Qatar", declarou Infantino.

A expansão da Copa do Mundo para 48 times é garantida para a edição de 2026 no Canadá, Estados Unidos e México. Entretanto, o presidente da Fifa quer acelerar a mudança já para a próxima edição do torneio mais importante do calendário do futebol mundial.

"Estamos discutindo com outros amigos da região e esperamos que isso possa acontecer. Se não, pelo menos tentaremos. Temos que tentar porque sempre precisamos tentar as coisas da melhor forma", acrescentou o presidente, que já manifestara anteriormente o desejo aos organizadores do torneio no Qatar.

A última expansão da Copa do Mundo ocorreu em 1998, quando a competição passou a contar com 32 seleções. Foram seis edições com o atual formato de oito grupos com quatro equipes cada um.

Com 48 times, a Copa do Mundo dividiria as seleções em 16 grupos com três equipes cada um. Este formato impede que as vagas ao mata-mata sejam definidas na última rodada em jogos simultâneos, devido ao número ímpar de seleções em cada chave. A própria Fifa reconhece o problema.

Grêmio entra em colapso no fim e leva virada do River, que vai à final

Equipe argentina virou o placar para 2 a 1, nesta terça (30), em Porto Alegre, e chegou à decisão.

Tudo corria bem para o Grêmio até os 24 minutos do segundo tempo. O time vencia o River Plate (ARG) por 1 a 0 e estava muito próximo de chegar à final da Libertadores. Foi neste momento que Renato Gaúcho mexeu na zaga: colocou Bressan no lugar de Paulo Miranda.

A mudança iniciou sequência de eventos que, de forma improvável, fez a equipe argentina virar o placar para 2 a 1, nesta terça (30), em Porto Alegre, e chegar à decisão.

Grêmio entra em colapso no fim e leva virada do River, que vai à final. (Foto: Reprodução/Instagram)

O resultado foi uma das maiores decepções da história do Grêmio, que lutava para ser o primeiro clube desde o Boca Juniors, em 2001, a conquistar o torneio por dois anos consecutivos. No ano passado, os brasileiros haviam sido campeões e perdido para o Real Madrid no Mundial de Clubes.

Renato não disfarçava o sonho de uma nova chance para derrotar os europeus.

Dentro do espírito de "e se", que povoa o imaginário do futebol em jogos de viradas como o que ocorreu nesta terça, há parcela de culpa de Everton, artilheiro gremista na competição, com cinco gols. 

Quando a vantagem era de 1 a 0, graças ao gol do lateral Leonardo, ele teve uma chance escandalosa para fazer o segundo e perdeu.

Ninguém lamentou demais, porque naquele instante era impensável ver o River conseguir dar a volta no resultado. 

Assim como havia acontecido em Buenos Aires, quando o Grêmio atuou fechado, esperando pelo contra-ataque e por uma bola, o River Plate parecia impotente para conseguir furar a zaga gremista. Nos dois jogos, Geromel, Kannemann (suspenso para o confronto em Porto Alegre) e Paulo Miranda pareciam insuperáveis.

Deu certo no Monumental, e o Grêmio venceu por 1 a 0. Funcionava na Arena, e o Grêmio ganhava pelo mesmo placar. Antes do primeiro jogo, Renato já dizia que o River Plate tinha time melhor que o do Boca Juniors, que enfrenta o Palmeiras na segunda semifinal, nesta quarta (31).

Houve um momento durante o segundo tempo em que até os 4.000 torcedores do River, que até então cantavam de maneira incansável, pararam. Perceberam que não havia saída.

Ou havia? Borré fez de cabeça aos 36, com a bola desviando em seu braço, mas sem ser notado. Correu na comemoração, com pressa, de volta para a defesa. Bateu palmas, gritou "vamos!". 

Tantas vezes aconteceu no futebol. Aquele jogo em que um time domina de forma confortável, até que algo inesperado ocorre e muda a dinâmica do que acontece diante de milhares de pessoas.

O gol de Borré foi o primeiro instante da semifinal em que a zaga do Grêmio falhou. 

A chuva caía em Porto Alegre, e o River começou a fazer o que era possível. Levantar bola na área, usar a velocidade de Scocco. O Grêmio queria apenas administrar o tempo.

Era uma vaga que seria conquistada apesar do futebol sem grande técnica dos brasileiros. Mais eficiência e entrega tática do que qualquer outra coisa. Os gaúchos podem dizer que atuaram as semifinais sem Luan, seu principal atacante, e com Everton por apenas uma parte do segundo tempo do jogo no Brasil.

Havia sempre o risco, e  Bressan o tornou maior ao esticar o braço, mesmo que de forma involuntária, para desviar o arremate de Scocco na área. O árbitro Andrés Cunha usou o VAR (árbitro assistente de vídeo) para dar a Pity Martínez a chance de levar o River Plate para a final.

"Muñeco! Muñeco!", explodiu a torcida argentina após o  apito final, em idolatria ao técnico Marcelo Gallardo, que desafiou a suspensão da Conmebol para se comunicar via rádio com o banco e ir ao vestiário no intervalo. Depois do que aconteceu, ninguém no River se importa. O futebol perdoa tudo quando se ganha.

GRÊMIO

Marcelo Grohe; Leonardo Gomes, Paulo Miranda (Bressan), Geromel, Bruno Cortez; Michel, Maicon (Everton), Ramiro, Cícero, Alisson; Jael (Thaciano). T.: Renato Gaúcho

RIVER PLATE

Armani; Montiel, Maidana, Pinola, Casco; Ponzio (Enzo Pérez), Fernández (Pity Martínez), Palacios, Quintero (Scocco); Borré, Lucas Pratto. T.: Marcelo Gallardo

Estádio: Arena do Grêmio, em Porto Alegre

Público: 49.893 pagantes (total de 53.571)

Renda: R$ 4.477.119,50

Juiz: Andrés Cunha (Uruguai)

Cartões Amarelos: Paulo Miranda, Bruno Cortez, Bressan, Cícero (Grêmio); Enzo Pérez, Pinola (River Plate)

Cartão Vermelho: Bressan (Grêmio)

Gols: Leonardo Gomes, aos 35min do primeiro tempo (Grêmio); Borré, aos 36min, e Martínez, aos 42min do segundo tempo (River Plate)

30 de outubro de 2018

São Paulo não tem bom aproveitamento com laterais jogando no ataque

O técnico Diego Aguirre terá problemas para para escalar o time titular do Tricolor.

Diego Aguirre conta um grande problema para escalar o time que enfrentará o Flamengo, no próximo domingo, no Morumbi. Com três significativos desfalques no ataque, tudo indica que o técnico do São Paulo, mais uma vez, será obrigado a adiantar um lateral para compor seu setor ofensivo. Nada a que ele já não esteja acostumado. Mas em termos de números, a solução não é nada animadora.

Isso porque, neste Campeonato Brasileiro, dos sete jogos em que o uruguaio optou por improvisar um de seus laterais nas pontas, o Tricolor só saiu com a vitória em dois. De resto, foram três empates e duas derrotas, o equivalente a um aproveitamento de apenas 42,8%.

As duas vitórias, por sinal, aconteceram na primeira e na última vez que Aguirre fez a mudança. A primeira foi contra o Corinthians, ainda na 14ª rodada da competição, quando Reinaldo foi escolhido para compor o ataque são-paulino. E a mudança foi a mesma contra o Vitória, já na última sexta-feira, em duelo válido pela 31ª rodada.

Com Everton ainda iniciando a fase de transição para o gramado, após três semanas se recuperando de um estiramento na coxa, Everton Felipe lesionado, com estiramento no ligamento colateral medial, e Rojas fora até 2019, graças a um rompimento do tendão patelar, as chances de Aguirre voltar a improvisar no ataque da equipe são enormes.


Reinaldo já começou seis partidas improvisado na ponta (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Caso o treinador opte por manter a formação das últimas partidas, a tendência é que Reinaldo volte a ocupar a vaga de Everton pela esquerda. Na direita, ainda há dúvidas. Tréllez é uma opção, assim como Nenê. Ambos, porém, não têm a velocidade como principal característica, o que tornaria o time mais pesado.

Ainda que a probabilidade seja pequena, os jovens da base também podem aparecer entre os 11. Brenner não entra como titular há mais de seis meses, enquanto o recém-promovido Anthony ainda aguarda por uma oportunidade na equipe principal. Helinho é o terceiro nome, mas também se recupera de lesão.

São Paulo e Flamengo medem forças neste domingo, pela 32ª rodada do Brasileirão 2018. No Morumbi, em São Paulo (SP), a bola rola a partir das 16h (no horário de Brasília). Para além dos desfalques ofensivos, o Tricolor não poderá contar com o goleiro Jean e o volante Hudson, ambos suspensos.

Reinaldo, por sinal, foi o escolhido para atuar improvisado em seis das sete ocasiões. Na outra oportunidade, foi Bruno Peres quem acabou adiantado, justamente na derrota por 2 a 0 para o Palmeiras, em pleno Morumbi.

Santos projeta grande déficit e estuda “cortes dolorosos”

Mesmo com a venda de Rodrygo para o Real Madrid e o recebimento de metade do valor – 20 milhões de euros (R$ 95 mi) -, o Peixe tem previsão de déficit de R$ 43 milhões no fim do ano.

A situação financeira do Santos continua ruim. Ruim a ponto do clube cogitar se desfazer de uma unanimidade, como Vanderlei, alvo do São Paulo. 

Mesmo com a venda de Rodrygo para o Real Madrid e o recebimento de metade do valor – 20 milhões de euros (R$ 95 mi) -, o Peixe tem previsão de déficit de R$ 43 milhões no fim do ano (antes, chegou a ser de R$ 90 mi). Diversas dívidas foram herdadas da gestão do ex-presidente Modesto Roma e, após alguns cortes, o rombo continua.

Internamente, o presidente José Carlos Peres discute com seus pares e vê dois caminhos: o Flamengo, que primeiro acertou as contas e depois pensou no futebol, e o Corinthians, sem tanta preocupação com as contas, acúmulo de dívidas e momento atual ruim. O objetivo é agir como os cariocas.


Situação de Vanderlei exemplifica dilema no Santos (Ivan Storti)

E a possibilidade de saída de Vanderlei exemplifica esse dilema. O goleiro recebe alto salário e, aos 34 anos, pode representar lucro com a venda de direitos econômicos e desafogo mensal. Em contrapartida, é unanimidade dentro e fora do clube, titular absoluto desde 2015.

O Alvinegro arrecada menos do que precisa pagar por mês, mesmo com o aumento das receitas nesta temporada. E 85% do custo total vem do futebol. Ou seja, cortes administrativos, por maiores que sejam, não resolvem o problema.

A folha salarial, com impostos e direitos de imagem, equivale a R$ 11,5 milhões e precisa ser reduzida para 2019. Desta forma, o torcedor pode imaginar mais saídas do que chegadas, sem grandes investimentos no mercado.

Tite é eleito por revista o 11º melhor treinador do mundo

O comandante da seleção brasileira ficou à frente de nomes importantes do futebol europeu, como Thomas Tuchel, do Paris Saint-Germain e Antonio Conte, ex-comandante do Chelsea

Em uma lista dos 50 melhores treinadores do mundo de 2018, a revista especializada inglesa FourFourTwo colocou Tite na 11ª posição. O comandante da seleção brasileira ficou à frente de nomes importantes do futebol europeu, como Thomas Tuchel, do Paris Saint-Germain, Antonio Conte, ex-comandante do Chelsea, e Luis Enrique, treinador da seleção espanhola.
A classificação do ex-corintiano foi revelada nesta segunda-feira (28), com a publicação da lista do 20º ao 11º colocados. Nos últimos dias, havia sido a vez de Renato Gaúcho aparecer no levantamento, como 28º principal técnico do ano. Os dez primeiros colocados do ranking serão revelados na próxima quinta-feira (10).
"Sabiamente, o Brasil estendeu o contrato de Tite até 2022, ignorando as críticas pela rotação dos capitães e por estar 'preparado para ir até o túmulo com Gabriel Jesus'", colocou o jornalista Huw Davies. "Ele deveria ter sido contratado bem antes de 2016, quando assumiu depois da segunda e desastrosa passagem de Dunga, e quando venceu 12 e empatou dois dos 14 jogos finais da seleção nas Eliminatórias Sul-Americanas, levando o time para a Rússia como favoritos".
A publicação também amenizou a eliminação da seleção brasileira na Copa do Mundo, nas quartas de final, para a Bélgica. Ao invés disso, exaltou a tática usada por Roberto Martinez, "que colocou Kevin De Bruyne como 'falso 9', com Nacer Chadli no meio e Romelu Lukau pelo lado". "Não há como se preparar para isso", escreveu Marcus Alves.


Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Renato Gaúcho, por sua vez, ficou uma posição à frente do croata Niko Kovac, que ainda nem completou uma temporada com o Bayern de Munique. Ele também superou Marcelo Gallardo, que treina o River Plate, rival na semifinal da Copa Libertadores.
O estilo boleiro de Renato não escapou à análise da FourFourTwo: "Enquanto a maioria dos seus colegas estavam viajando e tentando pegar alguma coisa com Guardiola, Ancelotti ou Mourinho, Renato preferiu ficar nas praias do Rio de Janeiro, jogando seu esporte favorito, o futevôlei".
"Levou cerca de dois anos para o homem conhecido pela sua mãe como 'Renato Portaluppi' ser contratado e assumir o Grêmio, no final de 2016. Muitos acharam que era uma escolha arriscada, mas não poderiam estar mais enganados", prosseguiu a revista.
"Em novembro de 2017, Renato se tornou o primeiro brasileiro campeão da Libertadores como jogador e treinador, e ele levantou três outros troféus desde então. Ele está com um pé em outra Libertadores, depois que o Grêmio venceu o River Plate no primeiro jogo das semifinais. Sem surpresas, então, que ele é o favorito para assumir a seleção brasileira após Tite", encerrou.

Sem margem para tropeço, Flamengo mantém sonho por título brasileiro

O time empatou com o Palmeiras no último sábado e isso complicou

O Flamengo ainda alimenta o sonho de encerrar o ano com o título do Brasileiro. O empate por 1 a 1 com o líder Palmeiras no último sábado (27), no entanto, complicou bastante as pretensões do time rubro-negro, já que não há mais o confronto direto entre as equipes.
Tal cenário reduz de forma drástica as possibilidades de tropeço nas sete rodadas restantes. Com chance de apenas 6,6% de erguer a taça, o time carioca não tem alternativa. É preciso enfileirar vitórias.
De acordo como site Chance de Gol, o Flamengo precisaria vencer os sete duelos para chegar próximo dos 100% de probabilidade para a conquista do título. Uma tarefa árdua para quem, por outro lado, está praticamente garantido na próxima edição da Copa Libertadores. Mais três pontos somados na tabela devem liquidar a fatura.
Há, porém, a possibilidade de vencer jogos e torcer por alguns tropeços do Palmeiras. Com a diferença em quatro pontos (63 a 59), o Flamengo precisaria tirar duas rodadas de vantagem. O cenário deixa os cariocas praticamente sem margem para qualquer tropeço. E a sequência está longe de ser das mais simples.


Foto: Flamengo FC

O time rubro-negro enfrenta São Paulo (fora), Botafogo (fora), Santos (casa), Sport (fora), Grêmio (casa), Cruzeiro (fora) e Atlético-PR (casa). São jogos -em maioria- contra adversários que brigam pelas primeiras posições, e outros que tentam evitar o rebaixamento.
Já o Palmeiras encara Santos (casa), Atlético-MG (fora), Fluminense (casa), Paraná (fora), América-MG (casa), Vasco (fora) e Vitória (casa). Para quem tem vantagem na tabela, o time ainda atuará quatro vezes como mandante e tem a chance de confirmar o título antes mesmo da última rodada.
Apesar do cenário desfavorável, admitido internamente, o Flamengo mantém o sonho nas declarações de jogadores e do técnico Dorival Júnior. Só seguidas vitórias interessam. Caso contrário, os rubro-negros não terão nem mais como imaginar a possibilidade de título.
"Precisamos ser realistas. Uma rodada a menos. Não existirá mais o confronto direto. Continuamos totalmente focados. Faremos a nossa parte primeiro, vamos olhar os adversários depois. O importante é que os jogadores estão acreditando, e buscaremos até o final", constatou o comandante.

Após definir grupos da Copa Piauí Feminino, torneio inicia em novembro

A competição será realizada na 2ª quinzena de novembro e terá participação dos clubes Abelhas Rainha, Piauí, São Paulo, Skill Red, Teresina e Tiradentes.

A Federação de Futebol do Piauí (FFP) realizou ontem (29) o sorteio da Copa Piauí de Futebol Feminino de 2018. A competição será realizada na segunda quinzena de novembro e terá a participação de seis clubes: Abelhas Rainha, Piauí, São Paulo, Skill Red, Teresina e Tiradentes.

Somente representantes do Teresina e Skill Red compareceram ao sorteio de chaves. O presidente da Federação de Futebol do Piauí (FFP), Cesarino Oliveira, afirma que a expectativa em torno da competição é grande. “Temos seis equipes brigando pelo título e poderia até ser mais, mas a competição todo ano cresce e estamos esperando que esse ano não seja diferente”, disse.


Presidente da Federação, Cesarino disse que a expectativa em torno da competição é grande. Foto: Elias Fontinelle/ODIA

Primeiramente, o sorteio definiu a ordem dos cabeças de chave, ficando o Abelhas Rainha no Grupo A e o Tiradentes no Grupo B. Ficaram São Paulo e Teresina ficaram no Grupo A. Piauí e Skill Red caíram no Grupo B. O grande favorito da competição é a equipe do Tiradentes, que tem os últimos títulos e também principais conquistas recentes no futebol feminino representando o Piauí a nível nacional, com direito a inserir atletas nas seleções sub-17, sub-20 e principal.

As novidades são – a equipe Skill Red, que tem apenas três anos de formação e já vai disputar uma competição federada e também o Piauí Esporte Club pela vez monta um elenco feminino de futebol.

Nas partidas da primeira fase, os times do Grupo A enfrentarão as equipes do Grupo B. As duas equipes com melhor índice técnico de cada grupo avançam para as semifinais, que serão disputadas em jogo único. A final também será realizada em única partida.

O campeão da Copa Piauí de Futebol Feminino representará o Piauí na Série A2 do Campeonato Brasileiro Feminino de 2019.





Enquete

Um jovem morreu ao sofrer descarga elétrica colocando celular para carregar. Quais cuidados você toma em relação a isso?

ver resultado