• Natal
  • Policlinica
  • Motociclista
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

PM diz que roubos aos finais de semana são de ‘oportunidade’

No final de semana, a partir da tarde, a região tende a se esvaziar.

13/08/2019 09:44h - Atualizado em 13/08/2019 09:51h

Segundo o coronel Maurício Lacerda, comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar (BPM), o número de assaltos na região central de Teresina diminui aos finais de semana devido ao fluxo de pessoas que também reduz. Ele explica que a dinâmica do Centro é diferente dos outros bairros, sendo maior de segunda a sábado e durante o horário comercial. No final de semana, a partir da tarde, a região tende a se esvaziar.

“Esses assaltos são de oportunidade e não temos uma sequência alta, tanto que, em relação a essas ocorrências, nossas estatísticas são de índices baixos desde o início do ano, inclusive reduzindo roubos a transeuntes e carros, como furto de veículos e arrombamentos em casas e comércios”, comenta.

Com relação ao Centro de Teresina, o comandante pontua que o Sindicato dos Lojistas costuma notificar as ocorrências de roubos e arrombamentos, fazendo com que a Polícia Militar mude sua estratégia de atuação. Para atender à região Central de Teresina, que contempla 21 bairros, a PM conta com nove viaturas, de segunda a sábado, e sete viaturas aos domingos.

Somente para o centro comercial são utilizados policiamento motorizado (03), ostensivo (duplas) e veicular (03) diariamente. Além disso, o serviço de segurança é integrado entre a Polícia Militar e a Guarda Municipal de Teresina.

“Dentro do que podemos, na capacidade do Batalhão, conseguimos dar uma dinâmica de segurança para a região. Os crimes vão acontecer porque infelizmente isso não é somente problema de polícia, têm problemas de políticas públicas. Infelizmente, o Centro de Teresina concentra muitos moradores de rua e usuários de drogas e, às vezes, até pessoas que moram na própria região e comentem assaltos para alimentar os vícios da droga”, relata.


Aplicativo mapeia áreas de risco

O aplicativo ‘PMPI Mobile’ tornou-se um aliado da Polícia Militar para conseguir identificar que áreas estão registrando mais ocorrências. Quando uma pessoa que é assaltada registra um Boletim de Ocorrência pelo aplicativo, é possível a PM reconhecer quais áreas estão mais vulneráveis e, assim, reforçar o policiamento. 

“O Mobile que foi instalado recentemente na Polícia Militar dá em tempo real as zonas quentes, que é uma mancha criminal atualizada em tempo real. E como fazemos um trabalho de forma estratégica, vamos mudando o policiamento de acordo com o aumento do índice de violência”, explica o coronel Maurício Lacerda.

O 1º BPM é composto por quatro companhias: Codam (Companhia Independente de Policiamento Cosme e Damião), que atua no Centro; além das companhias que atuam nos bairros São Pedro, Porenquanto e a Força Tática, que atua na região da Prainha.

“Com a dinâmica de policiamento, conseguimos atuar nos 21 bairros de forma otimizada. Também costumamos fazer 10 operações médias por mês e uma operação grande”, fala.

A região do Polo de Saúde de Teresina costuma ter movimentação aos finais de semana devido aos profissionais que trabalham em regime de plantão. Para garantir a segurança desses trabalhadores, o policiamento nessa área é diferenciado, e conta com uma viatura. Além disso, a PM e os grupos das clínicas firmaram uma parceira de forma a reforçar o policiamento nas áreas próximas ao Hospital Getúlio Vargas, 25º BC e na antiga Casa Mater.


População deve tomar alguns cuidados

O coronel Maurício Lacerda, comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar, dá algumas orientações para ajudar a população a prevenir situações de assalto ou furto. A primeira delas é antes de sair de casa. 

“Quando for sair de casa, a pessoa deve olhar pelas câmeras de segurança se têm pessoas na área externa. Se não tiver câmeras, sair de forma tranquila e observar se não tem pessoas estranhas nas proximidades. Somente após isso retirar o veículo”, cita.

Para as mulheres, a recomendação é evitar colocar a bolsa em cima do banco do passageiro. Ao sair do carro, conferir se a porta está realmente trancada. Quem estiver a pé deve procurar locais que tenha bastante movimentação e evitar locais desertos e escuros, além de evitar expor joias e dinheiro em locais públicos. 

“Se a pessoa se sentir ameaçada ou tiver alguma suspeita, deve entrar em um estabelecimento comercial e acionar o 190. Essas são formas de podermos evitar algumas situações, mas infelizmente não temos como garantir que a população não passará por casos assim”, finaliza o comandante do 1º BPM, Coronel Maurício Lacerda.


Edição: Virgiane Passos
Por: Isabela Lopes - Foto: Assis Fernandes/ODIA e Jailson Soares/ODIA

Deixe seu comentário