• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • Clínica Shirley Holanda
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Mãe de anjo: PI pode ter Dia de Sensibilização à Perda Gestacional

A intenção é promover uma mudança de cultura na população do Estado sobre o assunto.

02/11/2019 13:59h - Atualizado em 03/11/2019 14:36h

Sensível aos relatos das mães de anjo, o deputado estadual Franzé Silva apresentou um projeto de lei para instituir o Dia Estadual de Sensibilização à Perda Gestacional e Neonatal no Piauí. A intenção é promover uma mudança de culturana população do Estado sobre o assunto.

Leia Também:

Mães revelam os sentimentos que permeiam a perda de um filho 

 Mãe cobra humanização por parte dos profissionais de saúde 

“Têm dias que acordo naquela fase de raiva e revolta”, diz mãe 

 “É uma oportunidade para pais e mães recordarem a memória de seus filhos e para estimular a conscientização sobre o impacto que a perda de um filho causa a uma família. É uma oportunidade também de alertar asmaternidades que ainda não estão preparadas para lidar com o problema, que causa tanto sofrimento aos pais e, principalmente, aprender a respeitar o luto materno”, explica o parlamentar. 

A data sugerida é o dia 15 de outubro, que já é lembrado em outros países e cidades brasileiras. Nos Estados Unidos, desde 1988, são realizadas ações de sensibilização a um atendimento acolhedor à mulher que temgravidez interrompida. Já em 2002, a temática ganhou notoriedade no Brasil. Em Teresina, é possível encontrar o grupo “Mães de Anjo Reviver” , que foi idealizado por Lucélia Rocha, após perder sua filha em 2013 e ter a necessidade de criar uma rede de apoio às mulheres que também sofrem com a perda de um filho. 

“Em 2013, eu tive uma perda gestacional com 27 semanas. A Ana Luiza nasceu em silêncio. Foi um momento muito doloroso desde a notícia até o processo do parto normal. Você não espera viver isso, você espera a vida e não a morte. Então eu fiquei devastada e tinha necessidade de conhecer mulheres que passaram pela mesma perda, porque eu não tinha ninguém para conversar, porque as pessoas achavam que eu sofria mais falando sobre isso. Mas foi um efeito contrário”, relembra. 

Para encontrar outrasmães que passavam pela mesma situação, Lucélia procurou, nas redes sociais, mulheres de Teresina que quisessem trocar experiências e se acolher. No primeiro momento, foi criado um grupo no WhatsApp com cinco pessoas. Depois, tais mulheres resolveram se encontrar. 


Deputado estadual Franzé Silva apresentou um projeto de lei para instituir o Dia Estadual de Sensibilização à Perda Gestacional e Neonatal no Piauí. Arquivo Pessoal

“Um tempo depois, surgiu a necessidade de um encontro presencial e o grupo foi aumentando. Hoje fazemos um encontro mensal com a presença de psicólogos para falar sobre o luto, os filhos que existem dentro de nós e quebrar todos os tabus”, conta Lucélia Rocha.

Sobre o projeto de lei para criar o Dia Estadual de Sensibilização à Perda Gestacional e Neonatal no Piauí, Lucélia Rocha defende que é de suma importância, pois vai atingir várias esferas dasociedade, auxiliando as mães a terem politicas públicas voltadas para a perda.

 “A lei é um passo muito grande que a gente está dando, porque ela proporciona visibilidade sobre esse assunto que ainda é um tabu. E com esse projeto de lei, vai ajudar as famílias que passam por isso. E pegando o outro lado, temos os hospitais, onde existe a necessidade de criar a sensibilização nos profissionais das maternidades. Se a equipe não for preparada para tornar o momento humanizado, o sofrimento aumenta. Mesmo uma mãe com o colo vazio, ela merece ser chama de mãe”, conclui Lucélia Rocha.

Edição: Virgiane Passos
Por: Sandy Swamy - Jornal O Dia

Deixe seu comentário