Grupo juninos realizam live para manter viva a tradição

Há um ano, as tradicionais festas juninas não são realizadas devido à pandemia de Covid-19

05/06/2021 10:40h - Atualizado em 05/06/2021 10:52h

Compartilhar no

A fogueira de São João, que tanto aquece os corações nordestinos, seguirá apagada em 2021. Há um ano, as tradicionais festas juninas não são realizadas devido à pandemia do novo coronavírus. Para a tristeza dosamantes das quadrilhas, as magníficas apresentações artísticas continuam suspensas como forma de evitar aglomerações. Se falta oportunidade para se apresentar, sobram lembranças, histórias e saudades.

Conduzir uma equipe formada por mais de 200 pessoas não é tarefa fácil. É preciso muita organização e disciplina, mas, claro, tudo feito com muito amor e alegria. Para que o público assistia aquelas apresentações impecáveis, muito ensaio e trabalho duro acontece nos bastidores. E para quem pensa que isso desanima a organização e os quadrilheiros, está enganado. É dessa correria e “muvuca” que eles gostam. Ramon Patrese é diretor da Luar do São João, um dos grupos de quadrilha junina mais conhecidos do Piauí e do Nordeste. Pelo segundo ano consecutivo as festas juninas não irão acontecer, deixando um vazio em todos aqueles que constroem este universo que tanto alegra e emociona.


“O São João é uma das festas mais esperadas por nós, nordestinos. No ano passado, devido à pandemia, houve o cancelamento dos festivais juninos, mas ficou aquela esperança de termos o São João em 2021. Chegamos este ano e continuamos na mesma situação, e até mais grave, por conta da segunda onda da Covid-19, e nossos corações ficam, de certo modo, tristes, porque para nós esse é o momento mais importante do ano, pois trabalhamos o ano inteiro para em junho, julho e agosto apresentarmos nossa quadrilha junina, tanto no Piauí como no Nordeste”, conta.


Foto: Diogo Sousa

No Piauí, 42 grupos são filiados à Federação das Quadrilhas Juninas do Piauí (Fequajupi) e em entidades nacionais. Por mais um ano, os quadrilheiros seguirão com suas fantasias guardadas esperando a oportunidade de serem usadas novamente.

“Quando chega esse período e vemos que não terá festa junina, é que cai a ficha, vem uma tristeza, dor no peito de não ter aquele frio na barriga dos grandes festivais. É lamentável essa nossa nova realidade. Pedimos a Deus que isso acabe o quanto antes para que possamos retornar aos grandes festivais”, clama o presidente da Fequajupi, João Rodrigues.

Quadrilhas juninas criam laços

Fundada em 2011, a Luar do São João tem 10 anos de criação e apresentações. Ao longo desses anos, já conquistou vários títulos estaduais, como campeã do evento Cidade Junina por cinco vezes; campeã da Federação de Quadrilha Junina; campeões por quatro vezes do Festival Globo Nordeste, e seu principal título nacional, em 2019, quando pela primeira vez o Piauí conquistou o título de campeã do Festival Globo Nordeste, que reúne as melhore quadrilhas do nordeste.

“A Luar do São João trabalha o ano todo, com mais de 200 pessoas integrando o grupo. Então, cria-se uma amizade e boa relação com o convívio, e isso faz muita falta. E claro, as viagens, as apresentações, o público fiel e fã, que esperam a Luar do São João se apresentar às 4h da manhã para garantir aquele momento de emoção e alegria ao ver o grupo entrando em quadra. Muitos quadrilheiros não dançavam apenas no Piauí, eles também se apresentavam em Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte e outros estados. Isso faz muita falta”, acrescenta Ramon Patrese, diretor da Luar do São João.

São João movimenta a economia e todos ganham, afirma João Rodrigues

As festas juninas movimentam não somente os quadrilheiros e grupos que dançam, mas uma grande cadeia produtiva, que engloba costureiras, bordadeiras, coreógrafos, maquiadores, cabeleireiros e tantos outros profissionais, além de organizadores e pessoas que trabalham com vendas. “As festas juninas movimentam a economia e todos ganham. Sem isso, ficamos perdidos, sem saber quando vai ser”, diz João Rodrigues.

Se para nós o período junino parece pequeno, para quem vive imerso nessa realidade, os dias são intensos de janeiro a janeiro. Além disso, movimenta não apenas aqueles que compõem os grupos de quadrilhas juninas, mas uma grande cadeia. E os prejuízos não são apenas financeiros, mas emocionais.

“A suspensão dos eventos afeta os grupos financeiramente, devido aos investimentos que já tinham sido feitos para a produção dos espetáculos juninos, mas, especialmente, emocionalmente, por conta da falta que faz a gente estar em quadra expressando nossa alegria de brincar o São João”, lamenta Ramon Patrese, diretor da Luar do São João.

“Eu, como figurinista, tive uma perda financeira muito grande, porque como trabalho com o São João diretamente, faço toda a estética da Luar do São João, da cabeça aos pés, além de do figurino de grupos de outras cidades do Piauí e até de outros Estados, como do Maranhão, Tocantins, Rio Grande do Norte. Devido à pandemia, e sem a realização das quadrilhas, não tivemos contratos, e sofremos”, disse Frankarlos Araújo.

Lives e concursos serão realizados

Enquanto as apresentações não são realizadas nas grandes quadras, os grupos juninos improvisam como podem. O intuito é manter a tradição viva e matar um pouco da saudade no coração dos amantes das festas de São João.

 “Ficamos de coração partido e triste por não disputar as competições de grupos. Esse será mais um ano sem termos nosso tradicional São João, mas não estamos parados. Começamos com concursos em diversas modalidades, como noivos, individuais, de casais e destaque. Durante o mês de junho vamos trabalhar em prol do nosso Estadual de produção junina”, disse o presidente da Fequajupi, João Rodrigues.

Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

Ramon Patrese, diretor da Luar do São João, comenta que durante todo o mês de junho são realizadas lives com os grupos que integram a Federação de Quadrilhas Juninas do Piauí. As apresentações fazem parte da programação da Secretaria de Cultura do Estado (Secult) e serão transmitidas por meio dos canais do Governo do Estado.

“O que tem aliviado um pouco a saudade é que serão realizadas lives e concursos, que vamos participar, produzir figurino e conteúdo. Assim, conseguimos matar um pouquinho a saudade do nosso São João de antigamente”, disse. Além das lives do São João online, que acontecem todas às terças-feiras, no Theatro 4 de Setembro, com transmissão pelos canais de Secult. Já de 24 a 26 de junho acontecem apresentações de quadrilhas juninas em formato Drive-thru, no Centro de Artesanato Mestre Dezinho. Para este evento, a programação ainda está sendo definida e será necessário agendamento.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas