ESPECIAL: Em 2021, só o bloco do eu sozinho

As fantasias ficarão guardadas, assim como os abraços e beijos, e nem faremos aquela aglomeração que tanto gostamos devido à pandemia do novo coronavírus

13/02/2021 08:50h - Atualizado em 13/02/2021 09:00h

Compartilhar no

A data das cores, purpurina, da alegria e da folia chegou, mas, diferente de outros anos, não poderemos ir às ruas extravasar, pular com os amigos e cantar pulmões à fora. Diferente das edições anteriores, onde o Carnaval seria recebido com muita festa, em 2021 precisamos nos conformar que não teremos sua magia e encanto. As fantasias ficarão guardadas, assim como os abraços e beijos, e nem faremos aquela aglomeração que tanto gostamos devido à pandemia do novo coronavírus.

Se dizem que o ano só começa depois do Carnaval, então, de certo que ainda estamos vivendo uma continuação de 2020. Mas, como não lembrar das folias de momo sem sentir saudade? Como não ter vontade de encher o corpo de glitter e sair por aí esbanjando boas energias? Para quem vive e respira Carnaval, essa certamente será uma data difícil de ser lembrada sem apertar o coração.

Em todo o Brasil, o Carnaval foi suspenso ou adiado, como forma de evitar aglomerações e a disseminação da Covid-19. No Piauí, um dos maiores eventos carnavalescos, o Corso de Teresina, não aconteceu este ano. Uma festa que arrastava multidões e fomentava a economia local, tanto com a venda de adereços, bebidas, comidas como pelo tradicional desfile dos caminhões, que inclusive deu ao Corso o título de maior desfile de carros enfeitados a céu aberto do mundo, garantindo sua entrada no Guinness Book , em 2012.

O Carnaval do interior do Piauí, também muito tradicional, ficará apenas na lembrança dos foliões. A lista de cidades que recebiam milhares de visitantes nesta época é grande: Água Branca, Barras, Luís Correia, Parnaíba, União, Floriano e tantas outras. Por onde quer que passemos, o Carnaval deixará um gostinho de saudade.

CARNAVAL, it’s my religion! 

Foliã lembra como se preparava a cada ano para a aproveitar os dias de festa e se mostra otimista para 2022

Se para muitos o período carnavalesco é apenas uma data para curtir o feriado prolongado, para outros, o Carnaval é quase uma ‘religião’. A preparação para este grande dia, e porque não dizer um verdadeiro evento, inicia com bastante antecedência. Afinal, são pelos menos quatro dias de folia que requerem fantasias chamativas e muita disposição.

A historiadora Gigi Leal, de 30 anos, é uma verdadeira entusiasta do Carnaval. Ela é daquelas que fica o ano inteiro em contagem regressiva para a chegada desta data e, de fato, a vida só começa depois do Carnaval. “O que eu mais gostava de fazer no Carnaval era a preparação das fantasias que eu iria usar nos cinco dias de festa. Ter uma fantasia para cada dia leva meses de planejamento. Às vezes, as ideias já começavam a ser esquematizadas na quinta-feira pós-carnaval. Eu gostava de ir ao Centro procurar materiais para confeccionar as fantasias e depois me reunir com as amigas para montarmos nosso ‘ barracão’”, conta.

Foto: Arquivo/PESSOAL

Apesar de sempre curtir as festas de momo em Teresina, nos dois últimos anos Gigi viajou para outros Estados: em 2019, foi até Recife e, em 2020, para o Rio de Janeiro. Mas não tem jeito, o calor dos piauienses sempre fala mais alto e a faz escolher os bloquinhos da nossa terra.

“Gosto do Carnaval daqui, até porque Carnaval bom é com sua turma e a maioria dos meus amigos passa o feriado por aqui. Eu sou a amiga que movimenta todo mundo para bolar sua fantasia e nos dias de carnaval sair atrás de alguma festa para jogar glitter em todo mundo. Se você não gosta de glitter, passe distante de mim”, brinca a historiadora.

Gigi afirmou que, este ano, sentirá mais falta das fantasias, bloquinhos de rua e das tradicionais prévias, como da Banda Bandida e do Baile dos Artistas, e, claro, de se aglomerar com os amigos. “Tem uma foto de um pixo na internet que diz ‘Não se mate, tem carnaval ano que vem’, essa é a minha frase motivacional para os dias ruins, então eu estou fingindo que estamos no mês de 2020, que ano que vem estaremos vacinados e terá Carnaval”, fala ansiosa.

UNINDO TRIBOS E CORAÇÕES

Foto: Arquivo/PESSOAL

E quem disse que o Carnaval não junta todo mundo nessa grande festa? Se você pensa que roqueiro não curte folia, está muito enganado. O jornalista Diego Iglesias é um admirador da folia de momo desde criança, quando ia às matinês com seus familiares. E histórias são o que não faltam para contar. Ele já curtiu bloquinho com febre, já subiu em trio elétrico e até aproveitou aqueles cinco minutos entre um trabalho e outro para arriscar uns passinhos. Ele e a namorada, a professora universitária Carol Cabral, já curtiram alguns carnavais juntos e lamentam por este ano não ter como celebrar a data. “Ano passado foi o nosso segundo Carnaval juntos. No primeiro, fiz ela descobrir o Carnaval de rua de Teresina, já que eu estava trabalhando para a entidade que organizava a nossa folia. Acho que nos surpreendemos”, conta Diego.

DIEGO E CAROL JÁ CURTIRAM ALGUNS CARNAVAIS JUNTOS

Já Carol comenta das viagens que o casal fez juntos e da tristeza por este ano não ter Carnaval. “Não ter carnaval já era algo meio previsível para nós, tendo em vista a pandemia. Ficamos bem tristes, ainda mais porque nosso último Carnaval foi muito bom. Fizemos nossas próprias fantasias e acessórios, inclusive, deve ter glitter espalhado até hoje no apartamento que alugamos, e fizemos a programação dos blocos que iríamos para aproveitarmos da melhor forma os bloquinhos de rua da cidade”, completou a professora.

BLOCOS TRADICIONAIS NÃO IRÃO ÀS RUAS

Foto: Arquivo/ODIA

Folião que é folião não deixa de pular atrás do trio. Infelizmente, devido à pandemia e ao adiamento e/ou suspensão do Carnaval, os blocos carnavalescos não sairão às ruas este ano. Em Teresina, alguns desses já somam mais de uma década e meia espalhando alegria. Um deles é o Sanatório Geral, que, em 2021, realizaria sua 17ª edição. O idealizador e coordenador do bloco, Jorginho Medeiros, lamenta que o Sanatório não saia este ano. Mas reforça que todos os cuidados devem ser mantidos, afinal, a pandemia da Covid-19 ainda não encerrou. “Este seria o 17º ano do bloco Sanatório Geral. Mas motivado pela pandemia, não vamos sair nem nos concentrar. Realmente é uma grande perda para todo mundo. Os setores de festas e eventos tiveram que parar praticamente 100% e o Carnaval, que mobilizaria a economia do Estado e de Teresina, e do País como um todo, foi suspenso. Mas não temos como ir contra isso, temos que nos resguardar para ver se no próximo ano a gente consegue voltar com o bloco e as atividades públicas. É uma pena, porque muitas famílias, vendedores, ambulantes, bares, seguranças, bandas, músicos, som, gerador, palco, luz, e tantos outros, vão perder mais um ganha pão”, ressalta Jorginho Medeiros. Outro tradicional bloco que não sairá às ruas este ano é o Capote da Madrugada, que, em 2021, chegaria à sua 18ª edição. Para João Furtado, presidente do bloco, apesar da tristeza, este é um momento de ficar em casa e cuidar da saúde, não somente da sua, mas pensando no bem-estar da população em geral. “Às vezes, passamos por grandes provações, como a que estamos passando agora com essa pandemia. Estamos em um momento para nos mantermos em casa, refletirmos e aguardarmos, pois com certeza vai passar. A Família Capote da Madrugada deixa as suas sinceras condolências às famílias das milhares de vítimas que tiveram suas vidas ceifadas por este vírus e pedimos a todos que mantenham as recomendações para evitar a proliferação da doença. Este ano, 2021, não teremos Carnaval, mas com Fé em Deus em 2022 voltaremos”, profetiza.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas