• Jovens escritores 2018
  • Patrimônio 30/04
  • banner marcas
  • Marcas Inesquecíveis 2018 26/03

Preço das carnes cai e alivia churrasco de Carnaval

Enquanto as carnes animam o consumidor, melhor ter cautela com os acompanhamentos. As principais altas de preços em janeiro estão em verduras e legumes

12/02/2018 13:44h

O feriadão é um bom momento para quem gosta de fazer churrasco. A queda no preço das carnes se consolidou no decorrer de 2017 e 2018 começa com a variação ainda avançando devagar.

Nos 12 meses até janeiro deste ano, esse grupo de despesas teve queda de 2,35% no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Enquanto as carnes animam o consumidor, melhor ter cautela com os acompanhamentos.

As principais altas de preços em janeiro estão em verduras e legumes.

Usado na salada e no vinagrete, o preço do tomate subiu 48,19% só no mês passado.

As folhas, como agrião e alface, avançaram menos em 12 meses. O primeiro até entrou o ano com queda, mas acumula alta de 6,61%.

A alface subiu 1,11% no mês e 5,11% em um ano. Complementos mais simples têm variação de preços mais atrativa. A mandioca caiu 17,26% em janeiro. O pão francês variou 0,21%.

Segundo a Scot Consultoria, a retração no consumo foi o que mais influenciou na queda do preço das carnes.

O início do ano é considerado um período típico de redução nas vendas, com os gastos direcionados para outras despesas. A expectativa da indústria é que o Carnaval represente uma melhora.

O consumidor pode adotar estratégias para economizar. Trocar o açougue de supermercado pelo de rua costuma compensar. Não se esqueça de comprar asa e coxa de frango, e linguiça, todas opções muito populares e com preços em queda.

Entre as bebidas, a alta é geral, mas nada que prejudique a programação do churrasco. Prefira comprar as bebidas em supermercados, atacarejos ou distribuidoras.

Se compradas em temperatura ambiente, costumam custar menos do que as já geladas. Para isso, é melhor se programar antes.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário






Enquete

Como você avalia as manifestações dos caminhoneiros?

ver resultado