Economista especula sobre explosão da bolha chinesa

Modelo de crescimento do país asiático é debatido por economista-chefe da Bloomberg

01/10/2020 16:17h - Atualizado em 01/10/2020 17:57h

Compartilhar no

Haverá um dia de ajuste de contas para o crescimento estatal impulsionado pela dívida da China? Essa é uma pergunta que tem assombrado economistas que observaram a ascensão econômica do país na última década. Nem mesmo a pandemia do novo coronavírus diminuiu o ímpeto do mercado chinês, que já apresenta sinais de recuperação, diferente das outras grandes potências do mundo.

A dívida total da China é mais de 300% de seu produto interno bruto, de acordo com algumas estimativas. A crise pode acontecer em um momento no qual o mercado internacional tem menos dinheiro para investir, a hostilidade com os Estados Unidos de Donald Trump aumenta e o envelhecimento da população china alcança níveis alarmantes.

Um dos últimos estudos sobre esse cenário foi publicado recente na Universidade de Oxford. O livro "China: The Bubble that Never Pops", de Tom Orlik, é uma tentativa de debate sobre o futuro da economia chinesa. Esse livro apresenta tudo sobre economia no país asiático.

Embora o livro tenha sido escrito antes que o mundo fosse perturbado pelo surto de coronavírus, seus argumentos sobre os prós e os contras do modelo chinês permanecem relevantes para quem deseja uma visão melhor do futuro da economia chinesa.

Orlik, que passou 11 anos na China como jornalista do The Wall Street Journal e economista da Bloomberg, traz um relato apurado e cheio de observações relevantes para análises que tentam desvendar o mistério do crescimento da China que desafiou os pessimistas e as percepções convencionais de quem apostava no arrefecimento da economia do país.

Por um lado, Orlik observa que o risco de crise financeira na economia endividada da China é real. Seu livro começa narrando um alerta que o presidente Xi Jinping fez em uma conferência em 2017, quando deu uma palestra para funcionários do Partido Comunista sobre a necessidade de controlar a dívida do país.

Embora a China tenha evitado com sucesso uma depressão econômica profunda - a contração econômica de 6,8 por cento do país no primeiro trimestre de 2020 foi resultado do choque do coronavírus em vez de fatores inerentes ao seu modelo de crescimento - de acordo com Orlik, “uma crise na China é possível ”e“ quanto mais no futuro ocorrer uma crise, maior será o impacto ”.

Mas, por outro lado, Orlik observa que uma crise não é o cenário mais provável.

Ele sugere que todos aqueles que previram o colapso da economia chinesa - todos errados até agora - negligenciaram ou deixaram de lado uma série de fatores institucionais que permitiram que a China superasse os desafios para continuar o seu processo de crescimento.

De acordo com Orlik, agora que agora ocupa o cargo de economista-chefe da Bloomberg em Washington, nos Estados Unidos, as fontes de força da China, incluindo seu espaço substancial para desenvolvimento, irrigamento estável de dinheiro no sistema financeiro e um estado decididamente desenvolvimentista, são frequentemente “subestimadas”.

O outro fator que permitiu à China se esquivar de um grande colapso financeiro ou de uma crise econômica clássica é que um estado centralizado do Partido Comunista pode muitas vezes alavancar recursos únicos para lidar com problemas, uma abordagem que pode ser impensável nas democracias liberais, escreve Orlik.

A receita de Orlik é que a China tenha que fazer a transição para um novo modelo de crescimento baseado em serviços, consumo e seu setor privado para iniciar um um novo ciclo crescimento mais robusto e sem tanta dependência do Estado. Essa ideia, entretanto, já se provou difícil de ser alcançada em um país com uma grande lacuna de riqueza e um sistema de distribuição que está, por definição, inclinado em direção ao Estado.


Foto: Hanny Hainabon

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas