Crise impulsiona criação de pequenos negócios caseiros em Teresina

As iniciativas, muitas vezes, dão possibilidade de renda às pessoas que estão fora do mercado de trabalho.

10/07/2017 08:05h

Compartilhar no
Não precisa de muita estrutura: uma calçada, equipamentos, planejamento e força de vontade. Essas são características comuns em negócios que se tornam cada vez mais comuns em Teresina: pequenos empreendimentos criados a partir da estrutura das próprias residências. As iniciativas, muitas vezes, dão possibilidade de renda às pessoas que estão fora do mercado de trabalho. 
Com venda de espetinhos, a família do empreendedor Alexandre de Moraes viu a ideia despretensiosa da venda de porções de comida se tornar a principal fonte de renda. "Eu fiquei desempregado e resolvi apostar na venda de espetinho. Vem dando muito certo e a gente vai, devagarinho, pensando como pode expandir o negócio", explica Alexandre. 

Com trabalho na porta de casa, churrasqueira cria renda para sustento de uma  família inteira  (Foto: Elias Fontenele)

Poucas mesas espalhadas na calçada de casa e um carrinho para assar os espetos fazem parte da estrutura do negócio da família Moraes. A via movimentada, no Centro/Norte da cidade, ajuda com que a clientela seja constante e se amplie. 
Para Alexandre, tudo é uma questão de unir necessidade e oportunidade. "Estava precisando de uma ocupação e a gente viu que as pessoas começaram a circular muito mais por aqui apos a criação do shopping. Com isso, a gente consegue atrair muito cliente que sai do trabalho e passa por aqui", comenta. 
O trabalho na porta de casa começa ainda no fim da tarde, quando todo o equipamento do trabalho é posicionado a espera dos novos clientes. Em media, o pequeno empreendimento chega a vendar cerca de 100 espetinhos diariamente. Para a cunhada Crisângela das Graças, que cuida do preparo das comidas e atendimento da clientela, o negocio se formou como uma boa possibilidade de renda. "Não podemos ficar parados e a ideia tem dado certo e ajudado a complementar a nossa renda familiar ", finaliza.

De cosméticos a alimentação, empreendedora aposta em diversidade para superar desemprego 

Dalva Oliveira, 54 anos, trabalhou por muitos anos como supervisora de uma clínica hospitalar, mas a necessidade de contenção de gastos do antigo emprego não poupou sua vaga. Desempregada, a senhora buscou saída em atividades que sempre teve afinidade: lidar com o público. Ela apostou na venda de cosmético e cachorro-quente para estabelecer a própria renda. 
“A crise afetou todo mundo, não teve jeito. E, hoje, para a gente poder ganhar o pão de cada dia tem que lutar, eu busquei atividades que eu poderia me dar bem, por isso, resolvi apostar nas vendas”, explica. 

Dalva chega a vender 50 cachorros-quentes diariamente. (Foto: Elias Fontenele/ O Dia)

Com os cosméticos, a empreendedora atua como revendedora de uma marca nacional. E, na venda de comidas, usou da afinidade com a cozinha e o “bom tempero”, como relata, como trunfo na hora de escolher o pequeno empreendimento. 
Com estrutura montada na porta de casa, em uma movimentada Avenida na zona Norte de Teresina, Dalva chega a vender 50 cachorros-quentes diariamente. 
“Começo aqui no final da tarde e fico até a noite, sempre tem um movimento bom e é daqui que eu tiro minha renda principal”, afirma. 
Ela faz as vezes de cozinheira, atendente e administradora, sempre com o sorriso no rosto que, segundo ela, também é trunfo no negócio. “Atender bem para atender sempre”, finaliza. 
Organização de finanças e planejamento é essencial durante período de crise 
Dentre os 14,2 milhões de desempregados no Brasil, 2,9 milhões buscam trabalho há mais de dois anos e 5,4 milhões há mais de um ano, segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) do IBGE com dados do primeiro trimestre de 2017. Como organizar as finanças frente a essa grave situação? 
“O momento é crítico, é preciso cortar gastos e readequar o padrão de vida para esta nova realidade. É importante buscar fontes de renda, mesmo que não sejam em sua área de atuação, para garantir o consumo de produtos e serviços básicos. É preciso cuidar da saúde mental e não desistir, pois são nos momentos de crise que crescemos e aprendemos a nos reinventar”, orienta o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos. 
O especialista dá dicas de como sobressair das dificuldades em tempos de economia enfraquecida. “É preciso explorar os conhecimentos que tem para ganhar uma renda extra. Quem tem habilidade para cozinhar, tirar fotografas ou fazer trabalhos manuais pode oferecer seus produtos ou serviços. É válido procurar trabalhos temporários em shoppings e comércios em geral, além da possibilidade de ser motorista de aplicativos de transporte. Um serviço que está em alta é o de levar cachorros da vizinhança para passear em dias e horários combinados”, destaca. 
Com os bicos, além da renda extra, há também uma retomada de conhecimentos e aperfeiçoamento profissional. 
Ainda nesse contexto, persistir na recolocação profissional também é essencial. Para isso, fazer uso da rede de contatos e manifestar que está buscando oportunidades no mercado é uma atitude providencial. 
“Faça um bom currículo e acompanhe o período de contratação das empresas. Atualize-se de notícias sobre o seu setor para estar preparado para entrevistas de emprego. Lembre-se, as oportunidades geralmente aparecem para quem está atrás delas. Esqueça o desânimo, levante a cabeça e olhe para o futuro”, explica Reinaldo. 
Mas é preciso estar atento. "Infelizmente, por mais que seu momento seja de desespero, existem pessoas mal-intencionadas prontas para se aproveitarem dos seus temores. Não permita abusos; muitos tentarão tirar proveito de sua fraqueza para tentar obter vantagens. Evite promessas e garantias descabidas. É melhor estar com o nome sujo do que ser explorado pelas pessoas”, finaliza.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Glenda Uchôa

Deixe seu comentário