• assinatura jornal

Notícias Brasil

09 de dezembro de 2017

Doméstica é denunciada por morte de estudante após aborto clandestino

Ela responderá por homicídio duplamente qualificado, com motivo torpe e emprego de meio cruel, e crime de aborto com consentimento da gestante.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou, na quinta-feira, Lucilene do Nascimento Lourença, acusada de fazer abortos ilegais e de ter causado a morte da estudante Glaice Kelly Sobral, de 20 anos, após um procedimento.

Glaice morreu no dia 28 de julho, dois dias após ser submetida ao procedimento, vítima de um grave quadro infeccioso. Segundo as investigações, Lucilene Lourenço era empregada doméstica e não possuía nenhum tipo de qualificação profissional, instrumentos curúrgicos ou local adequado para qualquer intervenção. Ela responderá por homicídio duplamente qualificado, com motivo torpe e emprego de meio cruel, e crime de aborto com consentimento da gestante.

Lucilene Nascimento Lourenço, empregada doméstica que realizava abortos Foto: Reprodução

Os procedimentos eram realizados na própria residência de Lucilene. Ainda de acordo com a denúncia, a empregada doméstica cobrava R$1.200 por aborto e chegava a realizar mais de um procedimento por dia.

O MPRJ também requereu a decretação da prisão preventiva de Lucilene, já que solta, conforme ressaltou a 35ª DP (Campo Grande), “ela voltaria a realizar procedimentos abortivos, colocando mais vítimas em risco, tendo em vista que agia com total irresponsabilidade e descaso”.

A denúncia destaca a naturalidade com que a empregada doméstica recebeu a informação de que Glaice estaria indo para o hospital, afirmando que outra menina que teria se submetido ao procedimento também precisou ser hospitalizada. Para a Promotoria de Justiça, o tom de normalidade demonstrava que ela continuava a realizar os abortos, sem se preocupar com o risco de morte ao qual submetia as mulheres.

A denúncia aponta, ainda, que a acusada ordenou a destruição de provas durante a investigação, ao determinar que uma testemunha conhecida dela destruísse o chip do telefone pelo qual se comunicavam e dissesse à Polícia que não se conheciam.

Vítima estava grávida de cinco meses quando fez aborto

Policiais civis prenderam Lucilene em outubro deste ano. Ela foi encontrada em casa por agentes da 35°DP (Campo Grande). Segundo as investigações, a vítima Glaice Kelly Sobral estava grávida de aproximadamente cinco meses quando foi submetida ao procedimento.

De acordo com depoimentos de testemunhas, Glaice foi atendida na casa de Lucilene. O procedimento ocorreu em 27 de julho deste ano. Um dia depois, no entanto, a jovem não resistiu. Segundo as investigações, Lucilene não tem nenhuma formação técnica.

08 de dezembro de 2017

ANS suspende a comercialização de 31 planos de saúde a partir desta sexta

Determinação tem por base reclamações relativas à cobertura essencial recebidas no terceiro trimestre de 2017.

Começa a vigorar nesta sexta-feira (8) a suspensão da comercialização de 31 planos de saúde de dez operadoras. A determinação é da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), tendo por base reclamações relativas à cobertura assistencial recebidas no terceiro trimestre de 2017. Entre as principais queixas apresentadas pelos usuários estão a demora no atendimento e as negativas apresentadas pelas empresas. As informações são da Agência Brasil.
A ANS informou que os 167,7 mil beneficiários desses planos suspensos estão protegidos e continuarão sendo assistidos regularmente. De acordo com a agência, os planos só poderão voltar a ser comercializados para novos clientes caso seja comprovada a melhoria do atendimento. 


Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A ANS recebeu 15.912 reclamações de natureza assistencial entre o dia 1° de julho e 30 de setembro. Desse total, 14.138 queixas foram encaminhadas para análise. No período, 92% das reclamações foram resolvidas pela mediação feita pela ANS via Notificação de Intermediação Preliminar, uma solução que é mais rápida para superar o problema. Os casos não resolvidos viram processos contra as operadoras, podendo ser contabilizados para a suspensão da comercialização.
A suspensão está prevista pelo Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento, com o objetivo de garantir atendimento de qualidade aos beneficiários. A ANS monitora as reclamações feitas pelos usuários e a cada três meses identifica as operadoras e planos com maior número de reclamações assistenciais, levando em conta também o número de beneficiários e a segmentação assistencial.
As informações sobre o programa de monitoramento por operadora são públicas. O consumidor pode conferir o histórico das empresas antes da compra e saber se ela teve planos suspensos ou reativados. Além disso, é disponibilizado um panorama geral com a classificação de todas as operadoras
Quem busca informações sobre planos ou precisa entrar em contato com a ANS pode acessar os canais de atendimento da agência na internet ou ligar para 0800 7019656.

Moro sugere que Petrobras pague por denúncias internas de corrupção

"Talvez um incentivo financeiro possa servir como estímulo", disse Moro, enquanto citava algumas sugestões para que a estatal evite a repetição dos crimes investigados pela Operação Lava Jato.

O juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, sugeriu nesta sexta (8) que a Petrobras dê "incentivos financeiros" para empregados que denunciarem atos ilícitos na empresa.
Moro participou ao lado do juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, de evento sobre governança corporativa na estatal, que figura em processos julgados pelos dois.
"Talvez um incentivo financeiro possa servir como estímulo", disse Moro, enquanto citava algumas sugestões para que a estatal evite a repetição dos crimes investigados pela Operação Lava Jato.
Ele comentou que, durante o "período de corrupção sistêmica na estatal", havia sinais visíveis de superfaturamento em obras que depois viraram alvo da Lava Jato, mas não houve denúncias.
O presidente da estatal, Pedro Parente, afirmou após o evento que vai estudar o assunto.


Foto: Lula Marques / AGPT

Moro sugeriu ainda que os executivos da empresa seja submetidos a avaliações periódicas de evolução patrimonial -não só com relação aos bens declarados, mas também com investigações sobre como vivem e que bens costumam ostentar.
Parente disse que a Petrobras passará a processos as declarações de imposto de renda que são entregues por executivos e conselheiros e vai passar também a fiscalizar em tempo real e-mails da companhia, com base em palavras chave.
Loteamento
Moro voltou a afirmar que o loteamento político foi a principal causa para o esquema de corrupção na Petrobras e defendeu que a empresa trabalhe para evitar que volte a ocorrer no futuro.
"Chega de nomeações políticas", afirmou, frisando não ver relação entre "a grande maioria" o corpo técnico da estatal e esquema de corrupção composto "empresários e políticos inescrupulosos".
"Tenho muito claro para mim que a Petrobras não é sinônimo de corrupção", afirmou. "Esse processo envergonhou a todos nós, brasileiros, não só à Petrobras".
Na quinta (7), em Curitiba, a Petrobras recebeu o ressarcimento R$ 664 milhões desviados da companhia. Ao todo, R$ 1,47 bilhão já foi devolvido à companhia.

Discurso de Alckmin como chefe do PSDB deverá incluir críticas ao PT

Fala pregará a unidade partidária. Alckmin topou presidir o PSDB num movimento para evitar que o partido rachasse entre a ala mais jovem.

O primeiro discurso do governador Geraldo Alckmin (SP) como presidente do PSDB e presidenciável tucano para 2018 pregará a unidade partidária e deverá conter elementos de antipetismo, responsabilizando as gestões da sigla de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff por mazelas econômicas e casos de corrupção.

O tom exato da fala, que deverá ocorrer ao fim da convenção nacional do PSDB em Brasília neste sábado (9), ainda está sendo modulado. Segundo a reportagem apurou junto à cúpula tucana, a tendência é a manutenção do antipetismo, ainda que haja acenos a um eleitorado mais à esquerda.

Isso sugere que Alckmin mira a fatia do eleitorado que apoia o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por antipetismo, embora seja improvável que com isso atinja aqueles que dizem votar no pré-candidato por suas posições mais extremadas e antiestablishment. O governador, afinal, é uma figura tradicional da política.


 Foto: Luis Blanco/ A2IMG

Alckmin topou presidir o PSDB num movimento para evitar que o partido rachasse entre a ala mais jovem, liderada pelo senador Tasso Jereissati (CE), e o grupo do governador Marconi Perillo (GO). Além de ganharem cargos na divisão do butim de poder, ambos serão alvo de deferências do tucano em seu discurso.

O partido ainda tenta demover Aécio Neves, seu presidente licenciado desde que foi atingido pela delação da JBS em maio e fonte de grande desgaste junto à opinião pública, de participar da convenção. Tucanos temem o dano à imagem de Alckmin na primeira grande fotografia da campanha.

Há ainda a questão da vontade do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, de disputar prévias e provocar Alckmin a aceitá-las. Líderes da sigla estão conversando sobre como lidar com o assunto.

Ainda sobre a parte "presidencial" do discurso, o tucano deverá seguir a abordagem híbrida sugerida em documento coordenado pelo ex-senador José Aníbal e endossada em entrevista à Folha de S.Paulo nesta sexta (8) pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, defendendo crescimento econômico, responsabilidade fiscal, temas cotidianos como segurança pública e acenando à esquerda com promessa de maior inclusão social.

FHC foi defensor do movimento para colocar Alckmin na chefia do partido, que além de ajudar a unificar a legenda lhe garante palanque de mídia e estrutura para viagens políticas após sua desincompatibilização, que deve ocorrer em abril.

07 de dezembro de 2017

Com medo de invasão, facção escolhe sucessor de Rogério 157

Rogério foi preso na manhã dessa quarta-feira, durante operação na favela Parque Arará, em Benfica, na Zona Norte do Rio. Ele estava escondido numa casa e não resistiu à prisão

Segundo informações da Polícia Civil, ele deve ficar no posto até que a cúpula da facção dê a ordem para que outro chefe assuma. Assim como Rogério, Gênio fazia parte da facção Amigos dos Amigos (ADA) e passou a integrar o CV quando teve início a guerra com Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, antigo chefe do tráfico local.

O traficante foi encaminhado para a Cidade da Polícia, no Jacarezinho (zona norte).Foto: Fabio Teixeira/Folhapress

Apesar da ADA ser a facção que controlava a Rocinha até a guerra em setembro deste ano, a quadrilha está enfraquecida desde que perdeu a favela. Por isso, os criminosos do CV temem que haja uma invasão de outro rival, o Terceiro Comando Puro (TCP).

Gênio foi indiciado num inquérito da 11ª DP (Rocinha) sobre a guerra pelo controle da comunidade. Sua prisão provisória foi decretada pela Justiça. Ainda de acordo com informações da polícia, um dos criminosos que poderia assumir definitivamente o controle da Rocinha é Alberto Ribeiro Sant´anna, o Cachorrão, braço-direito de Rogério 157, mas o criminoso foi preso no mês passado. Ele é apontado como um dos articuladores da guerra na favela.

Rogério 157 foi o pivô de uma guerra que tomou conta da Rocinha no dia 17 de setembro deste ano. Na madrugada daquele dia, um bando de cerca de 60 homens invadiu a comunidade a mando de Nem da Rocinha. O objetivo de Nem — que está preso — era tomar o controle do tráfico da favela de Rogério, seu ex-aliado. Homens das Forças Armadas chegaram a ocupar a favela. Rogério, que integrava a ADA, passou para o CV.

Rogério foi preso na manhã dessa quarta-feira, durante operação na favela Parque Arará, em Benfica, na Zona Norte do Rio. Ele estava escondido numa casa e não resistiu à prisão.