Robert Rios afirma que Lava Jato virou '

Robert Rios afirma que Lava Jato virou '

27/06/2017 14:15h

Compartilhar no

 

O deputado Robert Rios (PDT) disse que apesar de toda a importância da Operação Lava Jato ela não pode servir de desculpa para que políticos e demais gestores do Brasil deixem de discutir soluções para os graves problemas que o País enfrenta em relação aos 13 milhões de desempregados, à falência da saúde pública, da segurança e da educação, sem contar os problemas da fome e da miséria que afligem milhões de pessoas.
“Os brasileiros estão sem esperança porque não estamos usando as nossas forças, a nossa inteligência, para discutir os graves problemas sociais. A Lava Jato transformou-se em um programa de televisão com duração de 24 anos, chato, enjoado. Como se não bastasse mais de 100 pessoas já terem sido presas, mais de 200 inquéritos instalados, dezenas e dezenas de delações, a nossa mídia só se preocupa com a Lava Jato dia e noite”, criticou.
Robert disse ainda que quando era delegado de Polícia Federal e instaurava um inquérito não saía por aí proferindo palestras e cobrando R$ 30 ou R$ 40 mil, como fazem algumas autoridades. “Qual a diferença do procurador-geral da República e do Lula. Ambos proferem palestras, mas o (Rodrigo) Janot abre o inquérito, faz a denúncia e depois profere palestras cobrando caro, com o inquérito ainda em curso, não tendo chegado à sua última instância”, frisou.
Ele se referiu ainda a uma pesquisa do jornal O Estado de São Paulo colocando como candidatos à presidente da República o juiz Sérgio Moro e o ex-presidente Lula. Robert Rios afirmou também que o Brasil não tem heróis e por isso se apega a autoridades que apenas cumprem o seu dever, mas que não terão nenhuma importância para as gerações futuras.
“Não temos heróis. Tiradentes passou três anos preso e negando ter participado da Inconfidência Mineira. Quando não aguentava mais a masmorra é que confessou. Deodoro da Fonseca, o pai da República, velho e doente, três dias antes estava jogando gamão com o imperador. A princesa Izabel não libertou os escravos, pois os ingleses já combatiam o tráfico de africanos. A seca fez com que o Ceará fosse o primeiro Estado a libertar os seus escravos, mas por causa da fome”, frisou.
Em aparte o deputado Dr. Pessoa (PSD) disse que o problema existe porque durante décadas e décadas o Brasil não se preocupou com as políticas sociais e deixou surgir ladras e ladrões de todo tamanho. “É importante o contingente das polícias, das forças armadas, mas elas não resolvem o problema da violência porque não existem políticas sociais. A Lava Jato é importante, mas ela está atrapalhando o desenvolvimento do Brasil”, encerrou.
Durvalino Leal

O deputado Robert Rios (PDT) disse que apesar de toda a importância da Operação Lava Jato ela não pode servir de desculpa para que políticos e demais gestores do Brasil deixem de discutir soluções para os graves problemas que o País enfrenta em relação aos 13 milhões de desempregados, à falência da saúde pública, da segurança e da educação, sem contar os problemas da fome e da miséria que afligem milhões de pessoas.

“Os brasileiros estão sem esperança porque não estamos usando as nossas forças, a nossa inteligência, para discutir os graves problemas sociais. A Lava Jato transformou-se em um programa de televisão com duração de 24 anos, chato, enjoado. Como se não bastasse mais de 100 pessoas já terem sido presas, mais de 200 inquéritos instalados, dezenas e dezenas de delações, a nossa mídia só se preocupa com a Lava Jato dia e noite”, criticou.

Robert Rios lembrou que quando era delegado de Polícia Federal e instaurava um inquérito não saía por aí proferindo palestras e cobrando R$ 30 mil, R$ 40 mil, como fazem algumas autoridades. “Qual a diferença do procurador-geral da República e do Lula. Ambos proferem palestras, mas o (Rodrigo) Janot abre o inquérito, faz a denúncia e depois profere palestras cobrando caro, com o inquérito ainda em curso, não tendo chegado à sua última instância”, frisou.

Rios se referiu ainda a uma pesquisa do jornal O Estado de São Paulo colocando como candidatos à presidente da República o juiz Sérgio Moro e o ex-presidente Lula. Robert Rios afirmou também que o Brasil não tem heróis e por isso se apega a autoridades que apenas cumprem o seu dever, mas que não terão nenhuma importância para as gerações futuras.

“Não temos heróis. Tiradentes passou três anos preso e negando ter participado da Inconfidência Mineira. Quando não aguentava mais a masmorra é que confessou. Deodoro da Fonseca, o pai da República, velho e doente, três dias antes estava jogando gamão com o imperador. A princesa Izabel não libertou os escravos, pois os ingleses já combatiam o tráfico de africanos. A seca fez com que o Ceará fosse o primeiro Estado a libertar os seus escravos, mas por causa da fome”, frisou.

Em aparte o deputado Dr. Pessoa (PSD) disse que o problema existe porque durante décadas e décadas o Brasil não se preocupou com as políticas sociais e deixou surgir ladras e ladrões de todo tamanho. “É importante o contingente das polícias, das forças armadas, mas elas não resolvem o problema da violência porque não existem políticas sociais. A Lava Jato é importante, mas ela está atrapalhando o desenvolvimento do Brasil”, encerrou.

Texto: Durvalino Leal
Foto: Caio Bruno
Edição: Paulo Pincel

 


Fonte: Alepi
Compartilhar no
Fonte: Alepi

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas