• Campanha Mobieduca
  • Teresina shopping
  • HEMOPI - Junho vermelho
  • ITNET
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
Parnaíba

Reclamações com alto preço de combustível faz Procon agir

A redução dos valores das refinarias não estão sendo passadas para o consumidor

10/01/2019 13:37h - Atualizado em 10/01/2019 13:53h

Os parnaibanos ha tempos reclamam do alto preço da gasolina, e os turista que estiveram por aqui também reclamara. Mais a reclamação maior é por causa das reduções que a gasolina vem tendo nas refinarias e este valor não chega aos postos para o consumidor. Por fim o Ministério Público do Estado do Piauí, através do PROCON Itinerante e da 2ª Promotoria de Justiça de Parnaíba, deflagraram na manhã desta quinta-feira (10) uma operação com foco no direito do consumidor. Pela manhã, a ação esteve percorrendo postos de combustível a fim de verificar a política de preços adotada pelos estabelecimentos.

postos

Segundo o promotor de justiça Cristiano Frias Peixoto, a operação foi motivada pelo próprio anseio da sociedade que reclama constantemente do alto preço dos combustíveis. “A sensação para muitos é de que quando há um aumento ele logo é repassado às bombas, mas quando há redução, esta demora mais para ser sentida”, explicou o promotor. acredita-se que com essa medida os postos irão reavaliar seus preços.

A melhora do cenário econômico no país desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o mandato já se reflete através de indicadores com a subida da bolsa de valores e diminuição da cotação do dólar. Fatores como este fazem com que a Petrobras tenha realizado sucessivas reduções no preço do combustível nas refinarias. Todavia, a política de preços flutuantes pode gerar inconstância nos valores praticados nos postos.

O PROCON Itinerante tem sede na capital Teresina, mas percorre todo o Piauí realizando ações voltadas do direito do consumidor. Durante dois dias, também será fiscalizado o cumprimento do tempo de espera nas filas de bancos, a presença de farmacêuticos em farmácias da cidade e o uso do taxímetro pelos motoristas de táxi. No caso dos bancos, já existe uma ação civil pública para apurar as irregularidades. Toda a operação também foi acompanhada pelo PROCON Municipal.

Fonte: ascom
Edição: Calixto Dias

Deixe seu comentário