• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia
Amarante

Advogado do prefeito LN é preso em Teresina

Igor, no ano passado, depois do episódio em que o Prefeito de Amarante foi acusado de ter atirado no agricultor Zé de Brito, no residencial Amarante Novo, fez a defesa de Luiz Neto(PSD), inclusive nos meios de comunicação.

14/07/2016 12:37h - Atualizado em 14/07/2016 19:43h

 

Advogado do prefeito Luiz Neto é preso em Teresina

O advogado Igor Martins, que  advoga para Prefeitura de Amarante e para o prefeito Luiz Neto(PSD) também , foi preso hoje(14) em Teresina ,suspeito de participar de fraudes em licitações na Prefeitura de Redenção do Gurguéia ,durante operação Déspota, deflagrada no dia de hoje no Estado do Piauí.Junto com o advogado foi encontrado aves silvestres abatidas, o que pode ainda, complicar mais a  sua situação perante a justiça.Além do advogado e um colega seu ,foram presos o prefeito, também foi preso o pai dele, o secretário municipal de Infraestrutura, Aldenes de Sousa Nunes; o vereador Francisco das Chagas Macedo de Andrade (PCdoB); alguns secretários municipais, entre eles um de saúde; ex-presidente da Comissão de Licitação e empresários.

Igor, no ano passado, depois do episódio em que o Prefeito de Amarante foi acusado de ter atirado no agricultor Zé de Brito, no residencial Amarante Novo, fez a defesa de Luiz Neto, inclusive ,nos meios de comunicação.

Advogado Igor Martins

Operação Déposta

Operação Déspota: GAECO, PRF, PC, PM, TCE e CGU combatem fraudes em licitações no Piauí Na manhã desta quinta-feira (14), equipes do GAECO/MP/PI, PRF, PC, PM, TCE e CGU cumpriram 30 ordens judiciais com o objetivo de dar continuidade à apuração de atos de improbidade administrativa envolvendo o atual Prefeito de Redenção do Gurgueia/PI, Secretários Municipais, servidores, empresários e advogados, que supostamente consistem na prática de atos de fraude de licitação, cartel, peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro, em prejuízo ao erário público. O Ministério Público do Estado do Piauí e o GAECO constataram a existência de fortes indícios de fraude em licitação, com superfaturamento de preço, emissão de notas fiscais, utilização de empresas de fachadas e lavagem de capitais. Ao todo foram cumpridos 8 mandados de prisão preventiva, 8 mandados de prisão temporária, 3 mandados de condução coercitiva e 11 mandados de busca e apreensão.

Fonte: Secretaria de Segurança do Piauí
Edição: Sávio Lages
Por: Sávio Lages

Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas