Pilotos da Indy dizem que 'escudo' é caminho a seguir

Will Power, James Hinchcliffe, Charlie Kimball e Max Chilton acreditam que novo conceito de proteção de cockpit deve servir de inspiração para a Indy

10/07/2017 10:33h

Compartilhar no

Na próxima semana, em Silverstone, a Fórmula 1 deve realizar o primeiro teste de pista com o 'escudo', nova solução para proteger a cabeça dos pilotos no cockpit. Na Indy, o conceito é visto como o caminho a seguir.

No sábado, o presidente de competições e operações da categoria, Jay Frye, disse ao Motorsport.com que uma das duas soluções para proteger o cockpit em 2018/2019 é muito similar ao 'escudo'. Alguns pilotos da Indy se manifestaram sobre o tema e aprovam a idea apresentada pela F1.

“Parece o caminho certo para nós, definitivamente. Se o teste mostrar que o conceito funciona em termos de visibilidade para o piloto, não haverá motivos para não instalar isso nos carros. Creio que é algo que precisamos ter", disse Will Power ao Motorsport.com.

James Hinchcliffe concordou com o colega de grid e acrescentou: “Acredito fortemente que é o futuro. Desde quando nos foram mostrados os primeiros esboços de algo similar em um carro da Indy, creio que todos gostamos."

“Creui que é uma solução muito boa e o caminho a seguir. Se isso já existisse, poderia ter evitado a concussão que sofri em 2014, quando um pedaço de asa atingiu minha cabeça", afirmou.

Charlie Kimball e Max Chilton, da Ganassi, também se mostraram entusiasmados com o escudo.

“Isso parece ser sobre fazer a coisa certa. A parte complicada será em lugares como Iowa, Texas e até mesmo Pocono - pistas onduladas, nas quais precisaremos nos certificar de que não haja muita diferença de visualização ao olhar através do 'escudo' ou não", disse Kimball.

“Creio que a Indy deve seguir este caminho, é o melhor para nós - ainda seremos uma categoria de cockpit aberto, mas com aerodinâmica melhor e uma proteção adicional para a cabeça." Chilton ressalta a importância da redução de riscos com a introdução do 'escudo', mas reconhece que nem sempre a peça pode ser eficiente.

“Gostei assim que vi pela primeira vez. Não é algo que vai nos salvar de tudo - como o acidente de (Josef) Newgarden no Texas, ano passado. Entretanto, vai reduzir os riscos de nos machucarmos em uma situação como a do acidente de Henry Surtees, vai impedir que detritos atinjam diretamente nossas cabeças, o que é importante", disse.

Compartilhar no
Fonte: Motors Sport

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário