• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Paddock da Fórmula 1 já se rende ao novo ferrarista Leclerc

Uma característica marcante de Leclerc, e muito bem-vinda a pilotos de F-1, é a autocrítica.

04/04/2019 13:16h

"Acho que ele vai incomodar muito os demais porque vai mostrar que dá para ser um grande piloto mesmo sendo gentil com todo mundo", opina o fotógrafo Gregory Heirman com a autoridade de quem segue a carreira de Charles Leclerc desde o kart. "Logo depois de fazer a primeira pole da vida, ele me mandou uma mensagem pedindo algumas fotos. Mandei e fiquei impressionado porque ele respondeu em cinco segundos, mesmo em um momento como esse. Ele não mudou nada desde que chegou na F-1, e agora na Ferrari."

Os fotógrafos costumam ser um bom parâmetro para saber mais sobre a personalidade de cada piloto, já que eles estão ao mesmo tempo próximos deles no calor do momento, como também em compromissos com patrocinadores e eventos, ou seja, mais longe de seu 'habitat' natural. E todos, sem exceção, destacam a educação e humildade de Leclerc.

Não que o monegasco de 21 anos não esteja acostumado aos holofotes. Ele já era cercado de expectativas nas categorias de base, quando conquistou o título da GP3 em 2016 e da Fórmula 2, de maneira dominante, em 2017. Na Sauber, ano passado, pontuou em 10 das 21 etapas e marcou 45 dos 48 pontos do time. Fruto da academia de pilotos da Ferrari, tem a carreira administrada por um dos principais empresários do automobilismo, Nicolas Todt.

Todt, inclusive, conheceu o menino ainda no kart, apresentado por seu grande amigo, Jules Bianchi. Os dois se conheceram por intermédio dos pais, que também foram pilotos. O francês, outro prodígio das categorias de base e também piloto da academia da Ferrari, morreu em 2015 em decorrência de um acidente sofrido meses antes no Japão, e o pai de Leclerc também faleceu em 2017.

Simplicidade e talento

Engana-se quem pensa que o novo piloto da Ferrari, que conquistou sua primeira pole position e só não ganhou a primeira corrida por uma falha em um dos cilindros de seu motor no último fim de semana, impressiona apenas pela simplicidade. Josef Leberer, ex-preparador físico de Ayrton Senna e que trabalhou com Leclerc na Sauber, costuma dizer que o piloto é quem mais lhe impressionou desde o tricampeão. No time suíço, é comum encontrar engenheiros e mecânicos que apostam que ele superará Sebastian Vettel na Ferrari.

E esse é um efeito que já está começando a ser sentido na Scuderia. "Ele ajuda muito a equipe", descreveu o chefe Mattia Binotto. "Ele está envolvido em tudo, tentando fazer seu melhor, forçando os engenheiros para tirar mais deles e ajudá-los a melhorarem para que o time tenha um carro melhor."

Uma característica marcante de Leclerc, e muito bem-vinda a pilotos de F-1, é a autocrítica. Ele mesmo diz que exagera: "sou duro demais comigo mesmo e isso às vezes atrapalha", disse ao UOL Esporte no Bahrein. Mas o fato é que, após cometer alguns erros na estreia em Melbourne, ele não os repetiu em Sakhir. "Ainda há muito a melhorar, e vou trabalhar nisso. Sempre tendo a focar nos pontos negativos de cada final de semana e definitivamente tenho o que melhorar. E vou trabalhar nisso."

A situação não poderia ser mais diferente do outro lado da garagem da Ferrari. O tetracampeão Sebastian Vettel rodou, pela quarta vez em dez corridas, em uma disputa por posição, desta vez com Lewis Hamilton no Bahrein. As outras foram também com Hamilton, na Itália, com Max Verstappen, no Japão e Daniel Ricciardo, nos EUA. O alemão assumiu seus erros, mas o fato de eles continuarem acontecendo está colocando cada vez mais pressão naquele que deveria ser o primeiro piloto da Ferrari.

Tanto que Lewis Hamilton, desde os testes, já vem dando força a Leclerc: disse que o piloto "pode representar a repetição do que aconteceu comigo e com Fernando", referindo-se a sua temporada de estreia, em 2007, quando ele disputou o título até o fim com o espanhol, já bicampeão e seu companheiro de equipe na McLaren (ambos acabaram perdendo para Kimi Raikkonen).

No Bahrein, Hamilton ainda fez questão de consolar o monegasco. "Você pilotou muito bem, cara", disse Lewis enquanto os três primeiros esperavam para ir ao pódio no Bahrein. "Você tem um longo caminho a sua frente, sei que esse momento é difícil, mas você tem muito adiante."

O próximo capítulo dessa história será dia 14 de abril, no GP da China.

Fonte: UOL / Folhapress

Deixe seu comentário