Magnata ligado à Coreia do Norte lucra com o Campeonato Brasileiro

O magnata egípcio foi apontado em 2016 pelo jornal americano The Wall Street Journal como um dos raros estrangeiros com "acesso sem precedentes às lideranças" do país.

27/10/2018 11:59h

Compartilhar no

O bilionário egípcio Naguib Sawiris, 64, é o principal financista por trás da Riza Capital, empresa que coordena os investimentos para exploração dos direitos do Campeonato Brasileiro no exterior pelos próximos quatro anos. Dono de uma das das maiores fortunas da África, estimada em R$ 16 bilhões, segundo a revista Forbes, o empresário é mundialmente conhecido por ter feito investimentos vultosos na Coreia do Norte, uma das ditaduras mais fechadas do mundo.

O magnata egípcio foi apontado em 2016 pelo jornal americano The Wall Street Journal como um dos raros estrangeiros com "acesso sem precedentes às lideranças" do país. De acordo com a FanFoot (também chamada de Fútbol Holding), fundo de investimentos localizado em paraíso fiscal nos EUA e detentor dos direitos do Brasileiro no exterior, a Riza Capital está "ajudando a captar investidores brasileiros e estrangeiros" na operação.

A FanFoot passou a ter os direitos do Brasileiro para o exterior em setembro, quando comprou a BR Foot Mídia, empresa que não participou da licitação da CBF, mas assina os contratos de R$ 550 milhões para transmissão do torneioa fora do Brasil e pela exploração das suas placas de publicidade de 2019 a 2022. A confederação diz que a troca não era vedada pelos termos da licitação e que o processo foi amplamente divulgado.

Procurada pela reportagem, a CBF não respondeu se Sawiris é um dos nomes que colocarão dinheiro no negócio. A confederação diz ter "ciência de tratarem-se de investidores nacionais e estrangeiros". A reportagem tenta contato com o egípcio há quase um mês, mas ele não respondeu aos emails enviados pela reportagem.

Marco Gonçalves, fundador e CEO da Riza, confirmou a participação do magnata no ato de criação da empresa -na ocasião, em 2017, ele fez um aporte financeiro. Foi assim que a Orascom, de propriedade da família de Sawiris, virou sócia da Riza.


Naguib Sawiris. Foto: Reprodução

De acordo com documentos da Junta Comercial de São Paulo, em agosto, na mesma época em que a CBF anunciou que a BR Foot Mídia havia chegado a um acordo com 18 clubes da Série A do Brasileiro para assinatura do contrato, a Riza aumentou seu capital social de R$ 1,7 milhão para R$ 26,7 milhões, com montante aportado pela Orascom.

Segundo a assessoria da Riza, a empresa não é investidora na operação, tendo apenas a função de estruturar e encontrar parceiros, sem investir recursos próprios. Essa não é a primeira vez que o egípcio mostra interesse no futebol. Em setembro de 2015, segundo jornais de seu país, Sawiris adquiriu os direitos de transmissão do campeonato egípcio. "As pessoas estão aborrecidas com os políticos, mas nunca estarão aborrecidas com o futebol", disse, na ocasião.

A proximidade do investidor com a Coreia do Norte começou em 2008, quando ele construiu a primeira rede de telefonia móvel no local, em parceria com o governo. De olho em um futuro mercado consumidor em caso de reunificação das duas Coreias, o magnata se aproximou do ditador Kim Jong-il, que governou o país de 1994, após a morte do seu pai, Kim Il-sung, até 2011, quando morreu.

A morte do ditador não mudou a relação de Sawiris com a Coreia do Norte, mesmo após Kim Jong-un, filho de Kim Jong-il, virar o líder supremo e não permitir que o egípcio repatriasse seus lucros. As injeções de dinheiro no país seguiram altas, na faixa de R$ 1,1 bilhão, segundo o próprio empresário afirmou em entrevistas recentes. "Meus investimentos nada têm a ver com política", disse.

Na capital, Pyongyang, o magnata ainda investiu na construção de um hotel gigantesco em forma de pirâmide, colocou R$ 500 milhões em uma empresa de cimento e criou um banco para ajudar a transferir fundos para dentro e fora do país -fechado anos depois por conta das sanções impostas pela ONU. O empreendimento existia em sociedade com outro banco, tido como braço financeiro do programa nuclear do país.

A proximidade de Sawiris com a Coreia do Norte o levou a oferecer conselhos ao presidente americano Donald Trump sobre como se comportar no encontro com o ditador Kim Jong-un, em 2018. "Não o intimide e prometa prosperidade em troca de concessões nucleares", disse. 

Não é apenas na Coreia do Norte que Sawiris tem passagens controversas. Na década passada, ele foi investigado pela polícia italiana por suposto pagamento de R$ 600 milhões em propina e enfrentou acusações por supostas operações financeiras ilícitas em Israel e Congo, além de ter sido acusado de tentar fazer uma aquisição hostil com as ações de uma companhia local na Áustria.

Já em 2013, comprou uma empresa de fibra ótica no Canadá por R$ 2 bilhões, mas a aquisição foi bloqueada pelo governo local sob a alegação de "preocupações de segurança nacional", algo raro no país, apontado como um dos que mais recebem investimentos estrangeiros no mundo.

Sawiris também tentou entrar no mercado brasileiro em 2014. Demonstrou interesse na empresa de telefonia Tim, e em 2016 chegou a fazer uma oferta pela Oi. No ano passado, o egípcio disse em entrevista que via o Brasil como "o país das maravilhas". O negócio na área de telefonia, porém, não prosperou.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário