• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Jesus diz que só troca Flamengo por cinco clubes no mundo

Há cinco clubes em que poderia trabalhar em 2020, mas o português não disse quais são.

20/12/2019 16:24h

Se o título mundial pode abrir possibilidades para jogadores, Jorge Jesus vê o torneio da mesma forma. Uma vitória na final contra o Liverpool (ING), neste sábado (21), em Doha, tem a chance de lhe abrir portas, admite. Há cinco clubes em que poderia trabalhar em 2020, mas o português não disse quais são.
Entre os times em que o português foi cogitado nas últimas semanas está o Real Madrid (ESP), caso o francês Zinedine Zidane seja demitido. Jesus tem contrato com o Flamengo até maio do próximo ano.
"Se não for esses [cinco times], não adianta me chamar porque eu não vou. Eu já treino uma das maiores equipes do mundo", afirmou.
Contratado no início de junho, em seis meses ele comandou o Flamengo nas conquistas do Brasileiro e da Libertadores, este último um torneio que o clube não conquistava desde 1981.
A prioridade do presidente Rodolfo Landim, declarada antes do embarque da delegação para Doha, era garantir a permanência de Jesus por um prazo mais longo. Nos passeios pelo centro da cidade durante o Mundial, acompanhado pela família, ele tem sido questionado sobre as situações do treinador e de Gabriel, que está emprestado pela Internazionale (ITA) até 31 de dezembro.
A sinalização dada pelo técnico é de que, se nenhuma dessas cinco equipes convidá-lo, ele ficaria no Flamengo para um projeto que, segundo o próprio, pode transformar o rubro-negro carioca em uma das maiores equipes do futebol mundial.
"É importante ganhar hoje para que daqui a dois ou três anos a gente possa dizer que o Flamengo é um dos maiores clubes do mundo. Esse é meu maior objetivo", completou.
Jesus pode ser o primeiro treinador português campeão mundial. Nos dois anos em que o Porto venceu, em 1987 e 2004, os elencos eram comandados, respectivamente, pelo croata Tomislav Ivic e pelo espanhol Victor Fernandez.
Questionado sobre a declaração dada por Jurgen Klopp horas antes, de que o Liverpool é mais cobrado pelas conquistas domésticas do que pela mundial, o flamenguista concordou com o colega, que chama de "inventor", por ter criado um sistema 4-3-3 diferente dos demais. E disse que o posicionamento deveria servir de exemplo para os brasileiros.
"Se eu [fosse treinador do Liverpool e] pudesse escolher entre ganhar o campeonato nacional ou o campeonato mundial, escolheria o nacional. Eles não vencem há 29, 30 anos. Então, para eles, é mais importante. E isso serve para o Brasileiro. Vocês dão mais valor a uma tacinha qualquer que dá dinheiro do que ao Campeonato Brasileiro. O mais importante é ser campeão do seu país. O Campeonato Brasileiro é muito bonito. Não há nenhum campeonato com tanta paixão quanto o Brasileiro. Só não é divulgado", concluiu.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário