• Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Infraestrutura dos estádios preocupa às vésperas da temporada 2019

Enquanto o Albertão é alvo de críticas por suas condições, há a expectativa da reinauguração do Lindolfo Monteiro.

12/01/2019 07:54h

Prestes a iniciar mais uma edição do Campeonato Piauiense, as principais praças do Estado passam por reformas para tentar se adequar e poder receber o maior espetáculo do país do futebol – os jogos. As perspectivas para 2019 demonstram avanços em relação aos últimos anos. Mas, a situação dos estádios localizados no Piauí ainda apresenta desafios estruturais. Os locais que irão receber partidas este ano são: Estádio Felipão (na cidade de Altos), Arena Ytacoatiara (em Piripiri), Estádio Mão Santa (em Parnaíba) e o Estádio Albertão e Lindolfo Monteiro (ambos em Teresina). 

Infraestrutura dos estádios preocupa às vésperas da temporada 2019. (Foto: Assis Fernandes/ O Dia)

Um dos maiores imbróglios do Piauí nos últimos anos é o Estádio Lindolfo Monteiro. O local pode ser chamado de ‘colcha de retalhos’, pois, desde a sua inauguração em 1944, o Estádio, que tem 75 anos, passou por inúmeras reformas para se adequar às normas de segurança e infraestrutura. Fechado desde novembro de 2017, sua reabertura está confirmada para a temporada 2019, como palco para os jogos do Campeonato Piauiense e casa da equipe do Altos na disputa da Copa do Nordeste. 

O torcedor poderá voltar a ocupar as cadeiras do Lindolfinho oficialmente no dia 23 de janeiro, quando acontece a partida entre Flamengo x Piauí. A última reforma no espaço envolveu, principalmente, o gramado, mas também as cabines de imprensa, placar eletrônico, instalação de muretas, estrutura hidráulica e a construção de saídas antipânico, visando atender às normas do Estatuto do Torcedor. 

Outro palco para jogos na Capital é o Estádio Albertão. O Gigante da Redenção vem sofrendo, desde 2018, com o volume de jogos que recebeu, pois sediou partida das três equipes em Teresina – River, Flamengo e Piauí. Às vezes, também do próprio Altos. Além disso, por ser a única praça à disposição, foi a casa das competições amadoras como o Piauiense Sub11, Piauiense Sub17, Piauiense Sub19 e também do futebol feminino. 

O Albertão não tem estrutura básica para sediar jogos atualmente. (Foto: Assis Fernandes/ O Dia)

O Albertão nitidamente está cansado e, aos olhos de alguns dirigentes, não tem manutenção ou mesmo estrutura básica para sediar jogos atualmente. “O Albertão não oferece nenhum conforto para os jogadores ou mesmo torcedores. Não tem condições hidráulicas, técnicas, gramado ruim, não vejo o estádio com bons olhos”, diz Warton Lacerda, presidente do Altos.

O Albertão não tem estrutura básica para sediar jogos atualmente. (Foto: Assis Fernandes/ O Dia)

Recentemente, o Albertão sofreu também com a falta de energia elétrica devido a um curto circuito. O órgão responsável pelo estádio, Fundação de Esportes do Piauí (Fundespi), através do seu gestor Paulo Martins, explicou a situação e aproveitou para confirmar novos reparos no Estádio. “Falando popularmente, a falta de energia foi devido à ‘canela’ que caiu, mas resolvemos o problema no dia seguinte. Vamos fazer também a troca dos carpetes das cabines de imprensa, troca das cadeiras na arquibancada e limpeza básica que é necessária”, afirmou.

Nos últimos cinco anos, a capital teresinense nunca pôde contar com seus dois estádios à disposição, ao mesmo tempo, para receber eventos esportivos. Quando o Lindolfo Monteiro estava aberto, o Albertão passou por reformas e vice-versa. Em 2019, existe perspectivas de que os dois palcos estejam à disposição.

O Albertão não tem estrutura básica para sediar jogos atualmente. (Foto: Assis Fernandes/ O Dia)

Felipão, em Altos, está em reforma para se adequar à Copa do Brasil 

Se a Capital quem tem três ou até mesmo quatro equipes precisando de local para sediar jogos está passando por essas dificuldades; no interior do Estado, a situação fica bem mais dramática. Começando pelo Estádio Felipe Raulino, o Felipão, casa da equipe do Altos, à 37 km da Capital. A história do jovem clube piauiense está diretamente ligada ao uso do estádio e, principalmente, às muitas intervenções que foram feitas no local nos últimos quatro anos. A reforma mais recente está acontecendo. 

O Altos irá disputar a Copa do Brasil pela terceira vez consecutiva (2017/2018/2019) e para receber a equipe do Santos (SP), adversário na primeira fase da competição, algumas adaptações são necessárias. “Estamos atendendo ao projeto que foi aprovado pelo Corpo de Bombeiros de saída de emergência, barra antipânico e para-raios. Aumentar a capacidade é algo que não vamos trabalhar porque eu conheço a realidade local. As barras têm que vir de fora, não se faz aqui. Tem que se mudar a posição dos portões. A previsão é terminar até sábado (12)”, afirma o presidente do Altos, Warton Lacerda. 

As exigências que o presidente do Altos cita estão no regulamento da Copa do Brasil. Segundo o Art. 19, “as partidas da Copa somente poderão ser jogadas em estádios que obedeçam à capacidade de público conforme se segue: a) até a Terceira Fase, inclusive, não há capacidade mínima exigida; porém para jogos com previsão de transmissão pela TV, o estádio deverá ter sistema de iluminação adequado para partidas noturnas; § 2º - No caso do estádio normalmente utilizado por um dos clubes não atender ao previsto neste artigo, este clube deverá indicar outro estádio que atenda ao estabelecido para a realização de suas partidas”.

Vale lembrar que, em 2017, o Altos, jogando pela Copa do Brasil, eliminou o CRB (AL) no Lindolfo Monteiro. Ano passado, o time recebeu o Atlético Goianiense, no Felipão, e eliminou a equipe jogando em seus domínios (2x1). Em ambas as situações, o time não passou da segunda fase.

Realidade em Piripiri e Parnaíba

Já na cidade de Piripiri, a 167 km da Capital, o time que representa a cidade é o 4 de Julho. O time irá disputar o Campeonato Piauiense 2019 e tem a Arena Ytacotiara como palco para as partidas. O local é dono de algumas das piores imagens dos últimos anos quando o assunto é futebol piauiense. A situação do gramado causou várias críticas na temporada 2017 e 2018. “Com certeza, nos últimos anos, ficou a desejar e prejudica muito nosso trabalho, principalmente o espetáculo para o torcedor”, conta Raphael Freitas, que vestiu a camisa do clube em 2018. 

Estádio Petrônio Portela, em Parnaíba. (Foto: Divulgação)

Em 2019, a Arena Ytacoatiara passou pelo seu primeiro teste. No dia 9 de janeiro, o local recebeu a partida amistosa entre 4 de Julho e Parnahyba. O jogo chegou a ser adiado em 30 minutos por conta do volume de chuvas, mas, segundo o técnico Paolo Rossi, o gramado suportou bem. “Em relação aos últimos anos, o gramado suportou muito bem. Não tem comparação. É nítida a diferença com um pouco mais de cuidado, pois aproveitaram esse período sem jogos para algumas mudanças”, declara. 

Já em Parnaíba, o único estádio em condições de uso no momento é o Estádio Municipal Mão Santa. “Atualmente, junto a Federação do Estado e próximo de cumprir todos os critérios de liberação, é o Estádio Municipal [Mão Santa]. Acredito que até segunda-feira estará liberado. O Parnahyba vem usando o CT Petrônio Portela como local de treinos, até para não desgastar o gramado”, diz José Paulo, diretor de futebol do Tubarão. 

Os primeiros jogos oficiais da temporada 2019 acontecem no dia 20 de janeiro. Altos recebe o 4 de Julho no Estádio Felipão e, em Parnaíba, River e Parnahyba medem forças. A primeira partida na Capital será dia 23 de janeiro entre Flamengo x Piauí. Todos os jogos validos pela 1ª rodada do Estadual. 

FFP vistoria espaços

Às vésperas de iniciar o Campeonato Piauiense, a Federação de Futebol do Piauí (FFP) faz vistoria em todos os estádios que serão utilizados e o presidente do órgão, Robert Brown, confessa que, no interior, é ainda mais complicada a manutenção e as instruções dadas giram em torno da menor utilização do local. 

“Quando o inverno é muito rigoroso, infelizmente, não tem muito o que fazer. O que pedimos aos clubes é que eles evitem usar o estádio de jogo para treino, como é o caso do Altos, por exemplo, que treinou em Campo Maior e em Teresina para poupar o Felipão”, explica. 

Para que um estádio seja liberado para receber jogos e torcedores são necessários quatro laudos: policiamento, segurança, Vigilância Sanitária e Corpo de Bombeiros. Perspectivas Para 2019, a expectativa é que para a Copa do Nordeste, os jogos do Altos aconteçam no Estádio Lindolfo Monteiro. Já na Copa do Brasil, o Albertão será a casa do River e o Estádio Felipão a do Altos. Para o Campeonato Piauiense, os jogos serão distribuídos em quatro estádios do Estado. 

Por: Pâmella Maranhão

Deixe seu comentário