Ídolo paralímpico da esgrima se adapta para manter embalo

Ouro em Londres, Jovane Guissone treina em casa de olho em Tóquio 2021

09/04/2020 12:32h

Compartilhar no

Enquanto Jovane Guissone conversa, o som de cacarejos ao fundo chama atenção. "Acha que a vida de atleta é só jogar e treinar?", pergunta, rindo, à reportagem da Agência Brasil. "Onde eu moro, tenho uma criação de galinhas. Tenho as minhas verduras, meus cachorros... Sempre digo que saí da roça, mas ela não saiu de mim. Trabalhei até os 18 anos com meus pais na lavoura. Gosto dessa vida de mato. Isso me recarrega as energias".

(Foto: Comitê Paralímpico Brasileiro)

O gaúcho de 37 anos saiu ‘da roça’, como ele mesmo diz, para conquistar o mundo. De espada em punho e a bordo de uma cadeira de rodas, fez história ao conquistar a primeira medalha paralímpica do país na esgrima – e foi logo a de ouro -  nos Jogos de Londres (Reino Unido), em 2012. Isso apenas quatro anos após conhecer a modalidade que lhe deu novo rumo à vida, transformada em 19 de novembro de 2004: durante um assalto Jovane foi alvejado e a bala alojada na coluna o deixou o paraplégico.

"Eu morava em um bairro na periferia de Esteio (cidade na região metropolitana de Porto Alegre, onde ainda vive). Era complicado, de difícil acessibilidade. Pelos meus resultados (no esporte) consegui patrocínios, apoio, então consigo ter uma estrutura melhor. Uma casa acessível, viajar com a família... São coisas que eu sonhava ter e hoje tenho", diz o esgrimista, segundo colocado no ranking mundial nas provas de espada e 10º nas de florete na categoria B (atletas com menor mobilidade no tronco e equilíbrio).

(Foto: Comitê Paralímpico Brasileiro)

Alcançar o sonho, porém, demandou resiliência no ciclo que antecedeu à glória em solo britânico, mesmo após duas medalhas em etapas da Copa do Mundo: um bronze em 2011, no Canadá - primeiro pódio brasileiro na modalidade -, e uma prata em 2012, na Alemanha. "Às vezes, competia com um material emprestado pelos atletas da esgrima convencional que não era bem adequado à minha deficiência", lembra. "Depois que ganhei o ouro em Londres, muitas portas se abriram. Consigo dar um sustento melhor à família e fico tranquilo se viajo para competir, sei que eles estão bem, com estrutura melhor", completa o atleta, atualmente contemplado com a Bolsa Pódio, patamar mais elevado do programa Bolsa Atleta.

Como os 15 primeiros de cada arma (espada, florete e sabre) vão automaticamente para os Jogos de Tóquio, hoje Jovane estaria garantido na Paralimpíada de Tóquio (Japão) para buscar a medalha que escapou há quatro anos, quando chegou ao Rio de Janeiro recém-tratado de uma ruptura de grau quatro no braço direito e caiu nas quartas de final. "Acho até que fui longe. É diferente de agora, que estou 100% de saúde", garante.

Pandemia indigesta

As consequências da pandemia do novo coronavírus (covid-19) no esporte – a necessidade de interromper os treinos externos e o adiamento dos Jogos de Tóquio para 2021 – não foram boas para o gaúcho. "Foram quatro anos de muito trabalho e dedicação. Estávamos em um ritmo forte. Tivemos que ficar mais em casa, tendo cuidado para não pegar o vírus. Foi muito ruim, não só para mim, mas para todos os atletas", avalia.

(Foto: Comitê Paralímpico Brasileiro)

Não é exagero. Antes da esgrima em cadeira de rodas parar devido à pandemia, o gaúcho tinha vencido a etapa de Eger (Hungria) da Copa do Mundo. Na sequência, disputaria dois torneios em São Paulo, a etapa brasileira da Copa e o Regional das Américas – todos os eventos foram cancelados. Por enquanto, a Federação Internacional do Esporte para Amputados e Cadeirantes (IWAS, sigla em inglês), responsável pela modalidade, ainda não definiu a sequência do calendário, nem se haverá mudança nos critérios de classificação.

Compartilhar no
Fonte: Agência Brasil

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário