Futebol brasileiro: o caso de estupro por Robinho e a violência de gênero no país

10 de outubro de 1980, desde então, a data é comemorada como o Dia Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres

11/12/2020 16:27h

Compartilhar no

Em 10 de outubro de 1980, um grupo de mulheres brasileiras se reuniu na escadaria do histórico Theatro Municipal de São Paulo para protestar contra o aumento da violência sofrida pela população feminina do país.

A cada ano, desde então, a data é comemorada como o Dia Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Em outubro, também houve um grande centro de polêmica em um dos maiores clubes de futebol do Brasil e um de seus jogadores mais conhecidos.

Exatamente quatro décadas desde aquela primeira demonstração, o Santosanunciou que Robinho, um famoso produto da academia frequentemente citado ao lado de Pelé e Neymar como um dos melhores atacantes do clube de todos os tempos, estava voltando para casa com um contrato de cinco meses.

Robinho. Imagem: Reprodução/VI Images/Getty Images

Contratar um jogador livre de 36 anos que já foi bastante cotado em plataformas de cassino onlinecom um salário mensal não muito distante do salário mínimo brasileiro pode ter parecido uma opção inteligente e econômica: gerar algumas manchetes, vender algumas camisas e talvez até mesmo se beneficiar de um pouco de poder de fogo extra antecipadamente .

Esse caso certamente atraiu atenção de todos. Uma semana depois do anúncio do Santos, o clube e o jogador concordaram em suspender o contrato em meio a intensas críticas da mídia e protestos públicos, com patrocinadores ameaçando pedir demissão. Nada disso deveria ter sido uma surpresa, mas tudo pareceu pegar ambas as partes desprevenidas.

Reviravolta inesperada

Robinho deixou seu clube de infância, o Santos, pelo Real Madrid em uma transferência de £ 20 milhões em 2005, uma aposta esportiva considerada como certeira para o jovem de 21 anos proclamando que ganharia a Bola de Ouro em "dois ou três anos".

Em vez disso, 12 anos depois, em novembro de 2017, ele foi considerado culpado por sua participação no estupro coletivo de uma mulher em 2013 na Itália, onde jogava pelo AC Milan.

Imagem:Reprodução/Alexandre Schneider/Getty Images

Julgado à revelia pelo sistema judicial italiano, foi condenado a nove anos de prisão, mas nunca cumpriu pena. Robinho sempre disse que pretende provar sua inocência.

Insistência em não assumir a culpa

Robinho sempre defendeu que não é culpado. Em outubro deste ano, ele deu uma entrevista na qual alegou que a mulher estava consentindo e que seu único erro foi "não ser fiel à minha esposa". Referindo-se às pressões que levaram à suspensão de seu contrato com Santos, acrescentou: "Infelizmente existe esse movimento feminista".

No entanto, a indignação do brasileiro se baseia no fato de que os clubes de futebol do país continuam dispostos a oferecer contratos e jogos para jogadores envolvidos em investigações criminais.

As estatísticas não mentem

Estatísticas mostram que crimes envolvendo violência doméstica, desacato ou discriminação contra mulheres que resultam em morte estão em alta no Brasil, com alta de 7% entre 2018 e 2019. A violação sexual ocorre a cada oito minutos e 85% das vítimas são do sexo feminino. Ou, dito de outra forma, durante o tempo que você levou para ler este artigo, uma mulher provavelmente foi abusada nesse país.

Protesto contra violência à mulher. Fonte: Reprodução/Uol

Robinho, em meio a toda polêmica, disse que "todo mundo está me atacando", acrescentando: "Na Turquia e na Itália não houve essa repercussão. Aqui no Brasil priorizam más notícias. As pessoas só querem curtir. Eles estão me acusando sem provas. "

Sapucaia Machado, especialista em direitos das mulheres, acredita que a federação de futebol do país deve tirar o poder de decisão dos clubes e proibi-los de contratar jogadores que tenham processos pendentes por violência contra mulheres.

"O futebol emprega muitas pessoas, mas os clubes ainda agem como se a violência doméstica fosse apenas um pouco divertido e algo que todos os homens fazem", diz ela.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário