• Campanha Mobieduca
  • Teresina shopping
  • HEMOPI - Junho vermelho
  • ITNET
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att

Fifa diz que não pretende mudar entendimento de título do Palmeiras

O Palmeiras reivindica o reconhecimento por ter vencido em 1951 a Copa Rio, o que, para o clube alviverde, pode ser considerado um título mundial.

10/04/2019 19:38h

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse nesta quarta-feira (10) que a entidade internacional não pretende conceder título de campeão mundial a ganhadores de competições realizadas antes de 1960.

O Palmeiras reivindica o reconhecimento por ter vencido em 1951 a Copa Rio, o que, para o clube alviverde, pode ser considerado um título mundial.

Na saída de audiência com o presidente Jair Bolsonaro, Infantino disse que o tema é um assunto "muito complicado", mas ressaltou que o momento é de olhar para o futuro, não para o passado.

"Isso é muito complicado. Nós já decidimos quem são até 1960 os campeões do mundo. Além do mais, creio que, no Brasil e no mundo, temos de olhar para o futuro, não para o passado", disse. 

Segundo o suíço, o título do Palmeiras não foi discutido na audiência com Bolsonaro, que é torcedor do clube paulista. Ele disse, no entanto, que o tema pode ser tratado em uma "segunda visita".

Em entrevista à imprensa, o cartola definiu a reunião como "positiva" e "cordial" e relatou que discutiram os preparativos para a Copa América e para o Mundial Sub-17, realizados neste ano.

"As competições vão permitir que o Brasil fique novamente no centro do mapa do mundo do futebol", disse Infantino.

Em tom de brincadeira, ele disse que tentou jogar futebol com Bolsonaro, mas ressaltou que o brasileiro é "muito melhor" do que ele. O presidente chegou a fazer embaixadinhas no encontro.

Também presidente no encontro, o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Rogério Caboclo, disse que foi pedido a Bolsonaro um apoio institucional para a realização das competições no país.

Segundo ele, o governo federal contribuirá com apoio em segurança e logística, mas não haverá aporte financeiro aos eventos esportivos.

"O que nós colocamos ao presidente é a nossa vontade e desejo de desenvolver o futebol, de mudar o futebol de patamar na economia nacional", afirmou.

Para ele, os clubes brasileiros precisam arrecadar mais recursos e diversificar as fontes de receita para que consigam evitar que grandes jogadores deixem o Brasil.

"Com a noção de um sistema profissional de gestão no futebol, os clubes passam ao patamar de poder receber investimentos [estrangeiros]", disse.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário