• cachoeir piaui
  • Campanha salao
  • APCEF
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

O colorido intenso das telas de Evaldo Oliveira

O colorido intenso das telas e Evaldo Oliveira destacam o corpo humano em suas nuances plurais

29/01/2019 11:04h - Atualizado em 29/01/2019 11:09h

O traço simples, mas ao mesmo tempo sofisticado, do artista plástico Evaldo Oliveira, com cores intensas, traduz a visão do artista de um mundo imaginário e singular. Sua arte é figurativa, mas o centro desse caleidoscópio é o corpo humano, com suas nuances plurais. 

“A não ser o corpo como temática, meu trabalho não se resume a uma unidade.  O corpo é e sempre será a expressão das emoções, o veículo dos desejos. Assim, o cromatismo corporal se revela e pulsa, encetando ao estilo do artista, fazendo o colorido das formas atrair o olhar do expectador, conectando realidade e imaginação", observa.

O colorido de suas telas chama a atenção, pelo jogo de cores, pelo emaranhado que desperta os sentidos de crianças e adultos: "Eu adquiri esse colorido por influência, já que sempre fui um admirador  do artista plástico espanhol   Joan Miró, Fiquei apaixonado pela simplicidade de seus traços, que tanto lembram desenhos de crianças. Eu também me encantei pelo jeito que ele usa as cores", acentua Evaldo Oliveira.

Ele ressalta que como aprendeu a desenvolver algumas técnicas de pintura, passou a misturar as cores de maneira a aproximá-las com harmonia - mas lembra que também gosta muito dos contrastes: "Esse colorido deixa o trabalho mais alegre, e estamos, mas gosto muito dos contrates também. As cores deixam o  meu trabalho mais alegre… E a gente está vivendo um período já tão conturbado…", observa.

Evaldo Oliveira reconhece que o mercado de arte no Piauí ainda é um pouco tímido, mas que já há um crescimento sinalizado, e isto graças  ao surgimentos de galerias "e  pessoas gabaritados no âmbito das artes visuais e outras linguagens. O que me leva a continuar pintando é prazer de fazê-lo, o que está nas minhas veias, até mesmo porque venho de uma família em que a linguagem artística é muito acentuada", conclui.

Por: Marco Antônio Vilarinho

Deixe seu comentário