• SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

Filme trash com Trump decapitado causa polêmica em Cannes

Diretor de 'When Women Rule the World' diz que o longa discute sobre pautas sociopolíticas importantes.

24/05/2019 10:03h - Atualizado em 24/05/2019 11:21h

When Women Rule the World, comédia e ficção científica com elementos de filme B, tem causado polêmica em Cannes – e fora do festival também. A principal controvérsia está logo no pôster, no qual uma mulher carrega a cabeça decapitada de um homem loiro com um boné vermelho em que é possível ler o slogan "Make America Great Again" ("Faça a América ser grande de novo", em português). Não, qualquer semelhança com o atual presidente americano não é mera coincidência.

Escrito e dirigido por Sheldon Silverstein, o longa-metragem tem o intuito de ser uma sátira política. Nele, os personagens Michael Bray (Francisco DeCun), uma figura importante de um reality show, e sua noiva russa, Maria Putin (Anna Hera), são engolidos por um vortex temporal e vão parar em 2121, anos após Donald Trump começar uma Terceira Guerra Mundial contra o líder russo Vladimir Putin e, assim, causar o apocalipse. Nessa realidade, as poucas mulheres sobreviventes se isolaram dos homens, culpando-os de terem destruído o mundo. Enquanto elas vivem juntas em uma vila protegida por guerreiras, eles moram no deserto.


Foto: Divulgação

A sinopse oficial provoca: "O que acontece quando dois casais do presente se envolvem com amazonas que odeiam homens e homens que odeiam mulheres no futuro? Eles podem ensinar a esses homens e mulheres do novo mundo o valor do amor? Eles podem voltar ao presente a tempo de avisar às pessoas sobre como o futuro pode ser?".

Em entrevista com o The Hollywood Reporter, Silverstein disse que a sua produção discute temas sociopolíticos alinhados a movimentos como o #MeToo e o Time's Up, que denunciam casos de assédio em Hollywood, e comenta sobre a masculinidade tóxica. A equipe do filme está presente no Festival de Cannes para procurar um distribuidor.

Fonte: Revista Monet

Deixe seu comentário