• Natal
  • Policlinica
  • Motociclista
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

'Atriz de mão cheia', diz Antônio Fagundes sobre Grazi Massafera

"Grazi é uma pessoa muito querida, simpática, agradável e bem humorada", elogiou o ator

03/09/2019 18:57h

A amizade entre Alberto (Antônio Fagundes) e Paloma (Grazi Massafera), tem deixado Nana (Fabíula Nascimento) e Diogo (Armando Babaioff) revoltados na novela "Bom Sucesso" (Globo). A relação do fundador da editora Prado Monteiro com sua secretária pessoal, no entanto, cativou o público.

Fagundes, 70, elogia o trabalho da companheira de cena: "Grazi é uma pessoa muito querida, simpática, agradável e bem humorada. É uma atriz de mão cheia, está no auge da carreira e ainda vai crescer muito mais. Ela aproveita cada segundo do que o personagem permite, com sabedoria".

Massafera, 37, não esconde a alegria que sente ao trabalhar com o veterano e revela que fica ansiosa quando chega perto dele. 

"Bate um nervosismo, mas uma coisa deliciosa é que ele gosta de passar a cena antes, o que me dá mais segurança. É raro, mas aconteceu já de eu ter muito mais texto que ele durante um diálogo... Nesse dia eu não dormi, apesar de já ter decorado a cena. Fiquei nervosa para não engasgar, porque ele é um fenômeno, né", afirma a atriz, que chegou a ser presenteada com um livro pelo colega. 

O que fez com que Fagundes apreciasse e ficasse ainda mais ligado ao seu personagem foi a inserção dele no universo literário.

"É uma coincidência feliz fazer um personagem que fala de um amor da minha vida, que é a leitura. Eu realmente gosto muito de ler, e o Alberto tem esse lado bonito nele. Ao mesmo tempo, quem sabe a gente estimula parte do público espectador a arriscar um livrinho, né?", diz o ator.

Ele cita ainda uma pesquisa realizada pela Fecomércio, que constatou que mais de 80% da população brasileira jamais leu um livro na vida. Dos 20% que sobraram, a média de leitura é de um livro por ano.

"Isso é horrível. Um problema grave", constata Fagundes. "A leitura é uma experiência tão fantástica, e os autores [Paulo Halm e Rosane Svartman] têm conseguido passar isso muito bem na novela. O prazer que esses personagens estão descobrindo na leitura... Se as pessoas arriscarem, elas vão descobrir esse prazer também."

O ator ressalta que a novela cativou boa parte dos telespectadores porque os autores "estão sendo muito espertos" na forma como incentivam a leitura. 

"Não são apenas citações. Eles colocam os personagens dentro de situações parecidas com aqueles da obra literária analisada. É uma identificação que o personagem tem com o romance, que aqueles que não leram ficam curiosos pra saber a respeito e aqueles que leram reconhecem a similaridade do problema."

Além de celebrar o mundo dos livros, "Bom Sucesso" é uma celebração à vida, acredita Fagundes. Ele cita o livro "A Morte é Um Dia Que Vale a Pena Viver", de Ana Cláudia Quintana Arantes, para exemplificar:

"Essa obra fala exatamente sobre isso, que a gente deve celebrar a vida até o seu último momento. Acho que a novela traz, através do meu personagem, esse prazer que a pessoa pode ter até o seu último dia. Morrer todos nós vamos, né? A única diferença do Alberto pro resto da população é que ele sabe mais ou menos quando vai ser." 

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário