• Clínica Shirley Holanda
  • Semana do servidor
  • Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Reggae autoral é atração no Clube dos Diários

O grupo Cochá lança seu primeiro CD ao vivo, a partir das 19h

31/07/2013 10:37h

No palco do projeto Boca da Noite, desta quarta-feira no Clube dos Diários, o comando fica a cargo do reggae, com a banda Cochá. O grupo lança seu primeiro CD ao vivo, a partir das 19h. Os integrantes do grupo deixam claro que a ideia é fazer todo mundo dançar e participar ativamente do evento que já divulgou e consagrou muitos músicos piauienses.

 O nome Cochá é uma referência ao termo “Corisco na Chapada”. Genuinamente piauiense, a banda procurou esse significado para deixa-la ainda mais localizada no estado. Em atividade desde 2006, a banda coleciona sucessos juntos ao público piauiense, arrastando muita gente descolada para suas apresentações. Respeito, amizade, amor e paz são os principais temas de suas composições: todas autorais da própria banda.

“Como um Rasta faz”, “A flor de um mundo melhor” e “Kaya na mente” são algumas músicas responsáveis pelo reconhecimento da banda junto ao grande público. “Kaya na mente”, lançada no começo da carreira em 2006, foi selecionada para integrar uma coletânea que será lançada com os principais sucessos de artistas piauienses.

A banda já é conhecida em diversos municípios do Piauí, em decorrência de apresentações difundindo a cultura Roots. O grupo foi alvo de elogiosos comentários quando de sua apresentação em duas edições do Boca da Noite ( 2007 e 2009), Salão Internacional de Humor, Salipi, Barra Summer Festival e no Verão no Litoral. Atualmente a banda é formada por Luís Paulo, vocal e guitarra base; Zaqueu, teclado; Panda, bateria; Amara, contrabaixo; Victor, guitarra solo; Marcelo, trompete e Adriano, trombone.

Para os integrantes da Cochá, há uma preocupação em mostrar que o reggae não pode continuar marginalizado, já que o ritmo, nascido na Jamaica, tem como objetivo disseminar a harmonia, o respeito ao próximo e a liberdade de expressão, nunca a violência – como pregam alguns desconhecedores da missão do regueiros.

Por: Marco Vilarinho

Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas