Roda Viva

Feitiço e feiticeiro

Feitiço e feiticeiro

09/06/2017 09:51h

Compartilhar no

Feitiço e feiticeiro

Em diversos momentos, sobretudo nos momentos de maior embate, os ministros e até os advogados têm evocado as argumentações dadas pelo ministro Gilmar Mendes em situações anteriores para rebater os comentários feitos no Plenário do TSE, durante julgamento da chapa Dilma-Temer. De repente, o polêmico ministro tem suas contradições expostas a todo o Brasil.

Como dissemos na coluna de ontem, mal as paredes dos corredores da Ufpi foram pintadas, já amanheceram riscadas. Talvez já esteja na hora de proibir a circulação de pessoas após o término das aulas. 

Erramos

Na matéria publicada na edição de ontem (8), na página 3, com título “Regina Sousa diz que Reforma Trabalhista é indecente”, há um erro. O resultado da análise na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado foi de 14 a 11, e não 14 a 1, como dito no último parágrafo do texto.

MEC retira livro de escolas

O ministro da Educação, Mendonça Filho, informou que o livro Enquanto o sono não vem, distribuído pelo Programa de Alfabetização na Idade Certa (Pnaic) para alunos de 1º, 2º e 3º anos do ensino fundamental, deverá ser recolhido das escolas públicas. No livro, um dos contos aborda o tema incesto, considerado  impróprio para crianças de seis a oito anos de idade, segundo o órgão. De autoria do escritor José Mauro Brandt, a obra é dividida em oito contos. Um deles, A triste história de Eredegalda, fala sobre o desejo de um rei em se casar com a mais bonita de suas três filhas. Diante da negativa, a menina é castigada e acaba morrendo de sede.

Nome limpo

A maior parte dos trabalhadores que recebeu dinheiro das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) usou os valores para quitar dívidas, segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O levantamento aponta que 38% pagaram dívidas em atraso e 4% usaram o dinheiro para pagar uma parte das pendências. O dinheiro foi usado para despesas do dia a dia por 29% dos entrevistados. Já 19% optaram por poupar. Outra parcela - 14% - pagou contas não atrasadas, como crediário e prestações da casa ou do carro e 13% fizeram compras.

Narguilé

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou, em segunda votação, o Projeto de Lei 41/2017, que proíbe a venda de narguilé (cachimbo fumado por uma mangueira e que usa a água como filtro) para menores de 18 anos. Agora, o projeto de autoria do vereador Alessandro Guedes segue para sanção do prefeito da cidade. Os parlamentares piauienses, que têm por hábito observar as leis aprovadas em outros estados para basear suas propostas bem que poderia copiar essa proposta.

Brinquedos em alta

O desempenho da indústria nacional de brinquedos têm crescido nos últimos oito anos. De acordo com a Abrinq, desde 2009 o faturamento cresce ininterruptamente, sempre com alta da produção nacional. Em 2016, o faturamento total da indústria (preço de varejo) foi da ordem de R$ 6 milhões sendo que a produção nacional foi de R$ 3,4 milhões. O resultado significa crescimento de 7% em relação a 2015. “Em mais quatro anos a produção nacional deverá ficar com 70% do mercado”, acredita o presidente da Abrinq.

Compartilhar no
Fonte: ODIA

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas