• Enem
  • Premium Outlet
  • Salve Maria
  • Jovens escritores 2019
  • Banner paraíba
  • AZ no rádio
  • cachoeir piaui
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner
Roda Viva

BNDES e o saneamento

Leia a coluna Roda Viva desta segunda-feira.

13/05/2019 08:33h - Atualizado em 13/05/2019 00:22h

BNDES e o saneamento

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu o papel do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social no investimento de projetos de infraestrutura social, como a política de saneamento. “O S da sigla do BNDES deverá ser traduzido como ‘saneamento’”, afirmou o ministro. A declaração foi dada durante o 31º Fórum Nacional, promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), na sede do BNDES no Rio de Janeiro. O banco afirma que vem tratando os serviços de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto como prioridade, e projeta aumento de desembolsos para o segmento nos próximos anos. Guedes disse ainda que o banco tem um papel a cumprir na reestruturação financeira de estados e municípios, nas desestatizações e no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). "Tem capital humano e coração aqui para trabalhar muito bem", disse, elogiando o corpo técnico do BNDES.

Com a hashtag #ValorizaTuaMãe, a promotora de justiça Amparo Paz lançou em suas contas nas redes sociais uma campanha com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para a violência cometida por filhos contra as mães. “Uma violência silenciosa. Porém, essa agressão dos filhos, tanto de forma física quanto moral e psicológica, também está prevista na Lei Maria da Penha [...] É um assunto que choca e é muito triste, mas precisamos falar, apoiar e ajudar essas mulheres. Recebemos muitos casos de violência enquadrada nesse contexto de relação parental, mas por ser um tipo de crime que choca e, ao mesmo tempo, muitas mães não têm coragem de fazer a denuncia, pode resultar também em mortes. Nossa intenção é alertar as pessoas e as mulheres sobre mães que são agredidas fisicamente, psicologicamente ou moralmente pelos filhos. Elas não estão sozinhas e devem denunciar”, afirma a promotora Amparo Paz, que é coordenadora do Nupevid (Núcleo de Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar) do Ministério Público do Piauí.

Lei é abrangente

"A Lei não se restringe às relações amorosas. Também vale para a violência cometida por outros membros da família, como pai, mãe, irmão, irmã, etc. - desde que a vítima seja uma mulher, em qualquer faixa etária", acrescenta a promotora Amparo.

Microcrédito

O programa de microcrédito urbano do Banco do Nordeste, o Crediamigo, atingiu a marca de R$ 3 bilhões em contratações nos primeiros quatro meses de 2019. O valor é 11,8% maior do que no mesmo período do ano passado. Desde janeiro, já foi contratado 1,4 milhão de operações com microempreeendedores dos nove estados nordestinos e norte de Minas Gerais e do Espírito Santo, 5,7% a mais do que o registrado no ano passado. 

R$ 312,7 mi para o Piauí

Somente no Piauí, R$ 312,7 milhões foram desembolsados, por meio de 142 mil operações. O superintendente de Microfinança e Agricultura Familiar do Banco do Nordeste, Alex Araújo, ressalta que a previsão é de incremento das contratações até o fim do ano. "Os micro e pequenos empreendimentos reagem mais rapidamente às melhoras da economia e temos visto esse movimento de crescimento da demanda desde o ano passado. Temos uma excelente expectativa para o Dia das Mães e estamos preparados para o segundo semestre. O Crediamigo tem feito uma enorme diferença no desenvolvimento do empreendedorismo no Nordeste”, afirma.

3º maior do mundo

O Crediamigo é o maior programa de microcrédito orientado da América do Sul e o 3º maior do mundo. A metodologia destaca-se por oferecer o recurso financeiro associado a acompanhamento e orientação para sua melhor aplicação. O programa disponibiliza capital de giro para investir em móveis, utensílios, máquinas e equipamentos, reformas de instalações e seguros de vida. O microcrédito atende pessoas que trabalham por conta própria, individualmente ou reunidos em grupos solidários, que atuam nos setores informal ou formal da economia, no comércio, serviços e indústria. A modalidade não exige comprovação de renda e o recurso é concedido de forma desburocratizada.


Deixe seu comentário