• Enem
  • Premium Outlet
  • Salve Maria
  • Jovens escritores 2019
  • Banner paraíba
  • AZ no rádio
  • cachoeir piaui
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner
Roda Viva

A campainha queimou...

Leia a coluna Roda Viva desta quinta-feira.

17/04/2019 14:18h

A campainha queimou...

Foi tumultuada a sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Federal que iria votar, nesta quarta-feira (17) o parecer sobre a reforma da Previdência Social. O presidente da comissão, Felipe Francischini (PSL-PR), decidiu adiar a votação para a próxima semana, atendendo a uma solicitação do relator, deputado Marcelo Freitas (PSL-MG). O governo Bolsonaro temia uma derrota já na comissão, que é a mais importante da Casa. O motivo? A falta de consenso entre os partidos sobre vários pontos polêmicos e impopulares da proposta. Um exemplo é o trecho que prevê o fim do pagamento, pelas empresas, da multa de 40% sobre o FGTS nas rescisões contratuais de trabalhadores já aposentados. O texto também estabelece que, ao se aposentar, o trabalhador não terá direito a novos recursos do FGTS. Esta mudança não gerará, na prática, nenhuma economia para o Governo, mas apenas beneficiará os empregadores, em detrimento dos empregados. Não à toa, o texto da reforma tem recebido críticas até de partidos do chamado "centrão", sem os quais o governo jamais conseguirá a aprovação da reforma. O presidente Bolsonaro e seu ministro Paulo Guedes prometeram acabar com os privilégios dos que ganham mais. No texto enviado ao Congresso, porém, é possível encontrar muito mais pontos que prejudicam justamente os mais pobres. A fala do presidente Francischini durante a sessão desta quarta-feira na CCJ retrata muito bem a dificuldade que o governo já enfrentou e ainda vai enfrentar para conseguir a aprovação da reforma: “A campainha queimou, não tenho nem a campainha mais pra tentar colocar ordem!”

Na última terça-feira (16), o tenente-coronel do Exército Nixon Frota, que é assessor da Secretaria Nacional de Segurança Pública, recebeu em seu gabinete o deputado federal Marcos Aurélio Sampaio (MDB) e os deputados estaduais Themístocles Filho, Henrique Pires e Carlos Augusto, coronel da PM-PI, além do delegado da Polícia Civil do Piauí Anchieta Nery, que atua junto à Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Segundo Marcos Aurélio, a reunião teve o objetivo de pedir a Nixon um maior apoio do Governo Federal à segurança pública do Piauí. O tenente-coronel do Exército esteve no comando do 25º Batalhão de Caçadores entre 2017 e 2019, e deixou o posto justamente para assumir o cargo em Brasília.

Defesa do BNB

"É uma decisão do Governo Federal. Como é que o Congresso Nacional pode impedir? Se posicionando contra em votações, em tudo o que acontece. Não é um senador isolado, não é dois, não é três. É a junção de todos" - o deputado Themístocles Filho (MDB), sugerindo uma estratégia aos parlamentares do Nordeste para evitar a privatização ou extinção do Banco do Nordeste (BNB), medidas que estariam sendo cogitadas pelo governo Bolsonaro.

Congresso de secretários

O IX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Piauí acontecerá nos dias 22 e 23 de abril, num hotel da capital. Este ano o tema do evento é “O SUS que queremos para o Piauí”. Enquanto a 6ª Mostra de Experiências Exitosas terá como tema: “Piauí: aqui tem SUS”.

Árvores no aeroporto

O Ministério Público do Estado do Piauí(MPPI), por meio da 24ª Promotoria de Justiça de Teresina, promoveu, nessa terça-feira(16), reunião para tratar da retirada e poda de árvores localizadas no Aeroporto de Teresina. O diálogo foi coordenado pelas promotoras de Justiça Gianny Vieira e Denise Aguiar. "A empresa Infraero Aeroportos solicitou a retirada de 15 árvores localizadas dentro do aeródromo e a poda de 33 árvores que estão violando a superfície de transição dos aviões. O Ministério Público foi oficializado com laudo técnico para dar o parecer", explica Olavo Braz, secretário municipal de Meio Ambiente.

"Se eu não vou fazer campanha com o Ciro, naturalmente não vou fazer campanha com quem estiver ao lado dele" - o ex-deputado estadual Robert Rios Magalhães (PDT), ao ser questionado sobre a possibilidade de se aliar com o prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB) no pleito de 2020.


Deixe seu comentário