OAB Notícias

OAB debate sobre a defesa dos Quilombolas, Povos Indígenas e Comunidade Tradicionais

O encontro discutiu a importância de ações que priorizem os direitos humanos dessas comunidades

01/09/2021 19:10h

Compartilhar no

Na manhã desta sexta-feira (10), o Presidente da OAB Piauí, Celso Barros Coelho Neto, esteve reunido com o Advogado George Magno Carvalho, membro do Núcleo de Defesa dos Quilombolas, Povos Indígenas/Originários e Comunidades Tradicionais da Seccional Piauí. A reunião, que também contou com a participação do Diretor-Tesoureiro, Einstein Sepúlveda, debateu sobre a importância de ações que priorizem os direitos humanos dessas comunidades.

O Núcleo foi criado em agosto deste ano e é veiculado à Comissão de Direitos Humanos. A iniciativa surgiu, primeiramente, a partir de demandas da população Quilombola na cidade de Piripiri, que contém na região comunidades multiculturais. A partir daí, o debate se estendeu também para as questões dos povos Indígenas/Originários, Ciganos e Comunidades Tradicionais.

Celso Barros Coelho Neto ressaltou a importância da construção de debates e ações que envolvam estas comunidades e o meio em que vivem. “É sempre importante lembrarmos que estas comunidades contribuem significativamente com a sociedade e o meio em que vivemos, por isso, devemos nos envolver nessa luta, priorizando sempre a defesa dos direitos humanos” afirmou o Presidente.

O Diretor-Tesoureiro da Seccional, Einstein Sepúlveda, comemorou a iniciativa. “É muito pertinente que façamos debates como este, traçando estratégias para ajudar estas comunidades” disse.

Entre as problemáticas discutidas, George Magno expôs a preocupação com a crescente irrupção a terras pertencentes a esses povos. “Existe grande preocupação com as mineradoras, que vem atingindo as comunidades da região sul do estado. Em âmbito nacional, a demarcação das terras indígenas que vem sendo atacada constantemente. Nossa conversa buscou planejar estruturação e a atuação da OAB mediante este cenário tão significativo”, explicou.

Para participar no Núcleo de Defesa dos Quilombolas, Povos Indígenas/Originários e Comunidades Tradicionais, o Advogado(a) deve se inscrever na Comissão de Direitos Humanos e demonstrar o interesse em fazer parte do núcleo.

Acesse requerimento aqui.

“Nosso estado, muito diverso, possui demandas extensas, de norte a sul, e o Núcleo precisa de pessoas para planejar e construir ações que promovam mudanças positivas nas famílias destas comunidades”, ressaltou George Magno.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário