• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Notícias Megazord

30 de julho de 2018

Sete filmes de ficção científica que você precisa assistir

De 2001 – Uma Odisseia no espaço a Interestelar, propomos uma lista com os melhores filmes do gênero.

Olá, “amantes da sétima arte”! Neste post trazemos uma lista com o que consideramos ser alguns dos melhores filmes de ficção científica com as temáticas de viagem espacial e vida extraterrestre. Os longas de ficção científica são sempre uma boa aposta para quem gosta de temas relacionados à exploração espacial, a evolução da tecnologia e sobre vida alienígena.

Para construir essa lista, elencamos aqueles filmes que abordam a temática a partir de um viés realista. Por isso, filmes que se encaixam no gênero da fantasia foram descartados (quem sabe faremos uma lista no futuro com esses, o que você acha?).

Assim, seguem abaixo algumas das indicações para quem gosta do gênero e também para aqueles que não conhecem e buscam dicas de longas para assistir.

2001 – Uma odisseia no espaço (1968)


Foto: Divulgação

O filme, do revolucionário Stanley Kubrick, fala sobre as tecnologias a partir de um sentido filosófico, abordando a questão do avanço destas tecnologias em um viés evolutivo.  O enredo do longa não inicia diretamente no espaço e, sim, aborda o tema desde a curiosidade dos primatas com um monólito até chegar finalmente à exploração espacial.

O filme também aborda como os computadores passam a ser uma parte central do convívio humano. É considerado o precursor de todos os filmes de ficção científica espacial e recebeu diversas homenagens em vários longas sobre o tema. A película, diferentemente do que estamos acostumados a ver, tem um andamento lento, refletindo um método comum para a época.

Contato (1997)


Foto: Divulgação

O filme adaptado da obra homônima do astrônomo Carl Sagan, conta a história da cientista Ellie Arroway (Jodie Foster). Apaixonada por rádios de alta frequência desde a infância, a cientista passa boa parte da vida buscando a comprovação de que há vida fora da Terra. O título do filme faz referência ao contato estabelecido entre a cientista e seres extraterrestres de inteligência superior à humana. O longa alia também de forma excelente temas que parecem caminhar separadamente, como a religião e a ciência, que são representados pelos papéis de Ellie e Palmer Joss, interpretado por Matthew McConaughey.

A Chegada (2016)


Foto: Divulgação

A Chegada é um espetáculo à parte para quem gosta de filmes de ficção científica. A trilha sonora (criada por Jóhann Jóhannsson) é meticulosamente casada com as cenas que remetem ao mistério da vida extraterrestre, rendendo ao filme o Oscar de Melhor Edição de Som em 2016. Um dos pontos altos do longa fica a cargo do momento em que a concha (a nave espacial) aparece pela primeira vez na tela. É de tirar o fôlego!

Para além disso, o longa aborda a existência da vida alienígena a partir de uma perspectiva pouco comum, como a aparência não humanoide dos octópodes e a forma como a comunicação é estabelecida entre a linguista Dra. Louise Banks (Amy Adams) e as criaturas. O modo como a trama é conduzida é outro ponto forte do longa, que tem a direção impecável de Denis Villeneuve.

Interestellar (2014)


Foto: Divulgação

Quem não ama Christopher Nolan, não é mesmo? O diretor responsável por reviver a saga do Batman, conduz Interestelar de uma forma espetacular. O filme, no entanto, não foi unanimidade entre os críticos na época de seu lançamento. Talvez esse seja o longa mais controverso dessa lista, pois, assim como Dornie Darko, não entrega tudo ao final da trama e deixa uma dúvida pairando na cabeça do espectador (o que não foi bem visto por parte da crítica e do público).

A história é contada a partir da perspectiva de Cooper (Matthew McConaughey), um ex-piloto da NASA que é obrigado a abandonar a profissão após um colapso no planeta Terra. A história pode ser dividida em três momentos, dos quais mencionaremos apenas dois para não dar spoiler: apresentação da realidade na Terra durante a escassez de alimentos e a viagem espacial de uma equipe de astronautas em busca de alternativas para a sobrevivência da humanidade. Atenção para a trilha sonora de Hans Zimmer.

Alien: O oitavo passageiro (1979)

Foto: Reprodução

O filme que inaugura a saga Alien, e o primeiro dirigido por Ridley Scott (também responsável pela direção de Alien Convenant de 2017), é uma obra importante para quem gosta de filmes sobre ficção científica, em especial sobre vida alienígena. O longa gira em torno da sobrevivência da tripulação da nave Nostromo ao descobrirem a invasão de um oitavo passageiro, uma criatura extraterrestre maligna.

A subtenente Ripley, interpretada por Sigourney Weaver, é um dos pontos altos do filme. Sua atuação remonta à força feminina em uma época em que os filmes passavam longe do empoderamento feminino. O suspense, o terror psicológico e a sensação de enclausuramento são alguns dos sentimentos que acompanham o desenrolar da obra.

Gravidade (2013)


Foto: Reprodução

Vencedor de sete Oscars, incluindo os prêmios de Melhor Diretor para Alfonso Cuarón e Melhor Trilha Sonora, Gravidade é outro filme de ficção científica estrelado por uma forte personagem feminina. Sandra Bullock interpreta a Dra. Ryan Stone durante uma operação de conserto do telescópio Hubble.

O plot do filme é a forma como a personagem, uma especialista de missão sem experiência em viagens espaciais, sobrevive em meio as adversidades após perder a sua nave em uma chuva de detritos ocasionada pela explosão de um satélite russo. Sem qualquer contato com a base terrestre, a personagem busca diversas formas para retornar ao planeta. O silêncio é um dos principais artifícios utilizados na condução da sonoplastia e do próprio enredo, remetendo ao vácuo do espaço sideral.

Perdido em Marte (2015)


Foto: Reprodução

Também dirigido por Ridley Scott, o filme retrata a história do astronauta e botânico Mark Watney (Matt Damon) após ser “esquecido” em Marte pela sua própria tripulação. O filme, que não traz a temática de vida alienígena, concentra-se no modo como o personagem sobrevive no planeta vermelho enquanto o governo norte-americano decide se uma missão de resgate pode ser viável.

A forma como o personagem utiliza técnicas da botânica para plantar em solo marciano enquanto o planeta Terra se mobiliza para tentar salvá-lo (mais uma vez, Matt Damon?) é um dos pontos mais interessantes do filme. O astronauta possui uma inteligência incomum e nos faz pensar se, no lugar dele, também conseguiremos sobreviver em Marte. Eu apenas choraria deitada em posição fetal e você?

Bônus

Além dos sete filmes presentes nessa lista, outros quatro filmes sobre ficção científica espacial/alienígena também podem ser citados para você que já viu tudo e quer se aprofundar um pouco mais no gênero.

Vida (2017): O filme traz aspectos de Alien, o Oitavo Passageiro de uma forma mais atual e com uma nova abordagem da figura do alienígena. 

Wall-E (2008): Após os recursos do planeta Terra entrarem em colapso, os humanos precisam sobreviver em uma nave espacial enquanto um grupo de robôs viaja pelo universo em busca de um novo planeta habitável.

Independence Day (1996): O filme retrata o contra-ataque organizado por um grupo de pessoas após os Estados Unidos ser invadido por uma nave alienígena. 

Guerra dos Mundos (2005): O longa inspirado no livro homônimo de H. G. Wells retrata a luta pela sobrevivência de uma família após o planeta Terra ser invadido por múltiplas naves alienígenas. 


Por: Nathalia Amaral 

26 de julho de 2018

Túnel do tempo: Joe e as baratas completa 22 anos de lançamento

Túnel do tempo: Joe e as baratas completa 22 anos de lançamento

O longa chama atenção por ‘dar falas as baratas’ e pelo modo como elas interagem com o personagem principal ao longo da história.

Polêmico e ousado, considerado por alguns um filme engraçado e por outros ‘super nojento’. Joe e as baratas (Joe’s apartment) estreava a 22 anos atrás, em 26 de julho de 1996. O longa chama atenção por ‘dar falas as baratas’ e pelo modo como elas interagem com o personagem principal ao longo da história.  Se você nasceu antes dos anos 2000, talvez se lembre do filme, que costumeiramente era exibido pelo SBT.


Foto: Reprodução/Tumblr 

Um destaque do filme são as cenas musicais protagonizadas pelas próprias baratas. Para que essas cenas fossem o mais real possível, o diretor do filme John Payson, reuniu em um laboratório mais de 2.500 baratas de diferentes tipos. Observando os movimentos e as estudando detalhadamente, ele pode criar, através de computação gráfica, as companheiras de apartamento do Joe.

Joe’s Apartment foi o primeiro filme produzido pela MTV e teve orçamento de U$ 13 milhões. A produção foi baseada em um curta-metragem exibido nos intervalos da emissora. O longa foi distribuído pela Waner Bros. A produção tem enredo simples e uma fotografia centrada na festa que as baratas fazem em meio toda a sujeira no apartamento de Joe. Com 80 minutos de duração, o filme que não é lá a melhor produção de Hollywood, promete boas risadas. P.s: Se você tiver fobia a baratas ou toc com sujeira, talvez esse não seja o caso.

Resumo da obra


Foto: Reprodução/Tumblr 

Joe termina a faculdade e decide se mudar de Iowa para Nova York. Mal põe os pés na cidade e é assaltado três vezes. Com apenas alguns centavos no bolso ele vai em busca de algum lugar para morar. Devido as suas condições, Joe não tem muitas opções.

Com uma ajudinha do destino, ele consegue um apartamento, do qual ele quase não terá custos. O que Joe não esperava era ter que dividir o ‘apê’ com mais de 1000 colegas, as baratas. A tranquilidade não dura muito. O dono do prédio pretende esvazia-lo para o transformar em uma penitenciária. E é nesse momento que o bagunceiro Joe se alia as baratas para sair dessa enrascada.


Por: Geici Mello 

23 de julho de 2018

Guardiões: com quase 170 mil assinaturas, fãs pedem retorno de James Gunn

Guardiões: com quase 170 mil assinaturas, fãs pedem retorno de James Gunn

O diretor foi demitido após uma série tweets antigos, contendo piadas relacionadas a estupro e pedofilia, virem à tona.

Os fãs da Marvel Studios foram surpreendidos com o anúncio da demissão de James Gunn, diretor responsável por  Guardiões da Galáxia, Vol. 1 e 2.  A decisão, divulgada na última sexta-feira (20), foi tomada após uma série de tweets antigos do diretor, contendo piadas relacionadas a estupro e pedofilia, virem à tona. 

Em nota, a Disney explicou a demissão do diretor. “As declarações ofensivas descobertas no Twitter de James Gunn são indefensáveis e inconsistentes com nossos valores”. A empresa, que é responsável pelo Universo Cinematográfico da Marvel (MCU), tem como principal público o infantil. Mas, nem todo mundo concordou com a decisão.

Um grupo de fãs criou uma petição virtual para que a Disney recontrate James Gunn. O documento já conta com quase 170 mil assinaturas. O criador da petição afirma que se a empresa fizer mesmo isso com James Gunn, deveria fazer com todos os outros diretores que já fizeram uma piada de mal gosto na vida.


james Gunn durante as gravações de Guardiões da Galaxia. Foto: Reprodução

“Se a Marvel voltasse e contratasse Gunn, isso seria ótimo, mas se tudo o que podemos fazer é provar, por assinaturas, que a Disney cometeu um erro, eu ainda contaria isso como uma vitória”, diz o texto que justifica a petição. 

Por meio das redes sociais, James Gunn se desculpou pelas piadas e disse entender o posicionamento da empresa. “De qualquer forma, essa é a verdade completamente honesta: Eu costumava fazer um monte de piadas ofensivas. Não tenho mais. Eu não culpo o meu passado, mas eu gosto mais de mim e me sinto como um ser humano mais completo e criador hoje”. 

Antes da saída, James Gunn estava se preparando para começar as gravações de Guardiões Vol.3. Com a legenda “Screenplay”, o diretor publicou em suas redes sociais uma foto do que parece ser o roteiro pronto do terceiro filme.

Sem um nome oficial para comandar o terceiro filme, Guardiões da Galáxia Vol.3 segue em pausa. O que temos confirmado até o momento é o retorno dos guardiões em Vingadores 4. E o que será daqui para frente? Só esperando para saber. 


Por: Geici Mello 

22 de julho de 2018

Crítica: The Handmaid’s Tale e a figura feminina na 2ª temporada

(ALERTA DE SPOILER!)

 A segunda temporada da série The Handmaid’s Tale mantém o excelente nível da primeira, alcançando um feito que não é tão comum na televisão norte-americana. Nessa temporada, finalmente vemos a revolta com o novo sistema gerar algum tipo de reação e acompanhamos a evolução de personagens importantes para o enredo (que são responsáveis pelas melhores cenas!).

Se antes sentíamos uma sensação de sufocamento e repulsa ao observar os constantes estupros contra as Aias, que, mesmo sob constante violência, continuavam presas ao sistema (salvo raras exceções), nessa temporada, essas sensações são acompanhadas por um sentimento de inquietação e angústia com as ações orquestradas pelos resistentes, integrantes do movimento Mayday, que lutam pela derrubada da República de Gilead.

E onde a figura feminina entra nessa história? EM ABSOLUTAMENTE TUDO. Toda a narrativa da série é voltada para a figura feminina e para a (não) submissão das mulheres em uma sociedade governada por homens. Nesta temporada, isso fica ainda mais evidente através do papel de June/Offred, Emily/Ofglen, Serena Joy Waterford e (pasmem!) até mesmo de Rita, a Martha (governanta) da casa dos Waterford.


Fotos: Reprodução

A personalidade das mulheres dá um impulso tremendo durante a construção do arco da história. Até mesmo aquelas que antes se submetiam ao governo de Gilead, de alguma forma passam a tentar subverter o sistema em favor das mulheres. Um dos pontos altos da narrativa é a evolução do personagem de Serena Joy Waterford, uma das principais mentes por trás do golpe que derrubou o governo e que se mantinha em um papel secundário, subordinada ao marido.

Serena é, definitivamente, a personagem com maior evolução nesta temporada. A insistência de Serena por um filho/a é constantemente substituída pela preocupação com o futuro das mulheres dentro do regime. A personagem chega a infringir diversas regras da teonomia, subvertendo os papéis de gênero determinados pelo governo de Gilead. Em alguns momentos, é percebida certa dose de sororidade entre a personagem e Offred, mesmo que ainda tímida.

Emily/Ofglen também evolui dentro da narrativa da segunda temporada. Pela primeira vez somos apresentadas à história da Aia, considerada uma “traidora de gênero” por ser lésbica. Professora universitária, Emily/Ofglen é obrigada a permanecer nos EUA enquanto a mulher e o filho são enviados ao Canadá. A fisionomia tranquila de Emily/Ofglen (um dos pontos fortes da atuação de Alexis Bledel) esconde perfeitamente a insubmissão da ex-professora ao regime. A Aia é um dos papéis que apresentam maiores surpresas nesta temporada e é também a única a reagir ao sistema “na mesma moeda”.

Rita, a Martha da mansão Waterford, também é uma grata surpresa durante a construção do enredo. Durante a primeira temporada, a governanta era uma incógnita para o público, por não deixar explícito o seu posicionamento a respeito do novo governo. No entanto, nessa temporada, Rita finalmente demonstra a insatisfação com o regime e cria laços de afeição com June/Offred, tendo um papel crucial na finalização desse arco.

A personagem de June/Offred continua em ascensão desde o primeiro episódio da primeira temporada. A atuação de Elizabeth Moss é fantástica por vários motivos, entre eles por conseguir dizer muito através da linguagem corporal e facial, especialmente nos momentos de maior tensão. As camadas que compõe a personagem foram construídas milimetricamente durante essa temporada e, além do núcleo que inclui Luke, Moira e Hannah, também somos apresentados à mãe de Offred, uma médica feminista enviada às colônias no início do golpe de Gilead.

Além dessas personagens, outras tantas como Tia Lydia, Janine/Ofwarren e Eden (a esposa de Nick), compõe um núcleo feminino forte responsável pelos principais diálogos e plot twists presentes no roteiro. A construção das personagens é tão crível que muitas vezes nos pegamos nos perguntando se aquela história poderia acontecer na vida real.

A segunda temporada é fantástica por muitos motivos, mas a figura feminina tem um papel de suma importância na forma como a narrativa vai sendo construída ao longo dos 13 episódios. Apesar de ter um roteiro consistente, a história talvez não teria o mesmo impacto se não fosse pelas multidimensões nas quais são construídas as personalidades das principais figuras femininas da série.

The Handmaid’s Tale continua sendo uma boa aposta para quem curte distopias. Para além disso, também é uma ótima história sobre empoderamento feminino, feminismo e a figura da mulher na sociedade atual.

Resumo da série

Para quem ainda não conhece, The Handmaid’s Tale é a nova série queridinha do público e, principalmente, da crítica. A história se passa em um futuro distópico em que um grupo religioso aplica um golpe no governo norte-americano, instaurando um governo totalitário baseado na religião, a República de Gilead.  Baseada no livro homônimo da escritora Margaret Atwood, a série conta a história de June, uma mãe que é separada da filha e do marido, e é obrigada a procriar (estuprada!) para a família de um dos comandantes da República de Gilead.

Após conquistar oito Emmys e dois Globos de Ouro em 2017, a segunda temporada de The Handmaid's Tale repetiu o sucesso da primeira e foi indicada para nada menos do que vinte categorias do Emmy Award 2018, concorrendo com outros seriados de renome como Game of Thrones, produção do canal HBO.


Por: Nathalia Amaral 

20 de julho de 2018

Megafriend: indicações para conferir no fim de semana

No dia do amigo, o Megazord tem uma playlist de filmes e séries com os melhores amigos das telonas e telinhas.

Sexta-feira é dia de playlist, indicações de filmes e séries para ver no fim de semana. Mas, essa não é uma sexta qualquer. 20 de julho é considerado o internacional do amigo e da amizade. 

Pensando nisto, nossa primeira playlist é comandada pelas grandes amizades. Sabe aquele amigo que está do seu lado para o que der e vier, literalmente? Na riqueza e na pobreza, além de na saúde e na doença. Então! Prepara a pipoca e junto os amigos, de ação a animação , separamos algumas indicações. 

  • João Grilo e Chicó - Auto da Compadecida (2000)


Selton Mello e Matheus Nachtergaele dão vida aos dois amigos. Foto: Reprodução

Um nordestino corajoso/mentiroso e o outro o maior covarde da região. Juntos, eles vagueiam pelo sertão nordestino vivendo de "negócios e alguns golpes". O filme, que é uma adaptação da obra de Ariano Suassuna, mostra a amizade dos dois sertanejos e apresenta ao público aspectos culturais e religiosos do Nordeste do Brasil.

  • Lloyd Christmas e Harry Dunne – Deby&Lóide (1995)


Jim Carrey e Jeff Daniels interpretam os dois amigos atrapalhados. Foto: Divulgação

Um clássico da comédia mundial, o filme conta a história de dois amigos atrapalhados que encontram com uma mala e na tentativa de entrega-la a dona, descobrem que está cheia de dólares. A partir disso os dois se envolvem em uma grande confusão, que garante ao público muitas risadas.

  • Harry, Hermione e Rony – Harry Potter (2001-2011)


"Sempre vocês três", frase do filme que se refere ao trio inseparável. Foto: Reprodução

A história dos três bruxos de Hogwarts pode ser acompanhada ao longo dos oito filmes da franquia. O trio que conquistou milhares de fãs em todo o mundo se unira para salvar o ‘mundo mágico’ do lord das trevas, ou melhor, daquele que não deve ser nomeado. 

  • Dom e Brian – Velozes e furiosos (2001-2017)

See you again de Wiz Kalifa foi a trila sonora que marcou a despedida de Dom e Brian. Foto: Reprodução

O filme tem como pano de fundo os rachas de rua.  Brian O'Conner  (Paull Walker) é um policial que se infiltra no submundo dos rachas de rua para investigar uma série de furtos. Enquanto tenta ganhar o respeito e a confiança do líder Dom Toretto (Vin Diesel). Dom e Brian se tornam melhores amigos e ao longo de dezesseis anos dividem as ruas com seus carros turbinados.  Apesar dos oito filmes na franquia, a indicação desse post é bem especifica, para o Velozes e furiosos 7. O filme marca a despedida de Paull Walker do papel de Brian. 

  • Buzz e Woody – Toy Story (1995-2010)


Foto: Reprodução

Woody era o boneco preferido de Andy até o Buzz Ligthtyear chegar. A animação da Disney conquistou fãs por toda a parte com a história das aventuras dos brinquedos de Andy. Após oito anos do lançamento do último filme, a Disney confirmou ‘Toy Story 4”, que tem lançamento previsto para 2019. As aventuras de Buzz, Woody e toda a turma continuam. 

  • Max e Caroline – 2 Broke Girls (2011 -2017)

Foto: Reprodução/CBS

No quesito seriados, a indicação é 2 Broke Girls. Duas mulheres totalmente diferente que se tornam melhores amigas. Max é garçonete e babá, sua conta bancária sempre anda no vermelho. Caroline é uma ex-socialite que perdeu toda sua fortuna após o pai ser preso. As duas se unem contra a pobreza para conseguir montar uma loja de Cupcakes, o que rende boas risadas ao longo de seis temporadas. 


Por: Geici Mello 

19 de julho de 2018

San Diego Comic Con: cineasta brasileiro é destaque no evento

O maior encontro da indústria do entretenimento, a nível mundial, promete grandes novidades para o segundo semestre de 2018, além dos lançamentos de 2019.

Começa nesta quinta-feira (19), a Comic Con International: San Diego (SDCC). O maior encontro da indústria do entretenimento, a nível mundial, promete grandes novidades para 2019 e para o segundo semestre de 2018. 

Um dos destaques desse ano é a participação do cineasta brasileiro Daniel Bydlowski. No evento, ele divulgará o filme Bullies. A produção conta a história de um garoto que sofre bullying na escola. Na tentativa de fugir dos valentões que o ameaçam, ele acaba encontrando um esconderijo. Se escolher ficar neste lugar, o menino terá que abrir mão de tudo, inclusive da sua família e das histórias em quadrinhos que tanto gosta.

Da Comic, a produção será apresentada no LA Shorts International Film Festival, um dos mais prestigiados festivais de cinema do mundo, que é creditado pelo Oscar, BAFTA e a Academia de Cinema do Canadá. Se vencer o festival há grandes chances de vermos o brasileiro na disputa do Oscar em 2019.


Bastidores de Bullies. Foto: Divulgação

Resumo do que já sabemos da SDCC18

Nesta edição do evento, a Disney não participará, isto por que a empresa agora tem a sua própria convenção a D23. Isto significa dizer que o público terá que esperar um pouco mais para saber das produções da empresa, incluindo o aguardado Vingadores 4, continuação de Vingadores: Guerra Infinita.

Os primeiros anúncios do evento apontam que veremos o trailer de ‘Glass’, sequência de Corpo Fechado e Fragmentado, que conta com Bruce Willis, James McAvoy, Samuel L. Jackson no elenco.

Na sessão filmes e séries de heróis, teremos o lançamento do primeiro trailer de “Aquaman”, confirmado pela DC. O trailer da segunda temporada de Iron First (Punho de Ferro) e outras séries da Netflix e Marvel.

Outra novidade, já revelada no evento, são os visuais de algumas adaptações cinematográficas, como por exemplo, Robin de ‘Os Titãs’ e de “Shazam”. Os trajes usados nas gravações estão em exibição.

Trajes originais em exibição. Foto: Reprodução/ComicBook

Tem algum filme, série, HQs ou livro que você esteja esperando novidades? Vamos acompanhar juntos!


Por: Geici Mello 

17 de julho de 2018

Estreia: trailer de ‘Hobin Hood’, pôster de Aquaman e outros lançamentos

Resumo de terça. Nada melhor do que iniciar o blog falando de algumas novidades sobre séries e filmes.

O novo trailer oficial de Hobin Hood foi liberado. Nesta terça-feira (17) a produtora Lionstage o divulgou por meio das redes sociais. O vídeo apresenta um pouco da história e treinamento de Robin de Loxley (Tagon Egerton) pelo seu comandante (Jamie Foxx). Com uma nova roupagem, contendo mais ação e dinamismo, o filme promete ser diferente do último remake lançando em 2010 pela Universal Studios. 

De acordo com a sinopse divulgada, Robin de Loxley, um guerreiro endurecido pela guerra e seu comandante mourisco montam uma audaciosa revolta contra a corrupta coroa inglesa em uma emocionante aventura de ação repleta de façanhas de campo de batalha, coreografia de luta alucinante e um atemporal romance.

Além de Tagon e Jamie, o elenco conta ainda com Ben Mendelsohn, Eve Hewson, Tim Minchin, and Jamie Dornan, e tem estreia prevista para o dia 21 de novembro de 2018. 


Aquaman

A DC Comics divulgou o primeiro pôster oficial de Aquaman, um dos filmes mais aguardados do estúdio, desde o seu anúncio. De acordo com o próprio diretor do filme James Wan, o pôster é uma prévia do conteúdo que será lançado neste final de semana, na Comic Con International: San Diego, evento que reúne grandes nomes da indústria de entretenimento, entre artistas, produtores e empresas do segmento.  Aquaman estreia em 21 de dezembro.


"A casa está chamando", diz o pôster. Foto: Divulgação

Após oficialmente divulgado na web, o cartaz que mostra Arthur Cury (Jason Momoa) debaixo d’água e cercado por diferentes peixes rendeu vários comentários. Os internautas o compararam com animações infantis, sugerindo até parcerias, como por exemplo, com Procurando Nemo. 

Respondendo aos comentários em suas redes sociais, o diretor do filme explicou alguns porquês do pôster. “Você sabe que quando está debaixo d'água, você não parece molhado? A água não está descascando a sua pele, dando-lhe a típica aparência molhada que você conhece.Confira na próxima vez que você estiver em uma piscina. (E isso conclui minha aula de ciências amadora do dia)”, brincou. 

+ Novidades

Na última sexta-feira (13), a Netflix lançou as contas oficiais da Sabrina, a nova série original da plataforma de streaming. Pelo conteúdo postado nas redes sociais o público pode conhecer um pouco do elenco e do cenário da série. Pelo visual é possível notar que a produção terá uma narração diferente do tom de comédia que conhecemos em Sabrina, A aprendiz de feiticeira (1996-2003). 


Foto: Reprodução/Instagram

O remake é inspirado na HQ 'The Chilling Adventures of Sabrina', lançada em 2015 nos EUA. A protagonista será interpretada pela atriz Kiernan Shipka (Mad Man) e deve seguir uma linha mais sombria. A data oficial de lançamento deve ser anunciando nos próximos dias na Comic Con de San Diego. 

Continuando na vibe “estreias da Netflix que estamos esperando”, foi anunciado na manhã desta terça-feira (17), a data de estreia da terceira temporada da série espanhola ‘Las Chicas del Cable’ (As telefonistas). No dia 07 de setembro todos os episódios da série estarão disponíveis na plataforma de streaming. 


Foto: Divulgação

Para você que não conhece, a série, que é uma produção original da Netflix, conta a história de cinco mulheres de diferentes partes da Espanha que vão trabalhar como “garotas do cabo” em uma empresa de telecomunicações em Madrid no ano de 1929. No único lugar que representa progresso e modernidade para as mulheres da época, elas aprendem a lidar com inveja e traição, enquanto embarcam em uma jornada em busca do sucesso. 


Por: Geici Mello