• SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia
M³

Portadores de saudade crônica

No Facebook, uma amiga propunha criar a Associação dos Portadores de Saudade Crônica.

01/06/2013 13:23h - Atualizado em 01/06/2013 13:38h

No Facebook, uma amiga propunha criar a Associação dos Portadores de Saudade Crônica. Rapidamente eu e mais uns quinze nos candidatamos a membros da dita associação. No atual momento, me arrisco a dizer que eu poderia ser a presidente da APSC. Desde março vivo a uma distância de 2.603 quilômetros dos meus filhos, da minha casa, dos meus pais, das minhas referências, dos meus amigos e de tudo o que de mais importante tenho na vida.

Um doutorado em trouxe ao Rio e, junto com a alegria de estar realizando um sonho, veio também o preço da realização do mesmo: a saudade. Mas pensando bem, antes mesmo de vir para o Rio eu já vivia imersa em saudade. Não, a saudade não é coisa nova na minha vida - faz muito, muito tempo que não vivo sem saudade. Conclusão óbvia: crescer é aprender a administrar saudades.

Enquanto nosso círculo social e afetivo é pequeno, restrito à família imediata, é fácil ter todo mundo que a gente quer por perto. Vamos crescendo e multiplicando afetos, construindo laços e abrindo oportunidades para as saudades. Sim, saudades no plural. Porque elas são muitas e diversas. A saudade que sentimos de um amor não é a mesma que sentimos dos nossos pais, nem a mesma que sentimos dos nossos filhos e nem a mesma que sentimos dos amigos queridos. Existem saudades e saudades – todas dolorosas, embora algumas sejam mais quietinhas que outras. Tem saudade até da gente mesmo – de quem a gente já foi e não é mais. Tem saudade do que não aconteceu, do que a gente queria ter vivido, do que a gente passou tão perto, bateu na trave e não viveu.

Tem saudade de todo tipo. Só não existe é saudade boa. Porque saudade é sempre esse grilinho incomodando – tá você ali todo feliz com uma conquista e pensa como sua avó ia ficar feliz de te ver chegando onde você queria, ou como aquele seu amigo que sempre torceu por você está agora tão longe, mas tão longe que você já nem consegue lembrar bem de seu rosto.

Sim, somos todos membros da Associação dos Portadores de Saudade Crônica. Esse é parte do preço que pagamos por crescer, por amar, por partilhar nossa vida e nossos afetos. E, por mais doloroso que seja, melhor a saudade do que a falta de afeto. Se a saudade é o efeito colateral de distribuir amor por aí, que venham ainda muitas saudades pra mim. 

Por: Por Clarissa Carvalho

Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas