• SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia
M³

O que dizem os números...

Alguns teóricos costumam dizer que os números podem dizer quase tudo, dependendo da leitura que fazemos deles. Os profissionais da exatas que nos desculpem, mas concordamos com essa ideia.

30/09/2013 10:58h

Alguns teóricos costumam dizer que os números podem dizer quase tudo, dependendo da leitura que fazemos deles. Os profissionais da exatas que nos desculpem, mas concordamos com essa ideia. 

Se eu disser que o salário obteve aumento de 100% pode até parecer muito, mas se eu disser que passou de R$ 50 para R$ 100, definitivamente, não será grande coisa.

É claro que o exemplo, apesar de bem simplório, foi dado apenas para ilustrar o que queremos de fato tratar hoje, neste espaço. Vamos lá!

Segundo dados de uma pesquisa inédita realizada pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), o Piauí é o estado com menor índice de femicídio, ou seja, de mulheres mortas em decorrência de conflitos de gênero.

Sabemos que a violência, galopante em todo o território nacional, ainda caminha um pouco mais devagar por essas bandas, mas não conseguimos imaginar que todos os casos noticiados todos os dias, nos mais diversos órgãos de imprensa piauienses, ainda são menores do que em outros estados.

Na pesquisa, considerando dados de 2006 a 2011, o Estado registra uma média de 2,71 vítimas para cada 100 mil mulheres. A maior taxa foi registrada no Espírito Santo: 11,24.

Não queremos levantar qualquer desconfiança acerca do estudo, muito menos com relação ao instituto. Nossa aposta, de fato, é que as mulheres continuam sofrendo caladas e deixando de buscar a justiça para punir os agressores.

Assim, sem que os casos sejam registrados nas delegacias especializadas, as mulheres continuam sendo alvos fáceis dos algozes, além de darem uma ideia distorcida da realidade. É claro que muito já avançou, mas ainda sentimos o ranço do machismo arraigado em nossa cultura nordestina. 

Se o Piauí é, de fato, o estado com menor índice de violência, comemoremos. Mas, será que esse é o sentimento das famílias da Iones (morta dentro da Adapi), da estudante Fernanda Lages, de todas as donas de casa agredidas todas as vezes que o marido chega alcoolizado em casa?

Por: Elizângela Carvalho e Clarissa Carvalho

Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas