Logosofia

Ensaios sobre liberdade – Liberdade para ser livre

Autora: Fernanda Rezende Mendonça – Goiânia/GO – Pesquisadora da Ciência Logosófica.

07/04/2019 06:44h

Compartilhar no

--

LIBERDADE, tema que há milhares de anos alimenta discussões no campo das relações humanas, econômicas e políticas, foi eleita como objeto de estudo entre jovens pesquisadores da ciência logosófica de todas as partes do País, devido à sua relevância para a fase da vida em que se encontram. Alguns resultados desse estudo, que estão publicados no livro “Ensaios sobre liberdade” (ISBN: 978-85-60232-01-7), serão agora compartilhados com você. Assim você é nosso convidado a compartilhar conosco os aprendizados e descobertas que hoje nos permitem sentir mais livres internamente.

Ensaios sobre Liberdade apresenta, de forma variada, episódios que fazem parte da vida do jovem. Retrata a luta de diferentes pessoas contra a força implacável que os pensamentos exercem sobre a vida, mostrando que é possível conhecê-los e dominá-los, selecionando aqueles que nos permitem experimentar a verdadeira liberdade: aquela que surge de dentro de nós.

--

Liberdade para ser livre

E se hoje, com toda pompa e circunstância, me fosse concedida a tão sonhada liberdade? Se me oferecessem, de graça, toda a possibilidade de ser dona de mim, de estar livre para cultuar, me expressar, consumir? Se hoje eu pudesse falar, fazer, pensar o que quisesse? Se ao fim do dia me encontrasse dona dessa possibilidade tão maravilhosa, estaria eu completamente livre?

Algumas vezes, eu sou a rainha da situação. Diante de um enorme bolo de chocolate, sem ninguém por perto além de minha inteligência — que conhece muito bem os limites do meu corpo —, me vejo livre para fazer o que quiser. E normalmente faço: como até, por fim, pensar que nunca mais na minha vida quero estar diante daquela tentação. Atendo aos meus impulsos até não querer nunca mais ser dona daquela “liberdade”. Não, não. Muito obrigada!

Quantas vezes me foi dada a liberdade de escolha — seja de profissão, seja de companhia — e eu me equivoquei na decisão, ou simplesmente me senti atada diante das inúmeras opções! Quantas vezes me permitiram fazer o que quisesse e eu simplesmente não soube o que fazer ou, pior, escolhi não fazer nada! Convivendo comigo mesma, posso afirmar que, se abolissem hoje todas as regras e convenções, ainda assim seria escrava da minha própria mente.

Vivo em um país democrático, em uma cidade bem estruturada, convivo com seres diversos, tenho acesso a toda fonte de conhecimento técnico e científico que quiser, e tenho uma família que em tudo me instrui para que eu aprenda a andar com minhas próprias pernas. E, ainda assim, não sou livre. Prendem-me o temor, o medo de errar, de não conseguir, de me frustrar. Prendem-me a ignorância, a falta de conhecimento, a dificuldade em saber que rumo seguir. Prendem-me os preconceitos, o não querer aprender, a estagnação da minha mente. Prendem-me o “que dirão”, os moldes, os pensamento de massa. Prendem-me a inércia, a falta de vontade. Prendem-me, por fim, uma série de deficiências psicológicas que me confundem e malogram meus melhores propósitos. Então, estou presa a mim mesma!

Estou aprendendo que a verdadeira liberdade não pode me ser concedida por ninguém além de mim. Se amanhã abolissem todas as regras sociais, com certeza criaríamos para 

nós mesmos o maior de todos os problemas, pois a cultura corrente não nos ensinou a pensar com liberdade, não nos ensinou a nos defender do que agride os nossos propósitos, a ter a humildade de entender que, para possuir algo, é preciso merecer.

Quão escravos somos nós, jovens, dos padrões, dos pensamentos prontos, das massas! Quão frágeis são nossas vontades diante da opinião de outros seres, às vezes tão despreparados quanto nós mesmos para emitir juízos! Quão desprotegidas são nossas mentes diante dos infinitos estímulos de diversas procedências! É preciso muita coragem para ser, de fato, diferente em uma sociedade que impõe conceitos com violência, tanto quanto com sutileza.

É preciso muito conhecimento para possuir uma liberdade real, que nos outorgue a possibilidade de conviver pacificamente em sociedade e de nos desenvolver de forma integral, sem infringir as principais leis, que são as Leis da Criação. É preciso que eu aprenda a usar a minha inteligência, para só depois querer ser livre para pensar. É preciso que eu aprenda a querer com consciência, para que só depois eu possa fazer o que quero. É preciso saber com clareza para onde eu vou — e por que — para, então, poder seguir. É preciso, por fim, muita valentia para assumir a responsabilidade de ser 

livre, para ser digna de conduzir minha vida da forma que minha consciência me indique. 

A liberdade, essa prerrogativa natural do ser humano, não deve ser buscada por mero capricho, mas pelo conhecimento de seu real sentido e das maravilhosas possibilidades que oferece quando empregada para o melhoramento individual e para o bem da humanidade. Eis aí a verdadeira liberdade!

--

Para saber mais...

Para saber mais sobre a ciência logosófica, visite e assine nossos principais canais: YouTube (www.youtube.com/logosofia), Facebook (www.facebook.com/logosofia) e Instagram (@logosofiabr), além do site oficial da Logosofia – www.logosofia.org.br.

Em Teresina (PI), a Fundação Logosófica – em prol da superação humana – está presente no seguinte endereço: Rua José Paulino, 845 - 1º andar / Sala 110 – Fátima. Mais informações pelo telefone: (86) 994529269.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas