• Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia
Garrincha

Bryam Lima é destaque no judô com kimono e sem kimono

Confira o texto publicado na coluna Prego na Chuteira no Jornal O Dia.

04/10/2019 08:30h

04 de Outubro 

Sim, entramos em outubro e nada de bola oficial bola profissional e o ano já vai no rumo de se acabar porque vem novembro e em dezembro é só correr para os abraços de Papai Noel  e nada de jogo de bola oficial ou mesmo praça porque a era agora é do celular e ninguém  quer mais jogar. A não ser  miolo de pão na boca. A gente vê jovens professores de educação física exercitando com muita rapidez só  seus dedos mas no aparelho celular que é mais usado na  hora em que você  juntar o K com o H. Mas é noutro aparelho domiciliar... E assim, o tempo passa e você vai pegando mais massa.E se arredondando mais, amigo, na poltrona e se tiver um aparelho de ar condicionado ligado você  não reclama,  rapaz  educado que foi no colégio do professor Lisandro Tito. E assim, é esta  Teresina cheia de graça e de beleza agraciada pela natureza, tenho certeza. Mas jogo de bola oficial, o futebol alegria deste povo que vai para a geral e quando volta para  casa vem pedindo para a mulher  uma coisinha  de sal... Ah, amigos, futebol é coisa séria, diz o filósofo da Cacimba Velha, o sábio Bogéa, natural de Caxias,no Ma-ranhão  mas  teresinense de  coração, hoje aposentado de quase tudo. Eu digo de quase por-que ele diz que ainda bate o centro em pelada  de amigos no Mocambinho. E por aí vai,porque  o mundo é uma bola e uma bola gigantesca,  maior de todas e nem teve começo  e nem terá fim. E o foco de nossa  coluna é a bola,  uma invenção do Senhor porque Ele é quem fez o mundo  vasto mundo redondo e pensou bem porque  se  o tivesse feito quadrado,  a gente ficava  dando cabeçadas nas paredes e tinham uns que   eram arriscados a furarem as paredes por causa de pontas penetrantes chamadas vulgarmente de   chifres. Sim, irmãozinhos, como diz o professor e peladeiro Cinéas Santos,  mas não se espantem, nem se admirem porque na realidade, chifre não existe. Isto é coisa que o povo  bota na cabeça da gente... E quando entra não quer mais sair. Uma droga ! Mas comecei falando que em outubro não entra nada de  futebol e nem de  outro esporte de bola que não seja  sinuca. Sim, estamos em 4 de outubro e nada sal, nem no profissional nem no  amadoral. Dizem que é efeito celular. Para  todo mundo dedilhar. Nada  de correr, nadar, jogar. Mexer só com os dedos. Do mindinho ao dedo anular. Mexendo no celular. Ah,meus amigos, no telefone já nem se diz mais “alô”.Agora é: “On line”. -Quem fala ? E estamos  no fim do ano e cadê River, Flamengo e Piauí ? Cadê o futebol daqui? Nem o Luis “Menez” aparece com o João Cláudio mais  o Amauri cantando “Eu vim de Piripiri”. 

Bodas de prata 

Este retrato tem 25 anos de vida. O time de cronistas piauienses no Lindolfinho. Eu, Ribinha, Fernando Said, Bogea, “o menino, Gláucio, Marquinhos, Pereira,Pedro Tamanco e Valteres com um menino. Agachados: Não sei, Herbeth  Henrique, Não sei, Loiola,  Franklin e Miro. Ainda está quase todo mundo vivo... Esporte é saúde.

Nem água tinha... 

Repercutiu negativamente a declaração do dirigente de Floriano, o Anderson Kamar, do  Cori que é também Sabbá. Dizendo ele que  o campo de um campo ainda maior  não tinha nem água para dar de beber  a quem tivesse sede como manda o livro santo. “Dai de beber a quem tem sede”  . O presidente   do time campomaiorense que  é um Marcelo de  “Paz” retrucou que foi a federação quem mudou os horários e que ele vá se queixar ao  “descambrau”. O que deixa  a gente que é cearense um pouco preocupado é com esta falta dágua denunciada pelo florianense Kamar que é até um bom Kamarada. Eu, como cearense que fui, sei que a falta dagua só  suplantada por outra  que é a falta de vergonha.

Piauí brilha na Europa 

Vamos registrar aqui o feito do nosso faixa roxa Bryam Lima que esteve há pouco tempo em Lisboa e trouxe medalhas disputando com os europeus. Ele é patrocinado pela Udined e tem honrado a pátria e o patrocinador com excelentes resultados em competições internacionais. Tem 31 anos e ele luta com kimono e sem kimono. Nesta segunda opção, não sei informar ao distinto leitorado se ele luta nu porque não me disseram e nem o Assis Paraíba de Campina Grande sabe, ele que é faixa cor de rosa, conquistada na terra do  João  Vicente Claudino. E vamos louvar esta brava rapaziada que vem dignificando o nosso judô lembrando aqueles bons tempos do judoca Benito Mussolini.   


Deixe seu comentário