• Natal
  • Policlinica
  • Motociclista
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia
Garrincha

A crise financeira avassala o esporte profissional do Piauí

Confira o texto publicado na coluna Prego na Chuteira no Jornal O Dia.

12/09/2019 08:14h

E a bola? Não rola? 

Meus amigos, a crise financeira que avassala o esporte profissional de nossa terra, o futebol, atinge a níveis desniveladores e hoje em dia não temos os finais de semana com partidas entre os nossos clubes de primeira divisão, como tínhamos antigamente, aqueles amistosos de casas cheias. E os times do Ceará, Pará, Alagoas , Maranhão, vinham para cá e os jogos de bola levavam plateias numerosas para o Lindolfo Monteiro ou para o estádio Alberto Silva e a arrecadação da  zona da Paissandu até aumentava porque depois do jogo, a negada ia para lá, a Beira Rio do Zé Paulino, ia comemorar ou mesmo lastimar dando tiro na macaca. Mas era aquela época em que a gente era feliz e não sabia e major e general mandavam em capitão e hoje o capitão manda em todo mundo mas não na Globo e todo mundo perfila em “ordem unida”  porque diz o Fofão HF, primeiro e único que “unidos seremos Fortes”. Hoje, as nossas duas praças de esportes, o Lindolfinho, da prefeitura, e o Albertão, do Estado, ficam esperando que uma bola caia do céu para no gramado rolar e os jogadores brincar e todo mundo dando pra engordar, outros engordando mesmo sem dar e o maior exemplo é o presidente da federação, Brouw Carcará, pega,mata e come. Peso pesado na balança do mercado. Hoje estou postando uma foto da época de ouro de nosso futebol, quando se fundava a FAGEP, uma criação do saudoso Alberto Silva e como nome dizia: era para dar uma assistência geral aos desportos do Piauí e o doutor Alberto nomeou o engenheiro Murilo Resende para presidente, ele aqui chegou de cigarro entre os dedos da mão e dizendo “eu vim de Piripiri”. Este ao lado do Murilo era o famoso cronista Canor Simões, fundador da ABRACE e um botafoguense da melhor qualidade. O menor do quarteto é o engenheiro da obra e não sei como era nome dele, um mineiro. E assim, o Piauí teve seu estádio monumental por obra e graça de um governador espetacular e que hoje nos nosso ”dias”, os índios procuram imita-lo. Sim e mas a bola não rola? Onde estão River, Flamengo e Piauí, os três mais falados daqui? Onde estão os herdeiros de Afrânio  Messias Nunes e de Belchior da Silva Barros? Os “meninos” do Bibiu que não renovam o Auto Esporte?  Até o Fluminense da Silva Barros não tem sido com Vicente.De Belchior. Olha o cigarro...

Tempo bom... 

Nesta foto do meu arquivo implacável, uma cena de fundação da FAGEP e o titular, Murilo Resende, dava logo o bom exemplo ao desportista local tirando retrato com cigarro na mão. O segundo era cronista paulista Canor Simões mais doutor Alberto e o engenheiro da obra. Murilo faleceu aos 88 anos, no dia 23 de abril deste ano.

Jesus ou Judas? 

O técnico de futebol, português Jorge Jesus, recentemente contratado pelo Flamengo  carioca  não deixou por menos e baixou o pau nos nossos entregadores de camisas, dizendo que os brasileiros estão arrasados no tempo e no espaço   do jogo de bola e que estavam acostumados a terem jogadores que  resolviam tudo por eles e era só botar em campo o time que os craques decidiam a parada. Com  esta declaração, ele ganhou logo a “simpatia”  dos nossos técnicos.Eles acham que ele não é Jesus. Pode ser um Judas.Para alguns “coachs” tupiniquins, este português está caçando sarna para se  coçar e quer aparecer na mídia. Ele era treinador do Benfica e ganhou cinco vezes a Taça da Liga. Sobre o seu pronunciamento tem gente que liga e gente que não liga.E se não gostar, basta desligar...

Um jogo de segunda... 

Meus amigos, a partida entre Coris-sabá de Floriano e Timon, do Maranhão, será às oito da noite de segunda-feira, no campo da prefeitura de Teresina, no Piauí, antes da novela da Maria da Paz. Uma refrega inter-municipal e inter-estadual e o rio Parnaíba no meio unindo nós e eles. O dia pode até não ser normal para se jogar bola oficial porque segunda-feira não é mesmo dia de jogo, a não ser jogo do bicho. Mas é assim mesmo e o futebol é coisa séria, na afirmação do filosofo esportivo, William Bogea. E o jogo vai ser segunda-feira e muita dona de casa vai pensar que é mutreta do marido, inventando jogo  dia de segunda-feirar para poder sair,dar uma voltinha, afogar o ganso.Mas é jogo sério e com dois municípios molhados pelo rio Parnaíba, o Velho Monge. Timon cá e Floriano , lá.


Deixe seu comentário